FAXINA!

Estava precisando fazer uma faxina em mim…
Jogar fora alguns pensamentos indesejados,
Tirar o pó de uns sonhos, lavar alguns desejos que estavam enferrujando…..
Tirei do fundo das gavetas lembranças que não uso e não quero mais.
Joguei fora ilusões, papéis de presente que nunca usei, sorrisos que nunca darei…
Joguei fora a raiva e o rancor nas flores murchas guardadas num livro que não li.
Peguei meus sorrisos futuros e alegrias pretendidas e as coloquei num cantinho, bem arrumadinhas.

Fiquei sem paciência! Tirei tudo de dentro do armário e fui jogando no chão: paixões escondidas, desejos reprimidos, palavras horríveis que nunca queria ter dito, mágoas de um amigo, lembranças de um dia triste…
Mas lá havia outras coisas… belas!!!
Uma lua cor de prata…o choro de meus filhos ao nascerem, seus primeiros passos, os abraços….
aquela gargalhada no cinema, o primeiro beijo….. o pôr do sol…. uma noite de amor…
Encantada e me distraindo, fiquei olhando aquelas lembranças.
Sentei no chão. Joguei direto no saco de lixo os restos de um amor que me magoou.
Peguei as palavras de raiva e de dor que estavam na prateleira de cima –
pois quase não as uso – e também joguei fora!
Outras coisas que ainda me magoam, coloquei num canto para depois ver o que fazer, se as esqueço ou se vão pro lixo.

Revirei aquela gaveta onde se guarda tudo de importante: amor, alegria, sorrisos, fé…..
Como foi bom!!!
Recolhi com carinho o amor encontrado, dobrei direitinho os desejos, perfumei na esperança,
passei um paninho nas minhas metas e deixei-as à mostra.

Coloquei nas gavetas de baixo lembranças da infância; em cima, as de minha juventude, e… pendurado bem à minha frente, coloquei a minha capacidade de amar… e de recomeçar…
Adoro esta crônica de Martha Medeiros… ela consegue dizer tudo que sinto na alma.

O VALIOSO TEMPO DOS MADUROS!

Nosso gênio literário Mário de Andrade, poeta, escritor, crítico literário, musicólogo, folclorista, ensaísta e fotógrafo brasileiro… escreveu este texto maravilhoso. Além de ter inspirador da uma boa reflexão 😉

“Contei meus anos e descobri que terei menos tempo pra viver daqui para frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro. Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.

As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa. Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana: que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, quero caminhar perto de coisas e pessoas de verdade. O essencial faz a vida valer a pena. E para mim, basta o essencial!”

A MULHER AO CENTRO DA VIDA…

Chegou ao meio da vida e sentou-se para tomar um pouco de ar. Não sabia explicar. Não era cansaço, nem estava perdida. Notou-se inteira pela primeira vez em todos esses anos. Parou ali, entre os dois lados da estrada e ficou observando as margens da sua história, a estrada da vida ficando fininha, calando-se de tão longe que ia.

Estava em paz observando a menina que foi graciosa, cheia de vida. Estava olhando para si mesma e nem notou. Ali, naquele instante estava recebendo um presente. Desembrulhava silenciosamente a sabedoria que tanto pediu para ter mais.

Quando a mulher chega à metade da estrada da vida, começa lentamente a ralentar o passo. Já notou como tem gente que adora conturbar a própria rotina, alimentar o próprio caos? Ela não. Não mais. Deixa que passem, deixa que corram, a vida é curta demais para acelerar qualquer coisa. Ela quer sentir tudo com as pontas dos dedos, ela quer notar o que não viu da primeira vez. Senhora do seu próprio tempo.

Percebeu, à metade da vida, que caminhou com elegância, que viveu com verdade, que guiou a própria sombra na estrada em direção ao amor. E como amou! Amor por si, pelos outros, amou em dobro, amou sozinha, amou amar. A mulher ao centro da vida traz a leveza que os anos teceram, pacientemente. Escuta bem mais, coloca a doçura à frente das palavras, guarda as pessoas com preciosismo. Aquela mulher já perdeu pessoas demais.

Ao meio da estrada, ela já não dorme tanto, mas sonha bem mais. Sonha pelo simples exercício de sonhar. Sonha porque notou que é o sonho que tempera a vida. Aprendeu a parar de ficar encarando as linhas do corpo. Seu espírito teso, seu riso aberto, sua fé gigante não têm rugas, nem celulite, sem encanação. Descobriu que o segredo é prestar atenção no melhor das coisas, nas qualidades das pessoas, nas belas costas que tem e deixa-las ao alcance da vista dos outros.

Sentada ali, ao centro da própria vida, decidiu seguir um pouco mais. Há mais estrada para caminhar, mais certezas para perder, mais paixão para trilhar. Não há dádiva maior do que compreender-se, que encontrar conforto para morar em si mesmo, que perdoar-se de dentro pra fora. Ao centro da vida ela descobriu que a gente não se acaba, a gente vai mesmo é se cabendo, a cada ano um pouco mais.

Foi o que Diego Engenho Novo escreveu sobre as mulheres. Eu adorei e isto me representa muito. E você gostou? Olha se puder da uma olhadinha na minha página no Instagram e Facebook e também na nova página sobre avós & netos – A voz das avós.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/02/20/de-invisiveis-a-protagonistas-os-acima-de-50-anos/

DESABAFOS!

Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.


Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.
Já tive crises de riso quando não podia.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar. Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.
Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade.
Já caí inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.


Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
Não me façam ser o que não sou. Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.

Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE! Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das ideias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes. Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos. Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:
– E daí? EU ADORO VOAR!


Adoro esta crônica de Clarice Lispector, acho que ela me representa bem. De tudo fiz e já senti um pouco… quero cada vez menos das coisas, mas fico com a essência de cada uma delas… e sigo de coração aberto, sempre.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/04/15/sou-o-que-quero-ser/. https://oterceiroato.com/2018/07/06/__trashed/

AVÓS DE HOJE EM DIA…

Sempre me senti uma vovó diferente… Uma avó com corpo e alma de criança… sim ela nunca deixou de existir dentro de mim… vira e mexe ela desperta e sai pra fora. Não acho isso nada ruim, muito pelo contrário me sinto mais próxima dos meus netos que vivem em outro tempo. A vida muda e eu mudo junto… ficamos mais modernas e antenadas… e vamos construindo nossas histórias de vida juntos. Quero deixar muita coisa boa pro meu legado. Eu adoro estar perto dos meus netinhos sempre. Todos (3) moram fora do Brasil. Morrooooo de saudades 👀 do meu 🇬🇧 João Pedro, 🇺🇸 do Noah e 🇫🇷 da Eva 😍. Virtualmente ou presencialmente estou sempre presente em suas vidas, acompanhando seu desenvolvimento… graciosidades… e suas descobertas do mundo. Sempre que podem eles vem pra cá 🇧🇷na casa dos vovós ou eu viajo ✈️ pra lá e passamos então muito tempo juntos… grudados mesmo, eu diria rsrsrs. Construímos muitas histórias sensacionais e nos divertimos muito juntos. São tempos preciosos na nossa vida. Quero que sintam e saibam que os amo ❤️❤️❤️ muito e que os nossos momentos únicos sejam marcados pelo com afetos e ternuras; risadas e brincadeiras; castelos de areia e algodão doce; princesas, príncipes e lobo mau; histórias, danças e muita músicas, ou seja pintando e bordando muitoooo. Avós modernas são assim não param de inventar e aprontar. Na verdade são outros tempos agora… somos avósuma nova vovó velha!

“Quer dizer que o lobo mau conseguiu engolir nossa vovozinha? As que usavam touquinha e tinham voz rouca foram papadas, sim, meus pêsames. Mas olhe agora, o que vemos? Avós de jeans, dirigindo jipes, cabelo pintado, óculos escuros. Avós que trabalham, que viajam, que dão festas, que namoram. Avós que fazem lipo, aeróbica, jogam paddle (…) Será que elas sabem pregar um botão? Não custa tentar, mas se a empreitada der errado, não complique. Ela terá o maior prazer em levar a netinha para comprar uma roupa nova no shopping. E o almoço de domingo? Também mudou. As avós de hoje não andam dispostas a engordar nem um grama com macarronadas familiares e muito menos a quebrar suas garras vermelhas lavando panelas. Que tal um buffet frio, muita água mineral e salada de frutas?
Netos e netas, não sintam-se desamparados. As avós de hoje são muito mais participantes. Podem não lembrar direito das histórias de Gulliver, Pele de Asno ou Gato de Botas, mas têm histórias pessoais tão encantadoras quanto. São mais divertidas e menos preconceituosas. Têm mais saúde e disposição para enfrentar parques, teatrinhos, zoológicos. E o fato de buscarem a eterna juventude não lhes tirou um pingo do afeto que sentem pela terceira geração. Ao contrário: nunca vi tantas avós apaixonadas por seus netos. É um amor enorme, desinteressado, sem o ônus do compromisso, só do prazer.


(…) Se por um lado estamos perdendo a imagem romântica da avó que cozinha, faz tricô e tem roseiras no quintal, por outro estamos ganhando uma avó bonitona, que tem o maior orgulho ao falar de nós para as amigas e que sempre estará disposta a nos dar um colo. Muito colo! Desde que esteja com uma roupa de microfibra, bem entendido.
O amor, que é o que interessa, não mudou. Mas mudaram as avós (…) que falam gíria, bebem cerveja e estão sempre prontas para uma novidade; são avós tanto quanto as nossas saudosas velhinhas de casaquinho nos ombros. Passarão, como toda mulher, pela menopausa, pela osteosporose e por outros distúrbios da idade, mas, certamente, não aceitarão o papel de uma avó caseira, bordadeira e sem outra ambição que não seja cuidar dos netos. Inovaram… ousaram… mudaram… super criativas e amorosas.

Sempre se disse que a avó era uma “segunda mãe”, pois ela nunca esteve tão parecida com a primeira”.
Esta crônica que eu adoro de Martha Medeiros, nunca enxergou e colocou tão bem como somos agora, bem isto é muito mais 👀. Sou sim uma Vovó muito coruja! Agora nos tempos modernos sinto que fomos mudando… nos reconstruindo e deu nisso. Uma nova vovó velha, se é que me entendem 😉. Quero desejar a todos os avós que me acompanham e os que ainda virão… um Feliz Dia das Vovós cheio de afetos, amor e muitaaaa felicidade. Curtam muito este seu dia, “virtualmente” ou “presencialmente” como puderem😷💻📱☎️🏡✈️🎼🎬🍭🍿🌈💐🙅🏻‍♀️… sei que devido a pandemia 🦠 este dia será diferente para todos nós… mas com criatividade podemos transformar💞💓 este dia em algo muito especial e marcante ❤️ ❤️ ❤️.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/04/12/heranca-do-amor-maes-e-filhos/. https://oterceiroato.com/2020/04/09/album-memorias-de-uma-avo-vovo-bia/. https://oterceiroato.com/2020/04/03/vovo-e-uma-uva-vovo-moderna/. https://oterceiroato.com/2020/03/23/ser-avo-pela-primeira-vez-e-maravilhoso/

SOMOS… ADORÁVEIS MALUCOS!

Quando penso sobre “qual a minha loucura”, logo vejo que não caberia numa folha de papel. São tantas e tão boas… e tem mais, eu não gostaria de mudar em nada. Sou o que sou, simples assim. Simples? Nem tanto, maridão teve que descobrir aos poucos, quem sou… e olha que somos o 8 e o 80, por isso mesmo sinto que nos completamos. O que tem nele falta em mim, o que tenho, complementa ele. Assim vamos levando, o principal é que graças as nossas diferenças levamos leveza e alegria no nosso viver. Transformamos tudo em algo especial e único, isto sim deve ser o amor! Importante mesmo é aguentarmos as nossas loucuras no ponto certo, respeitando o tempo e o espaço de cada um, gostando de estar juntos, dialogando, cuidando um do outro e seguindo em frente sonhando juntos, se amando muitoooo … assim vamos envelhecendo juntos também. Tem coisa melhor? As pessoas complicam tanto, não sei porque. Este texto de Martha Medeiros me identifica tanto, e você o que pensa?

A cena: o primeiro chopp da vida de vocês. Sentados frente a frente, cada um fala sobre as músicas favoritas, se prefere praia ou campo, se gosta de ler, se pratica esporte, se já morou em outra cidade. Sem esquecer o indefectível: qual o seu signo?

Ao fim da noite, haverá mesmo uma pista segura sobre as chances da relação? A gente pensa que sim, mas a vida mostra que nada disso interessa: nem o time que torce, nem se sabe cozinhar, nem se é de Áries ou Peixes. Segundo o filósofo Alain de Botton, a gente deveria perguntar no primeiro encontro: qual é a sua loucura? Este seria um bom começo para avaliar se temos capacidade de segurar a onda do outro.

Não há como negar que somos todos meio esquisitos. Quem é que tem todos os parafusos no lugar? Ninguém tem. Então admitir isso seria um jeito mais honesto de iniciar uma história. O cara se abre: “Tenho mania de dar caminhadas solitárias durante a madrugada, preciso ficar totalmente sozinho no dia do meu aniversário, tenho um histórico de assédio moral que me perturba até hoje, fico meio enfurecido quando alguém insiste em saber sobre minha infância”.

Sua vez de alertá-lo: “Não consigo ficar sozinha nem por cinco minutos, não posso engordar 200 gramas que fico sem comer por três dias, janelas abertas me causam pânico, desconfio que sou filha da minha tia”. Achou que iria ser facinho? Praia ou campo?

O ser humano, qualquer um, é um depósito de angústias, carências, traumas, neuras. Não somos apenas o nosso gosto para cinema, o nosso jeito de vestir, o nosso prato favorito – se fossemos apenas isso, amar seria como jogar dominó. Mas o jogo entre dois amantes é mais complexo. Aos poucos, vão aparecendo os medos secretos, a dificuldade de lidar com dinheiro, a fixação em ideias estapafúrdias, o complexo de inferioridade, a ansiedade incontrolável, as perdas pelo caminho.

Nada disso é exatamente uma loucura, mas é um pacote existencial que é colocado no colo de quem deseja se relacionar conosco. A pessoa terá que amar não apenas nosso par de olhos azuis e nossa bicicleta na garagem, mas todas as estranhezas que cultivamos e a dor que nos absorve.

O amor, em si, não é difícil. O amor é fácil. Difíceis somos nós. Somos uma simpática encrenca para quem se atreve a entrar na nossa vida e ficar conosco por mais de 10 dias, prazo suficiente para lembrar que perfeição não existe.

Alguém vai desistir de amar por causa disso? Ao contrário: o desafio é estimulante. Quase competimos para ver quem é mais maníaco, quem tem mais problemas familiares, quem se irrita mais com a rotina, quem explode mais – pra tudo terminar em chamegos embaixo do lençol, onde é obrigatório se entender.

Taí a graça e a desgraça de quem resolve dividir o mesmo teto, taí a bagagem surpresa que cada um traz de casa. Qual é a sua loucura? A minha eu conto quando você me convidar para um chopp.

A MULHER QUE QUERO SER…

Estou em constante desenvolvimento. A mulher que sou hoje era a que desejava ser há anos atrás. Sonhava ter confiança, serenidade, saber conversar sobre aquilo que amo sem tremer a voz.

Agora, quero ainda mais que isso. Quero ser uma versão ainda melhor de mim mesma. A que chamo “eu” está em constante desenvolvimento, e, assim que me adapto a cada melhoria, outra versão desse eu surge.

Isto porque o meu verdadeiro eu não tem forma – ou melhor, tem a forma que eu quiser. Eu provenho de algo muito maior que um corpo, uma personalidade, um contexto.

Eu não sou a idade que tenho, as ações que tomei, o lugar onde cresci. Eu sou energia infinita e em constante movimento, sou parte de algo indescritivelmente grandioso.

Sempre soube isso, de alguma forma. Por isso, nunca tive interesse ou necessidade em definir-me por conceitos.

Denominações por característica é algo que divide as pessoas e as coloca em frascos. As pessoas não são produtos, ninguém tem a mesma composição que outro alguém.

Posso ser como quiser, mas nunca me vou identificar com um grupo. Podemos fazer a mesma coisa, mas as nossas mentalidades são sempre completamente diferentes – por causa das nossas preferências e desejos.

O que eu desejo mais do que tudo é ser a versão melhorada de mim, o eu que idealizei com todos os detalhes e a minha versão do futuro que já está a viver a vida que amo.

Esta Beatriz já existe, e ela já está a experienciar a vida que escolheu, fruto dos desejos da Bia do passado. É a versão de mim que aspiro ser agora, e o resultado de uma brecha que se fecha entre onde estou e onde quero ir.

A mulher que quero ser sabe exatamente o poder que tem. Sabe transformar qualquer situação em progresso, vendo-a por aquilo que realmente é: o caminho para algo melhor. Isto inclui circunstâncias desagradáveis – o contraste é uma oportunidade para mais desejos, e para aprender a realizá-los.

A mulher que quero ser tem grande destreza nos relacionamentos. Por já ter passado por algumas humilhações nas amizades e amores, sabe ser ela mesma independentemente da outra pessoa aceitar isso ou não.

Ela tem uma aura bonita, iluminando qualquer lugar em que entre, e quem quer que lá esteja é contagiado por essa luz.

A sua felicidade e leveza para com a vida é inegável, e nota-se a cada detalhe dela – a fala, o olhar, os gestos, a postura – que inspiração flui através dela, um fluir divino de coisas boas, uma vontade de viver com mais abundância, amor, sabedoria.

Ah sim, ela é mais sábia do que alguma vez foi. Agora, sabe que não vale a pena criticar ou reclamar, e sente-se em paz com o Mundo e os outros. Aceita-se como exemplo e não como opinião, por isso vive com otimismo e filtra o que há de melhor.

Tem uma forma peculiar ser, a elegância intemporal dos clássicos com a audácia do modernismo. Sabe ter classe sóbria ou embriagada, mas fala o que lhe vai na alma, sem reservas.

É cheia de amor. Expressa-o tão naturalmente como o ar que respira. Elogia um estranho ou um amigo. Perdoa com graciosidade quem lhe fez mal, aceitando o seu papel na sua vida. Ama o parceiro com a maior beleza, abraçando-o e sendo o maior exemplo para ele, não descontando qualquer frustração, que sabe que vem sempre de si mesma e não do outro.

Essa mulher sou eu. Eu sou a mulher que quero ser, no progresso para qualidades mais amplificadas e uma maneira de viver que combina mais com aquilo que desejo. Quem eu desejo ser é quem me estou a tornar.

Está crônica de Claudia Rocha, vai bem de encontro com o que eu penso e acredito.

SIM, ESTÁ MELHOR DO QUE EU PENSAVA…

A primeira metade da vida é muito boa, mas da metade pro fim pode ser ainda melhor, se a gente aprendeu alguma coisa com os tropeços lá do início.

Que o pensamento é uma aventura sem igual.

Que é preciso abrir a nossa caixa preta de vez em quando, apesar do medo do que vamos encontrar lá dentro.

Que maduro é aquele que mata no peito as vertigens e os espantos.

Como Martha Medeiros nos diz, sim pode ser melhor ainda rsrsrs

OI SENHORAS, TUDO BOM? BLOGUEIRAS IDOSAS FAZEM SUCESSO NA WEB.

Elas são fotogênicas, #estilosas, têm milhares de #seguidores (que aumentam dia a dia) e provam que carisma e estilo jamais #envelhecem.

Elas são #autênticas e não têm medo de expor seus melhores ângulos. Seus perfis nas redes sociais estão recheados de looks coloridos, poses cheias de atitudes e elogios dos #seguidores. A descrição bate com o estilo de vida de muitas jovens #blogueiras, mas, com mais de 60 anos, estas #influenciadoras estão nas redes para provar que #elegância e carisma jamais #envelhecem e também merecem o seu like!

Aos 64 anos, a designer de joias Sarah Jane Adams é categórica ao falar sobre seu sucesso: “É menos sobre as roupas, e mais sobre a atitude”. Sua carreira como influenciadora teve início em 2014, quando foi fotografada em uma jaqueta esportiva para divulgar sua coleção de joias.#saramaijewels

No caso de Sarah, suas roupas são o reflexo de sua atitude jovem e destemida. Em uma bomber colorida ou um vestido estruturado, ela prova que peças e tendências não têm idade. Com quase 200 mil seguidores no Instagram, a influenciadora atende por @saramaijewels

Dona de um sorriso radiante, looks acessíveis e uma emocionante história de superação, a brasileira Sueli Rodrigues, do @blogdasu70, começou a publicar suas fotos por incentivo de uma amiga próxima após vencer um câncer em 2017. Com 70 anos e 28 mil seguidores, Sueli dá um show de autoestima, “provando que beleza e estilo não têm idade”. Esta paulista é um sucesso como blogueira de moda.

Com esse semblante alegre, nem parece que ela passou por tantos percalços. #suelirodrigues #blogdasu70

Sueli se derrete pelos fãs, a quem carinhosamente chama de “seguimores”: “Tenho seguimores de todos os tipos, tamanhos e cores, adoráveis e amorosos. Para mim, é um aumento na #autoestima, que nunca foi baixa”. Ela conta que prefere #looks casuais e práticos, só compra suas roupas em lojas jovens, e ainda deixa um conselho às #seguidoras.

“Não existem roupas que sejam proibidas, sempre dentro de uma certa noção do nosso corpo. Vestiu? Se sentiu bonita? Desfila seu poder. Mas não se esqueça de colocar um brinco e um batom”. “O que mais vale é a saúde, é poder viver planamente seu dia e se sentir bonita. O #empoderamento para a mulher é a saúde”, declara ela. Sueli ainda trabalha na Câmara Municipal de Itu e já está ganhando dinheiro com seu blog. Sueli Rodrigues é o maior exemplo que dá para se #reinventar na #terceiraidade.

Aos 84 anos, a ex-coelhinha da Playboy Dorrie Jacobson (#seniorstylebible) (@seniorstylebible) não se conformou em deixar o posto de beldade no passado: “A noção de que as mulheres precisam se vestir de uma maneira apropriada parece sempre absurda para mim”.

Em ensaios de #lingerie publicados nas redes sociais, ela faz questão de mostrar que não abre mão de sua #sensualidade.

Dorrie não faz o tipo que se vale da glória do passado. A blogueira famosa também dá dicas de moda em sua página e sabe como adotar um visual elegante e colorido.

Aos 97 anos, Iris Apfel (@iris.apfel) é um verdadeiro ícone #fashion nova-iorquino. Dona da empresa têxtil Old World Weavers, a quase #centenária foi a primeira pessoa viva a ter seus acessórios expostos no Metropolitan Museum of Art, em Nova York. #iris.apfel

Seus colares e pulseiras pesados são um complemento para os espalhafatosos casacos de pele, no melhor estilo coroa milionária.

Apesar de ter um visual difícil de ser copiado pelas brasileiras, Iris Apfel ainda tem muito a ensinar sobre como criar um visual inesquecível. No caso dela, os óculos redondos funcionam como marca registrada de sua #elegância e ousadia.

A canadense Melanie Kobayashi (@bagandaberet) estreou como modelo aos 55 anos de idade e, desde então, colabora com várias grifes. Além de fazer sucesso no Instagram, Melanie também mantém um blog de moda e um canal no Youtube, nos quais dá dicas de estilo a seus seguidores. #bagandaberet

Em sua página principal, ela conta que tira foto dos próprios looks com um tripé. Despojada dos pés à cabeça, ela não hesita em assumir os fios brancos com penteados modernos, e diz que o segredo da elegância está em sua personalidade: “Minha positividade e humor podem ser contagiantes”.

Fonte:

https://lifestyle.r7.com/moda/fotos/oi-senhoras-tudo-bom-blogueiras-idosas-fazem-sucesso-na-web-24082019?amp

MINHA ROTINA DURANTE O ISOLAMENTO SOCIAL.

Lendo este conto Circuito fechado de Ricardo Ramos, me inspirei e construí a minha rotina neste tempo de pandemia, no meu isolamento social. Me diverti bastante. E você já construí a sua?

Luz, janela, despertador, cama, robe, tapete, pantufas.🛌🥱🌤🖼⏰. Vaso, papel higiênico, descarga, pia, água, sabão, toalha. 🚽🚰🧼🛀🏻. Escova de dente, pasta, água.🚰🦷Espelho, escova de cabelo. 😀👀💇🏼‍♀️Espelho, lápis de olho, batom.💄👁Jeans, camiseta, tênis. 👖👚👟Acessórios💍🧣. Escada, degraus, corrimão. Fogão, canecão, água, filtro de café, café, caneca azul. 🎛☕️🚰. Mesa, cadeira, prato, guardanapo, xícara, prato, geladeira, fruta, cereais, ovo, pão, faca, manteiga.🧊🪑🍽🥣☕️🧃🥚🥖🍓. TV sem som, agenda, sofá, almofadas, puff, cobertor, computador, papel, caneta, zoom, garrafinha de água, curso, zoom, trabalho, zoom, bem estar, ginástica, celular, xícara de café. 📺🛋🧐🤯✏️📝📱💻🗣✍🏻🤷‍♀️🧘🏼‍♀️🤦🏼‍♀️ Vaso, papel higiênico, descarga, pia, água, sabão, toalha.🚽🚰🧻🧼. Freezer, pote, comida, microondas, prato, talher, geladeira, suco, copo, mesa, jogo americano, guardanapo, suco.🧃🍽🍛. TV sem som, rede social, live, social, garrafa de água, live, viagem, zoom, papel, lápis, projeto, zoom, zoom, xícara de café, live, música, live. 📺💻📝🎞🎼🧘🏼‍♀️☕️🚰📝. Vaso, papel higiênico, descarga, pia, água, sabão, toalha. 🚽🚰🧼🛀🏻. Celular, folheto, pedido, delivery. 💸Campainha, máscara, cartão, portão, sacola, máscara.😷🦠🛍🧴. Perflex, alvejante, álcool gel, água, pia, potes, mesa. 🧴🚰🧺. Água, sabão, toalha.🚰🧼. Toalha, pratos, talheres, massa, copo, vinho. 🧊🍽🍷🥘. TV, som, sofá, almofadas, notícias, Netflix, série, documentário. 📺🍿🛋🎞📽. Vaso, papel higiênico, descarga, pia, água, sabão, toalha. 🧻🚽🚰🧼. Chuveiro, quente, água, sabão, shampoo, condicionador, toalha, creme. 🚿🛁🧴. Escova de dente, pasta, água.🚰🦷Cama, lençol, travesseiro, cobertor, pijama, água, remédio, abajur, luz, apaga. 🥱💡😴🛏🚰💊🎬