COMO LIDAR COM A DOR NA RELAÇÃO SEXUAL, DEPOIS DA MENOPAUSA.

“Todos os seres humanos ocultam a verdade nos assuntos sexuais”. Sigmund Freud

O Dia dos namorados está chegando é bom saber que… A sexualidade é um dos aspectos mais importantes da vida, enquanto vida tivermos – essa é uma grande verdade!!

Porém, no envelhecimento, homens e mulheres precisam encarar as transformações físicas e emocionais que podem afetar a vida sexual, a afetividade e autoestima. É preciso adaptar-se à essa nova fase de vida, reinventando-se continuamente. Para tudo tem alguma solução!

 

Para a mulher, a redução do hormônio feminino (estrogênio) na menopausa pode provocar disfunções sexuais como redução da lubrificação vaginal (vagina seca), diminuição do desejo sexual (libido)), dor ou ardor na relação sexual (dispareunia), e contração involuntária da vagina (vaginismo).

Mas o que é dispareunia?

A dispareunia – dor, ardor ou desconforto na penetração durante a relação sexual é considerada primária quando acontece desde a primeiro ato sexual, persistindo durante a vida. É considerada secundária quando aparece anos depois de relações sexuais satisfatórias e sem dor.

São várias as causas do desconforto tais como: inflamações ginecológicas, infecção urinária, lesões de pele ao redor da vulva, mioma uterino e outros. A dor também pode ocorrer em função de questões emocionais como tristeza, depressão, ansiedade, estresse.

Depois da menopausa com o ressecamento da vagina pela carência do hormônio feminino aumentam os casos de dispareunia. 

E o vaginismo?

O vaginismo é a contração involuntária dos músculos da vagina, dificultando a penetração e causando dor na relação sexual.  Também é considerado primário quando acontece desde a primeira relação sexual e secundário quando ocorre depois de anos de relações satisfatórias.

Importante saber que o vaginismo pode ocorrer em função da dispareunia. A mulher passa a contrair os músculos da vagina com medo da dor da penetração.

É frustrante para a mulher não ter uma relação sexual com o mesmo prazer de antes, mas muitas (especialmente as que tiveram uma educação mais repressora) preferem calar-se, suportar a dor durante a penetração porque consideram que isso faz parte da sua vida conjugal. Conformam-se com a condição e não expõe seus problemas nem para o parceiro de longa data.

Mas como lidar com a dispareunia e o vaginismo?

O tratamento vai depender das causas da dor e desconforto na relação sexual, mas se for secura vaginal provocada pela carência do estrógeno há muitas possibilidades de cuidados, vamos falar sobre algumas delas?

 

Converse com o parceiro sexual

Muitas mulheres tem dificuldade em expor a condição para o parceiro sexual, o que leva a sentimentos de frustração, raiva, culpa e distanciamento. É importante que o homem compreenda junto com a mulher que a dor e a contração vaginal é uma condição real que precisa ser avaliada e tratada com seriedade. A mulher não está criando caso!!

Precisamos superar a dificuldade e propor o diálogo, acreditando que o sexo é natural e que podemos viver boas experiências depois da menopausa.

Capriche nas preliminares

As rapidinhas do passado quando o corpo feminino respondia mais rapidamente ao apelo sexual podem ser substituídas pela caprichadinhas que podem ser muito prazerosas. Você tem mais tempo? Filhos crescidos? Capriche nas preliminares. Namore bastante, faça pausas no namoro. Para que a pressa? As preliminares aumentam o tempo de prazer e podem ser agradáveis para homens e mulheres.

O carinho e o toque antes da penetração ajuda (e muito) na excitação e na lubrificação vagina na mulher em menopausa.

Use Gel lubrificante Íntimo.

Existem no mercado várias marcas de gel lubrificantes à base de água que devem ser colocados minutos antes da penetração sexual e que substituem de uma forma bem satisfatória a lubrificação natural. Converse com o parceiro sobre isso, inclua-o na colocação. Lembre: o gel pode fazer parte do jogo sexual.

Experimente, oriente suas amigas a fazê-lo também!! Há muitas mulheres que desconhecem isso.

Invista na sua Autoestima

Há vários fatores fisiológicos e culturais que nos desafiam e contribuem para a baixa autoestima no envelhecimento: rugas, cabelos brancos, pele seca, diminuição da lubrificação vaginal…

Mas esse é um bom momento para vivermos. Podemos usar o aprendizado da maturidade e olhar para nós mesmos com um olhar mais amoroso e compreensivo, investindo no respeito próprio e no autoconhecimento e autoestima.

Faça exercícios que fortaleçam o Músculo do Assoalho Pélvico 

Recentemente publicamos no blog infor Já ouviu falar em exercícios de Kegel? Veja https://www.google.com.br/amp/s/pt.m.wikihow.com/Fazer-Exerc%C3%ADcios-Kegel%3famp=1… Eles fortalecem o músculo do Assoalho Pélvico, prevenindo incontinência urinária e fecalflacidez pós parto e outros problemas do assoalho pélvico como “bexiga caída”, por exemplo. Podem ajudar também a melhorar o prazer sexual e a possibilidade de atingir o orgasmo. 

_1 IDOSOS FELIZES GRANDE 4.jpg

Procure ajuda médica 

É muito importante conversar com seu médico sobre o assunto, que vai investigar e propor um tratamento de acordo com a origem da dor e desconforto.

Para algumas mulheres o médico poderá indicar a reposição hormonal e uso de pomadas ginecológicas hormonais (que ajudam muito). As consultas com o médico para tratar de assuntos da mulher, devem ser no mínimo anuais.

Se necessário busque ajuda psicológica

É importante sair da suposta zona de conforto de não tocar no assunto e não encarar a realidade. As chances de termos uma vida sexual prazerosa depois da menopausa são grandes quando existe a vontade de encarar o problema e buscar as possibilidades de tratamento e mudanças. Se necessário procure ajuda psicológica.

Preocupe-se mais com a falta de cuidado do que com as possibilidades de desenvolvimento dessa área tão importante para o ser humano.

Lembrando que o desenvolvimento da sexualidade é individual e cada pessoa tem sua forma de vivê-la, não podíamos deixar de falar das mulheres que fazem sexo com mulheres. O corpo feminino exige cuidados e atenção iguais e as mudanças da menopausa também. 

Todas as informações aqui são válidas para toda a forma de prática sexual com penetração, incluindo instrumentos ou brinquedos sexuais, ok? Conversar com seu médico de confiança e ler sobre o assunto pode ajudar muito.

Gostaram?

Leia também: https://oterceiroato.com/2018/01/31/sexo-depois-dos-50-anos-problemas-que-eles-e-elas-enfrentam/

https://oterceiroato.com/2018/01/24/9-artificios-que-tornam-o-sexo-possivel-e-mais-gostoso-na-3a-idade/

https://oterceiroato.com/2018/03/21/sexualidade-depois-dos-60-anos/

Matéria de Mª Aparecida Costa, do Blog Viver depois dos 50.

SETE DICAS DE SAÚDE QUE NUNCA ENVELHECEM…

Collage of an elderly couple sharing good moments together on a

“ Saber envelhecer é a grande sabedoria da vida”. Henri Amiel

A jornalista Cristiane Segatto escreveu este artigo para a revista Época lembrando dicas para se envelhecer bem dadas por um médico americano e publicadas na revista Time em 1959. Embora tenha se passado tanto tempo, a autora chama a atenção, o incrível é que permaneçam tão atuais: “Ouça e respeite as mudanças de seu corpo”, é uma delas”. Leia:

A revista Time andou bem preocupada com o envelhecimento da população americana e mundial – e não foi no ano passado. O aumento da longevidade e o desejo de viver mais e melhor têm sido tema das capas de revista há pelo menos cinco décadas.

Para uma edição especial publicada em 1959, a Time perguntou o que era preciso fazer para viver e envelhecer bem. É curioso ler, mais de meio século depois, os conselhos de Michael M. Dasco, diretor do departamento de medicina e reabilitação do Goldwater Memorial Hospital, de Nova York.

As dicas de Dasco são o melhor remédio contra a insanidade coletiva que hoje leva tanta gente a cometer loucuras estéticas e a consumir produtos pseudo-saudáveis (dietas, pílulas, suplementos) na tentativa de frear a passagem do tempo.

Começamos a envelhecer no exato momento em que chegamos ao mundo. Tentar parecer jovem para sempre é negar um fato da vida tão inevitável quanto o primeiro choro ou o último suspiro. Os 50 anos não são os novos 30. Os 60 não são os novos 20. E, felizmente, os 70 não são os novos 10.

A boa velhice depende das escolhas feitas ao longo da vida, da forma de encarar os fatos e, em grande medida, da sorte. Ter mais ou menos hormônios do prazer e do bem-estar circulando no cérebro altera o comportamento, mas ele também é influenciado por muitos outros fatores, como estrutura familiar, laços sociais e condições de vida.

Se você não pretende se despedir da vida tão cedo, vale a pena ler os conselhos de Dasco.

1) Prepare-se
A coisa mais importante é não deixar a idade chegar de repente. Não permita que ela desabe sobre você, sem aviso prévio. Prepare-se para aceitar o fato de que não será jovem para sempre. Seus filhos, que hoje parecem crescer tão lentamente, um dia sairão de casa e terão suas próprias famílias.

2) Amplie seus interesses
Envelhecer envolve solidão. Isso é inevitável, a menos que você tenha feito planos com antecedência. Comece ampliando seus interesses hoje mesmo. O trabalhador manual deve fazer um esforço para aprender por que questões culturais são tão importantes para os intelectuais. Ao mesmo tempo, o intelectual deveria começar a aprender os prazeres de construir coisas com as próprias mãos.

3) Foque na independência
Para envelhecer bem, é preciso aprender a ser emocionalmente independente. Você pode aprender muito com as habilidades dos orientais. Eles são capazes de meditar e de se ocupar com eles mesmos – até mesmo nas pequenas coisas, como fazer dobraduras de papel. É sempre uma boa ideia aprender outro tipo de independência: ser capaz de cozinhar e de tomar conta de si mesmo. Além de se entreter e de se divertir sozinho.

4) Poupe saúde
A maioria das doenças crônicas começa a se desenvolver durante a juventude. A medicina atual, de 1959, indica a mesma dieta ao diabético de 70 anos e ao de 17 anos. Cuide de você hoje mesmo. Aprenda a comer, a beber e a fumar moderadamente e a sua velhice será muito mais feliz.

5) Ouça e respeite as mudanças do seu corpo
Acima de tudo, não se agarre estupidamente e ilogicamente à juventude. Não tente levar qualquer atividade física a sério demais. Não exagere. Se você tem 50 anos, pare de achar que tem 30 só porque continua tão bom no golfe quanto os rapazes do clube.

6) Desenvolva um senso saudável de autorespeito
Tenha em mente que a sua visão sobre você mesmo é, muitas vezes, dependente da opinião das pessoas ao seu redor. Se os outros agem como se você fosse velho ou inútil, é compreensível que se sinta assim. Pense que a medida da velhice deve ser a das suas capacidades. Isso é o que interessa. Seja capaz de se autoavaliar.

7) Coma o que quiser, com moderação
Muita gente acha que envelhecer significa ser condenado à dieta light. Esse tipo de alimentação enfraquece você. A regra é comero que quiser, com moderação. Se você percebe que não pode comer pratos gordurosos, não coma – mas não culpe a velhice por isso. Muitos idosos podem comer essas coisas sem sofrer dano algum.

E você, leitor de 2016, o que achou? O único conselho insustentável nos dias de hoje é o “fumar moderadamente”. Nos últimos 60 anos, inúmeros estudos demonstram que não existe limite seguro para exposição ao cigarro. Hoje, imagino que Dasco diria: “coma e beba moderadamente e não fume jamais”.

Dicas atualíssimas para o nosso tempo – tão esquisito e castigado pelo excesso de recursos e pela falta de bom de senso.

Fonte: http://www.50emais.com.br/sete-dicas-de-saude-que-nunca-envelhecem/

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR SUA SAÚDE EMOCIONAL .

saude emocional 

“O melhor uso da vida consiste em gastá-la por alguma coisa que dure mais que a própria vida”. William James

Gosto do que Eva Maria nos propõe, leia:

As pessoas emocionalmente saudáveis têm o controle sobre suas emoções e seu comportamento. Além disso, elas são capazes de enfrentar os desafios da vida, construir relacionamentos fortes e se recuperar dos fracassos.

Mas da mesma forma que é necessário esforço para se ter uma boa saúde física, também é preciso um grande empenho para se obter uma boa saúde mental e emocional. Melhorar a saúde emocional pode ser uma experiência gratificante e benéfica em todos os aspectos da vida.

O que é a saúde emocional?

A saúde emocional ou saúde mental é o bem-estar psicológico em geral. Isso inclui a forma de se sentir em relação a si mesmo, a qualidade das relações e a capacidade de controlar os sentimentos e de enfrentar as dificuldades.

A boa saúde emocional não é apenas a ausência de problemas de saúde mental. Estar mentalmente ou emocionalmente saudável é muito mais que estar livre da depressão, ansiedade ou outros problemas psicológicos.

A saúde mental e emocional se refere a presença de características positivas, como autoconfiança, capacidade de lidar com o estresse e se recuperar de uma adversidade, amor pela vida, capacidade de rir e se divertir, capacidade de construir e manter relações satisfatórias e flexibilidade para aprender coisas novas e se adaptar às mudanças, entre outras.

Essas características positivas da saúde emocional nos permitem participar da vida de maneira plena através de atividades importantes e relacionamentos sólidos. Além disso, essas características positivas também nos ajudam a encarar os desafios e as tensões da vida.

O papel da resiliência na saúde emocional.

Estar emocionalmente saudável não significa não passar por maus momentos ou nunca experimentar problemas emocionais. A diferença é que as pessoas com boa saúde emocional têm uma grande capacidade de se recuperar das adversidades, do trauma e do estresse. Essa capacidade é conhecida como resiliência. As pessoas que estão emocionalmente saudáveis têm as ferramentas para encarar situações difíceis e manter uma atitude positiva.

Um dos fatores chave da resiliência é a capacidade de equilibrar o estresse e as emoções. A capacidade de reconhecer as emoções e expressá-las adequadamente ajuda a evitar que você fique preso na depressão, ansiedade ou outros estados de ânimo negativos. Outro fator chave é ter uma rede de apoio forte. Ter ao seu lado gente de confiança para ajudar na busca de incentivo e apoio aumentará a capacidade de recuperação em tempos difíceis.

saude emocional 2.jpg

A saúde física se conecta com a saúde mental e emocional.

Cuidar do corpo é muito importante para ter uma boa saúde emocional. Você sabe: mens sana in corpore sano. Quando se melhora a saúde física, automaticamente é possível notar um bem-estar mental e emocional maior. É que o exercício não apenas fortalece o coração e os pulmões, mas também libera endorfinas, substâncias químicas poderosas que nos dão energia e elevam nosso estado de ânimo.

Descansar adequadamente, manter uma boa alimentação, fazer exercícios, receber luz solar natural e evitar o consumo de álcool, tabaco e drogas é o básico para iniciar o caminho rumo a uma boa saúde física. Para melhorar a saúde mental você deve cuidar de si mesmo.

Para manter e reforçar a sua saúde mental e emocional é importante prestar atenção às suas próprias necessidades e sentimentos. Não deixe que o estresse e as emoções negativas se acumulem. Trate de manter um equilíbrio entre suas responsabilidades diárias e as coisas de que você gosta. Se você cuida de si mesmo, estará mais preparado para enfrentar os desafios quando eles surgirem.

Cuidar de si mesmo quer dizer realizar atividades que liberem endorfinas de forma natural e que ajudem você a se sentir bem. Além do exercício físico, as endorfinas também são liberadas naturalmente nos seguintes casos:

  • Ao fazer coisas boas para os outros e ser útil para as outras pessoas
  • Ao praticar a autodisciplina e o autocontrole
  • Quando aprendemos coisas novas
  • Ao desfrutar da beleza, da natureza e da arte
  • Ao controlar adequadamente o seus níveis de estresse
  • Realizando atividades criativas
  • Reservando um tempo e um espaço para as atividades de lazer

Uma boa reflexão!

Fonte: http://www.resilienciamag.com/estrategias-para-melhorar-sua-saude-emocional/

COMO RESGATAR UM ROMANCE NA TERCEIRA IDADE.

Collage of an elderly couple sharing good moments together on a

Na vida e no amor, não temos garantias… Portanto não procure por elas… viva o que tem que ser vivido… Sem medos… O medo é um dos piores inimigos do amor e da felicidade…”  ― Arnaldo Jabor.

Com as tensões do dia a dia, que nos deixam com os nervos à flor da pele, o romance pode desaparecer do seu relacionamento com o tempo… ou pior ser trocado por sexo rotineiro e conversas superficiais. Uma triste realidade, mas não precisa ser assim!

Veja estas dicas para resgatar a paixão:

CONVERSE SOBRE O ASSUNTO

jantar a dois 7 .jpg

Muitos casais geram situações tensas porque têm receio de conversar sobre pontos importantes para o relacionamento. Talvez seu parceiro conheça você muito bem, mas ele nunca poderá ler a sua mente. Como você espera que seu parceiro saiba o que você quer fazer no Dia dos Namorados ou quais são suas preferências na cama se você não contar para ele?
Seja honesto sobre o que você gostaria e não se esqueça de perguntar as opiniões do seu parceiro, claro.

Dialogo é tudo! Um jantar com vinho pode ajudar muito… e pode ser um bom começo.

RESERVE UM TEMPO PARA O ROMANCE

Depois de trabalhar o dia inteiro, cuidar dos filhos – se você tiver – e passar um tempo a sós para aliviar a mente, talvez você não tenha muito tempo ou energia para se dedicar ao casal. O resultado pode ser um sexo apressado e pouca conversa antes de dormir.

Para evitar que isso aconteça, reserve um tempo para atividades românticas entre os dois. Podem ser atividades simples, como assistir juntos a um filme no sofá, ou mais elaborado, como fazer uma viagem no fim de semana… sem os filhos…

Afinal, se você consegue se planejar para ir ao dentista, por que não conseguiria reservar alguns dias na agenda para cuidar do seu relacionamento?

Reserve noites para encontros românticos, estabeleça alguns finais de semana com este propósito.

APIMENTE AS ATIVIDADES COTIDIANAS

  A_foto_da_mulher_-madura

É fácil transformar a mais corriqueira das atividades diárias em um encontro romântico.
Tome um banho juntos, por exemplo, quando vocês estiverem se preparando pela manhã. Tire aquela louça especial do armário, acenda algumas velas e sentem-se à mesa para o jantar, em vez de comer na frente da televisão — não precisa ser um prato muito elaborado.

Troque a calça de moletom e a camiseta velha antes de dormir por algo um pouco mais provocante. Produza-se para ele.

No final de uma conversa cotidiana, faça insinuações do que você gostaria de fazer naquela noite e deixe o outro pensando nisso o dia todo!  Provoque sua mente!

Fonte:  Webiste Get Old

http://www.envelhecersemvergonha.com.br/Como%20Resgatar%20O%20Romance