UM SONHO SENDO REALIZADO!

Assim que amanheceu Bia se levantou rapidamente, tomou seu café da manhã, pegou a mala vermelha, chamou o Uber e partiu rumo ao aeroporto internacional. Não aguentava mais de saudades de sua família, de seu filho e família que moravam em outro continente. O netinho todos os dias a chamava: – Vem ó ó. Este tempo de isolamento social e de espera até poder voltar a viajar de avião novamente foi uma longa espera, bem maior do que o esperado. Sonhava com isto. Esperou enquanto pode.

Ansiedade não faltou, o medo ainda existe e continua presente, afinal o coronavírus anda solto por todos os lugares. Tem uma série de protocolos a seguir antes, durante e pós viagem. Coragem e ousadia sempre fizeram parte da vida de Bia, não seria diferente agora. Tem que continuar caminhando, vivendo e se adaptando a novas realidades. Tudo foi bem pensado para obter mais segurança, com todos os cuidados e materiais necessários em suas mãos, serão utilizados para lhe dar mais tranquilidade: máscaras, álcool gel, muita higienização em tudo que tocar… finalizando com uma quarentena no local, quando lá chegar. Sim enquanto esta pandemia perdurar e a vacina não chegar, o “novo normal” que aparece está cheio de orientações, que vão mudando conforme conhecem melhor sobre a doença. Um longo caminho temos todos pela frente! Assim é a vida pensava, o importante é ter fé e acreditar que tudo dará certo. Londres á espera, aqui vai ela… cheia de cuidados. Embarcando pra lá agora. Partia feliz, cheia de saudades e sonhos, tendo fé que em breve estarão todos juntos novamente.

POSSO DORMIR NA CASA DA VÓ ?

Mãe, posso dormir na casa da vó e do vô, hoje?
Escutei dentro do ônibus hoje de manhã. Quando consegui me virar para ver a criança que me fez voltar ao passado apenas com uma frase, ela já não estava mais ao alcance dos meus olhos. Viajei longe. Doces lembranças…
Quando foi que o tempo passou e nos fez adultos cheio de prioridades chatas? Tanta coisa mudou.
Lutamos todos os dias por alguma coisa que não sabemos se é o que realmente queremos, quando na verdade… casa de vó e vô é o que todo mundo precisaria pra ser feliz. Simples assim!!!

Casa de vó e vô é onde os ponteiros do relógio tiram férias junto com a gente e passam os minutos sem pressa de chegada.
Casa de vó e vô é onde uma simples macarronada e um pão caseiro ganham sabores diferentes, deliciosos.
Casa de vó e vô é onde uma inocente tarde pode durar uma eternidade de brincadeiras e fantasias.
Casa de vó e vô é onde os armários escondem roupas antigas e ferramentas misteriosas.
Casa de vó e vô é onde as caixas fechadas se tornam baús de tesouros secretos, prontos para serem desvendados.
Casa de vó e vô é onde os brinquedos raramente surgem prontos, são todos inventados na hora. Um melhor quero outro.
Casa de vó e vô tudo é misteriosamente possível de acontecer. Mágico. Sem preocupações. Só diversão.
Casa de vó e vô é onde a gente encontra os restos da infância dos nossos pais e o início de nossas vidas.
Casa de vó e vô, só mesmo lá dentro, no endereço do nosso afeto mais profundo, onde tudo é permitido.

Minha casa hoje é casa de vó e vô, onde tudo isso acontece… ou quase tudo de maneiras diferentes. Somos vovó e vovô bem coruja, eu diria. (Como moram longe onde estou, vira um pouco casa de vó). Na casa deles, onde moram (em outro País), faço acontecer todos esses momentos mágicos com perfeita maestria, as ideias simplesmente brotam… cozinhamos, rimos e brincamos o tempo inteiro. Momentos únicos, vividos com intensidade, amor e muita doçura… assim como algodão-doce e pipoca. Tudo fica mais colorido… Onde estamos juntos vira um pouco casa de vó. Sonhamos e voamos longe nos castelos de areia. Aqui ou ali… Construímos nossas histórias!!!

Esse luxo de visitar meus avós, muitos não podem mais ter – infelizmente – (assim como eu) será onde viverão então as doces e eternas lembranças… nossas lembranças, apenas as mais bonitas recordações.
Mesmo assim se eu pudesse fazer um pedido agora, qualquer pedido, de todos os pedidos do mundo eu iria pedir a mesma coisa.
Posso dormir na casa da vó e do vô hoje?

Torço para que meus netos cresçam com muitas lembranças tanto aqui da minha casa… a casa de vó… como da casa deles, onde tento marcar momentos que possam trazer muitas lembranças afetivas com a minha cara… cara de vó! Nossas memórias.

Gostou? Um ótimo dia para todos nós!

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/04/12/heranca-do-amor-maes-e-filhos/. https://oterceiroato.com/2020/04/09/album-memorias-de-uma-avo-vovo-bia/. https://oterceiroato.com/2020/04/03/vovo-e-uma-uva-vovo-moderna/

SE EU PUDESSE CONVERSAR COM CLARICE LISPECTOR…

Se eu pudesse queria conversar com você Clarice Lispector, pela janela da minha sala escancarada, de robe e com meu cabelo ainda desgrenhado… bem cedinho. Eu daqui tomando um café fumegante acabado de ser passado no coador de pano e com uma bela fatia de bolo de fubá fumegante na mão, que certamente você me acompanhando do lado de lá da calçada e então te perguntaria: o que você faria na quarentena?

Como não posso, vou experimentar o que já sugeriu e pensar… “se eu fosse você, como seria e o que você faria neste período de isolamento?”… esta sua pergunta me provocou um novo olhar e me trouxe grandes reflexões sobre a que é importante na vida.

Vejo muitas coisas acontecendo pela televisão, os noticiários não falam de outra coisa é coronavírus pra cá, fique em casa e mortes pra lá… dia e noite. Uma explosão de estatística do mundo inteiro de hora em hora, instaurando um medo absurdo de pegar este vírus tão invisível, de fácil contaminação e tão devastador. A ansiedade desponta e me tira o ar.

“Melhor desligar a TV um pouco e viver, se atualize apenas uma vez ao final do dia, já basta. Aproveite a beleza e a simplicidade das pequenas coisas do seu dia a dia e respire fundo, apenas sinta a vida”, você aconselharia. E assim eu faço!

Ainda sem vacina ou algo para curar, nem sequer um remédio potente capaz de controlar a sua devastação em nossos pulmões, obrigou o mundo a parar… se isolar socialmente em suas casas e se protegerem a si mesmo e aos outros… Sim, o mundo inteiro parou… e continua parado, não sabemos até quando. Estamos numa pandemia. Uma guerra contra o invisível.

“Melhor se cuidar e relaxar, tenha paciência e esperança… Pode ler estudar, escrever… tente inovar e descobrir os prazeres da vida nas pequenas coisas, que a muito tempo você deixou de perceber por causa do corre corre e da vida atribulada. Aproveite melhor o tempo que tem agora, use e abuse dele, não desperdice esta chance. Será um grande aprendizado, vais ver.” você lembraria. E assim eu faço!

Percebo que tem governantes que resistiram um pouco a isto tudo no começo e foi devastador o resultado em seus países… Desta forma causaram mais sofrimento e mortes ao seu povo, assistimos isto com uma tristeza profunda, o que estes erros trouxeram…

“Ainda dá tempo de não cometermos o mesmo erro, afinal estamos vendo e temos mais tempo. Não queremos que isto aconteça por aqui também, não é verdade?”, certamente me alertaria. E assim eu pensaria e faço!

Mas aqui o que vejo chega a ser ainda pior, pois além do presidente não perceber a gravidade do momento que vivemos, faz pouco caso das nossas vítimas e das tantas mortes que agora só tendem a subir cada vez mais rápido. Tenta ainda desmoralizar tanto as recomendações da OMS, como dos nossos governadores dos estados brasileiros, que fazem imensas campanhas para conscientizar o povo, fiquem em casa…

Toda esta irresponsabilidade causa mais stress e gera um aumento nos problemas sociais, econômicos e políticos do país… além de estar na contramão, dando péssimos exemplos. Cada dia uma nova polêmica. Confunde a cabeça de muitas pessoas.

Pobre de nós brasileiros, enfrentamos duas guerras ao mesmo tempo a da vírus e o da incompreensão dos políticos que deveriam proteger o seu povo. Desestrutura seus Ministérios, dispara barbaridades nas redes sociais, fomentado por vaidades abaladas e incompatibilidade de pensamentos, onde muitos baseado na ciência pedem a todos que fiquem em casa, colaborem… enquanto poucos dizem temos que trabalhar agora. Vamos morrer mesmo, vira pano de fundo… as loucuras se juntam e mostram a sua cara… se destacando nas manchetes pelo mundo afora. Instauram-se o salvem-se quem quiser ou puder. E assim caminhamos, como sempre tentando sobreviver… na corda bamba e agora enfrentando uma pandemia.

“Acorde, você é quem faz as suas escolhas, não eles. A casa e a vida são sua, relaxe e fique em casa. Siga sua intuição e seus pensamentos. Procure em sua casa o que fazer, tem tantas coisas… redesenhe a uma rotina e que ela seja bem variada e criativa fazendo bem a você, tem que ser bem pensada. Inove, experimente coisas novas, descubra um sentido da vida pra você… Então relaxe, respire fundo e comece agora já”, assim voce aconselharia. E assim eu faço!

Tudo está de cabeça virada para baixo. Mortes, hospitais lotando… o sistema de saúde sufocado não está dando mais conta de tantos pacientes graves ao mesmo tempo. A morte ronda as UTI, muitas vezes esquecidas e sucateadas… com seus respiradores acabando. Estão todos correndo atrás do prejuízo causados por tanto tempo de descaso com os sistemas de saúde desabastecidos. E olha que tem muitos usando a criatividade e dando seus jeitos pra tentar melhorar ou sanar os graves problemas surgidos… Tentam todos cientistas, pesquisadores, técnicos num trabalho conjunto mundial, todos buscam sobreviver. Todos em busca de uma vacina que pode conter está pandemia. Mentes brilhantes juntam esforços.

Pedem para ficarmos em casa enquanto eles preparam os sistemas de saúde para que possa atender a todos os pacientes que irão precisar… correm contra o tempo.

Os médicos e o pessoal da saúde trabalhando incansavelmente nas linhas de frente arriscando suas vidas… nossos verdadeiros heróis agora.

Tudo está sendo adaptado. A maioria consciente da gravidade do momento faz o que é preciso. A vida está em primeiro lugar.

“Aproveite este momento como uma grande oportunidade de aprendizado para a sua vida. Recupere a leveza, a poesia e o encanto no que temos de mais simples e belo agora e no podemos ter agora… viver. Viva apenas isto”. ela me diria. E assim eu faço!

A economia mundial parou… empresas quebrando, desemprego em massa, meios de transportes restritos… os restaurantes só para entrega em delivery, escolas e todo o comércio fechados… só o que atende as necessidades estritamente básicas e essenciais de alimentação e saúde podem funcionar e com restrições de convívio social, com uso de máscaras e sem aglomerações.

Com a demora do dinheiro extra do governo a chegar no bolso dos realmente necessitados, a criatividade e a inovação tem acontecido e muita gente querendo ajudar.

Solidariedade tem surgido de muitas formas diferentes, todos lutam para sobreviver e ter o que comer… Ajudas vem de muitos lados e de formas diferentes.

“Tudo está diferente agora, temos que ter paciência e esperança… tudo vai passar, acredite… tenha fé, saiba esperar.”, me aconselharia. E assim eu faço!

A internet e às redes sociais são nossos aliados agora, bem vindos sejam… uma febre mundial que pode ser usados: para o “bem” melhorando os relacionamentos e com propostas de ótimas lives e demais projetos ao vivo… e para o “mau” com suas fake news e desatinos. Saber filtrar, ou seja, selecionar o que de fato nos importa é o deve ser visto e considerado, tem sido um grande desafio para todos nós.

Avós e netos foram separados, afinal tinham que proteger os idosos, que estão no grupo de risco… todos tinham que fazer a sua parte. Ao vivo não dá, mas a internet surgia como uma forma de interagir mais e se comunicarem pra contar como andam as coisas por aqui e ali.

Há muitos que acreditam na importância do isolamento social, do “fique em casa”, onde somos obrigados a mudar a rotina e tendo que conviver dia a dia com seus familiares. Atinge, aí, sua epifânia.

O que no começo não parecia tão difícil… era até divertido mas com o tempo tiveram que se (re) descobrirem… e o que parecia ser bom e diferente começou a desandar e a incomodar. Os relacionamentos quando se obrigam a ter uma maior convivência diária como agora, tem se mostrado uma verdadeira turbulência, sendo retratadas com intensidade todas as formas do relações humanas. Respeito ao outro e as diferenças se faz necessário, mas o difícil é ser aplicado.

Muitos tem se aproximado e se redescoberto como algo prazeiroso e em coisas que haviam sido esquecidas, são resgatadas… e despertando, para algo melhor ainda pra levar no futuro… enquanto outros se desalinham, se atacam, se matam e se destroem na certeza que não dão mais certo nesta convivência. E agora José?

“Esta se sentindo entediada com seu papel de esposa/marido e mãe/pai de família, filho pequeno ou adolescente dentro de casa?… Chegou a relaxar em suas tarefas diárias, sentir que não queria mais fazer isto assim ou assado… Hora da verdade, de repensar o que é importante pra você na vida… o que te faz feliz?Hora de parar e reprogramar.”. me perguntaria. E assim eu faço!

Há outros os que não acreditam nisto e desafiam a sua vida e dos demais… como que numa cegues e surdez destemida, fazendo diferente do que é preciso ser feito.

“Será que precisava de algo assim, pra fazer você despertar pra vida? Muitas coisas passam por nós despercebidas e adormecidas, quando vem algo, como uma bofetada e nos desperta enfim, ela chegou. O que realmente é importante pra você ser feliz na vida?”. me perguntaria você. Eu sei!

E eu te diria, não quero morrer agora, quero aproveitar bem o tempo que ainda tenho para viver e ser feliz. Tenho sonhos e muitos planos, estão sendo apenas adiados… e em breve retornarei firme e forte, cheia de saúde e amor pra dar e receber.

Me aguardem, tudo passa! Paciência e otimismo foram sempre a minha bandeira, e não será diferente agora.

Estou em casa á mais de um mês, aproveitando as pequenas coisas que a vida me dá e feliz por estar com saúde e de bem com a vida.

Sinto-me muito bem.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/04/15/sou-o-que-quero-ser/. https://oterceiroato.com/2020/03/25/saudades-dos-velhos-tempos/

FICAR EM CASA É O NOVO ROLÊ DOS JOVENS…

Sextou não é mais sinônimo apenas para o início dos tradicionais divertimentos do fim de semana: sair, beber, dançar e curtir com os amigos.

Ficar em casa deixou de ser algo a esconder, e o combo Netflix, vinho e máscara facial viraram rolê digno de postar nas redes sociais. Economizar energia, dinheiro e tempinho para cuidar de si mesmo agora são cool. Isto já antes da pandemia! Agora então ganhou outro glamour… estamos descobrindo o prazer de ficar em casa 🥂. Inovar faz bem ❤️

Se antes o FOMO (em inglês, fear of missing out, aquela sensação de estar perdendo algo muito legal, que todo mundo está aproveitando, menos você) imperava nas redes, o JOMO (joy of missing out, a alegria em estar por fora) ganha seu momento. Mais do que nunca agora 🦠

Antes: Dava para tirar onda de quem saia na sexta à noite, cansado depois de uma semana inteira de trabalho, gastava para entrar na balada e beber drinques com preços abusivos, só para acordar de ressaca no dia seguinte (sem ter feito a rotina de skincare à noite, claro). Além de economizar agora temos aprendido 🦠 o prazer do que podemos fazer no aconchego do nosso lar. Como o friozinho do inverno que está chegando então… fica melhor.

Com tantas opções para se divertir online sozinho, ou em boa companhia… filmes e lives musicais… sair de casa além de não ser uma boa ideia agora 🦠parecer até desnecessário…

A verdade é que redes sociais e a vida social estão conectadas. A imagem digital pauta o espaço físico. É uma geração que se relaciona muito pelo que é percebido do ponto de vista da imagem. Temos lives muito boas com show de artistas que gostamos, acontecendo muito. Basta se ligar 👀

É sabido da capacidade ❤️ limitada dos estabelecimentos de oferecer experiências inusitadas onde eu possa fotografar interagindo os faz mais atrativos. Um bom vinho com papo divertido não pode faltar.

Quer saber mais:

https://www.google.com.br/amp/s/tab.uol.com.br/noticias/redacao/2019/10/25/ficar-em-casa-tambem-e-cool-como-o-sofa-esta-competindo-com-as-baladas.amp.htm

MEMÓRIAS…

“De vez em quando a vida preciso ser vista de ângulos diferente”.

Eu vou indo… eu vou evoluindo!

Sobre estar em movimento, me reinventando, vivendo essa metamorfose ambulante que é a vida.

Existem momentos únicos que duram segundos, mas deixam lembranças para a vida toda. São únicos e inesquecíveis.

No final tudo vira história. Então ria de si mesmo, eternize os sorrisos na sua memória.

INSTANTES…

“Memórias merecem destaque. As lembranças desobedecem, entre a vontade de serem nada e o gosto de me roubarem o presente”. Mia Couto

Sabe aquele lugar especial no mundo capaz de nos desligar da mente e reviver as melhores lembranças da infância? Pois é aqui! O Agora!!!

Instantes é o que temos. As vezes nem percebemos… Mas temos também o que fazemos com ele. Aí sim… Eternizamos. Construindo lembranças e guardando na memória. Damos cor, brilho e vida. E vamos colorindo com as cores que escolhemos.

Nossa alma carregam nossos instantes, nossas vivências e nossas memórias. É pra lá que voltamos pra sentir nossa história. Memórias… elas resgatam instantes e nos faz sentir o sabor daquela emoção novamente, quantas vezes quisermos. Eu sempre transito entre o presente e o passado. Gosto de relembrar, Reviver! Quais memórias você tem carregado com vocês?

MULHERES MÃES…

Todas as mulheres são Mães, porque ser Mãe é muito mais que o ato físico de dar à luz. É um dom, uma virtude, um modo de ser e sentir, um não sei quê que a mulher traz dentro de si. Mãe faz parte do DNA das mulheres desde seu nascimento.

Meninos brincam com seus carrinhos bonecos e games de luta, jogam futebol e quase sempre voltam sujos e até machucados. Meninas brincam com suas bonecas casinhas, comidinhas imaginárias que trazem para a gente experimentar com uma xicrinha de chá vazia de líquidos, mas cheia de sonhos. Suas bonecas não são seres inanimados. Elas as chamam pelo nome, penteiam seus cabelos, trocam suas roupinhas, conversam com elas. Elas cuidam de suas bonecas. Desde pequenas elas cuidam, elas protegem.

Quando estão com as amiguinhas no mais do tempo conversam cochicham compartilham segredos, falam bem ou mal das outras meninas e dos meninos, mas falam, às vezes todas ao mesmo tempo, o que desespera os meninos. Comentam os quase namoros, a sandália diferente da amiga, que talvez lhes provoque uma inveja que não demonstram. Diferente dos meninos que falam o que pensam ou acham, elas falam o que sentem. Confiantes, voltam para casa sempre arrumadas, a alma cheia de estórias para contar e sonhos para sonhar. Ao chegar contam e vibram com emoção, coisa rara para os meninos. As emoções e a intuição precedem seu pensar.

Meninos voltam para casa sem nada falar ou reparar, vão correndo para seus quartos e brinquedos. Meninas chegam, notam a nova planta na sala, e sem mesmo olhar, percebem e perguntam: mamãe, por que você está triste? E antes que a mãe responda, lhe entregam seu abraço, muitas vezes sem nada perguntar ou dizer. Sofrem quando veem uma dor, uma injustiça. Amam mesmo sem encontrar o amor, e precisam ser amadas.
Percebem de imediato que algo aconteceu. Notam coisas visíveis, mas também as invisíveis, notam sentimentos que inutilmente tentamos delas esconder, embora saibam como ninguém esconder os seus. Se a mãe recebe amigas elas conseguem, absolutamente do nada, sentir o que não foi dito, e cochichar: mamãe, por que fulana não gosta de você? Conseguem ler um tom de voz, olhares, intuem sentimentos. Impossível não lhes abrir o coração pois, quando seguras, chegam de coração aberto. Elas nos acolhem, nos compreendem, nos desvendam.

Têm um jeito de conseguir que deixa os meninos furiosos. Meninos argumentam, discutem, podem até ter razão, mas nem sempre conseguem o que querem. Meninas não discutem muito, esperam o momento, o jeito, as palavras certas, até encontrarem uma fresta em nossas resistências. E com sua meiguice de meninas, lutam, não desistem nunca. Melhor não discutir com elas, guerreiras perigosas com armas invisíveis. Lutam pelo que querem ou defendem, e geralmente vencem, para sorte dos meninos. Acho que às vezes até têm pena e mesmo raiva da lógica inútil dos meninos.

Observe o jeito de ser de duas meninas adultas e diga qual das duas já deu à luz. Difícil dizer, pois ambas têm o DNA de Mãe. Meninas de ontem, mulheres de hoje. E na dúvida, não pergunte qual delas é Mãe. Pergunte qual delas já tem filho.
São meninas, dão colorido e esperança ao mundo. São imprescindíveis. Já nascem Mães.

Este lindo texto foi escrito para homenagear todas nós mulheres/ mães, pelo meu amigo Luiz Arnaldo Cajado Moncau, do grupo #Trabalho60+ (10 de maio de 2020)
que com muita sensibilidade e carinho, desejou-nos assim desta forma, hoje logo cedo… um FELIZ DIA DAS MÃES… lançou-nos então este seu olhar poético … que chegou transbordado de afeto e amor. Muito obrigada meu amigo e que neste tempo de quarentena que estamos todos vivendo em isolamento social, desperte a alegria da vida que pulsa e está sempre em movimento dentro ou fora de nossos corações pelo mundo… e seja um dia de muita gratidão, conforto e de infinito amor .

UM FELIZ DIA DAS MÃES… especialmente neste tempo que estamos todos em isolamento social… Sou a mãe mais feliz do mundo 💐💓😍💝🤩🙏🏻

A VIDA NÃO PODE SER SÓ PAGAR CONTA… É MUITO MAIS QUE ISSO…

Tem coisas que o padre Fábio de Mello diz que eu adoro, traz grandes reflexões… neste tempo de pandemia então, nem se fale… Nós estamos cada vez mais refletindo sobre a vida… O que realmente nos importa, como fazer pra resolver nossos problemas que estão surgindo agora e muitos deles vão aumentar ainda. Paciência, procurar manter a saúde física e emocional além do “fique em casa” são a palavra da vez. Não podemos mudar nada agora. Temos que ser criativos e inovadores em procurar encontrar soluções dentro das nossas possibilidades… sempre tem algo que podemos fazer… pense. Temos que procurar manter a calma. Saber esperar, que tudo passa. O que é mais importante pra nós agora? Já parou pra pensar nisso? Gratidão pela vida e pela saúde minha e dos meus, está pra mim agora em primeiro lugar. Eu sou grata! Sim, eu estou cuidando pra me manter saudável e me protegendo pra não pegar o tal do coronavírus já que me encontro no grupo de risco. E você como está se saindo? Concordo plenamente com Padre Fábio, e você o que acha? Leia:

Aprenda a nunca mais ser idiota…

A vida não pode ser só trabalhar e pagar conta. Seu casamento não pode ser somente cobranças e sexo. Seu relacionamento com seus filhos não pode ser só perguntar como foi a escola. Sua preocupação não pode ser somente suas finanças, sua academia e seu próximo apartamento.

Os dias estão passando muito rápido, os celulares estão consumindo nossos preciosos minutos de conversas, de carinho e de risadas.

Esse ano (2019) já vimos um jornalista dizer: chego em 10 minutos para almoçar e não chegou. Esse ano vimos um modelo tão entusiasmado para desfilar que o coração não aguentou. Alguém que foi descansar no mar… e não volta mais pra casa outro que foi só ajustar o ar condicionado da casa nova caiu e se foi.

Organize sua vida colocando prioridades que realmente importam no seu dia a dia.

Peça perdão, libere perdão, seja leve de espírito… beije na boca a quem você ama, abrace, conforte, chore junto, sorria mais ainda…

Não gaste energia com quem não quer o seu bem, politicos mentirosos, parentes e amigos falsos.. não perca tempo abrindo a sua boca para falar o que não edifica, a vida é muito curta para viver aborrecido.

Brinque com seus filhos, durma com eles, se lambuze ao cozinhar algo e divirta-se…

E busque ganhar dinheiro o suficiente somente para você ter segurança e um pouco de conforto, todo o resto é vaidade, é idiotice… um Dia a hora chega e quem viver, viveu.

O mundo precisa de amor, nos seus 4 cantos, é preciso darmos as mãos e fazermos essa corrente do bem…

Precisamos urgentemente liberar energias positivas e pensamentos amorosos”. Em casa agora todos estão tendo a oportunidade de conviver mais com os seus, se conhecendo e reconhecendo melhor: marido e esposas, pais e filhos… filhos e pais…

Temos que fazer deste tempo algo inesquecível no bom sentido, depende só das nossas escolhas. Bora pensar sobre isso.

HERANÇA DO AMOR. MÃES E FILHOS…

Quando penso nos meus filhos, já adultos agora, penso em quantas coisas passamos juntos. Aprendi e aprendemos juntos uma infinidade de coisas. Sonhar e correr atrás fizemos e fazemos até hoje. Cada um com suas famílias voaram pra longe, muito longe… mas nunca longe do coração. Moram aqui dentro, vivem lá no fundo. Quando podemos ficamos mais pertinho e tudo fica muito intenso. Hoje no “dia das mães” penso em tudo que construímos juntos e percebo a grande herança que tenho do meu legado. Um feliz Dia das Mães pra todas vocês. E você? O que você herdou dos seus filhos?

Eu herdei paciência
Capacidade de suportar desorganização e caos;
Frieza pra lidar em situações críticas, como fraturas e cortes com sangue jorrando;

Herdei “desnojo” para limpar vômito e caca, e comer biscoito babado;
Herdei medo de morrer;
Medo de trânsito;
Medo da noite;
E o único medo de perder verdadeiro;
Mas herdei coragem também
Muita;

De um, herdei a necessidade de desacelerar;
De outro, herdei atenção difusa;
E de outro, sagacidade para responder questões difíceis;

Eu herdei vontade de montar árvores de natal, de aprender a fazer bolo de festa e assistir desenho animado;
Herdei a capacidade de fazer remédio a partir de beijo, desespero e lágrimas;

Eu herdei rugas, varizes, olheiras e estrias;
E as gargalhadas mais incríveis;
Herdei emoções colhidas nas coisas mais bobas;

Herdei força sobre-humana;
Herdei sentidos mais apurados;
Herdei um grito que se acha poderoso o suficiente para parar um trem;
Herdei uma capacidade ilimitada de sentir culpa;
E o cacoete irremediável de sempre olhar quando alguém grita “mãe”;

Este texto foi atribuído a Rita Almeida.

ÁLBUM MEMÓRIAS DE UMA AVÓ… VOVÓ BIA!

23o da minha #quarentena💪🏠🙋🏼‍♀️16o dia de #quarentenasaopaulo

Faz parte da quarentena, com o nosso isolamento social sofrermos altos e baixos. Somos humanos, vulneráveis e, por enquanto, o virus nos é superior.

“Não podemos agir como se estivesse tudo bem”, disse a Monja Coen e eu concordo…

Depois do meu café da manhã caprichado e com tranquilidade começa a minha rotina variada e bem distribuída pela semana.Tem tempo para os afazeres do dia a dia da casa… e sempre tem algo que tenho prazer em realizar… cada dia escolho uma coisa diferente… e me envolvo tanto que nem vejo o tempo passar… ele voa. Eu, viajo no tempo e no espaço e me envolvo em algo bem legal.

Hoje continuo a fazer o meu “Álbum Memórias de uma Avó”… da vovó Bia , claro. Me realizo fazendo este álbum. Faço com muito amor e carinho.

Já escrevi sobre a início da minha vida, desde o “antes”; um pouco da minha família paterna e materna; como foi quando eu nasci e depois… como fui durante a minha infância e a minha adolescência; e uma parte da vida adulta… quais foram os fatos marcantes pro mundo e pra mim; as grandes escolhas que fiz; as mudanças e formação da minha família… as coisas que surgiram e foram acrescentadas na minha vida… as dificuldades, superações, reconstruções e grandes transformações… que me fazem feliz e realizadas como pessoa, mãe, filha, esposa, irmã e mulher…

Eu faço pesquisas da época, ligo meu click de memórias e lembranças junto tudo, revejo com tanto detalhe e depois começo a escrever… verdadeiramente viajo no tempo. Sempre que me sento pra escrever aqui… faço uma total imersão de corpo e alma… me doou por completo aqui.

E maravilhoso nesta época da minha vida eu fazer estar fazendo uma retrospectiva da minha vida. Uma benção. Sou muita agradecida.

Muita coisa aconteceu em todo este tempo da minha vida… e percebo claramente que sou fruto das minhas escolhas na vida. E o que é melhor… eu faria exatamente as mesmas escolhas… trilharia os mesmos caminhos.

Acertos e erros aconteceram, mas o mais importante é que o meu olhar resiliente, otimista e de querer aprender com eles… Passado o choque no tempo das perdas que eu tive, eu sempre reagi… me reergui, superei e com esperança em dias melhores e bom humor, continuei meu caminho rumo a ter mais qualidade de vida e em ser mais feliz. Está sempre foi a minha meta. Aproveitar o lado bom das coisas.

Sempre me preocupei em ser uma pessoa forte e em querer ensinar aos meus filhos que tudo passa e que fica melhor. Tenha paciência é o meu lema, temos tempo para tudo! Tudo vai se encaixar na hora certa. A maneira como olhamos e enfrentamos os problemas é decisivo para encontrar uma saída, construir pontes ou virar a página. A escolha é nossa… trato de fazer a minha parte… quero dar força pra todos e que saibam que aconteça o que acontecer… sempre há uma saída, uma solução… Dando certo ou não, podemos recomeçar e reconstruir nossos caminhos. É o que eu faço até hoje.

Pensei em fazer este álbum quando a medida que eu fui envelhecendo eu tive necessidade de conversar profundamente com minha mãe, mas me era impossível por causa da sua grave doença. Eu tinha tanta vontade de conversar com ela sobre tantas coisas, e na sua falta muitas vezes converso com as pessoas mais velhas, com mais experiência sobre as suas impressões sobre alguns fatos ou problemas que eu passo ou quero saber mais. Minhas reflexões com a vida! Fico entusiasmado com suas de encarar a vida… sua sabedoria que a idade e a experiência traz.

Eu quis então deixar um registro sobre as minhas impressões para que meus filhos e netos pudessem saber como me senti sobre tantas mudanças que vi no mundo e tive na minha vida pessoal, minhas conquistas e meus desafios, meus sonhos e propósitos de vida.

Um dia não estarei entre eles, mas vou deixar pra eles o que eu penso sobre a vida, como vivi e fui feliz, como brindei e que sonhei muito, como amei e me orgulhei de cada um deles… assim como superei meus maiores desafios… Tem que saber o quanto eles foram amados e importantes na minha vida. Sem eles talvez não tivesse o mesmo incentivo e motivação. Quero que se orgulhem de mim e que eu tenha marcado a vida deles de forma positiva e incentivadora… Isto me bastará. Sempre vou estar presente nos seus coração e nas suas lembranças.

#quarentena #fiqueemcasacovid19 #fiqueemcasa #pandemia

#pandemiacoronavirus