ENTÃO, VOCÊ VAI SER PAI…

pai 1.jpg

“Pai… herói nenhum é mais forte que você…” Barbara Adriélle

Quando li esta crônica de Marcos Piangers, lembrei de muita coisa… Os sentimentos aqui descritos estão perfeitos! É, sei que o tempo passa… e muito rápido. Difícil é nos darmos conta disso quando estamos vivendo… mas, hoje relembro de tudo com muita saudade, principalmente de quando meus filhos eram pequenos. A correria do dia a dia e tantas outras coisas… fazem este tempo voar.

Meu filho se tornou pai á 2 anos… Meus genros: Fábio e Renaud serão novos papais agora… Ser pai é a melhor oportunidade que temos de darmos o melhor de nós. Hoje vendo meus netos nascendo… vou revivendo tudo como num passar de mágica. Pais e filhos se descobrem. Vou aproveitando como avó tudo com mais leveza e intensidade… Vou me realizando vendo meu filho e meus genros se transformar em grandes país. Eu como avó,  admiro muitos estes Papais…  Leiam:

Então, você e sua companheira estão grávidos. Então, você sabe que precisa comprar uma casa maior. Tem que ter mais espaço pra criança. Tem que ter mais um quarto no apartamento. Tem que ter um berço novo, não pode ser aquele que a vizinha se dispôs a emprestar. Então, você sabe que tem que trocar de carro. Aquele carro não é confortável pra levar a família.

Aquele carro não é seguro pro seu filho. Tem que ter seis airbags, no mínimo. Tem que vir com ar-condicionado de fábrica. Coitado do bebê no verão.

pai

Pai novo, fiz tudo aquilo que me diziam, do apartamento maior ao carro quatro portas, depois dos quais precisei trabalhar mais para poder dar conta das prestações. Trabalhava mais pra poder pagar a melhor creche. No supermercado, apenas a melhor fralda. Comprar a fralda mais barata significava amar menos meu filho. Roupa do brechó, nem pensar. De brinquedos caros, nosso armário está cheio. De culpa também, por ter que passar muito tempo no trabalho.

O que aprendi é que não faz diferença alguma. Um apartamento grande não faz diferença, porque as crianças gostam mesmo é de dormir amontoadas na cama dos pais. Um carro grande não faz diferença, porque as crianças gostam mesmo é de andar de bicicleta. A melhor creche não faz diferença, se você é o último pai a buscar seu filho.        images.jpg

Os brinquedos mais caros e os jogos de videogame não fazem diferença: para crianças, não há nada mais divertido do que se equilibrar no meio-fio ou andar na calçada sem pisar nos riscos. Jogar uma criança pro alto e agarrá-la antes de cair no chão, está aí a melhor brincadeira do mundo para qualquer pequeno. E tem a vantagem de ser de graça.

Adoro aquela tirinha do Rafael Sica sobre o sujeito que está sempre no trabalho pensando no bar. No bar, o sujeito está sempre pensando na família. Em casa, com a família, o sujeito está sempre pensando no trabalho. O sujeito nunca está realmente onde ele está. Cria sempre algum tipo de ruído na relação dele com as coisas. Esse cara sou eu, pensei quando vi a tirinha pela primeira vez.

Então, você e sua companheira estão grávidos. Então, você sabe que não precisa de uma casa maior, de um carro melhor, nem da melhor fralda, nem da melhor creche. Você sabe, no fundo, que só precisa estar lá. De verdade.

abraçar pai 1      pais

 

Aproveite para transforar em magia seus momentos com seu (s) filho (s).

Feliz Dia dos Pais!

Obs: “Então, você vai ser pai” de Marcos Piangers

Anúncios

AVÓS QUE CUIDAM DOS NETOS VIVEM MAIS, DIZ ESTUDO.

avos-vivem-mais2

“Quanta sabedoria tem o olhar dos avós, quanta generosidade têm seus sorrisos, que aconchego têm seus abraços”. Raquel Piffer

Este estudo só vem confirmar o que eu acredito… ser avó é uma das melhores coisas da nossa vida… Ficar mais tempo com eles, pra ajudar os pais e termos mais contato com eles é uma benção. Com tudo combinado e emparelhado, vamos em frente… vivendo mais feliz.  Leiam:

Avós que cuidam dos netos vivem mais, diz estudo.

Em muitos casos essa não é a decisão mais fácil de se fazer, porque talvez os avós já estão em idade muito avançada ou simplesmente não gostam de cuidar de crianças. Mas, saiba que além de ser uma boa economia de dinheiro (sem gasto com babá), você está ajudando na saúde dos seus pais ou sogros.

Segundo um novo estudo publicado na “Evolution & Human Behavior”, avós que tomam conta dos netos vivem significativamente por mais tempo — o que faz total sentido, porque ter netos traz vários benefícios para a saúde.

Uma pesquisa publicada na revista científica Evolution and Human Behavior descobriu que avós e avôs que ajudam a cuidar dos netos vivem mais do que aqueles que não ajudam. Os pesquisadores observaram que os avós que ajudaram a cuidar dos netos ou outras crianças da família viveram cerca de sete anos a mais após o fim do estudo. Enquanto, os que não ajudaram viveram cerca de quatro anos a mais após o fim do estudo. Ou seja, os avós que ajudaram a cuidar de seus pequenos viveram cerca de três anos a mais do que aqueles que não contribuíram. Os autores do estudo acreditam que isto ocorre porque cuidar dos netos dá aos avós um senso de propósito e os ajuda a se manterem fisicamente e psicologicamente ativos.

avo 9

Como foi feito o estudo?

A pesquisa se baseou no Estudo de Envelhecimento de Berlim e analisou 20 anos de dados de 500 idosos com idade igual ou maior a 70 anos até 103 anos e durou entre 1990 e 2009.

Contudo, os autores do estudo alertam que é importante que os papais e mamães não se empolguem. “Ajudar os pais em um nível moderado tem um efeito positivo na saúde dos avós. Contudo, estudos anteriores mostraram que um envolvimento mais intenso dos avós nos cuidados com os netos pode causar estresse e ter um efeito negativo na saúde física e mental dos avós”, alerta Ralph Hertwig, autor do estudo e diretor do Center for Adaptive Rationality at the Max Planck Institute for Human Development. Então, nada de abusar da boa vontade dos avós.

Os avós que forneceram algum tipo de cuidado aos seus netos tinham uma taxa de risco 37% menor do que os seus colegas não cuidadores.

“Existe uma ligação entre tomar conta dos netos e redução de estresse, e nós conhecem o a relação entre estresse e alto risco de morte”, diz o Dr. Ronan Factora, médico geriatra de Cleveland.

“Se oferecer cuidado aos netos e outros em necessidade é um jeito de reduzir estresse, então essas atividades devem ser benéficas para avós que prestam cuidam de seus netos”, conclui.

Vale lembrar que não é tudo tão simples assim…

As pesquisas ainda estão evoluindo e precisamos destacar outros pontos que ainda não foram concluídos.

Por exemplo, os benefícios analisados foram além da relação familiar, ou seja, os idosos que cuidavam de crianças que não eram da sua família também apresentavam condições semelhantes.

Outro ponto importante é que o estudo não incluiu dados de avós que eram o primeiro responsável pelas crianças.

Fonte: https://awebic.com/humanidade/avos-vivem-mais/

A TERAPIA DO FODA-SE!

clarice_lispector_ta_foda_a_vida_ll0vo6o

Mais dia, menos dia, teremos que ser aquela pessoa que diz basta ou adeus e que briga com quem ultrapassou os limites do bom senso… Fazer-se respeitada, surtar!!! Isso á libertará e garantirá a sobrevivência e ser mais feliz.

Minha irmã caçula, esta tentando me ensinar… rsrsrs. Esta diferença (13 anos) entre nossas de gerações trazem grandes luzes em minha vida. Uma das coisas que caminho ainda é que teremos que deixar bem claros os limites até os quais o outro poderão avançar sem nos sentir incomodados ou invadidos. Temos que dar os limites, os nossos limites! Minha aversão a brigas e ter dificuldade em dizer não são meus maiores desafios. Um caminho longo que percorro dia a dia, me esforçando pra conquistar… aprendendo com minha irmã. 
Marcel Camargo descreve muito bem este momento libertador em sua crônica… Foda-se! Simples assim… E é exatamente assim, sem tirar nem por! Dar um basta, já… é preciso… e neste momento, muitas vezes necessários em nossa vida, fará toda a diferença. Leia:

Viver em sociedade requer um exercício contínuo de tolerância, caso não queiramos nos desgastar inutilmente. Estamos cercados de pessoas que pensam diferente de nós, que agem de maneira inapropriada, que falam sem pensar e que não medem esforços para ofender gratuitamente quem estiver no caminho. Tentar manter a calma e ser gentil será o maior bem que faremos a nós mesmos, porém, em certos momentos, teremos que nos impor às custas da contrariedade alheia.

solidão

Não nos faz bem machucar as pessoas, ainda mais quando explodimos exclusivamente por conta de problemas nossos e não pela situação em si. É preciso saber separar o que é nosso sozinho do que é nosso junto com alguém, ou estaremos fadados a descontar nossas agruras em quem não tem nada a ver com o que se passa dentro de nós. Estender nossas misérias emocionais a quem está ao nosso lado e não merece nossas indelicadezas é uma atitude covarde e que denota tão somente imaturidade e desequilíbrio.

No entanto, muito do que nos fere e nos desestabiliza emocionalmente é consequência da forma como o outro vem lidando conosco, uma vez que existem pessoas que contribuem deveras às escuridões em que mergulhamos vez ou outra. No entanto, como se diz, as pessoas agem conosco da maneira que nós mesmos permitimos, ou seja, muito do que o outro provoca de negativo em nossas vidas tem a nossa anuência, mesmo que não declarada.

Por essa razão, teremos que deixar bem claros os limites até os quais o outro poderá avançar, para que não sejamos atropelados pela tirania, pela maldade e pelas más intenções alheias. Da mesma forma que teremos encontros mágicos e especiais, sempre encontraremos quem nos tentará diminuir, quem desejará se aproveitar de nós, quem necessitará encostar as próprias fraquezas em nossa jornada. Caso não consigamos nos impor como pessoa, caso não nos fortaleçamos com a firmeza de nossas convicções e de nossa dignidade, acabaremos nos perdendo de nós mesmos.

Portanto, em determinados momentos de nossas vidas, teremos que ser aquela pessoa que diz adeus e que briga com quem ultrapassou os limites do bom senso; teremos que nos negar a fazer um favor e que alertar para o ridículo de atitudes alheias; seremos quem não se compadece com as lágrimas do amigo, bem como quem cobra do parceiro tudo o que ele deixou de fazer.  Porque ser maldoso o tempo todo é imperdoável, mas optar por ser antipático na hora certa é libertador e nos garantirá sobreviver e seguir em paz.

 

E aí… Gostaram?

A ARTE DE IR EMBORA.

ir embora 3

“Difícil não é lutar por aquilo que se quer, e sim desistir daquilo que se mais ama. Eu desisti! Mas não pense que foi por não ter coragem de lutar, e sim por não ter mais condições de sofrer”. Bob Marley.

Gosto muito deste texto de Mariana Caramori. Atual e ajuda as pessoas a entenderem melhor quando e como é necessário partir de um relacionamento que já se encerrou. Muitas já passaram por isso e entendem o quão difícil e delicado é este momento, esta fase da vida… mas sabem também que vivido o luto, novos caminhos se abrem e construímos uma nova história muito melhor e mais feliz com o tempo. é só acreditar e se abrir para novas possibilidades. Leiam:

É estranho como, às vezes, mesmo contra nossa vontade temos que partir. Seja de um lugar, seja de uma situação, seja de dentro de alguém… percebi então, de quantas coisas, lugares e situações eu tive que ir embora mesmo sem querer.

Seja porque era hora, seja porque existia um motivo relevante ou mesmo não tendo motivo algum aparente. É quando se tem a sensação de que é hora e não da mais pra ficar ali, mesmo querendo. É quando a gente quer ficar, mas o cansaço nos impulsiona a seguir novos rumos e alçar novos voos.

Só quem já passou por situações semelhantes sabe do que estou falando: a arte de ir embora quando se quer ficar, de abrir mão quando se quer muito ainda, de deixar pra lá quando insiste em estar bem aqui. E quando eu digo arte é bem no sentido literal da palavra mesmo. Porque nem sempre as pessoas entendem quando você se vai. Aliás, elas quase nunca entendem…  Não é qualquer um que é artista. E por isso, fica difícil explicar.

É difícil fazer as pessoas entenderem que nem sempre quando se quer é a hora certa. É difícil elas entenderem que a gente tira o time de campo, mas o pensamento ainda joga o tempo todo. E que, lidar com essa ambiguidade é também muito difícil. É difícil pra elas entenderem que a gente segue a vida porque a vida também sempre segue, mesmo que a gente não queira.

Mas isso pouco importa. Eu só vim mesmo aqui pra te dizer que eu não queria ter ido, mas fui. Pra te fazer entender que eu teria escolhido ficar se você tivesse me dado essa opção. Pra te contar que eu só fui, porque você me permitiu ir embora. A gente sempre vai embora não é?

ir embora 5

Encerrando ciclos.

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos – não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.

Foi despedido do trabalho? Terminou uma relação? Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país? A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações?

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu. Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, apaixonados que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração – e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar. Então encerrar o ciclo… seguir em frente… sem olhar para traz.. se faz necessário.

ir embora 9

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.

Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do “momento ideal”. Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará.

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa – nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quemé.  ir-ambora 7

Como saber a hora de partir?

Chega um instante em que você tem que decidir o seu destino. Permaneço no meu querido sofá rasgado que já tem a forma do meu corpo? Ou pego a mochila, umas mudas de roupa, e saio de fininho antes do amanhecer? Todos passam por momentos de decisão onde um passo pode levar tanto para a glória, quanto para a beira de um abismo.

A sensação que tenho é que quanto mais amadurecemos, mais precisamos tomar as rédeas da nossa vida. Quando somos crianças sempre existe alguém que decide por nós; o que vamos comer, aonde ir, o que vestir… Com o passar do tempo o fato de ser pessoa começa a nos cobrar decisões. Vem bem de mansinho e sem que a gente se dê conta passamos a decidir com quem nos relacionar, que profissão escolher, fazer um plano de carreira.

Vamos pouco a pouco tomando o controle da nossa existência, conduzindo nossos caminhos, até que, num piscar de olhos, somos pilotos de Fórmula 1 disparados na carreira da vida, entre ultrapassagens e colisões lutando para chegar ao pódio. Você é o piloto, o condutor, quem tem a posse da direção.

A vida é representada pelo carro. Os seus adversários e companheiros de equipe são as pessoas que você interage. Todos buscam a vitória. A vitória afetiva, a vitória profissional, o reconhecimento, a recompensa. Mas cuidado, porque o percurso é escorregadio, chuvas torrenciais surgem sem trovoadas. Preste atenção quando houver neblina e tente não se dispersar com a paisagem.

Na vida a gente só muda diante do novo. Livros já lidos, músicas que a letra se sabe de cor, receitas que não precisamos mais espiar… Isso faz parte da nossa essência, do que construímos, são parte de nós e da nossa estrutura como indivíduo. No passado nós já arriscamos ao ler aquele livro, escutar aquela canção e preparar aquela receita.

ir embora 4   ir-ambora 10 jpg

Na maioria das vezes o que nos mantém em pé diante das dificuldades não é o que temos, mas sim, o que queremos ter. Temos quem nos ama, temos amigos. Essas pessoas são pivôs na nossa existência, pilastras que nos ancoram e nos escoram. Gratidão a parte, mas para exercer o ofício do novo é fundamental arriscar. O que nos faz sair do lugar é exatamente a busca pelo desconhecido, perseguir a melhoria, vislumbrar a mudança. É sonhar.

Como saber que é hora de mudar?

Pergunta difícil, cheia de possibilidades. Ir ou ficar? Se ir, para onde? Esquerda, direita, em frente? Ficar é mais fácil porque não exige nada de nós. Entretanto é provável que, mais adiante, você terá que conviver com as dores do reumatismo por ter ficado tanto tempo no sofá da vida.

Eu costumo dizer que a hora de soltar as correntes e dar o primeiro passo é justamente quando se sentir incomodado. Atenção à luz amarela do semáforo. Quando ela começar a piscar e você se descobrir enfadado, molestado na situação na qual vive é hora de mudar o trajeto. O incômodo gera infelicidade, frustração, te sucumbe à sensação de incapacidade. Ele é como a febre que denuncia quando algo vai mal no organismo. É o pisca-alerta da vida.

Esse peso faz enxergar que aquilo que andava bem e te fazia feliz, já não te completa mais. O que era bom transformou-se em algo penoso, enfadonho, inoportuno. Chegou a hora de botar mais combustível, trocar o óleo, calibrar os pneus, ou talvez só mudar o trajeto para evitar um acidente de percurso lá na frente.

Portanto, segure firme o volante. Derrape, mas ultrapasse lá na frente. Esbarre, mas faça a curva com segurança. Tenha precaução em tempos de chuva, mas acelere nas retas quando o sol brilhar!

“Perdoa-me, folha seca… não posso cuidar de ti… Tu és folha de outono voante pelo jardim… Deixo-te a minha saudade: – a melhor parte de mim”. Cecília Meireles

Fonte: http://www.contioutra.com/a-arte-de-ir-embora/

ERÓTICA É A ALMA!

“Envelhecer não é para qualquer um, envelhecer é para quem merece…” Aécio Barrêto Maciel.

Adélia Prado certa vez escreveu: “Erótica é a alma”. Além de poética, a frase é redentora, pois alivia o peso da sensualidade a qualquer custo, a busca desenfreada pela juventude perdida, a corrida pelos últimos lançamentos da indústria cosmética. E nos autoriza a cuidar mais da alma, a viajar pro interior, a descobrir o que nos completa. Pois se os olhos são as janelas da alma, de que adianta levantar pálpebras se descortinam um olho de súplica? Leiam a crônica:

Erótica é a alma que se diverte, que se perdoa, que ri de si mesma e faz as pazes com sua história. Que usa a espontaneidade para ser sensual, que se despe de preconceitos, intolerâncias, desafetos. Erótica é a alma que aceita a passagem do tempo com leveza e conserva o bom humor apesar dos vincos em torno dos olhos e o código de barras acima dos lábios; erótica é a alma que não esconde seus defeitos, que não se culpa pela passagem do tempo. Erótica é a alma que aceita as suas dores, atravessa seu deserto e ama sem pudores.

Por que não adianta sex shop sem sex appeal; bisturi por fora sem plástica por dentro; lifting, botox, laser e preenchimento facial sem cuidado com aquilo que pensa, processa e fala; retoque de raiz sem reforma de pensamento; striptease sem ousadia ou espontaneidade.

Querendo ou não, iremos todos envelhecer. As pernas irão pesar, a coluna doer, o colesterol aumentar. A imagem no espelho irá se alterar gradativamente e perderemos estatura, lábios e cabelos. A boa notícia é que a alma pode permanecer com o humor dos dez, o viço dos vinte e o erotismo dos trinta anos.

O segredo não é reformar por fora. É, acima de tudo, renovar a mobília interior: tirar o pó, dar brilho, trocar o estofado, abrir as janelas, arejar o ambiente. Porque o tempo, invariavelmente, irá corroer o exterior. E, quando ocorrer, o alicerce precisa estar forte para suportar.

A_foto_da_mulher_-madura

Não tem problema cuidar do corpo. É primordial ter saúde e faz bem dar um agrado à autoestima. O perigo é ficar refém do espelho, obcecado pelo bisturi, viciado em esticar, reduzir, acrescentar, modelar – até plástica intima andam fazendo!

Aprenda: bisturi nenhum vai dar conta do buraco de uma alma negligenciada anos a fio.

Cuide do interior. Erotize a alma. Enriqueça seu tempo com uma nova receita culinária, boas conversas, um curso de canto ou dança. Leia, medite, cultive um jardim. Sinta o sol no rosto e por um instante não se preocupe com o envelhecimento cutâneo. Alongue-se, experimente o prazer que seu corpo ainda pode lhe proporcionar. Não se ressinta das novas dores, da pouca agilidade, dos novos vincos. Descubra enfim que a alegria pode rejuvenescer mais que o botox.

E não se esqueça: em vez de se concentrar no lustre da maçã, trate de aproveitar o sabor que ela ainda é capaz de proporcionar….

Fonte: http://www.asomadetodosafetos.com/2013/09/erotica-e-alma.html

ENVELHECER… NO OLHAR DE DÉA JANUZZI.

Mais-velha

” Envelhecer ainda é a unica maneira que se descobriu de viver muito.” Charles Saint- Beuve

Envelhecer fica melhor no olhar de Déa Januzzi, leiam:

Cada um envelhece como viveu, pois o passar do tempo exacerba – ou ameniza – o caráter, os preconceitos, a indiferença, a falta de compromisso com o outro, a disputa, a mágoa, a depressão, a frustração e a impaciência. Ou sintoniza a vida com outros valores mais nobres.

É preciso dizer que a velhice abala, assusta, traz insegurança, principalmente para as mulheres que ficam invisíveis depois dos 60 anos. Há empregos e trabalho para homens de 60, 70 e até 80, mas não há vagas para mulheres que deixaram de procriar, de despertar desejos. A maioria das mulheres envelhece mais dolorosamente, sente vergonha até de confessar a idade. As mulheres ficam mais vulneráveis, principalmente se estão sozinhas no entardecer da vida.

O descaso e a impaciência aumentam. Ou suavizam de vez. Enquanto chegam os desconfortos físicos e novas dores, que são perdas necessárias, o mal-estar surge quando os amigos vão morrendo. Em um texto de Carlos Saul Duque, no dia em que o maestro Nico Nicolaiewsky morreu de leucemia aos 56 anos, ele diz: “Ficar velho não é achar mais um fio branco de cabelo. Nem notar que aquela ruga de expressão aumentou consideravelmente. Ficar velho não é sentir mais dores do que antes. Ter que fazer mais exercício do que antes. Ficar velho, mesmo, é ver aos poucos o seu mundo ser despovoado de amigos. Dos seus tios queridos. De parceiros. De pessoas que você admira. De gente cujas ideias influenciam você. De talentosos. De visionários. De autores da sua época. De personagens da sua aldeia. De gente como o Nico, um cara que tinha vários dons. O dom de ser gago e cantar muito bem. De fazer rir com inteligência. De achar a verdadeira alma das canções”.

“Assim como o escultor enxerga a estátua dentro da pedra, Nico via, geralmente mais do que o próprio autor da obra, a grande canção escondida dentro da vulgaridade de um arranjo. Nico construiu uma nação que ninguém sabe onde é, mas todos gostariam de conhecer. E um repertório único. Tão único quanto o talento dele. Não deixa de ser poético o grande temporal que caiu no dia em que Porto Alegre sepultou o maestro do Tangos e Tragédias. E eu, que adoro chuva, me sinto velho. Mil anos mais velho nesse dia do funeral de Nico Nicolaiewsky.”

Jogue Fora

Há sete anos, o funeral de minha mãe ocorreu também no meio de um vendaval. A chuva não parou um segundo. Foi nesse dia que percebi todos os meus naufrágios, já sem pai, sem mãe, sem um dos meus irmãos e sem alguns amigos imprescindíveis, como o escritor e jornalista Roberto Drummond, o médico e prefeito Célio de Castro, os ex-editores Amantino Horta Maciel e Wagner Seixas, o pedagogo Antonio Carlos Gomes da Costa, a jornalista e amiga/irmã Edméia Passos – e outros que me mostraram o desemparo da morte.

Envelhecer é muito duro no Brasil, um País injusto, que não dá atenção nem às suas crianças e jovens. Ainda mais aos velhos. Uma Pátria que não deveria selecionar os seus filhos, mas escolhe a dedo. O discurso de hoje é o do envelhecimento ativo. Para quem? Para uma parcela mínima da sociedade que pode pagar por todas as comodidades exigidas nessa fase da vida. E mesmo assim sem garantias de que terá um envelhecimento digno. O restante dos velhos precisa apelar para postos de saúde, que nunca têm os remédios disponíveis, cujas cirurgias podem levar até um ano para acontecer. Como denunciou um senhor de 70 anos que entrou na fila do Sistema Único de Saúde (SUS) para fazer uma cirurgia de catarata. E está esperando até hoje.

Todos querem viver muito, com qualidade de vida, mas se esquecem do tempo que ainda resta de vida. O taxímetro está ligado e embora ainda haja desejos e sonhos, partes preciosas da vida se foram para sempre. O sinal vermelho do abandono começa a piscar perigosamente.

Minha mãe não se cansava de repetir que estava vivendo de lucro, porque suas amigas já tinham partido antes dela. Aos 91 perdeu o único filho homem. Aí a velhice tomou conta de tudo. Ela abandonou o barco da vida, o que não havia acontecido até então, mesmo com a artrose a lhe corroer os joelhos, mesmo negando a necessidade de usar bengala. Seis meses depois da morte do único filho homem, ela foi embora também, afundou na dor.

saude emocional 2

Renée, a única amiga de minha mãe que sobreviveu às inúmeras perdas, tem hoje 101 anos, mas também não acha mais graça na vida. Entregou as idas e vindas ao banco e o salário de todo mês para uma das filhas administrar. Só que a filha mora bem longe dela e nem sempre pode ver o que ela precisa. Não sabe, por exemplo, que ontem Renée estava com muita dor no ombro direito. Mas como todas as mulheres de sua geração, a reclamação era quase um pedido de desculpas. Baixinho, ela disse que a dor estava passando para debaixo do braço, que os filhos a tinham abandonado, que ninguém mais queria ir na casa dela.

Saí de lá achando que a longevidade tem um preço muito alto, principalmente para quem como Renée continua lúcida, sem bengalas nem doenças crônicas, mas que já não tem autonomia para decidir sobre a própria vida. Ela sabe de tudo o que está acontecendo à sua volta. Vive com uma das netas que também reclama de dores, por ter vivido tudo em excesso. Renée já perdeu pais, marido, três filhos, e continua de pé, mas a cada dia mais solitária em sua velhice, apesar de ter se planejado financeiramente para essa etapa da vida. Ela não pode mais ir ao banco, mas o que mais a inquieta não é o dinheiro, mas as amigas que se foram muito antes dela. O mundo de Renée ficou pequeno, do tamanho do apartamento de três quartos, despovoado, engessado num tempo sem fim, frio, apesar do sol que insiste em penetrar pela janela.

Adoro esta maneira de enxergar meu envelhecer.

Xiii… EU ENVELHECI!

“Viver é envelhecer, nada mais”. Simone de Beauvoir.

Quando li esta crônica me identifiquei completamente. Libertei-me! Sim… penso que envelheci e “eu sou agora, provavelmente pela primeira vez na vida, a pessoa que sempre quis ser”. Não mudaria simplesmente nada! Construiria a mesma história pra mim. E você? Mudaria alguma coisa?

De tudo que acontece em nossa vida, muitas vezes custamos a entender e aceitar alguns fatos… mas quando você vê mais à frente… é capaz de compreender tudo. Nada é por acaso. Leia:

Um dia desses uma jovem me perguntou como eu me sentia sobre ser velha. Levei um susto, porque eu não me vejo como uma velha. Ao notar minha reação, a garota ficou embaraçada, mas eu expliquei que era uma pergunta interessante, que pensaria a respeito e depois voltaria a falar com ela. Pensei e concluí: a velhice é um presente. Eu sou agora, provavelmente pela primeira vez na vida, a pessoa que sempre quis ser.

Oh, não meu corpo! Fico incrédula muitas vezes ao me examinar, ver as rugas, a flacidez da pele, os pneus rodeando o meu abdome, através das grossas lentes dos meus óculos, o traseiro rotundo e os seios já caídos. E constantemente examino essa pessoa velha que vive em meu espelho (e que se parece demais com minha mãe), mas não sofro muito com isso.

Não trocaria meus amigos surpreendentes, minha vida maravilhosa, e o carinho de minha família por menos cabelo branco , uma barriga mais lisa ou um bumbum mais durinho.

Enquanto fui envelhecendo, tornei-me mais condescendente comigo mesma, menos crítica das minhas atitudes. Tornei-me amiga de mim mesma. Não fico me censurando se quero comer um bolinho-de-chuva a mais, ou se tenho preguiça de arrumar minha cama, ou se compro um anãozinho de cimento que não necessito, mas que ficou tão lindo no meu jardim. Conquistei o direito de matar minhas vontades, de ser bagunceira, de ser extravagante.

Vi muitos amigos queridos deixarem este mundo cedo demais, antes de compreenderem a grande liberdade que vem com o envelhecimento. Quem vai me censurar se resolvo ficar lendo ou jogar paciência no computador até às 4 da manhã e depois só acordar ao meio-dia?

Dançarei ao som daqueles sucessos maravilhosos das décadas de 50, 60, 70 e se, de repente, chorar lembrando de alguma paixão daquela época, posso chorar mesmo!

Andarei pela praia em um maiô excessivamente esticado sobre um corpo decadente, e mergulharei nas ondas e darei pulinhos se quiser, apesar dos olhares penalizados dos outros. Eles, também, se conseguirem, envelhecerão.

Sei que ando esquecendo muita coisa, o que é bom para se poder perdoar. Mas, pensando bem, há muitos fatos na vida que merecem ser esquecidos. E das coisas importantes, eu me recordo freqüentemente. Certo, ao longo dos anos meu coração sofreu muito.

massa-muscular-depois-dos-50-viva_50-580x435

Como não sofrer se você perde um grande amor, ou quando uma criança sofre, ou quando um animal de estimação é atropelado por um carro? Mas corações partidos são os que nos dão a força, a compreensão e nos ensinam a compaixão. Um coração que nunca sofreu é imaculado e estéril e nunca conhecerá a alegria de ser forte, apesar de imperfeito.

Sou abençoada por ter vivido o suficiente para ver meu cabelo embranquecer e ainda querer tingi-los a meu bel prazer, e por ter os risos da juventude e da maturidade gravados para sempre em sulcos profundos em meu rosto. Muitos nunca riram, muitos morreram antes que seus cabelos pudessem ficar prateados.

Conforme envelhecemos, fica mais fácil ser positivo. E ligar menos para o que os outros pensam. Eu não me questiono mais. Conquistei o direito de estar errada e não ter que dar explicações.

Assim, respondendo à pergunta daquela jovem graciosa, posso afirmar: “Eu gosto de ser velha”. Libertei-me! (Autoria Desconhecida).

PONTO G – SAIBA ONDE ELE FICA E COMO ESTIMULÁ-LO.

mulher-pernas-673x1024

“Amor é prosa, sexo é poesia”. Arnaldo Jabor

Hoje é Dia dos Namorados, nada melhor do que tirar algumas dúvidas comuns… bom para todos nós, né? Gostei muito do que Bianca F. Herbe (Fisioterapeuta Pélvica e Sexóloga) nos explica sobre o Ponto G.

Afinal??? Existe ou não o existe o Ponto G da mulher? Onde está localizado? E se existe, como estimula-la? Acredito que este post vai ajudar muito principalmente as mulheres… Interessante, vale a pena ler o que ela diz:

Anatomicamente, ou seja, como um órgão, o Ponto G não existe. Não é um órgão, que está lá esperando para ser estimulado. Não é como um dedo, uma mão, uma orelha, ou um nariz. Nenhum estudo no mundo conseguiu encontrar o Ponto G na mulher sem ela estar previamente excitada.  O Ponto G fica oculto e só aparece após a mulher receber estímulos no corpo inteiro e estar previamente excitada.

Isto quer dizer que quando a mulher recebe estímulos no seu corpo, e identifica estes estímulos como agradáveis, o seu organismo começa a mudar e alterações no seu corpo podem ser notadas. Pois é…

O que isto significa? Que o ponto G aparece quando a mulher fica excitada e pode ser encontrado?

Confie em mim, ela diz… toda mulher possui o ponto G. Ele está lá, só que as vezes são difíceis de perceber! Algumas mulheres têm grandes pontos G que estão bem perto da abertura vaginal e outras têm o seu ponto G um pouco mais escondido. A falta de nos tocarmos e de conhecimento do nosso próprio corpo… frutos da nossa geração reprimida e dos preconceitos nele envolvidos… levam muitas mulheres a não se descobrirem sexualmente. Nunca é tarde para isso, acreditem…

Ao longo destes anos já encontrei várias mulheres que estão convencidas de que simplesmente não possuem o seu ponto do prazer. Mas eu garanto, ele está lá. Grande, suculento e difícil de perder, uma vez que você saiba o que está procurando. Tenha certeza de que você pode tentar encontra-lo… Muitas mulheres da terceira idade por tabus e ou preconceitos, sequer conhecem seu corpo, seus desejos e sensações… esta descoberta começa por ela mesma. Sim a maioria das mulheres da minha geração, teve a sexualidade reprimida durante toda a vida… até que por curiosidade ou de mudanças em seu pensamento começam a mudar isso. E estão mudando. Quem se conhece desfruta de uma vida sexual plena.

Pesquisando encontrei muitas coisas interessante (conheça as dicas de Cátia Damasceno, especialista em sexualidade feminina, uroginecologia e idealizadora do Programa Mulheres Bem Resolvidas) que você precisa saber:

1 – Como encontrar o ponto G.

A melhor maneira de encontrar seu ponto G é através do toque, da excitação, e saber o que sentir. A melhor maneira de localizá-lo é quando a mulher está excitada. Porque há um tecido erétil no ponto e é mais visível e mais fácil de achar quando ele está excitado e cheio.

estimular-ponto-g.png

O homem pode realmente ver o ponto G quando a mulher empurra para fora, porque está muito perto da abertura vaginal. Ele verá um montículo emergir do topo da abertura vaginal. Se seu ponto G for mais profundo, ele pode não ser capaz de vê-lo, mas cerca de 70% das mulheres têm seus pontos bem próximos da entrada vaginal e, portanto, podem ser empurrados para fora e tornar ele visível.

2 – O ponto G é o coração da vagina.

Essa vai para os homens: Prepare-se para a possibilidade de uma resposta emocional dela quando você começa a estimular o ponto G dela. Esse é um lugar que mantém grande emoção. Como o ponto G é rodeado por músculos e embalado com terminações nervosas, pode ser um vórtice de emoções profundas.

Se ela sentir uma onda de energia emocional quando você está estimulando o seu ponto ou durante um orgasmo, incentive ela a não segurar, reprimir ou se fechar por causa do medo. Essas emoções precisam surgir e serem externadas. Diga que você está dando a missão para ela se expressar plenamente.

Permita que ela sinta o que tiver que sentir e simplesmente esteja presente e aproveite com ela. Você nem precisa falar muito.

3 – Diferentes maneiras de estimular o ponto G.

Algumas advertências ao revelar estas informações é que você deve encontrar o que funciona de forma exclusiva para cada mulher que você esteja se relacionando. Quando se trata do ponto G, conhecer todas as suas partes mais sensíveis são fundamentais.

Existem muitas maneiras diferentes de estimular o ponto G. Aqui estão algumas delas:

  • Manualmente com seus dedos lentamente;
  • Brinquedos sexuais são ótimos para autoconhecimento;
  • Dildos, existem grande variedades;
  • Anéis no pênis do homem, entre outros.

Toda mulher terá suas preferências. É seu trabalho criar um refúgio onde ela se sentirá confortável explorando com você o que ela mais gosta. Vá lentamente e crie uma parceria para o prazer onde você pode encontrar técnicas excitantes que lhe permitem liberar seus belos sentimentos. Experimente!

4 – Como melhorar o sexo em geral?

Na maioria das vezes, as mulheres não estão recebendo o que querem na cama com seu parceiro porque simplesmente não se dão permissão para se expressar e outras, simplesmente, não sabem como. A linguagem da vagina pode ser complicada, mas é provável que se o seu parceiro não seja um leitor mental ou não tenha uma bola de cristal, ele pode não conseguir se comunicar sozinho com ela.

A linguagem sexual da mulher pode ser exigente, particular, temperamental, tímida ou espontânea. Por isso, para melhorar o sexo em geral o casal precisa se comunicar, perguntando repetidamente o que o outro precisa, isso abrirá os caminhos para seu prazer e você vai se sincronizar com suas necessidades muito mais prontamente e com facilidade. Isso não tem que ser adivinhação.

Leia também: https://oterceiroato.com/2018/01/24/9-artificios-que-tornam-o-sexo-possivel-e-mais-gostoso-na-3a-idade/

Velhos-sexo

5 – Como aumentar a excitação.

Conheça o Orgasm Turbo Pack é a melhor combinação no mercado para aumentar o desejo sexual feminino (vai trazer uma grande melhora na sua performance sexual). Ele combina o que há de melhor no Virectil Turbo Mulher com o Orgasm Gel. Juntos vão promover o aumento na libido, orgasmos mais intensos e satisfatórios. Esse efeito é visto claramente em poucos minutos, pois ele tem ação rápido.

O Virectil Turbo Mulher é um afrodisíaco extremamente potente e eficaz, sendo 100% natural. Ele tem sido um sucesso entre as mulheres de vários lugares do mundo. Esse suplemento tem ação rápida, permitindo que o desejo sexual feminino aumente rapidamente. Virectil Turbo Mulher também melhora o humor e a vontade de fazer sexo. Além de aumentar o fluxo do sangue na região genital, pois isso faz com que a sensibilidade do clitóris aumente.

Feliz Dia dos Namorados para todos vocês.

Leia também:

https://oterceiroato.com/2015/10/17/viagra-feminino-promete-ser-lancado-a-partir-de-outubro-nos-eua-e-no-brasil/

https://oterceiroato.com/2016/05/06/nove-razoes-para-o-sexo-ser-melhor-depois-dos-50-anos/

https://oterceiroato.com/2018/02/28/depois-dos-60-anos-nao-se-faz-sexo-pelo-prazer-do-momento-e-muito-mais/

Fonte: Bianca F. Herbe – Fisioterapeuta Pélvica e Sexóloga e  Marlon Mattedi – Psicólogo Terapeuta Sexual e Especialista em Sexualidade Humana

QUAL É O SENTIDO DE SER AVÓ? MONJA COEN.

“Avós são mágicos, em qualquer tempo eles trazem de volta os sabores da infância. Amo ser avó”. Raquel Piffer

Como uma “vovó coruja e assumida” que sou… agora quase chegando mais dois netinhos… muito queridos (serão três) e com a proximidade do dia dos avós, encontrei este post que adorei. Repasso agora para vocês esta entrevista exclusiva do portal avŏsidade (realizada por Elisabete Junqueira e Jorge Luiz de Souza) onde Monja Coen compartilha conosco partes especialmente selecionadas da enorme sabedoria que acumulou depois que deixou o Brasil e junto a sua profissão de jornalista para viver em um mosteiro budista no Japão. É… “Avós nos tempos modernos continuam deseducando um pouco, mas com um brincar que inclui ensinamento”. Assim define a Monja Coen, cujo nome civil é Cláudia Dias Baptista de Souza, mãe da Fábia, avó da Rafaela e bisavó do Mahao.

 “Existe um papel de avô e avó, que é o de contradizer um pouco os filhos com relação aos netos”, diz ela. E explica que a função dos avós em relação aos pais é isto, de questioná-los: “vocês têm certeza de que esta é a melhor maneira de educar seu filho?”

Ainda definindo o sentido de ser avó, cita um monge vietnamita que diz: “a maior dádiva para alguém é a sua presença, é estar presente pro outro”. E a presença é mesmo para influir na educação das novas gerações. “As crianças vão receber influências de toda parte. E os pais quererem negar a influência dos avós é um absurdo. Que bom que seja influenciado pelos avós.”

Mudar a rotina.

Com sua experiência, Monja Coen traz para a entrevista alguns ensinamentos bem precisos para aprimorar o relacionamento entre as gerações dentro de uma família. Um deles é permitir o convívio em lugares neutros, que não pertençam a um ou outro membro do grupo.

Outra dica: evitar as discussões familiares nas refeições. “A gente, pra conversar, não precisa convencer o outro do nosso ponto de vista, mas ouvir, ouvir pra entender.”

Os mais velhos podem apontar caminhos, mas os mais jovens têm de viver suas próprias experiências – é outra sabedoria que ela compartilha. Mas às vezes é bem incisiva: “Ser boazinha é um crime, ninguém tem de ser bonzinho nesse mundo, tem que ser correto”.

Ela também conta histórias de sua vida familiar, como o parto do bisneto, que foi feito em casa. E ela, mesmo apreensiva com os riscos, foi a pessoa da família que mais participou.

A entrevista… 

Eis os principais trechos da entrevista:

Ser avó em tempos modernos.

Avós continuam deseducando um pouco, mas com um brincar que inclui ensinamento.

“Eu acho que hoje as avós são mais jovens e muitas delas estão ainda em áreas de trabalho, não estão aposentadas. Antigamente, avó era geralmente uma pessoa que já tinha se aposentado. Então, ela tinha muita disponibilidade de estar com os netos, de cuidar, de dar suporte. Houve uma época em que as famílias moravam juntas, que é uma coisa que ainda se faz no Japão, a vovó e o vovô moram com o filho mais velho ou com a filha mais velha. Então, podem dar esse apoio familiar. E hoje é um pouco raro. Então, houve realmente uma mudança no papel do avô e da avó, que brincam um pouco mais, continuam brincando, continuam deseducando um pouco mais também, permitindo…

…aquilo que os pais tão jovens não permitem. E a gente vai lembrando que quando a gente era jovem, era mais rígida, não é? Exigia mais, ‘não pode ser assim…’, ‘eu tenho certeza, né? E por isso tenho de fazer tudo certinho’. Eu acredito que a idade, a experiência, nos faz ver que as pessoas crescem e se desenvolvem melhor com brincadeira, com carinho, do que com rigidez. Mas tem que ter uma certa rigidez. Então, avô ou avó não são apenas aqueles que brincam, porque esse brincar inclui um ensinamento”

Competição entre pais e avós?

Um papel de avô e avó é contradizer um pouco os filhos, sim.

Tem o medo da competição, de que a criança vai gostar mais do vovô e da vovó do que da mamãe e do papai, que vai pedir colo do vovô e vovó, que vai ser contrariado pelo vovô e vovó e não vai fazer o que o papai ou a mamãe quer. Então, nisso a gente precisa de muito diálogo, de fazê-los entender que ninguém está tirando o papel do pai e da mãe. Pelo contrário, existe um papel de avô e avó e o papel de avô e avó é este. É de contradizer um pouco os filhos, sim. De pensar nesses netos que já se vê com um olhar…

…diferente, e que eles têm que saber que isso faz parte do crescimento de uma criança. Que ela precisa de ter pontos de vista diferentes e olhares diferentes. Que não é só quem concorda conosco que é bom. Quem discorda de nós é muito bom porque nos provoca a encontrar meios e expedientes de defender o nosso ponto de vista. Então, a função dos avós em relação aos pais é isto, de questioná-los: ‘vocês têm certeza de que esta é a melhor maneira de educar seu filho?’”

Uma nova relação com a criança.

Pelo menos uma hora por dia deixar o celular no mudo e brincar.

Uma coisa importante é partilhar com a criança. Chegar em casa e perguntar ‘o que você tem pra me ensinar hoje?’ Não é ‘o que você aprendeu?’, é ‘o que você tem pra me ensinar, me ensina uma coisa’. Mudar um pouco o papel e ser mais lúdico. Ter encontros. Uma coisa que afasta… tem até as brincadeiras que se faz com as pessoas que ficam tanto tempo nos celulares. E que não olham mais para a cara dos filhos, da criança, da esposa ou do marido, cada um envolvido no seu mundo individual. E a gente poder ter pelo menos uma vez por dia uma reunião familiar, que pode ser um café da manhã, um almoço, jantar ou lanchinho à noite, mas que possam estar juntos por alguns momentos, partilhando o que fizemos hoje, o que foi bom…

…em outros projetos, sociais, voluntários, seja o que for, e também envolvidos no celular. Então, não participa com a criança, né? Fica com a criança, mas está no celular como o pai e a mãe estão. Então, o personagem do avô e da avó que seria aquele que pode brincar junto, fazer bobagem junto, errar junto, de repente não está mais lá, porque está no celular. Então, a gente tem que pelo menos uma hora por dia deixar o celular no ladinho, põe ele no mudo e vai brincar com a criança, vai estar presente. Há um monge vietnamita que diz isso: ‘a maior dádiva para alguém é a sua presença, é estar presente pro outro’. Imagine se nós estamos presentes se eu falo com você e pensando ali… Não existe isso, mas fazemos isso com as crianças, fazemos com adolescentes, permitimos que os adolescentes façam isso…”

Leia também: https://oterceiroato.com/2016/06/01/avos-e-netos-beneficios-desta-relacao/

Mude a rotina.

Sugestão: encontrar lugares neutros, de as famílias irem viajar com todos juntos.

Eu acho que a gente podia encontrar lugares neutros, de as famílias irem viajar com todos juntos. O sogro da minha neta faz isso uma vez por ano. Ele tem dois filhos, os dois casados e com filhos. Uma vez por ano ele junta a família toda para fazer um passeio, umas férias juntas. Então, ele vai com os dois filhos, com as duas noras, com as crianças, e ele e a esposa. Então, ele consegue, porque você não está na casa. É uma coisa muito hábil, muito inteligente. Foram fazer um passeio de barco, foram a Disneyworld. Pode ir pra São José, não precisa ser lugares no exterior que sejam caro, pode ir para um hotel fazenda, vai para um sitiozinho…

…de um amigo, mas não na sua casa. Porque a sua casa é um pouco o seu reino. E aí a outra pessoa acha que está entrando no reino do outro. Então, o homem não é o rei lá, o sogro é que é o rei. A menina não é rainha da casa, porque a rainha é a sogra. Então, imagine que é um lugar neutro. E aí sim eu acho que vai funcionar bonito. Porque vamos estar todos juntos num lugar que é desconhecido para nós. Vamos descobrir juntos. E vamos deixar as crianças correrem para cá e para lá, pro lado dos vovôs, das vovós, e não ficarem só com os pais.”

Quem não dança, segura a criança.

Avô e avó formaram seus filhos e são, de certa forma, pessoas de confiança.

Pai e mãe gostam muito de avô e avó quando querem ficar sozinhos. Quando eles têm um evento, uma coisa pra sair. Então, vovô e vovó são a solução. Ainda bem, ainda bem, porque é mais importante deixar com os avós do que com pessoas desconhecidas, que podem ensinar coisas muito erradas. Eu sempre digo, quando eu faço palestras, que a gente tinha que pagar muito bem as pessoas que ficam com as crianças, porque elas têm que ser muito capacitadas. Nós estamos deixando seres humanos frágeis, que estão captando tudo que está no ar, com pessoas que não estão preparadas. Então, tanto professores do ensino básico, infantil, pré-escola…

…como início de escolaridade, como quem vai à nossa casa ficaria, por exemplo, eu tenho que trabalhar, meu marido vai trabalhar, com quem vai ficar a criança? Ah, vou chamar aquela moça ali, aquela mocinha, porque é barato e eu posso pagar. Ela está capacitada? O que ela vai ensinar para essas crianças, que atitude ela tem em relação ao mundo? Como ela se comporta em frente ao mundo? Porque, se a pessoa não tem capacidade, ela vai influenciar de forma negativa. Por isso avô e avó são importantes nessa hora. Porque eles formaram esses pais. Então, eles são, de certa forma, pessoas de confiança.”

Até onde vai o limite do controle?

Saber que, como avós, até onde eu posso interferir e onde eu paro.

“As crianças vão receber influências de toda parte. E os pais quererem negar a influência dos avós é um absurdo. Que bom que seja influenciado pelos avós. Eu conheço uma senhora, por exemplo, que ela é avó, o filho dela se casou, e ele é ateu e a nora é ateia, e ela cisma que as criancinhas precisam ir à igreja. Então, eu não sei o quanto isso afeta a nora e o filho, ou não. Ela diz: pelo menos uma vez por mês eu vou levar as crianças à igreja. Até hoje ela não levou. Mas ela ensina para as crianças cantigas católicas e fica muito alegrinha, achando que ela está fazendo uma coisa boa. Mas se os pais não estão de acordo, isso pode virar um atrito, não é verdade? Isso pode ser uma fonte de desafeto, depois dizer: eu não quero que você venha influenciar as…

…bom na sua infância. E ela é contrária. Então, a gente tem agora essas discórdias de gerações e de maneira de pensar, tem jovens muito radicais, de ser vegano, e nada disso pode. E nós, pessoas de uma geração anterior, ficamos olhando e falando: ‘Nós queremos saúde, nós não queremos um modismo, mas o que é saudável para um ser humano num processo de crescimento’. E que depois faça sua escolha. A escolha vai ser da própria pessoa em fase adulta. Mas numa fase de crescimento, se a gente puder oferecer aquilo que vai permitir um estado saudável… E aí que vem a questão: o que é saudável? Tive uma prima que se tornou vegetariana e então as filhas eram vegetarianas. Mas quando chegavam na casa a avó, a primeira coisa era pedir: vovó, faz um bifinho?”

Tolerância e respeito.

No mosteiro, durante a refeição quem fala, e é mais saudável.

Reuniões de família eram uma coisa muito gostosa. Não era como esses almoços e jantares que agora existem, em alguns domingos, que sentam na mesa e brigam. Era outra coisa. Era reunir pra cantar, pra dançar, pra declamar, pra mostrar uma coisa nova. Não se ficava pegando nas coisas pequenas. Mas no dia a dia, e nos jantares e almoços mais íntimos nossos, a coisa pegava. Eu brigava com minha irmã e meu avô dizia assim: ‘na minha infância, ninguém falava na mesa, a mesa é pra comer, não é pra conversar”. Vou para o mosteiro, e no mosteiro é assim. Durante a refeição quem fala. E eu percebo que é mais saudável. Eu não consigo fazer isso aqui na casa. Faço durante retiros, mas no dia a dia, não. Mas é muito mais saudável se a gente pudesse, quando sentar na mesa, fazer uma prece, um agradecimento, …

…por que estamos tão radicalizados, extremistas? ‘Eu penso isso e se você não pensa como eu você é louca, você não presta e eu não falo mais com você!’ O que é isso, gente? Isto teve, eu acho, uma influência muito grande da mídia. Nós tivemos uma mídia e estamos tendo, e é internacional, não é só nacional, mas também a internacional, que é bem assim: ‘ou você é a meu favor ou você é contra, eu quero destruir você, você tem que pensar como eu penso’. Não é assim. Nem todos pensamos do mesmo jeito. Os nossos olhares são diferentes, por ângulos diferentes e experiências diferentes. E a gente, pra conversar, não precisa convencer o outro do nosso ponto de vista, mas ouvir. Ouvir pra entender.”

Um parto diferente.

Como foi a história da chegada de um bebê em casa.

Ela resolveu que ia ter o bebê em casa e começou a me passar filmes pra que eu me educasse, pra que eu pudesse aceitar que o bebê nascesse aqui. Porque ela mora em um apartamento pequenininho e não caberia. Ela queria nascer numa banheira… o bebê. E aqui no banheiro antigo da casa cabia a tal da banheira pro bebê nascer. E a coisa foi comigo. Não foi com a avó, não. As avós não estavam querendo, não estavam muito a favor. E a minha irmã, que é médica, estava furiosa. Se a medicina cresceu tanto, temos a capacidade de não ter mortalidade infantil, de as mulheres terem partos saudáveis. Se tiver algum problema, num hospital, num minuto salva. Em casa, num minuto morre. Ou pode ter uma coisa gravíssima. É a visão médica. E ela me explicando que não, não é assim, veja…

…comecei a rezar tudo que eu sabia. E eu sempre digo que foi a reza mais forte que eu já fiz até hoje. Na hora em que eu vi a linguinha da minha neta ficar roxinha, porque tinha que fazer esforço, quando aquela língua ficou roxa eu falei: ‘agora não pode mais, agora tem que sair.’ Eu pequei todas as rezas que eu tenho, todos os livros de reza que eu tenho, bem forte, e o bebê nasceu. Ai, que bom! Que susto! Porque fica uma responsabilidade de uma coisa que é nova, de uma coisa que não tem assistência médica, embora essa enfermeira tenha uma experiência de 30 anos como obstetra, ela acabar até ensinando as próprias médicas como fazer alguns partos, mas sempre uma responsabilidade. Fui eu que assumi, né? O resto da família não estava aí. Estava só eu.”

Ser boazinha é um crime.

Avós têm que ter meios hábeis porque têm mais idade, mais experiência.

Ser boazinha é um crime. Ninguém tem de ser bonzinho nesse mundo, tem que ser correto e adequado. Para isso tem que ter sensibilidade pra perceber. Se eu falar agora, vai ser bom? Se eu interferir neste momento, vai ser adequado? Se não é, eu não interfiro agora. Mas eu percebo o momento certo de falar. E as vezes, falar com um… Pra mim, funciona mais falar com o marido da minha neta do que com ela. Quando a coisa está mais assim eu chamo ele do lado sem ela ouvir. E aí funciona. Porque ele não tem essa intimidade…

…que ela tem comigo. Dizer que ‘não vou ouvir, vovô, você é de outra geração”. Ele me ouve. Então, a gente tem que ter meios hábeis. Pra isso temos mais idade, pra isso temos mais experiência. Não pra competir com nossos filhos. Não pra competir com uma nova maneira de ser no mundo, que já não é mais a nossa. Embora a gente esteja, a gente já viveu num outro momento, então não por que interferir tanto, mas estar presente. Dar a eles essa sensação de, se precisar, estou aqui.”

A vida é para ser vivida.

Avós não têm pressa, a avosidade lhes permite perceber como tudo passa.

Na maior parte da vida a gente não usa a experiência do outro. A gente tem que passar. A gente gostaria que nossos filhos e netos pulassem etapas. Usa minha experiência, eu estou te dizendo… Mas não adianta. Algumas coisas, sim; mas a maioria, não. Eles têm que passar. E a gente apenas observa e lembra: eu também fui assim, olha o que eu fazia, também fiz arte, também não ouvi, não ouvi minha vovó, meu papai. Então a gente…

…se lembra de que passamos por essas etapas. Por isso é mais bonito. A gente não tem pressa, não tem angústia, não tem ansiedade… ‘Ai, precisa fazer!’ Não! A vida por si mesma vai fazendo com que aconteça. Eu posso apenas apontar. Apontar caminhos é isso. Dizer: ‘se você subir essa ladeira, você vai dar numa avenida tal; se você descer a ladeira, vai dar em outra avenida. Você quer ir pra que lado? Eu acho que a avosidade nos permite perceber como tudo passa.”

Espero que traga reflexões sobre o assunto na família. O dialogo e o respeito são muito importante para uma boa convivência entre as diferentes gerações da família.

Leia também:

https://oterceiroato.com/2015/10/29/eu-vou-ser-avo-pela-primeira-vez-que-felicidade/

https://oterceiroato.com/2016/08/31/eu-vou-ser-vovo-pela-primeira-vez-a-distancia/

COMO LIDAR COM A DOR NA RELAÇÃO SEXUAL, DEPOIS DA MENOPAUSA.

“Todos os seres humanos ocultam a verdade nos assuntos sexuais”. Sigmund Freud

O Dia dos namorados está chegando é bom saber que… A sexualidade é um dos aspectos mais importantes da vida, enquanto vida tivermos – essa é uma grande verdade!!

Porém, no envelhecimento, homens e mulheres precisam encarar as transformações físicas e emocionais que podem afetar a vida sexual, a afetividade e autoestima. É preciso adaptar-se à essa nova fase de vida, reinventando-se continuamente. Para tudo tem alguma solução!

 

Para a mulher, a redução do hormônio feminino (estrogênio) na menopausa pode provocar disfunções sexuais como redução da lubrificação vaginal (vagina seca), diminuição do desejo sexual (libido)), dor ou ardor na relação sexual (dispareunia), e contração involuntária da vagina (vaginismo).

Mas o que é dispareunia?

A dispareunia – dor, ardor ou desconforto na penetração durante a relação sexual é considerada primária quando acontece desde a primeiro ato sexual, persistindo durante a vida. É considerada secundária quando aparece anos depois de relações sexuais satisfatórias e sem dor.

São várias as causas do desconforto tais como: inflamações ginecológicas, infecção urinária, lesões de pele ao redor da vulva, mioma uterino e outros. A dor também pode ocorrer em função de questões emocionais como tristeza, depressão, ansiedade, estresse.

Depois da menopausa com o ressecamento da vagina pela carência do hormônio feminino aumentam os casos de dispareunia. 

E o vaginismo?

O vaginismo é a contração involuntária dos músculos da vagina, dificultando a penetração e causando dor na relação sexual.  Também é considerado primário quando acontece desde a primeira relação sexual e secundário quando ocorre depois de anos de relações satisfatórias.

Importante saber que o vaginismo pode ocorrer em função da dispareunia. A mulher passa a contrair os músculos da vagina com medo da dor da penetração.

É frustrante para a mulher não ter uma relação sexual com o mesmo prazer de antes, mas muitas (especialmente as que tiveram uma educação mais repressora) preferem calar-se, suportar a dor durante a penetração porque consideram que isso faz parte da sua vida conjugal. Conformam-se com a condição e não expõe seus problemas nem para o parceiro de longa data.

Mas como lidar com a dispareunia e o vaginismo?

O tratamento vai depender das causas da dor e desconforto na relação sexual, mas se for secura vaginal provocada pela carência do estrógeno há muitas possibilidades de cuidados, vamos falar sobre algumas delas?

 

Converse com o parceiro sexual

Muitas mulheres tem dificuldade em expor a condição para o parceiro sexual, o que leva a sentimentos de frustração, raiva, culpa e distanciamento. É importante que o homem compreenda junto com a mulher que a dor e a contração vaginal é uma condição real que precisa ser avaliada e tratada com seriedade. A mulher não está criando caso!!

Precisamos superar a dificuldade e propor o diálogo, acreditando que o sexo é natural e que podemos viver boas experiências depois da menopausa.

Capriche nas preliminares

As rapidinhas do passado quando o corpo feminino respondia mais rapidamente ao apelo sexual podem ser substituídas pela caprichadinhas que podem ser muito prazerosas. Você tem mais tempo? Filhos crescidos? Capriche nas preliminares. Namore bastante, faça pausas no namoro. Para que a pressa? As preliminares aumentam o tempo de prazer e podem ser agradáveis para homens e mulheres.

O carinho e o toque antes da penetração ajuda (e muito) na excitação e na lubrificação vagina na mulher em menopausa.

Use Gel lubrificante Íntimo.

Existem no mercado várias marcas de gel lubrificantes à base de água que devem ser colocados minutos antes da penetração sexual e que substituem de uma forma bem satisfatória a lubrificação natural. Converse com o parceiro sobre isso, inclua-o na colocação. Lembre: o gel pode fazer parte do jogo sexual.

Experimente, oriente suas amigas a fazê-lo também!! Há muitas mulheres que desconhecem isso.

Invista na sua Autoestima

Há vários fatores fisiológicos e culturais que nos desafiam e contribuem para a baixa autoestima no envelhecimento: rugas, cabelos brancos, pele seca, diminuição da lubrificação vaginal…

Mas esse é um bom momento para vivermos. Podemos usar o aprendizado da maturidade e olhar para nós mesmos com um olhar mais amoroso e compreensivo, investindo no respeito próprio e no autoconhecimento e autoestima.

Faça exercícios que fortaleçam o Músculo do Assoalho Pélvico 

Recentemente publicamos no blog infor Já ouviu falar em exercícios de Kegel? Veja https://www.google.com.br/amp/s/pt.m.wikihow.com/Fazer-Exerc%C3%ADcios-Kegel%3famp=1… Eles fortalecem o músculo do Assoalho Pélvico, prevenindo incontinência urinária e fecalflacidez pós parto e outros problemas do assoalho pélvico como “bexiga caída”, por exemplo. Podem ajudar também a melhorar o prazer sexual e a possibilidade de atingir o orgasmo. 

_1 IDOSOS FELIZES GRANDE 4.jpg

Procure ajuda médica 

É muito importante conversar com seu médico sobre o assunto, que vai investigar e propor um tratamento de acordo com a origem da dor e desconforto.

Para algumas mulheres o médico poderá indicar a reposição hormonal e uso de pomadas ginecológicas hormonais (que ajudam muito). As consultas com o médico para tratar de assuntos da mulher, devem ser no mínimo anuais.

Se necessário busque ajuda psicológica

É importante sair da suposta zona de conforto de não tocar no assunto e não encarar a realidade. As chances de termos uma vida sexual prazerosa depois da menopausa são grandes quando existe a vontade de encarar o problema e buscar as possibilidades de tratamento e mudanças. Se necessário procure ajuda psicológica.

Preocupe-se mais com a falta de cuidado do que com as possibilidades de desenvolvimento dessa área tão importante para o ser humano.

Lembrando que o desenvolvimento da sexualidade é individual e cada pessoa tem sua forma de vivê-la, não podíamos deixar de falar das mulheres que fazem sexo com mulheres. O corpo feminino exige cuidados e atenção iguais e as mudanças da menopausa também. 

Todas as informações aqui são válidas para toda a forma de prática sexual com penetração, incluindo instrumentos ou brinquedos sexuais, ok? Conversar com seu médico de confiança e ler sobre o assunto pode ajudar muito.

Gostaram?

Leia também: https://oterceiroato.com/2018/01/31/sexo-depois-dos-50-anos-problemas-que-eles-e-elas-enfrentam/

https://oterceiroato.com/2018/01/24/9-artificios-que-tornam-o-sexo-possivel-e-mais-gostoso-na-3a-idade/

https://oterceiroato.com/2018/03/21/sexualidade-depois-dos-60-anos/

Matéria de Mª Aparecida Costa, do Blog Viver depois dos 50.