ENTÃO, VOCÊ VAI SER PAI…

pai 1.jpg

“Pai… herói nenhum é mais forte que você…” Barbara Adriélle

Quando li esta crônica de Marcos Piangers, lembrei de muita coisa… Os sentimentos aqui descritos estão perfeitos! É, sei que o tempo passa… e muito rápido. Difícil é nos darmos conta disso quando estamos vivendo… mas, hoje relembro de tudo com muita saudade, principalmente de quando meus filhos eram pequenos. A correria do dia a dia e tantas outras coisas… fazem este tempo voar.

Meu filho se tornou pai á 2 anos… Meus genros: Fábio e Renaud serão novos papais agora… Ser pai é a melhor oportunidade que temos de darmos o melhor de nós. Hoje vendo meus netos nascendo… vou revivendo tudo como num passar de mágica. Pais e filhos se descobrem. Vou aproveitando como avó tudo com mais leveza e intensidade… Vou me realizando vendo meu filho e meus genros se transformar em grandes país. Eu como avó,  admiro muitos estes Papais…  Leiam:

Então, você e sua companheira estão grávidos. Então, você sabe que precisa comprar uma casa maior. Tem que ter mais espaço pra criança. Tem que ter mais um quarto no apartamento. Tem que ter um berço novo, não pode ser aquele que a vizinha se dispôs a emprestar. Então, você sabe que tem que trocar de carro. Aquele carro não é confortável pra levar a família.

Aquele carro não é seguro pro seu filho. Tem que ter seis airbags, no mínimo. Tem que vir com ar-condicionado de fábrica. Coitado do bebê no verão.

pai

Pai novo, fiz tudo aquilo que me diziam, do apartamento maior ao carro quatro portas, depois dos quais precisei trabalhar mais para poder dar conta das prestações. Trabalhava mais pra poder pagar a melhor creche. No supermercado, apenas a melhor fralda. Comprar a fralda mais barata significava amar menos meu filho. Roupa do brechó, nem pensar. De brinquedos caros, nosso armário está cheio. De culpa também, por ter que passar muito tempo no trabalho.

O que aprendi é que não faz diferença alguma. Um apartamento grande não faz diferença, porque as crianças gostam mesmo é de dormir amontoadas na cama dos pais. Um carro grande não faz diferença, porque as crianças gostam mesmo é de andar de bicicleta. A melhor creche não faz diferença, se você é o último pai a buscar seu filho.        images.jpg

Os brinquedos mais caros e os jogos de videogame não fazem diferença: para crianças, não há nada mais divertido do que se equilibrar no meio-fio ou andar na calçada sem pisar nos riscos. Jogar uma criança pro alto e agarrá-la antes de cair no chão, está aí a melhor brincadeira do mundo para qualquer pequeno. E tem a vantagem de ser de graça.

Adoro aquela tirinha do Rafael Sica sobre o sujeito que está sempre no trabalho pensando no bar. No bar, o sujeito está sempre pensando na família. Em casa, com a família, o sujeito está sempre pensando no trabalho. O sujeito nunca está realmente onde ele está. Cria sempre algum tipo de ruído na relação dele com as coisas. Esse cara sou eu, pensei quando vi a tirinha pela primeira vez.

Então, você e sua companheira estão grávidos. Então, você sabe que não precisa de uma casa maior, de um carro melhor, nem da melhor fralda, nem da melhor creche. Você sabe, no fundo, que só precisa estar lá. De verdade.

abraçar pai 1      pais

 

Aproveite para transforar em magia seus momentos com seu (s) filho (s).

Feliz Dia dos Pais!

Obs: “Então, você vai ser pai” de Marcos Piangers

Anúncios

FELIZ DIA DOS AVÓS! CHEGANDO E CAUSANDO…

Você meu netinho, já chegou chegando… veio no susto, no grito, empurrando, lutando mesmo e brigando muito pra ficar, ufa… parece que ninguém te via! Você só querendo nos dizer… Hei, eu estou aqui💫! Um batalhador já rsrsrs. Confesso que gostei. Chegou causando… e querendo ficar aqui nesta família, seu danadinho! Estou amando tudo isso!

Sua mãe demorou pra entender… sua avó nem imaginava, mas você já estava aqui…seu avô suspeitou… Tão pequenino! Tão bonitinho! Recebemos a notícia com surpresa e encantamento… alguns levaram um tempo pra cair a ficha… entender os porquês e os  comos rsrsrs???… Com muito amor 💙 e carinho 💕 🌸 você foi recebido de braços abertos…  sendo cuidado, protegido… admirado e também muito desejado e amado…

A família inteira vibrou 💫ao receber a notícia anunciada da sua chegada, brindamos a sua espera… estamos aqui agora, esperando a sua chegada com muito curiosidade… cheias de carinho e amor. Em breve você estará aqui conosco, se juntará a uma família onde todos são loucos uns pelos outros…, mas de amor💙💕🌸 rsrsrs. Enquanto te esperamos… eu e seu avô, já aqui com meu Pedroquinha, a recém chegada francesinha a Aninha, netinhos tão queridos… queremos desejar a todos e todas que já têm a felicidade de terem netos e netas para cuidar e mimar muito, com quem brincar e voltar a ser criança, os nossos PARABÉNS pelo DIA DOS AVÓS. Bendito sejam os avós…

Que seus netos e netas cresçam saudáveis e felizes, que é o que todo vovô e vovó mais desejam. E que vocês, avós, possam desfrutar bastante dessas alegrias, recebendo todo o amor 💙 e carinho 💕🌸 que merecem de seus netos, filhos e todas as pessoas da sua família. De nossa parte, estamos aqui mimando muitoooooo cada um deles…

Digo “Bom dia mundo” pra vocês meus netinhos queridos, muito bem vindos… estarão descobrindo aos poucos esta imensidão e beleza de mundo que existe… Aqui vocês descobrirão muitas coisas e farão suas escolhas… onde construirão suas histórias de vida! Juntos vamos caminhar em muitas destas suas histórias que guardaremos eternamente em nossas memórias, serão nossos tesouros ok?

Há tanta coisas que quero conversar com vocês, tantas histórias que desejo compartilhar, sabe? Estou deixando muitas coisas registradas aqui neste “Livro das Histórias da Vovó Bia”… que construí com muito carinho, pra vocês, meus queridos netinhos! Aqui vocês encontrarão um pouco da minha história… As “Histórias de Vovó Bia”… preparem-se pra viajar no tempo com elas… algum dia!

No meu Blog também encontrarão outras tantas…

https://oterceiroato.com/2015/10/29/eu-vou-ser-avo-pela-primeira-vez-que-felicidade/

https://oterceiroato.com/. 2015/11/01/meu-neto-nasceu-feliz-demais/.

https://oterceiroato.com/2016/08/31/eu-vou-ser-vovo-pela-primeira-vez-a-distancia/

https://oterceiroato.com/2016/06/01/avos-e-netos-beneficios-desta-relacao/.

https://oterceiroato.com/2015/12/04/meus-instantes/ 

https://oterceiroato.com/2016/07/26/dia-das-avos/

https://oterceiroato.com/2018/03/29/a-mulher-ao-centro-da-vida/

AVÓS QUE CUIDAM DOS NETOS VIVEM MAIS, DIZ ESTUDO.

avos-vivem-mais2

“Quanta sabedoria tem o olhar dos avós, quanta generosidade têm seus sorrisos, que aconchego têm seus abraços”. Raquel Piffer

Este estudo só vem confirmar o que eu acredito… ser avó é uma das melhores coisas da nossa vida… Ficar mais tempo com eles, pra ajudar os pais e termos mais contato com eles é uma benção. Com tudo combinado e emparelhado, vamos em frente… vivendo mais feliz.  Leiam:

Avós que cuidam dos netos vivem mais, diz estudo.

Em muitos casos essa não é a decisão mais fácil de se fazer, porque talvez os avós já estão em idade muito avançada ou simplesmente não gostam de cuidar de crianças. Mas, saiba que além de ser uma boa economia de dinheiro (sem gasto com babá), você está ajudando na saúde dos seus pais ou sogros.

Segundo um novo estudo publicado na “Evolution & Human Behavior”, avós que tomam conta dos netos vivem significativamente por mais tempo — o que faz total sentido, porque ter netos traz vários benefícios para a saúde.

Uma pesquisa publicada na revista científica Evolution and Human Behavior descobriu que avós e avôs que ajudam a cuidar dos netos vivem mais do que aqueles que não ajudam. Os pesquisadores observaram que os avós que ajudaram a cuidar dos netos ou outras crianças da família viveram cerca de sete anos a mais após o fim do estudo. Enquanto, os que não ajudaram viveram cerca de quatro anos a mais após o fim do estudo. Ou seja, os avós que ajudaram a cuidar de seus pequenos viveram cerca de três anos a mais do que aqueles que não contribuíram. Os autores do estudo acreditam que isto ocorre porque cuidar dos netos dá aos avós um senso de propósito e os ajuda a se manterem fisicamente e psicologicamente ativos.

avo 9

Como foi feito o estudo?

A pesquisa se baseou no Estudo de Envelhecimento de Berlim e analisou 20 anos de dados de 500 idosos com idade igual ou maior a 70 anos até 103 anos e durou entre 1990 e 2009.

Contudo, os autores do estudo alertam que é importante que os papais e mamães não se empolguem. “Ajudar os pais em um nível moderado tem um efeito positivo na saúde dos avós. Contudo, estudos anteriores mostraram que um envolvimento mais intenso dos avós nos cuidados com os netos pode causar estresse e ter um efeito negativo na saúde física e mental dos avós”, alerta Ralph Hertwig, autor do estudo e diretor do Center for Adaptive Rationality at the Max Planck Institute for Human Development. Então, nada de abusar da boa vontade dos avós.

Os avós que forneceram algum tipo de cuidado aos seus netos tinham uma taxa de risco 37% menor do que os seus colegas não cuidadores.

“Existe uma ligação entre tomar conta dos netos e redução de estresse, e nós conhecem o a relação entre estresse e alto risco de morte”, diz o Dr. Ronan Factora, médico geriatra de Cleveland.

“Se oferecer cuidado aos netos e outros em necessidade é um jeito de reduzir estresse, então essas atividades devem ser benéficas para avós que prestam cuidam de seus netos”, conclui.

Vale lembrar que não é tudo tão simples assim…

As pesquisas ainda estão evoluindo e precisamos destacar outros pontos que ainda não foram concluídos.

Por exemplo, os benefícios analisados foram além da relação familiar, ou seja, os idosos que cuidavam de crianças que não eram da sua família também apresentavam condições semelhantes.

Outro ponto importante é que o estudo não incluiu dados de avós que eram o primeiro responsável pelas crianças.

Fonte: https://awebic.com/humanidade/avos-vivem-mais/

A ARTE DE IR EMBORA.

ir embora 3

“Difícil não é lutar por aquilo que se quer, e sim desistir daquilo que se mais ama. Eu desisti! Mas não pense que foi por não ter coragem de lutar, e sim por não ter mais condições de sofrer”. Bob Marley.

Gosto muito deste texto de Mariana Caramori. Atual e ajuda as pessoas a entenderem melhor quando e como é necessário partir de um relacionamento que já se encerrou. Muitas já passaram por isso e entendem o quão difícil e delicado é este momento, esta fase da vida… mas sabem também que vivido o luto, novos caminhos se abrem e construímos uma nova história muito melhor e mais feliz com o tempo. é só acreditar e se abrir para novas possibilidades. Leiam:

É estranho como, às vezes, mesmo contra nossa vontade temos que partir. Seja de um lugar, seja de uma situação, seja de dentro de alguém… percebi então, de quantas coisas, lugares e situações eu tive que ir embora mesmo sem querer.

Seja porque era hora, seja porque existia um motivo relevante ou mesmo não tendo motivo algum aparente. É quando se tem a sensação de que é hora e não da mais pra ficar ali, mesmo querendo. É quando a gente quer ficar, mas o cansaço nos impulsiona a seguir novos rumos e alçar novos voos.

Só quem já passou por situações semelhantes sabe do que estou falando: a arte de ir embora quando se quer ficar, de abrir mão quando se quer muito ainda, de deixar pra lá quando insiste em estar bem aqui. E quando eu digo arte é bem no sentido literal da palavra mesmo. Porque nem sempre as pessoas entendem quando você se vai. Aliás, elas quase nunca entendem…  Não é qualquer um que é artista. E por isso, fica difícil explicar.

É difícil fazer as pessoas entenderem que nem sempre quando se quer é a hora certa. É difícil elas entenderem que a gente tira o time de campo, mas o pensamento ainda joga o tempo todo. E que, lidar com essa ambiguidade é também muito difícil. É difícil pra elas entenderem que a gente segue a vida porque a vida também sempre segue, mesmo que a gente não queira.

Mas isso pouco importa. Eu só vim mesmo aqui pra te dizer que eu não queria ter ido, mas fui. Pra te fazer entender que eu teria escolhido ficar se você tivesse me dado essa opção. Pra te contar que eu só fui, porque você me permitiu ir embora. A gente sempre vai embora não é?

ir embora 5

Encerrando ciclos.

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos – não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.

Foi despedido do trabalho? Terminou uma relação? Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país? A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações?

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu. Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, apaixonados que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração – e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar. Então encerrar o ciclo… seguir em frente… sem olhar para traz.. se faz necessário.

ir embora 9

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.

Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do “momento ideal”. Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará.

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa – nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quemé.  ir-ambora 7

Como saber a hora de partir?

Chega um instante em que você tem que decidir o seu destino. Permaneço no meu querido sofá rasgado que já tem a forma do meu corpo? Ou pego a mochila, umas mudas de roupa, e saio de fininho antes do amanhecer? Todos passam por momentos de decisão onde um passo pode levar tanto para a glória, quanto para a beira de um abismo.

A sensação que tenho é que quanto mais amadurecemos, mais precisamos tomar as rédeas da nossa vida. Quando somos crianças sempre existe alguém que decide por nós; o que vamos comer, aonde ir, o que vestir… Com o passar do tempo o fato de ser pessoa começa a nos cobrar decisões. Vem bem de mansinho e sem que a gente se dê conta passamos a decidir com quem nos relacionar, que profissão escolher, fazer um plano de carreira.

Vamos pouco a pouco tomando o controle da nossa existência, conduzindo nossos caminhos, até que, num piscar de olhos, somos pilotos de Fórmula 1 disparados na carreira da vida, entre ultrapassagens e colisões lutando para chegar ao pódio. Você é o piloto, o condutor, quem tem a posse da direção.

A vida é representada pelo carro. Os seus adversários e companheiros de equipe são as pessoas que você interage. Todos buscam a vitória. A vitória afetiva, a vitória profissional, o reconhecimento, a recompensa. Mas cuidado, porque o percurso é escorregadio, chuvas torrenciais surgem sem trovoadas. Preste atenção quando houver neblina e tente não se dispersar com a paisagem.

Na vida a gente só muda diante do novo. Livros já lidos, músicas que a letra se sabe de cor, receitas que não precisamos mais espiar… Isso faz parte da nossa essência, do que construímos, são parte de nós e da nossa estrutura como indivíduo. No passado nós já arriscamos ao ler aquele livro, escutar aquela canção e preparar aquela receita.

ir embora 4   ir-ambora 10 jpg

Na maioria das vezes o que nos mantém em pé diante das dificuldades não é o que temos, mas sim, o que queremos ter. Temos quem nos ama, temos amigos. Essas pessoas são pivôs na nossa existência, pilastras que nos ancoram e nos escoram. Gratidão a parte, mas para exercer o ofício do novo é fundamental arriscar. O que nos faz sair do lugar é exatamente a busca pelo desconhecido, perseguir a melhoria, vislumbrar a mudança. É sonhar.

Como saber que é hora de mudar?

Pergunta difícil, cheia de possibilidades. Ir ou ficar? Se ir, para onde? Esquerda, direita, em frente? Ficar é mais fácil porque não exige nada de nós. Entretanto é provável que, mais adiante, você terá que conviver com as dores do reumatismo por ter ficado tanto tempo no sofá da vida.

Eu costumo dizer que a hora de soltar as correntes e dar o primeiro passo é justamente quando se sentir incomodado. Atenção à luz amarela do semáforo. Quando ela começar a piscar e você se descobrir enfadado, molestado na situação na qual vive é hora de mudar o trajeto. O incômodo gera infelicidade, frustração, te sucumbe à sensação de incapacidade. Ele é como a febre que denuncia quando algo vai mal no organismo. É o pisca-alerta da vida.

Esse peso faz enxergar que aquilo que andava bem e te fazia feliz, já não te completa mais. O que era bom transformou-se em algo penoso, enfadonho, inoportuno. Chegou a hora de botar mais combustível, trocar o óleo, calibrar os pneus, ou talvez só mudar o trajeto para evitar um acidente de percurso lá na frente.

Portanto, segure firme o volante. Derrape, mas ultrapasse lá na frente. Esbarre, mas faça a curva com segurança. Tenha precaução em tempos de chuva, mas acelere nas retas quando o sol brilhar!

“Perdoa-me, folha seca… não posso cuidar de ti… Tu és folha de outono voante pelo jardim… Deixo-te a minha saudade: – a melhor parte de mim”. Cecília Meireles

Fonte: http://www.contioutra.com/a-arte-de-ir-embora/

SE…

“Sabemos o que somos, mas não sabemos o que poderemos ser”. Willian Shakespeare

Uma das mais lindas poesias que já conheci, que te dá uma força incrível pra lutar… principalmente nos momentos mais difíceis de nossa vida e continuarmos caminhando, resilientes… sem dúvida pra mim é está de Rudyard Kipling. Lembro- me que me foi oferecida por meu pai quando me casei. Sábio era meu paí. Várias vezes releio, ainda preciso ouvi-la, (quando passo por momentos difíceis)… confesso que encontro um certo alívio e não me sinto tão só. Quero compartilhar com vocês agora. Leia:

img_1463-1

Se és capaz de manter tua calma, quando,

todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa.

De crer em ti quando estão todos duvidando,

e para esses no entanto achar uma desculpa.

Se és capaz de esperar sem te desesperares,

ou, enganado, não mentir ao mentiroso,

Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,

e não parecer bom demais, nem pretensioso.

Se és capaz de pensar – sem que a isso só te atires,

de sonhar – sem fazer dos sonhos teus senhores.

Se, encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguires,

tratar da mesma forma a esses dois impostores.

Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas,

em armadilhas as verdades que disseste

E as coisas, por que deste a vida estraçalhadas,

e refazê-las com o bem pouco que te reste.

Se és capaz de arriscar numa única parada,

tudo quanto ganhaste em toda a tua vida.

E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,

resignado, tornar ao ponto de partida.

De forçar coração, nervos, músculos, tudo,

a dar seja o que for que neles ainda existe.

E a persistir assim quando, exausto, contudo,

resta a vontade em ti, que ainda te ordena: Persiste!

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes,

e, entre Reis, não perder a naturalidade.

E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,

se a todos podes ser de alguma utilidade.

Se és capaz de dar, segundo por segundo,

ao minuto fatal todo valor e brilho.

Tua é a Terra com tudo o que existe no mundo,

e – o que ainda é muito mais – és um Homem, meu filho!

arco iris 3

Espero que ajude!

A ARTE DE SE ORGANIZAR EM VIDA – O QUE FAZER ANTES DE MORRER, PARA FACILITAR A VIDA DOS QUE FICAM.

“O segredo? É apreciar os momentos, desapegar-se das coisas e, viver, apenas viver”. Adriana Leva

É importante a medida que envelhecemos, principalmente depois dos 65, começarmos a pensar em organizar a nossa vida, de forma que, na hora que a gente partir deste mundo, não deixar problemas para serem resolvidos pelos outras pessoas que ficarem. Esse é o tema de um livro escrito pela artista sueca Margareta Magnusson, que foi lançado no Brasil (Amazon/ janeiro de 2018). “The Gentle Art of Swedish Death Cleaning” ou a “Suave arte sueca da limpeza da morte” (em livre tradução), onde explica a técnica de “destralhar tudo” antes de morrer… e já está dando o que falar no mundo inteiro da organização.

O tema é extremamente delicado, mas necessário e que precisa ser pensado com carinho.

Leia o artigo publicado pelo site greenme.com.br:

O livro propõe o que seu título macabro sugere, ou seja, orientar e guiar as estratégias que constituem a nossa passagem daqui para uma melhor.

A autora, Margareta Magnusson, é uma artista sueca que viveu e exibiu suas obras em todos os lugares, de Hong Kong a Cingapura.

Sua idade, para usar suas palavras, está “entre os 80 e os 100 anos” e ela decidiu escrever este livro – seu primeiro – sobre a questão de organizar tudo antes de partir para o outro mundo para que – quem permanecer e herdar seus bens – encontre tudo arrumado, com a maior parte do trabalho já feito.

“Honestamente, eu não tenho certeza de que sua intenção com o livro, não era a de trazer um pouco de diversão e ironia sobre os livros e as publicações de autoajuda”, disse Shana Lebowitz em sua crítica na revista Business Insider.

Quem sabe?

Por diversão ou não, porém, Magnusson propõe uma série de passos e sugestões para eliminar a desordem, organizar as coisas e reduzir a incrível quantidade de objetos, documentos e qualquer outra coisa que se tenha em casa: um convite claro para o minimalismo, para o deixar-se ir para o lado de lá leve, sem o monte de bobagens que acumulamos durante a vida.

O livro de 128 páginas vai ao concreto, explicando: 1) o que se pode dar ou vender (presentes indesejados, pratos nunca usados, roupas absurdas, enfim); 2) o que pode permanecer como parte da herança – coisas que podem ser preservadas, porque são importantes ou documentam os estágios da vida familiar (fotografias, cartas de amor, talvez alguns desenhos históricos das crianças); 3) e o que é melhor que se dê logo um fim (fotos estranhas ou páginas de diários que seriam constrangedores se alguém, especialmente seus próprios filhos, pudessem vê-los).

Quem vai querer ler este livro? De acordo com a autora, o livro é perfeito para todas as idades: sempre que os armários começam a explodir ou as gavetas ficam cheias, é hora de fazer uma faxina, que inclusive faz bem à alma, mas a “limpeza da morte” pode começar a ser feita por aqueles que se aproximam do 65º aniversário.

A novidade deste projeto é que ele vai além do habitual “decluttering”. Primeiro porque coloca o acento sobre a morte, um tema que a maioria das pessoas evita considerar e, segundo porque o planejamento e a motivação desta limpeza, dá um sentido prospectivo entre o presente, o futuro e o além do futuro; liga a vida à morte e à vida que continua.

Ademais, vamos falar a verdade, dar fim às coisas materiais supérfluas e pensar sobre o que é realmente importante na vida é uma maneira racional, às vezes alegre, às vezes emocional, também de facilitar a vida daqueles que deixaremos com nossas tralhas acumuladas.

Podemos evitar brigas inúteis e também que os vivos falem mal da gente até quando morrermos, por termos deixado aos entes queridos tanta coisa para ser arrumada, jogada e limpada. Desse jeito, deixaremos como herança, rica ou pobre que seja, pelo menos o nosso sentido de leveza e sabedoria de vida. Vocês concordam?

Resumindo a teoria sueca de “Destralhar antes de Morrer”… em 5 Dicas:

1. Não tenha coisas que você não quer, porque alguém vai ter que tomar conta disso no futuro!

2. Tenha uma caixa em que guarda as coisas que devem ir para o lixo, mas não esqueça de colocar uma etiqueta com essa informação.

3. É bom estar sempre preparado para o “Death Cleaning”, porque você não sabe quando pode morrer.

4. Não é justo para as outras pessoas, deixar muitas tralhas pessoais.

5. Para quê ter tantas coisas, se quando morrer não poderá levar consigo?

QUAL É O SENTIDO DE SER AVÓ? MONJA COEN.

“Avós são mágicos, em qualquer tempo eles trazem de volta os sabores da infância. Amo ser avó”. Raquel Piffer

Como uma “vovó coruja e assumida” que sou… agora quase chegando mais dois netinhos… muito queridos (serão três) e com a proximidade do dia dos avós, encontrei este post que adorei. Repasso agora para vocês esta entrevista exclusiva do portal avŏsidade (realizada por Elisabete Junqueira e Jorge Luiz de Souza) onde Monja Coen compartilha conosco partes especialmente selecionadas da enorme sabedoria que acumulou depois que deixou o Brasil e junto a sua profissão de jornalista para viver em um mosteiro budista no Japão. É… “Avós nos tempos modernos continuam deseducando um pouco, mas com um brincar que inclui ensinamento”. Assim define a Monja Coen, cujo nome civil é Cláudia Dias Baptista de Souza, mãe da Fábia, avó da Rafaela e bisavó do Mahao.

 “Existe um papel de avô e avó, que é o de contradizer um pouco os filhos com relação aos netos”, diz ela. E explica que a função dos avós em relação aos pais é isto, de questioná-los: “vocês têm certeza de que esta é a melhor maneira de educar seu filho?”

Ainda definindo o sentido de ser avó, cita um monge vietnamita que diz: “a maior dádiva para alguém é a sua presença, é estar presente pro outro”. E a presença é mesmo para influir na educação das novas gerações. “As crianças vão receber influências de toda parte. E os pais quererem negar a influência dos avós é um absurdo. Que bom que seja influenciado pelos avós.”

Mudar a rotina.

Com sua experiência, Monja Coen traz para a entrevista alguns ensinamentos bem precisos para aprimorar o relacionamento entre as gerações dentro de uma família. Um deles é permitir o convívio em lugares neutros, que não pertençam a um ou outro membro do grupo.

Outra dica: evitar as discussões familiares nas refeições. “A gente, pra conversar, não precisa convencer o outro do nosso ponto de vista, mas ouvir, ouvir pra entender.”

Os mais velhos podem apontar caminhos, mas os mais jovens têm de viver suas próprias experiências – é outra sabedoria que ela compartilha. Mas às vezes é bem incisiva: “Ser boazinha é um crime, ninguém tem de ser bonzinho nesse mundo, tem que ser correto”.

Ela também conta histórias de sua vida familiar, como o parto do bisneto, que foi feito em casa. E ela, mesmo apreensiva com os riscos, foi a pessoa da família que mais participou.

A entrevista… 

Eis os principais trechos da entrevista:

Ser avó em tempos modernos.

Avós continuam deseducando um pouco, mas com um brincar que inclui ensinamento.

“Eu acho que hoje as avós são mais jovens e muitas delas estão ainda em áreas de trabalho, não estão aposentadas. Antigamente, avó era geralmente uma pessoa que já tinha se aposentado. Então, ela tinha muita disponibilidade de estar com os netos, de cuidar, de dar suporte. Houve uma época em que as famílias moravam juntas, que é uma coisa que ainda se faz no Japão, a vovó e o vovô moram com o filho mais velho ou com a filha mais velha. Então, podem dar esse apoio familiar. E hoje é um pouco raro. Então, houve realmente uma mudança no papel do avô e da avó, que brincam um pouco mais, continuam brincando, continuam deseducando um pouco mais também, permitindo…

…aquilo que os pais tão jovens não permitem. E a gente vai lembrando que quando a gente era jovem, era mais rígida, não é? Exigia mais, ‘não pode ser assim…’, ‘eu tenho certeza, né? E por isso tenho de fazer tudo certinho’. Eu acredito que a idade, a experiência, nos faz ver que as pessoas crescem e se desenvolvem melhor com brincadeira, com carinho, do que com rigidez. Mas tem que ter uma certa rigidez. Então, avô ou avó não são apenas aqueles que brincam, porque esse brincar inclui um ensinamento”

Competição entre pais e avós?

Um papel de avô e avó é contradizer um pouco os filhos, sim.

Tem o medo da competição, de que a criança vai gostar mais do vovô e da vovó do que da mamãe e do papai, que vai pedir colo do vovô e vovó, que vai ser contrariado pelo vovô e vovó e não vai fazer o que o papai ou a mamãe quer. Então, nisso a gente precisa de muito diálogo, de fazê-los entender que ninguém está tirando o papel do pai e da mãe. Pelo contrário, existe um papel de avô e avó e o papel de avô e avó é este. É de contradizer um pouco os filhos, sim. De pensar nesses netos que já se vê com um olhar…

…diferente, e que eles têm que saber que isso faz parte do crescimento de uma criança. Que ela precisa de ter pontos de vista diferentes e olhares diferentes. Que não é só quem concorda conosco que é bom. Quem discorda de nós é muito bom porque nos provoca a encontrar meios e expedientes de defender o nosso ponto de vista. Então, a função dos avós em relação aos pais é isto, de questioná-los: ‘vocês têm certeza de que esta é a melhor maneira de educar seu filho?’”

Uma nova relação com a criança.

Pelo menos uma hora por dia deixar o celular no mudo e brincar.

Uma coisa importante é partilhar com a criança. Chegar em casa e perguntar ‘o que você tem pra me ensinar hoje?’ Não é ‘o que você aprendeu?’, é ‘o que você tem pra me ensinar, me ensina uma coisa’. Mudar um pouco o papel e ser mais lúdico. Ter encontros. Uma coisa que afasta… tem até as brincadeiras que se faz com as pessoas que ficam tanto tempo nos celulares. E que não olham mais para a cara dos filhos, da criança, da esposa ou do marido, cada um envolvido no seu mundo individual. E a gente poder ter pelo menos uma vez por dia uma reunião familiar, que pode ser um café da manhã, um almoço, jantar ou lanchinho à noite, mas que possam estar juntos por alguns momentos, partilhando o que fizemos hoje, o que foi bom…

…em outros projetos, sociais, voluntários, seja o que for, e também envolvidos no celular. Então, não participa com a criança, né? Fica com a criança, mas está no celular como o pai e a mãe estão. Então, o personagem do avô e da avó que seria aquele que pode brincar junto, fazer bobagem junto, errar junto, de repente não está mais lá, porque está no celular. Então, a gente tem que pelo menos uma hora por dia deixar o celular no ladinho, põe ele no mudo e vai brincar com a criança, vai estar presente. Há um monge vietnamita que diz isso: ‘a maior dádiva para alguém é a sua presença, é estar presente pro outro’. Imagine se nós estamos presentes se eu falo com você e pensando ali… Não existe isso, mas fazemos isso com as crianças, fazemos com adolescentes, permitimos que os adolescentes façam isso…”

Leia também: https://oterceiroato.com/2016/06/01/avos-e-netos-beneficios-desta-relacao/

Mude a rotina.

Sugestão: encontrar lugares neutros, de as famílias irem viajar com todos juntos.

Eu acho que a gente podia encontrar lugares neutros, de as famílias irem viajar com todos juntos. O sogro da minha neta faz isso uma vez por ano. Ele tem dois filhos, os dois casados e com filhos. Uma vez por ano ele junta a família toda para fazer um passeio, umas férias juntas. Então, ele vai com os dois filhos, com as duas noras, com as crianças, e ele e a esposa. Então, ele consegue, porque você não está na casa. É uma coisa muito hábil, muito inteligente. Foram fazer um passeio de barco, foram a Disneyworld. Pode ir pra São José, não precisa ser lugares no exterior que sejam caro, pode ir para um hotel fazenda, vai para um sitiozinho…

…de um amigo, mas não na sua casa. Porque a sua casa é um pouco o seu reino. E aí a outra pessoa acha que está entrando no reino do outro. Então, o homem não é o rei lá, o sogro é que é o rei. A menina não é rainha da casa, porque a rainha é a sogra. Então, imagine que é um lugar neutro. E aí sim eu acho que vai funcionar bonito. Porque vamos estar todos juntos num lugar que é desconhecido para nós. Vamos descobrir juntos. E vamos deixar as crianças correrem para cá e para lá, pro lado dos vovôs, das vovós, e não ficarem só com os pais.”

Quem não dança, segura a criança.

Avô e avó formaram seus filhos e são, de certa forma, pessoas de confiança.

Pai e mãe gostam muito de avô e avó quando querem ficar sozinhos. Quando eles têm um evento, uma coisa pra sair. Então, vovô e vovó são a solução. Ainda bem, ainda bem, porque é mais importante deixar com os avós do que com pessoas desconhecidas, que podem ensinar coisas muito erradas. Eu sempre digo, quando eu faço palestras, que a gente tinha que pagar muito bem as pessoas que ficam com as crianças, porque elas têm que ser muito capacitadas. Nós estamos deixando seres humanos frágeis, que estão captando tudo que está no ar, com pessoas que não estão preparadas. Então, tanto professores do ensino básico, infantil, pré-escola…

…como início de escolaridade, como quem vai à nossa casa ficaria, por exemplo, eu tenho que trabalhar, meu marido vai trabalhar, com quem vai ficar a criança? Ah, vou chamar aquela moça ali, aquela mocinha, porque é barato e eu posso pagar. Ela está capacitada? O que ela vai ensinar para essas crianças, que atitude ela tem em relação ao mundo? Como ela se comporta em frente ao mundo? Porque, se a pessoa não tem capacidade, ela vai influenciar de forma negativa. Por isso avô e avó são importantes nessa hora. Porque eles formaram esses pais. Então, eles são, de certa forma, pessoas de confiança.”

Até onde vai o limite do controle?

Saber que, como avós, até onde eu posso interferir e onde eu paro.

“As crianças vão receber influências de toda parte. E os pais quererem negar a influência dos avós é um absurdo. Que bom que seja influenciado pelos avós. Eu conheço uma senhora, por exemplo, que ela é avó, o filho dela se casou, e ele é ateu e a nora é ateia, e ela cisma que as criancinhas precisam ir à igreja. Então, eu não sei o quanto isso afeta a nora e o filho, ou não. Ela diz: pelo menos uma vez por mês eu vou levar as crianças à igreja. Até hoje ela não levou. Mas ela ensina para as crianças cantigas católicas e fica muito alegrinha, achando que ela está fazendo uma coisa boa. Mas se os pais não estão de acordo, isso pode virar um atrito, não é verdade? Isso pode ser uma fonte de desafeto, depois dizer: eu não quero que você venha influenciar as…

…bom na sua infância. E ela é contrária. Então, a gente tem agora essas discórdias de gerações e de maneira de pensar, tem jovens muito radicais, de ser vegano, e nada disso pode. E nós, pessoas de uma geração anterior, ficamos olhando e falando: ‘Nós queremos saúde, nós não queremos um modismo, mas o que é saudável para um ser humano num processo de crescimento’. E que depois faça sua escolha. A escolha vai ser da própria pessoa em fase adulta. Mas numa fase de crescimento, se a gente puder oferecer aquilo que vai permitir um estado saudável… E aí que vem a questão: o que é saudável? Tive uma prima que se tornou vegetariana e então as filhas eram vegetarianas. Mas quando chegavam na casa a avó, a primeira coisa era pedir: vovó, faz um bifinho?”

Tolerância e respeito.

No mosteiro, durante a refeição quem fala, e é mais saudável.

Reuniões de família eram uma coisa muito gostosa. Não era como esses almoços e jantares que agora existem, em alguns domingos, que sentam na mesa e brigam. Era outra coisa. Era reunir pra cantar, pra dançar, pra declamar, pra mostrar uma coisa nova. Não se ficava pegando nas coisas pequenas. Mas no dia a dia, e nos jantares e almoços mais íntimos nossos, a coisa pegava. Eu brigava com minha irmã e meu avô dizia assim: ‘na minha infância, ninguém falava na mesa, a mesa é pra comer, não é pra conversar”. Vou para o mosteiro, e no mosteiro é assim. Durante a refeição quem fala. E eu percebo que é mais saudável. Eu não consigo fazer isso aqui na casa. Faço durante retiros, mas no dia a dia, não. Mas é muito mais saudável se a gente pudesse, quando sentar na mesa, fazer uma prece, um agradecimento, …

…por que estamos tão radicalizados, extremistas? ‘Eu penso isso e se você não pensa como eu você é louca, você não presta e eu não falo mais com você!’ O que é isso, gente? Isto teve, eu acho, uma influência muito grande da mídia. Nós tivemos uma mídia e estamos tendo, e é internacional, não é só nacional, mas também a internacional, que é bem assim: ‘ou você é a meu favor ou você é contra, eu quero destruir você, você tem que pensar como eu penso’. Não é assim. Nem todos pensamos do mesmo jeito. Os nossos olhares são diferentes, por ângulos diferentes e experiências diferentes. E a gente, pra conversar, não precisa convencer o outro do nosso ponto de vista, mas ouvir. Ouvir pra entender.”

Um parto diferente.

Como foi a história da chegada de um bebê em casa.

Ela resolveu que ia ter o bebê em casa e começou a me passar filmes pra que eu me educasse, pra que eu pudesse aceitar que o bebê nascesse aqui. Porque ela mora em um apartamento pequenininho e não caberia. Ela queria nascer numa banheira… o bebê. E aqui no banheiro antigo da casa cabia a tal da banheira pro bebê nascer. E a coisa foi comigo. Não foi com a avó, não. As avós não estavam querendo, não estavam muito a favor. E a minha irmã, que é médica, estava furiosa. Se a medicina cresceu tanto, temos a capacidade de não ter mortalidade infantil, de as mulheres terem partos saudáveis. Se tiver algum problema, num hospital, num minuto salva. Em casa, num minuto morre. Ou pode ter uma coisa gravíssima. É a visão médica. E ela me explicando que não, não é assim, veja…

…comecei a rezar tudo que eu sabia. E eu sempre digo que foi a reza mais forte que eu já fiz até hoje. Na hora em que eu vi a linguinha da minha neta ficar roxinha, porque tinha que fazer esforço, quando aquela língua ficou roxa eu falei: ‘agora não pode mais, agora tem que sair.’ Eu pequei todas as rezas que eu tenho, todos os livros de reza que eu tenho, bem forte, e o bebê nasceu. Ai, que bom! Que susto! Porque fica uma responsabilidade de uma coisa que é nova, de uma coisa que não tem assistência médica, embora essa enfermeira tenha uma experiência de 30 anos como obstetra, ela acabar até ensinando as próprias médicas como fazer alguns partos, mas sempre uma responsabilidade. Fui eu que assumi, né? O resto da família não estava aí. Estava só eu.”

Ser boazinha é um crime.

Avós têm que ter meios hábeis porque têm mais idade, mais experiência.

Ser boazinha é um crime. Ninguém tem de ser bonzinho nesse mundo, tem que ser correto e adequado. Para isso tem que ter sensibilidade pra perceber. Se eu falar agora, vai ser bom? Se eu interferir neste momento, vai ser adequado? Se não é, eu não interfiro agora. Mas eu percebo o momento certo de falar. E as vezes, falar com um… Pra mim, funciona mais falar com o marido da minha neta do que com ela. Quando a coisa está mais assim eu chamo ele do lado sem ela ouvir. E aí funciona. Porque ele não tem essa intimidade…

…que ela tem comigo. Dizer que ‘não vou ouvir, vovô, você é de outra geração”. Ele me ouve. Então, a gente tem que ter meios hábeis. Pra isso temos mais idade, pra isso temos mais experiência. Não pra competir com nossos filhos. Não pra competir com uma nova maneira de ser no mundo, que já não é mais a nossa. Embora a gente esteja, a gente já viveu num outro momento, então não por que interferir tanto, mas estar presente. Dar a eles essa sensação de, se precisar, estou aqui.”

A vida é para ser vivida.

Avós não têm pressa, a avosidade lhes permite perceber como tudo passa.

Na maior parte da vida a gente não usa a experiência do outro. A gente tem que passar. A gente gostaria que nossos filhos e netos pulassem etapas. Usa minha experiência, eu estou te dizendo… Mas não adianta. Algumas coisas, sim; mas a maioria, não. Eles têm que passar. E a gente apenas observa e lembra: eu também fui assim, olha o que eu fazia, também fiz arte, também não ouvi, não ouvi minha vovó, meu papai. Então a gente…

…se lembra de que passamos por essas etapas. Por isso é mais bonito. A gente não tem pressa, não tem angústia, não tem ansiedade… ‘Ai, precisa fazer!’ Não! A vida por si mesma vai fazendo com que aconteça. Eu posso apenas apontar. Apontar caminhos é isso. Dizer: ‘se você subir essa ladeira, você vai dar numa avenida tal; se você descer a ladeira, vai dar em outra avenida. Você quer ir pra que lado? Eu acho que a avosidade nos permite perceber como tudo passa.”

Espero que traga reflexões sobre o assunto na família. O dialogo e o respeito são muito importante para uma boa convivência entre as diferentes gerações da família.

Leia também:

https://oterceiroato.com/2015/10/29/eu-vou-ser-avo-pela-primeira-vez-que-felicidade/

https://oterceiroato.com/2016/08/31/eu-vou-ser-vovo-pela-primeira-vez-a-distancia/

MAIS VELHOS VIVEM MAIS SATISFEITOS DO QUE JOVENS, ESTUDO O MOSTRA.

“Tem pessoas velhas com almas jovens e jovens que já são velhos”! Daniel Godri Junior.

Gosto destes assuntos…rsrsrs. Estudos mostram que as pessoas mais velhas vivem mais satisfeitos do que jovens. Adorei isso que Maya Santana, do Blog 50emais, publicou sobre este tema.Trata-se de um artigo do jornal El País, assinado por Daniel Mediaville, onde divulga o resultado de uma pesquisa, tem o maior sentido pra mim… “Os cientistas continuam acumulando provas que indicam que os anos, apesar de nos tornarem mais feios (será?) e menos ágeis, nos deixarão mais felizes, mas ainda não se depararam com uma explicação completamente satisfatória que explique a tendência” – diz Daniel.

Com base na minha experiência pessoal, eu acho que essa maior sensação de bem estar tem a ver o grau de liberdade que se adquire com a idade. Não se dá tanta importância mais ao que os outros falam. Ficamos mais autênticos, nos sentindo mais livres para levar a vida que queremos levar. Tudo isso conta para que tenhamos um maior grau de satisfação com o viver. Leia o artigo:

Nós, seres humanos, sentimos uma intensa atração pelo que nos faz mal. Adoramos as bebidas açucaradas, as comidas gordurosas e passar as férias em casal. Também desejamos ser jovens eternamente, apesar de que, como uma grande quantidade de estudos mostrou, somos mais felizes quando nos aproximamos da velhice. Pesquisas em dezenas de países indicam um padrão bastante generalizado. A maior parte das pessoas dá uma pontuação elevada quando se pergunta a elas sobre sua satisfação com a vida durante os primeiros anos da casa dos 20. Depois, essa satisfação cai, com a menor pontuação ao redor dos 50. A partir daí, a felicidade cresce progressivamente, até mesmo

escada ceu

na faixa dos 90. Na semana passada foram publicados os resultados de um trabalho norte-americano sobre idade e bem-estar psicológico que confirma, com algumas nuances, essa ideia. O estudo, baseado na resposta de 1.546 pessoas dos Estados Unidos e publicado na revista Journal of Clinical Psychiatry por pesquisadores da Universidade da Califórnia, de San Diego, mostra uma tendência a se sentir melhor consigo mesmo e com a vida “ano após ano e década após década”. Além disso, constatou-se o paradoxo de que, apesar da deterioração física e cognitiva, a saúde mental das pessoas idosas era melhor que a das mais jovens. Em contrapartida, os autores viram que os jovens na casa dos vinte e dos trinta anos tinham elevados níveis de estresse e mais sintomas de depressão e ansiedade. A diferença incorporada nesse artigo em relação a anteriores que exploraram as relações entre a idade e o bem-estar psicológico é que, em lugar da habitual forma de U, a progressão do bem-estar é linear dos 20 aos 90 anos.

ENVELHECER 2

Os cientistas continuam acumulando provas que indicam que os anos, apesar de nos tornarem mais feios e menos ágeis, nos deixarão mais felizes, mas ainda não se depararam com uma explicação completamente satisfatória que explique a tendência. Uma das possibilidades, apontam os autores, é que exista uma reserva emocional que ajude a contrabalançar a deterioração física, do mesmo modo que alguns sistemas cognitivos passivos equilibram a perda de algumas capacidades. Recentemente foi publicado um estudo que mostrava como o cérebro se reorganiza para compensar a perda de capacidade auditiva.

Outro mecanismo apontado pelos responsáveis do estudo é que com os anos se ganha habilidade na gestão das emoções e na gestão de decisões sociais complexas. Alguns estudos descobriram que com a passagem do tempo as pessoas experimentam menos emoções negativas e mostram um viés cada vez maior para memórias positivas.

Todos esses recursos, além da aprendizagem vital, podem estar relacionados com mudanças físicas produzidas pelo envelhecimento. Segundo explica o pesquisador Dilip Jeste, autor principal do trabalho, foi observado que “a amídala, a parte do cérebro associada com a percepção emocional, se torna menos sensível às situações estressantes ou negativas”. Além disso, “os níveis de dopamina no circuito de recompensa do cérebro decaem com a idade”, acrescenta. Ambas as mudanças facilitam o controle das emoções e geram uma maior sensação de bem-estar.

exercise-class

Estas mudanças biológicas, que mostram que muitas vezes os impulsos inscritos em nossos genes pela evolução não têm por que serem o melhor para nossos interesses pessoais, foram observadas em nossos parentes animais mais próximos. Um estudo com 500 chimpanzés e orangotangos também revelava indícios de uma crise da meia idade por volta dos 30 anos. Neste caso, porém, à subjetividade dos participantes que completam as pesquisas nas quais se avalia a própria felicidade se acrescentava que não foram os próprios primatas que julgaram seu nível de bem-estar, mas seus cuidadores.

Os autores do artigo reconhecem que será necessário muito trabalho para explicar esse fenômeno aparentemente contraditório. Esse conhecimento, além de pintar um futuro promissor para todos, ajudará a orientar melhor os tratamentos de saúde mental e adaptá-los às necessidades reais de cada idade.

Bom saber disso né?

Fiquei mais tranquila rsrsr

PARA (FUTURAS) MAMÃES, É BOM QUE SAIBAM… QUANDO BATER AQUELE CANSAÇO…

BIA

“Os filhos são para as mães as âncoras da sua vida”. Sofócles.

Hoje neste momento que minha filha de coração Carina está aniversariando e prestes a se tornar mãe. Quis lhe contar que ser mãe é uma das maiores bençãos que podemos ter na vida. Com toda loucura e cansaço que muitos momentos nos trazem, com certeza teremos muito mais alegrias pra saborear.

Pensando neste momento inicial da vida dela e de todas as mamães e pura vai… há uma crônica circulando pela internet, cuja autoria eu desconheço, mas é tão sincera e descreve tão bem estes momentos que só as mães são capazes de entender, pensei que vale a pena ser compartilhada aqui agora neste momento do niver da Cá. Como um incentivo, num olhar sensível e com muita compreensão sobre o papel mais importante de nossas vidas… o de ser mãe! Espero que goste… Leia:

As vezes, parece que ninguém nota os esforços diários de uma batalha materna. Ninguém nota as madrugadas insones, os choros contidos, os banhos não tomados, o almoço quente e saboroso que se transformou em um pão com manteiga e um café gelado.

Ninguém nota quando a mãe está trabalhando no limite da exaustão. Seja limpando, educando ou emprestando um imenso pedaço de si para manter aquele pequeno em perfeitas condições.

Por trás de um filho feliz, existe uma mãe com um coque no cabelo, roupa amassada e… cansada. Por trás de um filho feliz, existe um trabalho pesado que ninguém (ou quase ninguém) ousa se importar. Sentimos transbordar de amor e nos esquecemos de nós próprias, na maioria das vezes. Ser mãe é o mais importante (agora e sempre).

mae-lendo-para-os-filhos

A maternidade é uma profunda, dolorosa e imensa doação de si mesmo. Pausamos muitas coisas nestes momentos.

A maternidade é uma jornada para valentes, lugar de gente corajosa que se aventura na batalha de criar um ser humano independente: dando limites, emprestando as suas noites de sono, multiplicando as forças e amando-os para sempre, mesmo quando eles nos levam a loucura.

A maternidade é essa insana e profunda doação do nosso próprio coração. E mesmo quando ninguém nota, lá está ela – a mãe, doando o seu corpo, multiplicando o seu amor, dividindo os seus sorrisos e vivendo na mais completa e feliz exaustão. Porque toda mãe sabe que a melhor recompensa, para tanto cansaço, já está em suas mãos!

Podemos até estar cansada… Mas acredite, jamais cansada de ser mãe. ❤

img_4489

Agradeço todos os dias pelos filhos que tenho… e pelos filhos que adotei de coração. Você Carina, mora do lado esquerdo no meu peito, tenho muito carinho e amor por você, viu? Nunca se esqueça disso. Além de uma profunda admiração por todas as lutas, sonhos e vitórias que tens conquistado e das muitas outras que ainda virão (pego carona na janelinha e vou apreciando muito feliz tudo). Coragem, determinação, persistência e resiliência são suas maiores qualidades (entre outras tantas) as que eu mais admiro, quero que saiba disso.

Aprendizagens de convivência em família, nosso eterno desafio, temos muitas ainda pela frente, que com certeza valem sempre muito a pena. Parabéns Cá, futura mamãe… que você seja muito feliz nesta nova história que está construindo com sua família linda começando.

Te ofereço esta linda poesia de Bráulio Bessa (03/04/2017 – sobre “o lado esquerdo do peito”, oferecida pra Milton Nascimento, que eu adoro) e acredito que consegue explicar tão bem as sensações e os sentimentos que guardamos dentro de nós mesmo…O que  trazemos na alma, a verdadeira essência do ser humano…. ouça com carinho.

Estaremos sempre por perto, seu pai e eu. Conte sempre conosco, viu te amo muito! Muito sucesso! Beijos.

ENTÃO, VOCÊ VAI SER MÃE…

IMG_0860“A mãe compreende até o que os filhos não dizem”. Textos Judaicos

Quando li esta crônica, lembrei de tudo que já tinha vivido como mãe. Perfeito os sentimentos aqui descritos, cheios de muita sensibilidade. Hoje no “Dia das Mãe“… e com a gravidez de minhas duas filhas… e com minha nora já mamãe, e tantas outras de nós… sinto que como num bate papo, posso aqui compartilhar todos os sentimentos envolvidos neste momento maravilhoso da mulher… Hora de angústias, hora de uma explosão imensa de amor… ansiedades gerais que nos inundam neste período… ser mãe é a melhor coisa do mundo, não tenham dúvidas Tudo se transforma!

Acontece uma grande transformação “no momento em que uma criança nasce… a mãe também nasce. Ela nunca existiu antes. A mulher existia, mas a mãe, nunca. Uma mãe é algo absolutamente novo” (Osho).  Penso que “Ser Mãe é assumir de Deus o dom da criação, da doação e do amor incondicional. Ser mãe é encarnar a divindade na Terra” (Barbosa Filho).

Saibam que o tempo passa e muito rápido. E não nos damos conta (em muito momentos)… portanto aproveitem bastante cada momento com seus filhos, desde pequenos… Construam uma relação com muito afeto e compreensão, cheia de cumplicidade, confiança e amor… será a base de ambos, pelo resto da vida… Laços profundo de amor e cumplicidade! Depois só relembramos com muita saudade, principalmente de quando nossos filhos eram pequenos… e de como esta sensação nunca termina. Correria e tantas coisas pra fazer… fazem este tempo voar.

avo-neto-brincando

Hoje aproveito também os meus netos: o que já chegou (meu amado João Pedro) e os que chegam de mansinho (Noah e a Aninha nomes não definidos ainda rsrsr)… e me fazem reviver tantas coisas maravilhosas. Estou aproveitando bem ,com bastante leveza e alegria na alma este tempo… com bastante intensidade, muito amor e carinho profundo, (tudo que a distância permitir). Cada minuto é precioso quando estamos todos juntos.

Acredito que “a maior emoção de uma mulher é ser mãe, é a maior emoção da vida ser mãe… nunca nos esquecemos deste momento quando ele acontece. Mais tarde há de se tornar avó… vidas que se somam, felicidades que se multiplicam!!! (Maria Isabel da Silva Thomáz). Vamos (vou) assim me realizando como mãe (e avó agora). Leiam esta crônica de Fabíola Simões que descreve tão bem o que é ser mãe, desde a sua descoberta:

Então você fez o teste de farmácia, o exame de sangue, o ultrassom, e descobriu que está grávida. Então seu corpo mudou, você passou a se alimentar melhor, está bebendo mais de três litros de água por dia e evita ultrapassar os carros pela direita. Passou a seguir blogs de maternidade, buscar aplicativos no celular, reformou o antigo escritório para ser o quarto do bebê e fez a mala da maternidade. Se programou para amamentar de três em três horas, comprou um sling para carregar o bebê para qualquer canto e tem certeza que, com o exemplo do pessoal de casa, seu filho irá gostar de ler e não dará trabalho para comer beterraba.

Eu gostaria de acreditar que tudo aquilo que sonhamos correrá exatamente como planejamos. Gostaria de pensar que há uma porção de regras que garantirão que nada sairá dos trilhos. Porém, a vida não funciona assim. E na maioria das vezes o que ela quer de nós é evolução, é mudança. E não há algo maior nesse mundo, algo que nos transforme tanto, do que ter um filho.

Ter um filho nos arremessa para bem longe da zona de conforto, da comodidade e do conformismo. Nos faz buscar respostas, decifrar mapas e pegadas na areia, ter soluções para o mistério das nuvens de algodão e do arco íris refletido nas bolhas de sabão. Nos torna heróis da noite para o dia, nos faz ter olhos de simplicidade e poesia.

Ter um filho é andar de mãos dadas com uma pessoinha que te vê maior que o mundo, é sentir os dedos melados de açúcar e saliva, é aprender a ser paciente com o suco esparramado no vestido na hora de sair e com as pausas para catar gravetos no caminho para o dentista.

Então você vai ser mãe e eu gostaria que você soubesse que mesmo planejando, organizando, arquitetando e estudando tudo nos mínimos detalhes, ainda assim você irá se surpreender. Ainda assim você ficará perdida em alguns momentos e não encontrará as respostas em nenhum livro, site, palpite ou bula.

a49cdb808f4067e04c2f32d97f3971e4

Seu filho irá exigir que você encontre as respostas dentro de você. Irá lhe fazer entender que é um caso único entre infinitos, e que, de um jeito novo, surpreendente e improvável, contrariando todas as previsões e estatísticas, você dará conta.

Você perceberá que deu conta quando a casa silenciar e você for cobri-lo na penumbra do quarto, e sentada na beira da cama desejar que o tempo congele. Você perceberá que deu conta quando ele tiver onze anos, e no intervalo das lições de ciências ouvir ele dizer um “eu te amo” gratuito, sincero e espontâneo. Você perceberá que deu conta quando notar o olhar aflito de seu pequeno te procurando na plateia da apresentação da escola, e então ser notada e presenteada com olhinhos brilhantes de alívio e amor. Você perceberá que deu conta quando, tarde da noite, o telefone tocar e ele te pedir conselhos para cuidar do próprio filho, pois você foi “a melhor mãe do mundo”.

Então você vai ser mãe e eu desejo que você possa viver essa experiência intensamente.

Que sua casa seja invadida por aviões de papel, alguns rabiscos nas paredes e manchas de Nescau no sofá. Que você passe mais tempo construindo cabanas de cobertor e barcos de sucata do que aspirando o carpete, e não desperdice o tempo que vocês têm juntos com excesso de trabalho e preocupações com o futuro.

Lembre-se que a infância é um sopro, e num instante você terá todo tempo do mundo só para você e muita saudade da cama compartilhada depois de um pesadelo, do abraço envergonhado perto da escola, das marcas na parede evidenciando o aumento de estatura, dos verbos conjugados arduamente, da primeira visita da fada do dente.

Eu pensei que tinha planejado tudo. Pensei que poderia ser apenas o tipo de mãe amorosa que conta histórias, cuida, brinca e reza para dormir. Mas meu filho veio me tirar da zona de conforto. Eu tinha me habituado a ser o tipo de pessoa carinhosa que conquista tudo com seu afeto. Mas ele não queria só isso. Ele queria se sentir seguro. E só se sentiria seguro se eu fosse uma mãe posicionada, firme, enérgica e confiante.  Ele queria limites. Queria que eu demonstrasse meu amor por meio dos limites.

Então-você-vai-ser-mãe-

E me transformou. Me tornou uma pessoa mais determinada e cheia de fé em si mesma, muito diferente do que eu era. Hoje sei que nada te prepara para ter um filho. Nada te prepara para ser confrontada por um serzinho que irá lhe tornar mais forte, firme, imbatível. Para te tornar, com sorte, uma pessoa melhor.

Então você vai ser mãe e eu torço para que saiba aproveitar esse momento com alegria. Para que respire vapores do momento presente e não lamente o “trabalho” que as crianças dão. As noites em claro, viroses e birras não irão durar para sempre, e se você tiver doado seu tempo com alegria, interesse e presença verdadeira, terá conseguido desempenhar sua missão com louvor.

E talvez um dia, depois de cumprir o ritual dos pijamas e escovas de dentes, você irá respirar fundo e pensar, com antecipada nostalgia, que aquele é um momento mágico; um momento que justifica e valida a vida, um momento que será revisitado e lembrado para sempre…

Complementando com esta poesia de Braúlio Bessa:

Obs: Programa Encontro – Poesia do Rapadura sobre o Dia das Mães – (12/05/2017)

Feliz Dia das Mães! Um brinde á nós!

By Fabíola Simões. O título desse texto foi inspirado no título “Então, você vai ser pai” de Marcos Piangers.

Musica: Ana Vilela – Trem Bala.