TEM MUITA SAUDADES MORANDO EM MIM…

Parto agora como sempre com o coração feliz, com nó na garganta e já cheia de #saudades… A #emoção é mútua!

Levo comigo tantas #histórias nossas e muitas registros de fotos e vídeos que serão capazes de preencher a ambos os lados, com doces #lembranças, até nosso próximo #reencontro aqui ou aí… onde for, então será…

Enquanto isso vamos nos falando pela internet, sabendo como estamos indo e seguimos em frente, sim da pra ir matando as saudades assim. A espera se tornará mais fácil.

Sei que criamos nossos #filhos para o #mundo, o que eu não sabia era que ele era tão grande. Nem imaginei o quão longe ele é. Imenso. Do tamanho do infinito!

Ensinei vocês a #sonharem, correrem atrás, criarem asas e #voarem… e assim é!!!!

Cada #desafio encontrado, uma #aprendizagem onde precisamos #repensar muitas vezes… em busca de novos caminhos, #acredite sempre haverá uma sai. Tudo passa! E passa rápido.

Cada #conquista uma #realização, com direito a #gratidão e um brinde. Me realizo assistindo e participando das #realizações de cada sonho por vocês #conquistado. Cada vitória de vocês é minha também… tudo tão nosso.

Nosso João está #desabrochando e descobrindo um novo mundo cheio de sons e cores. Um mundo que ele tem ansiedade e pressa pra experimentar e descobrir tudooo, por dentro e por fora. Parece correr atrás do tempo perdido… não quer esperar… não quer perder tempo. Paciência!!!

Lindo poder presenciar isto tudo de perto, junto com vocês… são para poucos. Temos muito o que brindar nesta etapa da sua jornada. É longa, mas já deu a largada… e está muito veloz. Seus olhinhos espertos e vivos tem um brilho especial. Brilho cheio de #emoção.

Rápido ele aprende e observa tudo. Independente e decidido, resolve tudo que consegue ou pensa que pode. Determinado, persistente e inteligente como seus pais. Atrapalhado como muitos da nossa família, que o torna marca registrada dos nossos. Vou sentir saudades dos seus abracinhos e de ouvir ele chamando — Vem ó ó.

João tem muita sorte de ter vocês como #pais, dizem que escolhemos antes de vir, a #família vamos querer ter… ele não poderia ter escolhido melhor.

É muito bom ele poder estar com vocês num País de primeiro mundo, onde a saúde é levada a sério, e ele poderá ter todos os tratamentos mais modernos, os melhores do mundo. Tudo se encaixando!Ter vocês como pais… atenciosos, #amorosos, #dedicados, preocupados, atentos, trabalhadores, persistentes, pacientes, informados, corajosos e #resilientes… ele não poderia ter escolhido melhor. Parabéns pelo empenho de vocês, continuem assim dialogando, #companheiros de viagem… parceiros em tudo, se #amando, se #protegendo, #cuidando e se #respeitando sempre. João só terá do que se orgulhar.

Família é o bem mais preciso que temos na #vida!

Foi um previlégio poder participar de tantas coisas boas com vocês… Este foi um grande ano.

Obrigada por tudo, desculpa alguma coisa… sabe como é tanto tempo junto, as vezes dá umas estressadinhas rsrsrs.

Saiba que o tempo que estivemos juntos, foram pra mim únicos e #maravilhosos. Inesquecíveis! Nossos bons #momentos ficam para sempre na #memória do coração.

Poucas #mães tem o previlégio de poder conviver por tanto tempo com a família dos filhos depois que se casam… certamente não assim, dia e noite e por tanto tempo juntos.

Deus nos deu a #distância e a saudades, sim não podermos estar juntos sempre que quisermos ao vivo e a cores durante os meses. Mas… nos reservou algo bem melhor. Corações e mente sempre unidos pelo #pensamento e pela alma… Ele nos deu de presente, algo muito maior… de tempos em tempos temos muito mais que a maioria das pessoas tem. Nos deu momentos juntos que são vividos com tanta intensidade, cheios de ternura, cuidados e amor como nunca pensamos ter.

Tudo isso é capaz de preencher nossos corações e guardar eternas #lembranças. Descobri que há momentos em nossa vida que bem o tempo é capaz de apagar. Muitas histórias construídas.

Sinto-me #abençoado por isto é tantas outras coisas que recebemos. Gratidão!

Que Deus os abençoe e proteja. Até breve. Se cuidem. Amo vocês.

PS: Cortou meu coração ver nosso Joãozinho chorar com tanto sentimento e pureza. Espero que ele compreenda que em breve estaremos juntos novamente. ❤️😍

DA VIDA, SÓ QUERO A SIMPLICIDADE…

Assim é meu lar, como descreve #Clara Baccarin

O meu castelo é de fantasia, construído dentro da #casinha simples do interior. Nele, as paredes não possuem muitos quadros, a cozinha não precisa de muitos apetrechos, os armários não guardam grandes segredos. Mas as janelas são amplas, boas de se perder a vista.

No meu #lar não sei receber visitas ilustres, cheias de etiquetas, de pompas e de mistérios. Este lar é ‘pobre’, porém limpinho. Quem chega descalçando os sapatos é bem vindo. E também são bem vindos aqueles que se deixam invadir sem medo, daquele jeito ingênuo de quem nunca percebeu as segundas intenções do mundo. Aqueles que tratam até os estranhos como ‘de casa’. E eu, se preciso, jogo mais água no feijão para fazer render a amizade e a #boacompanhia.

É que aqui, os sentimentos são antigos, talvez até antiquados, cozidos em panela velha, devem ser resultado de receita de avó. As tarefas da casa são simples, mas há de executa-las com carinho. Qualquer frescura pode ser substituída por uma boa dose de afeto. E no final do dia, uma mão lava a outra. Às vezes as roupas sujas se acumulam num canto da casa, mas a gente perde um tempo e lava tudo aqui dentro mesmo, no dia seguinte fica tudo às claras outra vez. As mágoas vão para o ralo junto com a espuma do sabão de coco.

#Davidaquero o que é #simples mas de #boaqualidade. Quero pessoas que trazem o que podem, mas se compartilham por inteiro e quando se afastam, carregam lembranças bem nutridas e corações satisfeitos.

Sou simplesmente assim como

AS DORES E AS DELÍCIAS DE SE ENVELHECER…

Este post destaca uma Roda de Conversa sobre #envelhecerbem. Leiam:

As dores e as delícias de se #envelhecer foi o tema de uma roda de conversa que aconteceu em pleno sábado (19/10/2019) à noite no átrio da #LivrariaCulturadoConjuntoNacional, em São Paulo, pelo pessoal do #GrupoTrabalho60+ com Beltrina Corte (jornalista). Antes da roda, brincaram com um flashmob musical com uma liberdade de ser invejável, porque ali estavam a fim de brincarem e protagonizarem suas velhices sem vergonha.

É isso que me encanta nas velhices que estão por aí botando suas caras. Sem vergonha de se assumirem velhos ou velhas, afinal é isso que somos, gostemos ou não. E velhos/velhas porque simplesmente vivenciamos a fase da vida chamada #velhice. Simples assim. Temos mais é que botar para fora o que nos incomoda com essas palavras e tornar a vida mais leve. Se o que nos incomoda lá no fundo é a nossa #finitude, vamos então buscar espaços para que possamos falar de nossos demônios e enxergar a velhice uma etapa de oportunidades. É isso que faz o grupo Trabalho 60+ com maestria, indo na contramão do discurso que circula por aí de que a velhice é uma fase de declínio, de degeneração, de fim de linha. E é por isso que cada vez mais venho me identificando com o grupo. É o orgulho de sermos #velhos que nos aproxima.

A convite do Grupo Trabalho 60+, especialmente da Márcia Cabral, participei da roda de conversa, junto com Eduardo Meyer (o criador do Grupo), Martha Kastrup, Natália Verdi, Ana Michela Lista Merchan e Ary Filler. Um espaço em que damos a conhecer o que pensamos, o que vivenciamos e o que observamos a respeito desta etapa da vida, em que cada um de nós é uma história, daí falarmos de velhices plurais. No meu lugar de fala, onde incorporo anos de estudo sobre o #envelhecimento mais a experiência de vivenciar aquilo que eu estudo, venho observando um fato que é muito comum no desenvolvimento da sociedade: uma distância entre os fatos e o pensamento.

Em outras palavras, entre o envelhecimento prolongado como acontecimento da vida e a maneira que pensamos sobre ele. Ou seja, vivenciamos em nosso cotidiano velhices totalmente distintas àquelas que foram vividas por nossos pais, avós, bisavós. No entanto, apesar de sermos velhos diferentes, em nossas cabeças, quando falamos de velhos ou velhices, o que nos vem à cabeça é aquela imagem antiga, onde a velhice carrega toda carga negativa do universo.

Essas imagens foram construídas ao longo de nossa história. Jérôme Pellissier, em 2013, no texto “Com que idade nos tornamos velhos” publicado no Le Monde Diplomatique Brasil já dizia, “Não é coincidência que os três discursos dominantes sobre os #idosos sejam de ordem demográfica, médica e econômica: em vez de pensar a velhice, nos concentramos no número, nos corpos e no custo”. Hoje eu me atrevo acrescentar mais um discurso, o “midiático”, que ao proclamar os “talentos grisalhos” está, justamente, mantendo a velhice e o envelhecimento na ignorância e no silêncio.

Em parte, a culpa tem sido nossa ao incorporarmos esses discursos em nossos cotidianos, e por muitas vezes negarmos a velhice, ao invés de afirmá-la, orgulhosamente, de falar sobre ela, sobre nossos medos, como lembrou Ary Filler, Márcia Cabral, Natália Verdi e Ana Michela Merchan. De pensar a velhice como oportunidade para sabermos quem somos, oportunidade para nosso aprimoramento espiritual. Oportunidade para valorizar o cotidiano, as relações, os afetos.

Na roda de conversa essa questão foi colocada, a de temor a velhice e ser velho. Mas sabemos que o enfoque excessivo nas perdas e declínio só acentua a vulnerabilidade que prejudica as possibilidades de independência e autonomia, e a aceitação da velhice como condição contemporânea de ser.

E Martha Kastrup, orgulhosamente defendeu sua idade e o título de ser velha. Ah, seria tão bom se a gente não tivesse vergonha de ser o que é!

Somos velhos contemporâneos. Não novos velhos, porque não precisamos colocar a palavra “novos” na frente de velhos para sermos aceitos pela sociedade. Simplesmente velhos contemporâneos.

Protagonistas de nossas velhices, que são plurais.

Papos como esses, em lugares abertos, deveriam ser replicados, a fim de provocar reflexões nas pessoas. De velhos e não velhos ouvirem da boca de outros velhos contemporâneos que o envelhecimento é vida e a vida se faz de polaridade o tempo todo, de perdas e ganhos, de tristezas e alegrias, de saúde-doença…, o tempo todo, e em todas as fases da vida.

Não estávamos ali para idealizar (nem negativa nem positivamente) a velhice, porque a vida é esse ciclo dinâmico. Mas o que estávamos fazendo ali, na roda de conversa, era justamente recuperando, nesse ciclo dinâmico, de que a velhice também produz coisas muito positivas. E o Grupo Trabalho 60+ é uma amostra de que os velhos podem contribuir com a sociedade.

Penso sinceramente que rodas de conversa como esta, ou como muitas que fazemos no Espaço Longeviver, é, talvez, a maior oportunidade que se poderá ter em nosso Longeviver para descobrirmos o humano que há em cada um de nós e o velho digno, e orgulhoso de si, que daí poderá sair.

Eu estou começando a fazer parte deste grupo maravilhoso.

Fonte: https://www.portaldoenvelhecimento.com.br/as-dores-e-as-delicias-de-se-envelhecer/

Roda de Conversa – Livraria Cultura com:

Grupo Trabalho 60+

Site: http://www.trabalho60mais.com.br/

Facebook: https://www.facebook.com/negocio60mais/