CURAR…

Embora seja um poema escrito a tantos anos atrás, por Kathleen O’Meara (1839-1888)… ele vem de encontro, se encaixando tão bem com a nossa atualidade, com o estamos vivendo na atualidade… leiam:

E as pessoas ficaram em casa.

E leram livros e ouviram.

E descansaram e se exercitaram.
E fizeram arte e brincaram.
E aprenderam novas maneiras de ser.
E pararam.
E ouviram fundo
Alguém meditou
Alguém orou
Alguém dançou
Alguém conheceu sua sombra
E as pessoas começaram a pensar de forma diferente.
E pessoas se curaram
E na ausência de pessoas que viviam de maneiras ignorantes,
Perigosas, sem sentido e sem coração,
Até a Terra começou a se curar.
E quando o perigo terminou.
E as pessoas se encontraram.
Lamentaram pelas pessoas mortas.
E fizeram novas escolhas.
E sonharam com novas visões.
E criaram novos modos de vida.
E curaram a Terra completamente.

 Kathleen O’Meara, pen name Grace Ramsay 

Nascimento: 1839, Dublin, Irlanda

Falecimento: 10 de novembro de 1888, Paris, França

CORONAMOR🦠

E assim, um dia, o mundo se encheu da desastrosa promessa de um apocalipse viral e, de repente, as fronteiras que foram tão defendidas com guerras se quebraram com gotículas de saliva, houve equidade no contágio, que foi distribuído igualmente aos ricos e pobres, as potências que se sentiam infalíveis viram como se pode cair ante um beijo, ante um abraço.

E nos demos conta do que era importante, e então uma enfermeira se tornou mais indispensável que um jogador de futebol, e um hospital se tornou mais urgente que um míssil. As luzes foram apagadas nos estádios, os filmes pararam de ser filmados, acabaram as missas e os encontros das multidões.

E então, no mundo, houve tempo para refletir sozinho, e esperar em casa que todos chegassem para se reunirem em frente às lareiras, mesas, cadeiras de balanço, redes e contar histórias quase esquecidas.

Três gotículas de ranho no ar nos levaram a cuidar dos nossos anciões, a valorizar a ciência acima da economia, a ouvir agora que não apenas os indigentes trazem pragas, que nossa pirâmide de valores estava invertida, que a vida sempre veio primeiro e que as outras coisas eram acessórios.

Não há lugar seguro, na mente de todos nós cabem todos, e começamos a desejar o bem ao próximo, precisamos que ele se mantenha seguro, que não fique doente, que viva muito, que seja feliz, e, junto com uma paranóia fervida em desinfetante, nos damos conta que se eu tenho água e ele, que vive mais distante não, minha vida está em risco.

Voltamos a ser uma aldeia, a solidariedade se tinge de medo e com o risco de nos perdermos isoladamente, percebemos que há apenas uma alternativa: sermos melhores juntos.

Algo invisível chegou e colocou tudo no lugar. De repente os combustíveis baixaram, a poluição baixou, as pessoas passaram a ter tempo, tanto tempo que nem sabem o que fazer com ele, os pais estão com os filhos em família, o trabalho deixou de ser prioritário, as viagens e o laser também.

De repente silenciosamente voltamo-nos para dentro de nós próprios entendemos o valor da palavra solidariedade.

Num instante damos conta que estamos todos no mesmo barco, ricos e pobres, que as prateleiras dos supermercados estão vazias e os hospitais cheios e que o dinheiro e os seguros de saúde que o dinheiro pagava não têm nenhuma importância porque os hospitais privados foram os primeiros a fechar. Nas garagens estão parados igualmente os carros de última geração ou ferro velhos antigos simplesmente porque ninguém pode sair.

Bastou meia dúzia de dias para que o Universo estabelecesse a igualdade social que se dizia ser impossível de repor. O MEDO invadiu todos Que ao menos isto sirva para nos darmos conta da vulnerabilidade do ser humano.

Não se esqueçam- BASTOU MEIA DÚZIA DE DIAS.

Este autor desconhecido disse tudo pra nossa reflexão.

JÁ NÃO TENHO PACIÊNCIA PARA…


Assim como #JoséMicardTeixeira diz… eu me sinto leve hoje e daqui pra frente. #Sessentar traz destas coisas… simplesmente não quero mais perder meu precioso #tempo!com aquilo que não me traz alegrias ou aprendizados. Meu tempo é precioso demais pra certas besteiras e futilidades da vida. #Cansei daquilo. Já não tenho…

“Já não tenho #paciência para algumas coisas, não porque me tenha tornado arrogante, mas simplesmente porque cheguei a um ponto da minha vida em que não me apetece #perdermaistempo com aquilo que me desagrada ou fere. Já não tenho pachorra para cinismo, críticas em excesso e exigências de qualquer natureza. Perdi a vontade de agradar a quem não agrado, de amar quem não me ama, de sorrir para quem quer retirar-me o sorriso. Já não dedico um minuto que seja a quem mente ou quer manipular. Decidi não conviver mais com pretensiosismo, hipocrisia, desonestidade e elogios baratos. Já não consigo tolerar eruditismo seletivo e altivez acadêmica. Não compactuo mais com bairrismo ou coscuvilhice. Não suporto #conflitos e comparações. Acredito num mundo de opostos e por isso evito pessoas de caráter rígido e inflexível. Na #amizade desagrada-me a falta de lealdade e a traição. Não lido nada bem com quem não sabe elogiar ou incentivar. Os exageros aborrecem-me e tenho dificuldade em aceitar quem não gosta de animais. E acima de tudo já não tenho paciência nenhuma para quem não merece a minha paciência”.

Meu tempo é precioso demais pra gastar ele com coisas que não me acrescentam. Escolho simplesmente #viver é #serfeliz!
E você, escolheu o quê?

PILATES… COMECE JÁ!

Este ano #priorizei o que venho enrolando a mais de 60 anos rsrsrs. Não dá pra adiar mais. Só #caminhadas, não serão suficiente pra me dar mais disposição… resolvi me #movimentar mais.

Depois de experimentar algumas aulas na academia, gostei muito do Tai Chi Chuan e do Pilates. Comecei em fevereiro. Estou empenhado, disciplinada e focada… e estou adorando. #pilates

Pilates é um conjunto de exercícios criados pelo alemão chamado Joseph Pilates, em meados de 1920, que são realizados nos Solo e/ou em Equipamentos exclusivos.

Visa o total e completo controle e conexão entre “corpo e mente”. Ele chamou seu método de “contrologia”, ou arte de movimentos controlados, enfatizando três aspectos importantes: força, flexibilidade e consciência.

O Método ainda garante um condicionamento físico e pode ser usado para a reabilitação física ou como alternativa fitness (que é o meu casa rsrsrs) e até mesmo o emagrecimento e a definição muscular. Promove um aumento da qualidade de vida!

Aqui as aulas são com horário marcado (1h) e com poucas pessoas na sala. Normalmente começo praticando o Pilates no chão (Mat Work) bem variados com foco na minha necessidade (melhorar minha força muscular e a dor nos joelhos) e em seguida realizo exercícios em Grandes e Pequenos Aparelhos.

O aparelho que mais gosto é o Reformer. Também faço uso dos outros aparelhos que tem lá na academia são o: Cadillac, Ladder Barrel e Pedi-Pole…

Saiba mais aqui:

http://krdojoacademia.com.br/

OS 12 MELHORES PAÍSES DO MUNDO PARA SE ENVELHECER.

Para maiores de 60…

À medida que a expectativa de vida aumenta , espera-se que a proporção de adultos em seus anos de aposentadoria cresça em todas as regiões do mundo. Segundo dados recentes, existem aproximadamente 901 milhões de pessoas em todo o mundo com 60 anos ou mais. Até 2050, esse número chegará a 2,1 bilhões de pessoas, ou 21,5% da população global .

Mas as experiências que as pessoas têm mais tarde na vida variam muito, dependendo de onde moram.

O Índice Global AgeWatch avaliou recentemente 96 países para determinar os melhores lugares para os idosos viverem. Esses países incluem mais de 90% da população mundial com 60 anos ou mais.

As classificações foram baseadas na qualidade de cada país em quatro categorias: estado de saúde dos idosos, segurança de renda, capacidade (medida pelo status de emprego e níveis de educação) e ambiente propício (medido pelo acesso ao transporte público, segurança física, conexões sociais e liberdade cívica).

Maiores de 60 baseou essa matéria na citada pesquisa e em outro estudo conduzido pela Columbia University School of Public Health e da Universidade do Sul da Califórnia. Nessa pesquisa o critério variou um pouco e, julgamos, produziu um resultado complementar ao apreciado pela Global Age Watch. Aqui, os países são avaliados segundo cinco características de suas populações seniores: (1) Produtividade e engajamento; (2) Bem-estar; (3) Equidade (medida das lacunas no bem-estar e segurança econômica entre os que têm e os que não têm na faixa etária.); Coesão (medida entre gerações e sua conectividade social); e (5) Segurança baseada nas estatísticas aplicadas a incidentes com idosos. Com base nos dois estudos, apresentamos os
Os 12 melhores países para maiores de 60:

1. Suíça

A Suíça ficou em primeiro lugar como o melhor país para se viver, se você tem 60 anos ou mais. Os relatórios das duas pesquisas apresentam diversos programas e políticas que promovem a saúde dos idosos e um ambiente propício de segurança e lazer para os maduros. Uma pessoa de 60 anos que more na Suíça pode esperar viver em média 25 anos a mais do que a média dos 50 países mais ricos do mundo. A Suíça também possui uma taxa superior à média europeia dos quesitos conexão social e satisfação com a liberdade cívica entre os idosos.

O contraponto à perfeição é o fato de apesar de ter 100% de cobertura de pensão para adultos com mais de 65 anos, a Suíça ainda tem uma taxa de pobreza de 16,1% na velhice. Muito embora ser pobre na Suíça, meus caros, não se assemelhe em nada a ser pobre no Brasil.

2) Noruega

A Noruega obteve uma classificação consistentemente alta em todas as categorias, mas ficou em primeiro lugar no que diz respeito à ocupação da população idosa. Por lá não falta emprego para os maduros que ainda querem trabalhar. A taxa de emprego é de 71,1 por cento entre os idosos. Quase 15 pontos percentuais acima da média europeia. A Noruega também tem a maior taxa de escolaridade entre os idosos.

Outros destaques incluem a segunda menor taxa de pobreza na terceira idade na Europa, apenas 1,8%, e 100% de cobertura de pensão para adultos acima de 65 anos.

3. Suécia

A Suécia possui altas taxas de emprego e escolaridade quando comparada às médias regionais entre pessoas com mais de 60 anos. Os adultos do país também relatam alta satisfação com segurança, liberdade cívica e transporte público.

4. Alemanha

A Alemanha também obteve uma classificação alta no quesito da ocupação (ou emprego) e a segunda maior taxa de escolaridade entre os adultos mais velhos.

5. Canadá

O país também ocupa uma posição alta no quesito de conexão social e liberdade cívica, enquanto a expectativa de vida e a expectativa de vida saudável estão próximas das médias europeias.

O país também possui alto nível de segurança de renda, com 97,7% de cobertura de renda de aposentadoria e uma taxa de pobreza de 6,8%, abaixo da média regional. O sistema de saúde pública canadense é reconhecido como um dos melhores do mundo -tão inclusivo que não faltam detratores a chama-lo de socialista. Oi?

O Canadá completa a lesta dos cinco primeiros países, com uma pontuação particularmente alta no domínio da saúde dos idosos e expectativa de vida, inclusive para os maiores de 75. 

6.Holanda

Em sexto lugar, temos a Holanda um país com uma baixíssima taxa de pobreza na terceira idade:  3%. 100% das pessoas com mais de 65 anos recebem uma pensão. Os idosos do país também relatam alta satisfação com a conexão social e as liberdades cívicas.

E por que as coisas são tão boas para os aposentados holandeses? Além de receberem uma pensão do tipo seguridade social, com base nos ganhos vitalícios, também recebem uma pensão pública de taxa fixa apenas por se aposentar. Tipo um bônus. Como resultado, muitos aposentados ganham tanto quanto antes da aposentadoria.

7. Islândia

A Islândia possui a menor taxa de pobreza na terceira idade em sua região, 1,6%. O país também ocupa o primeiro lugar na categoria saúde, com uma expectativa de vida de 25 anos adicionais aos 60 anos, quase 18 deles com expectativa de boa saúde, o que é um diferencial.

A Islândia está acima da média em satisfação com a conexão social, segurança, transporte público e liberdade cívica entre adultos mais velhos. No entanto, apesar de uma alta taxa de emprego para idosos (81,1%), apenas 40,9% da população acima de 60 anos tem ensino médio ou superior – índice 20% abaixo da média europeia.

8. Japão

O Japão tem a maior proporção de idosos na população do mundo. Um terço dos japoneses tem mais de 60 anos.

O país ocupa o primeiro lugar no quesito da saúde, com uma expectativa de vida de 86 anos, sendo a média de 80 anos de boa saúde e produtividade. Os idosos no Japão relatam alta satisfação com a conexão social, segurança e liberdade cívica.

9. Estados Unidos

Os Estados Unidos ocupam o nono lugar na lista dos melhores países para se viver com mais de 60 anos na pesquisa Global Age Watch. Os EUA são particularmente altos em desempenho educacional,  sendo que 96% da população com mais de 60 anos de idade possui ensino secundário ou superior.

Em todo o país, os idosos relatam alta satisfação com a segurança e a conexão social, e a expectativa de vida e a expectativa de vida saudável estão próximas das médias regionais.

Contudo, os EUA apresentam índices baixos em segurança de renda, com uma taxa de pobreza entre os idosos de 18%.

10. Reino Unido

Os idosos do país relatam alta satisfação com conexão social, liberdade cívica, segurança e transporte público. O Reino Unido também possui cobertura de 100% da renda de pensão para adultos acima de 65 anos. Tem uma taxa de pobreza na velhice de 9,3% – um pouco acima da média regional. Com uma boa renda e cansados do clima frio, uma proporção considerável dos idosos ingleses se aposentam em países europeus mais quentes, como: Portugal, Espanha, Grécia e sul da França.

11 França

A primeira inclusão fora da lista dos dez melhores países para a vida após os 60 anos da Global Age Watch é a França.

As razões incluem o patrimônio cultural e educacional do país, a sociabilidade, ainda que os custos de moradia sejam altos em muitas partes do país. 

Para compensar,  a França possui o melhor sistema de saúde do mundo, pelo menos de acordo com um relatório da Organização Mundial da Saúde. A França usa uma combinação de financiamento público e privado para garantir que todos os residentes legais tenham acesso a cuidados básicos de saúde.

Quanto mais doente você está, mais o sistema se importa com você – ao contrário de muitos planos de saúde estadunidenses, por exemplo, que não atendem clientes com condições pré-existentes ou problemas crônicos de saúde. O sistema da França cobre completamente as necessidades de 30 doenças de longo prazo. Se você tem diabetes, não paga nada pelos itens necessários para administrar a doença.  

12 MÉXICO

Obviamente, sendo um país em desenvolvimento, o único da lista, há restrições sérias devidas a toda a população, não apenas idosos. Contudo, em se tratando de políticas públicas para os idosos, o país dá um olé no Brasil. 

Um ponto se destaca: a vida social dos maduros. E isso não é importante? A agência ForeignPolicy.com declarou o México como um dos melhores lugares para idosos viverem por causa de sua “animada cena social”. O país possui quase 12.000 centros comunitários e clubes administrados pelo governo em todo o país onde são atendidos mais de 500.000 pessoas por dia. Além disso, os idosos aproveitam descontos consideráveis em supermercados, restaurantes e farmácias e em transportes públicos. Viva o México!

Edílson Silvestre com informações de Age Watch, SCLU

Imagem de capa: ShutterStock licenciada.

Fonte: https://oterceiroato.files.wordpress.com/2020/02/26456-suave-cont-int-las-fiestas-decembrinas-con-los-abuelos.jpg

​QUARENTA… CINQUENTA… SESSENTA ANOS!

Tem gente que começa aos quarenta, outros assim como eu, só perto dos sessenta anos.

A nossa percepção sobre o mundo e nós mesmos vai mudando… vamos ficando mais calmos… leves e felizes. Queremos a simplicidade em cada gesto… em cada atitude… e mudamos em tantas coisas que a nossa companhia conosco mesmo torna- se um prazer absoluto. Somos mais seletivos em todas as nossas escolhas assim como Fabrício Carpinejar descreve neste texto. Leiam:

Gostar da própria solidão é a manifestação mais clara de que chegou aos 40 anos.

Não precisa mais sair de casa para ser feliz, não é mais tributário do barulho e da multidão para se ver acompanhado.

Gosta do silêncio e de não fazer nada demais. Gosta do espaço vazio e da liberdade de não ter a agenda cheia.

Passa a filtrar os convites, a peneirar as festas, a abrir a porta para a rua somente quando realmente é indispensável.

Não sofre mais em dizer não. Prefere receber os amigos em casa, em pequenos e semelhantes grupos, a virar a madrugada em baladas com estranhos.

Dispensou o bordel dentro de si. Tem como princípio sexo com qualidade, não mais pela quantidade. Não está mais desesperado para transar toda noite, toda semana. Busca criar um clima para o clímax, acima de tudo. A música de qualidade e a conversa inteligente são preliminares indispensáveis antes de qualquer amasso.

Perdeu também a ganância de enriquecer, o olho de águia do sucesso, opta por ganhar menos e se incomodar menos.

Mudou a sua concepção de prosperidade, paz é prosperidade.

O que fazia quando estava gripado, de permanecer na cama lendo um livro ou emendando episódios de uma série, agora ocupa a maior parte de seus dias sadios. Preocupa-se em aguar as plantinhas, em aprender idiomas, em comprar verduras sem agrotóxico nas feirinhas de bairro.

Nem para tomar vinho acredita que depende de companhia. As quatro décadas revelam a satisfação de um cálice sentado na varanda, sem ninguém para apressar os goles. Finalmente está solto no seu mundo de pensamentos para degustar a safra e descobrir os taninos.

Sei que meus amigos sopraram as quarenta velinhas quando decidem se dedicar a cerveja artesanal. Largam os botecos e a zona de desconforto da boemia pela produção caseira de sua bebida. Ostentam experimentos e guardam as provas para limitados convidados. São cientistas do isolamento, explicando, depois de cumprida a missão, o passo-a-passo de sua incubadora com ostensivo orgulho.

Alguns encontram tempo para maturar queijos, outros se aventuram a assar pães ou pizzas, com sacerdócio de mestre-cucas. Se antes reclamavam da submissão doméstica das mães e avós, que colocavam tortas a esfriar nas janelas, agora não acham nem um pouco inconveniente o hábito de cozinhar, ainda que seja para o seu consumo.

Aliás, é simbólico nesta faixa etária querer produzir a sua própria comida. A cozinha torna-se a parte mais importante da residência, com aquisição de fornos potentes e panelas inquebrantáveis.

O discernimento da meia-idade surge com a renúncia. Entende-se que perder a agitação é ganhar autoconhecimento. A experiência traz a clareza do que é bom e do que é ruim, de que não vale realizar coisa alguma na contrariedade, de que nada mais será feito para agradar o outro.

Gostar-se é o início de uma nova vida. Longeva vida, com a adrenalina da simplicidade. 💙🙏🏻