SE EU PUDESSE CONVERSAR COM CLARICE LISPECTOR…

Se eu pudesse queria conversar com você Clarice Lispector, pela janela da minha sala escancarada, de robe e com meu cabelo ainda desgrenhado… bem cedinho. Eu daqui tomando um café fumegante acabado de ser passado no coador de pano e com uma bela fatia de bolo de fubá fumegante na mão, que certamente você me acompanhando do lado de lá da calçada e então te perguntaria: o que você faria na quarentena?

Como não posso, vou experimentar o que já sugeriu e pensar… “se eu fosse você, como seria e o que você faria neste período de isolamento?”… esta sua pergunta me provocou um novo olhar e me trouxe grandes reflexões sobre a que é importante na vida.

Vejo muitas coisas acontecendo pela televisão, os noticiários não falam de outra coisa é coronavírus pra cá, fique em casa e mortes pra lá… dia e noite. Uma explosão de estatística do mundo inteiro de hora em hora, instaurando um medo absurdo de pegar este vírus tão invisível, de fácil contaminação e tão devastador. A ansiedade desponta e me tira o ar.

“Melhor desligar a TV um pouco e viver, se atualize apenas uma vez ao final do dia, já basta. Aproveite a beleza e a simplicidade das pequenas coisas do seu dia a dia e respire fundo, apenas sinta a vida”, você aconselharia. E assim eu faço!

Ainda sem vacina ou algo para curar, nem sequer um remédio potente capaz de controlar a sua devastação em nossos pulmões, obrigou o mundo a parar… se isolar socialmente em suas casas e se protegerem a si mesmo e aos outros… Sim, o mundo inteiro parou… e continua parado, não sabemos até quando. Estamos numa pandemia. Uma guerra contra o invisível.

“Melhor se cuidar e relaxar, tenha paciência e esperança… Pode ler estudar, escrever… tente inovar e descobrir os prazeres da vida nas pequenas coisas, que a muito tempo você deixou de perceber por causa do corre corre e da vida atribulada. Aproveite melhor o tempo que tem agora, use e abuse dele, não desperdice esta chance. Será um grande aprendizado, vais ver.” você lembraria. E assim eu faço!

Percebo que tem governantes que resistiram um pouco a isto tudo no começo e foi devastador o resultado em seus países… Desta forma causaram mais sofrimento e mortes ao seu povo, assistimos isto com uma tristeza profunda, o que estes erros trouxeram…

“Ainda dá tempo de não cometermos o mesmo erro, afinal estamos vendo e temos mais tempo. Não queremos que isto aconteça por aqui também, não é verdade?”, certamente me alertaria. E assim eu pensaria e faço!

Mas aqui o que vejo chega a ser ainda pior, pois além do presidente não perceber a gravidade do momento que vivemos, faz pouco caso das nossas vítimas e das tantas mortes que agora só tendem a subir cada vez mais rápido. Tenta ainda desmoralizar tanto as recomendações da OMS, como dos nossos governadores dos estados brasileiros, que fazem imensas campanhas para conscientizar o povo, fiquem em casa…

Toda esta irresponsabilidade causa mais stress e gera um aumento nos problemas sociais, econômicos e políticos do país… além de estar na contramão, dando péssimos exemplos. Cada dia uma nova polêmica. Confunde a cabeça de muitas pessoas.

Pobre de nós brasileiros, enfrentamos duas guerras ao mesmo tempo a da vírus e o da incompreensão dos políticos que deveriam proteger o seu povo. Desestrutura seus Ministérios, dispara barbaridades nas redes sociais, fomentado por vaidades abaladas e incompatibilidade de pensamentos, onde muitos baseado na ciência pedem a todos que fiquem em casa, colaborem… enquanto poucos dizem temos que trabalhar agora. Vamos morrer mesmo, vira pano de fundo… as loucuras se juntam e mostram a sua cara… se destacando nas manchetes pelo mundo afora. Instauram-se o salvem-se quem quiser ou puder. E assim caminhamos, como sempre tentando sobreviver… na corda bamba e agora enfrentando uma pandemia.

“Acorde, você é quem faz as suas escolhas, não eles. A casa e a vida são sua, relaxe e fique em casa. Siga sua intuição e seus pensamentos. Procure em sua casa o que fazer, tem tantas coisas… redesenhe a uma rotina e que ela seja bem variada e criativa fazendo bem a você, tem que ser bem pensada. Inove, experimente coisas novas, descubra um sentido da vida pra você… Então relaxe, respire fundo e comece agora já”, assim voce aconselharia. E assim eu faço!

Tudo está de cabeça virada para baixo. Mortes, hospitais lotando… o sistema de saúde sufocado não está dando mais conta de tantos pacientes graves ao mesmo tempo. A morte ronda as UTI, muitas vezes esquecidas e sucateadas… com seus respiradores acabando. Estão todos correndo atrás do prejuízo causados por tanto tempo de descaso com os sistemas de saúde desabastecidos. E olha que tem muitos usando a criatividade e dando seus jeitos pra tentar melhorar ou sanar os graves problemas surgidos… Tentam todos cientistas, pesquisadores, técnicos num trabalho conjunto mundial, todos buscam sobreviver. Todos em busca de uma vacina que pode conter está pandemia. Mentes brilhantes juntam esforços.

Pedem para ficarmos em casa enquanto eles preparam os sistemas de saúde para que possa atender a todos os pacientes que irão precisar… correm contra o tempo.

Os médicos e o pessoal da saúde trabalhando incansavelmente nas linhas de frente arriscando suas vidas… nossos verdadeiros heróis agora.

Tudo está sendo adaptado. A maioria consciente da gravidade do momento faz o que é preciso. A vida está em primeiro lugar.

“Aproveite este momento como uma grande oportunidade de aprendizado para a sua vida. Recupere a leveza, a poesia e o encanto no que temos de mais simples e belo agora e no podemos ter agora… viver. Viva apenas isto”. ela me diria. E assim eu faço!

A economia mundial parou… empresas quebrando, desemprego em massa, meios de transportes restritos… os restaurantes só para entrega em delivery, escolas e todo o comércio fechados… só o que atende as necessidades estritamente básicas e essenciais de alimentação e saúde podem funcionar e com restrições de convívio social, com uso de máscaras e sem aglomerações.

Com a demora do dinheiro extra do governo a chegar no bolso dos realmente necessitados, a criatividade e a inovação tem acontecido e muita gente querendo ajudar.

Solidariedade tem surgido de muitas formas diferentes, todos lutam para sobreviver e ter o que comer… Ajudas vem de muitos lados e de formas diferentes.

“Tudo está diferente agora, temos que ter paciência e esperança… tudo vai passar, acredite… tenha fé, saiba esperar.”, me aconselharia. E assim eu faço!

A internet e às redes sociais são nossos aliados agora, bem vindos sejam… uma febre mundial que pode ser usados: para o “bem” melhorando os relacionamentos e com propostas de ótimas lives e demais projetos ao vivo… e para o “mau” com suas fake news e desatinos. Saber filtrar, ou seja, selecionar o que de fato nos importa é o deve ser visto e considerado, tem sido um grande desafio para todos nós.

Avós e netos foram separados, afinal tinham que proteger os idosos, que estão no grupo de risco… todos tinham que fazer a sua parte. Ao vivo não dá, mas a internet surgia como uma forma de interagir mais e se comunicarem pra contar como andam as coisas por aqui e ali.

Há muitos que acreditam na importância do isolamento social, do “fique em casa”, onde somos obrigados a mudar a rotina e tendo que conviver dia a dia com seus familiares. Atinge, aí, sua epifânia.

O que no começo não parecia tão difícil… era até divertido mas com o tempo tiveram que se (re) descobrirem… e o que parecia ser bom e diferente começou a desandar e a incomodar. Os relacionamentos quando se obrigam a ter uma maior convivência diária como agora, tem se mostrado uma verdadeira turbulência, sendo retratadas com intensidade todas as formas do relações humanas. Respeito ao outro e as diferenças se faz necessário, mas o difícil é ser aplicado.

Muitos tem se aproximado e se redescoberto como algo prazeiroso e em coisas que haviam sido esquecidas, são resgatadas… e despertando, para algo melhor ainda pra levar no futuro… enquanto outros se desalinham, se atacam, se matam e se destroem na certeza que não dão mais certo nesta convivência. E agora José?

“Esta se sentindo entediada com seu papel de esposa/marido e mãe/pai de família, filho pequeno ou adolescente dentro de casa?… Chegou a relaxar em suas tarefas diárias, sentir que não queria mais fazer isto assim ou assado… Hora da verdade, de repensar o que é importante pra você na vida… o que te faz feliz?Hora de parar e reprogramar.”. me perguntaria. E assim eu faço!

Há outros os que não acreditam nisto e desafiam a sua vida e dos demais… como que numa cegues e surdez destemida, fazendo diferente do que é preciso ser feito.

“Será que precisava de algo assim, pra fazer você despertar pra vida? Muitas coisas passam por nós despercebidas e adormecidas, quando vem algo, como uma bofetada e nos desperta enfim, ela chegou. O que realmente é importante pra você ser feliz na vida?”. me perguntaria você. Eu sei!

E eu te diria, não quero morrer agora, quero aproveitar bem o tempo que ainda tenho para viver e ser feliz. Tenho sonhos e muitos planos, estão sendo apenas adiados… e em breve retornarei firme e forte, cheia de saúde e amor pra dar e receber.

Me aguardem, tudo passa! Paciência e otimismo foram sempre a minha bandeira, e não será diferente agora.

Estou em casa á mais de um mês, aproveitando as pequenas coisas que a vida me dá e feliz por estar com saúde e de bem com a vida.

Sinto-me muito bem.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/04/15/sou-o-que-quero-ser/. https://oterceiroato.com/2020/03/25/saudades-dos-velhos-tempos/

COMEÇAR DE NOVO… EU…

Quantas vezes pensamos: Ah, se eu pudesse começar de novo, faria tudo diferente…


Começar de novo não é necessariamente começar de novo. Quando a vida lhe der uma oportunidade de recomeçar, pense novo. Às vezes, essas oportunidades chegam em forma de rupturas, mudanças dramáticas, perdas, rejeições, doenças. Às vezes, a chance se esconde no fim das grandes crises, das guinadas da sorte, das puxadas de tapete. Às vezes, só criamos coragem depois de perdermos o rumo, o chão. Na maior parte das vezes, só enxergamos com clareza quando estamos de fora.

Começar de novo não é reiniciar, é inventar outro padrão. É preciso reconhecer os erros, os nossos e os alheios, as fraquezas, os excessos, os entraves. Começar novo é permitir-se inclusive novos enganos, erros, fragilidades mas não os mesmos.
Só quem já apanhou da vida é capaz dessa façanha: passar os planos a limpo, faxinar os porões do coração, despedir-se daquelas dores crônicas, libertar-se do passado. Quando os velhos modelos falem, os antigos códigos não dizem mais nada, o futuro imaginado desaparece e até os sonhos murcham mas a despeito de tudo você percebe saídas, diagnostica a crise, identifica as fragilidades e não se dá por vencida, nesse momento você está engendrando o novo. Não uma retomada mas uma nova história.

Só quem viveu bem suas perdas e enganos pode começar novo. Só quem conhece o peso do fracasso, da solidão e da esperança perdida pode trocar de pele, escolhas, script. Como disse o filósofo: O que não me mata, me fortalece. Alguns caminhos, erros e ideais só se percorre, comete e persegue uma vez. Muitos deles tem prazo de validade. Nossas escolhas, certezas e sonhos não são estáticos; muitas vezes são eles que se mudam de nós, desistem de nós, insistir é burrice, é prolongar o desgaste.
Quando a vida lhe der uma oportunidade de recomeçar, seja generosa, diga sim, surpreenda-se e experimente ser a pessoa que você se tornou depois que enfrentou suas noites traiçoeiras, chorou suas perdas, atravessou seus desertos, matou seus leões.”

Assim nos diz Hilda Lucas, o que eu concordo em muitas coisas do que ela diz. Nestes tempo de pandemia, onde o medo e a morte ronda por perto… estamos tendo oportunidade de refletir sobre a nossa vida. Eu nunca vou ser daqueles que dirá ao final da vida… se eu tivesse mais tempo, mudaria… Eu mudo agora e todas a vezes que precisar. Quero me sentir realizada agora… faço a minha parte. E você? Já pensou sobre isto? Me conta…

DEIXEM-ME ENVELHECER…


Deixem-me envelhecer sem compromissos e cobranças,
Sem a obrigação de parecer jovem e ser bonita para alguém,

Quero ao meu lado quem me entenda e me ame como eu sou,
Um amor para dividirmos tropeços desta nossa última jornada,
Quero envelhecer com dignidade, com sabedoria e esperança,
Amar minha vida, agradecer pelos dias que ainda me restam,
Eu não quero perder meu tempo precioso com aventuras,
Paixões perniciosas que nada acrescentam e nada valem.

Deixem-me envelhecer com sanidade e discernimento,
Com a certeza que cumpri meus deveres e minha missão,
Quero aproveitar essa paz merecida para descansar e refletir,
Ter amigos para compartilharmos experiências, conhecimentos,

Quero envelhecer sem temer as rugas e meus cabelos brancos,
Sem frustrações, terminar a etapa final desta minha existência,
Não quero me deixar levar por aparências e vaidades bobas,
Nem me envolver com relações que vão me fazer infeliz.
Deixem-me envelhecer, aceitar a velhice com suas mazelas,
Ter a certeza que minha luta não foi em vão: teve um sentido,
Quero envelhecer sem temer a morte e ter medo da despedida,
Acreditar que a velhice é o retorno de uma viagem, não é o fim,
Não quero ser um exemplo, quero dar um sentido ao meu viver,
Ter serenidade, um sono tranquilo e andar de cabeça erguida,
Fazer somente o que eu gosto, com a sensação de liberdade,
Quero saber envelhecer, ser uma velha consciente e feliz!!!

Gosto desta crônica de M.Concita Weber, combina perfeitamente comigo.

SOMOS… ADORÁVEIS MALUCOS!

Quando penso sobre “qual a minha loucura”, logo vejo que não caberia numa folha de papel. São tantas e tão boas… e tem mais, eu não gostaria de mudar em nada. Sou o que sou, simples assim. Simples? Nem tanto, maridão teve que descobrir aos poucos, quem sou… e olha que somos o 8 e o 80, por isso mesmo sinto que nos completamos. O que tem nele falta em mim, o que tenho, complementa ele. Assim vamos levando, o principal é que graças as nossas diferenças levamos leveza e alegria no nosso viver. Transformamos tudo em algo especial e único, isto sim deve ser o amor! Importante mesmo é aguentarmos as nossas loucuras no ponto certo, respeitando o tempo e o espaço de cada um, gostando de estar juntos, dialogando, cuidando um do outro e seguindo em frente sonhando juntos, se amando muitoooo … assim vamos envelhecendo juntos também. Tem coisa melhor? As pessoas complicam tanto, não sei porque. Este texto de Martha Medeiros me identifica tanto, e você o que pensa?

A cena: o primeiro chopp da vida de vocês. Sentados frente a frente, cada um fala sobre as músicas favoritas, se prefere praia ou campo, se gosta de ler, se pratica esporte, se já morou em outra cidade. Sem esquecer o indefectível: qual o seu signo?

Ao fim da noite, haverá mesmo uma pista segura sobre as chances da relação? A gente pensa que sim, mas a vida mostra que nada disso interessa: nem o time que torce, nem se sabe cozinhar, nem se é de Áries ou Peixes. Segundo o filósofo Alain de Botton, a gente deveria perguntar no primeiro encontro: qual é a sua loucura? Este seria um bom começo para avaliar se temos capacidade de segurar a onda do outro.

Não há como negar que somos todos meio esquisitos. Quem é que tem todos os parafusos no lugar? Ninguém tem. Então admitir isso seria um jeito mais honesto de iniciar uma história. O cara se abre: “Tenho mania de dar caminhadas solitárias durante a madrugada, preciso ficar totalmente sozinho no dia do meu aniversário, tenho um histórico de assédio moral que me perturba até hoje, fico meio enfurecido quando alguém insiste em saber sobre minha infância”.

Sua vez de alertá-lo: “Não consigo ficar sozinha nem por cinco minutos, não posso engordar 200 gramas que fico sem comer por três dias, janelas abertas me causam pânico, desconfio que sou filha da minha tia”. Achou que iria ser facinho? Praia ou campo?

O ser humano, qualquer um, é um depósito de angústias, carências, traumas, neuras. Não somos apenas o nosso gosto para cinema, o nosso jeito de vestir, o nosso prato favorito – se fossemos apenas isso, amar seria como jogar dominó. Mas o jogo entre dois amantes é mais complexo. Aos poucos, vão aparecendo os medos secretos, a dificuldade de lidar com dinheiro, a fixação em ideias estapafúrdias, o complexo de inferioridade, a ansiedade incontrolável, as perdas pelo caminho.

Nada disso é exatamente uma loucura, mas é um pacote existencial que é colocado no colo de quem deseja se relacionar conosco. A pessoa terá que amar não apenas nosso par de olhos azuis e nossa bicicleta na garagem, mas todas as estranhezas que cultivamos e a dor que nos absorve.

O amor, em si, não é difícil. O amor é fácil. Difíceis somos nós. Somos uma simpática encrenca para quem se atreve a entrar na nossa vida e ficar conosco por mais de 10 dias, prazo suficiente para lembrar que perfeição não existe.

Alguém vai desistir de amar por causa disso? Ao contrário: o desafio é estimulante. Quase competimos para ver quem é mais maníaco, quem tem mais problemas familiares, quem se irrita mais com a rotina, quem explode mais – pra tudo terminar em chamegos embaixo do lençol, onde é obrigatório se entender.

Taí a graça e a desgraça de quem resolve dividir o mesmo teto, taí a bagagem surpresa que cada um traz de casa. Qual é a sua loucura? A minha eu conto quando você me convidar para um chopp.

ACONTEÇA O QUE ACONTECER NA SUA VIDA… ENCONTRE A SUA PAZ INTERIOR!

Aconteça o que acontecer na sua vida, não perca a sua paz interior, ela é a força que você precisa para manter-se em equilíbrio mesmo durante as piores tempestades. Nessa época de pessoas atormentadas por pesadelos, por frustrações e sonhos desfeitos, manter a paz é fundamental para não cair nas armadilhas da depressão. A carga de informação que você recebe durante o seu dia, a pressão do trabalho, dos estudos e dos relacionamentos, acaba deixando seus nervos em pedacinhos. Se você não estiver com o pensamento voltado para o seu bem estar, você não consegue manter o equilíbrio e ai, o seu fígado começa a sofrer as primeiras conseqüências, daí para as doenças do estômago como a gastrite, a úlcera e outros nomes não muito recomendáveis, é um passo. É preciso que você coloque “filtros” em sua vida, e ao receber as notícias, sejam elas quais forem, analisar e rapidamente descartar o que não for realmente importante para sua caminhada. Manter-se em paz é um exercício diário, porque muitos obstáculos estarão presentes no seu dia a dia, a começar pelo seu lar, onde sob o mesmo teto reúnem-se pessoas que não compartilham as mesmas idéias que você. Tudo é questão de como vamos reagir em cada uma delas. No trabalho outros problemas nos aguardam. Manter o emprego esta cada vez mais difícil, devido a enorme competição imposta pelas empresas entre os funcionários, tornando o clima às vezes “infernal e insuportável”. Para complicar tem o seu relacionamento que anda às vezes tão complicado por coisas tão bobas, que você fica pensando, será que vale a pena? E quando você está a sós, fica imaginando que não nasceu para amar e ser amado, que os anjos te esqueceram e outras besteiras que a solidão causa. Tudo isso e mais aqueles amigos que acreditam que você é poderoso e usam seu ombro como se fosse um grande muro das lamentações e deixam você mais carregado de energias nada boas. Cuide-se enquanto é tempo. Para que sua paz continue, use estas regrinhas básicas: – Use o bom senso ao ler as notícias, sempre; – Pare de ir no embalo dos alarmistas de plantão, não entre em pânico; – Ao entrar no local de trabalho, faça uma prece em silêncio e cumprimente a todos com alegria, serve para qualquer lugar com muitas pessoas; – Respeite-se, se não estiver com vontade de falar com ninguém, retire-se e pare de fingir que está tudo bem, se poupe; – Peça ajuda. Para ajudar alguém precisamos estar muito bem. Se você não estiver bem, esqueça, você vai prejudicar a você e a quem pediu ajuda. A paz é uma conquista daqueles que se amam; – Ame-se pelo amor de você mesmo! Ninguém tem o direito de invadir a sua paz e se o estão fazendo é porque você está permitindo. Estar consigo mesma é estar em ótima companhia, descubra-se; – Reveja seus atos. Para manter a sua paz vale tudo: banhos relaxantes, orações, respirar fundo, terapias, e muito amor. A paz é um exercício diário. Permita-se relaxar; – Sorria mais, relaxe, busque um cantinho dentro de você para ser feliz. Você é responsável pelo seu bem estar. Estando feliz, o outro seguirá o seu exemplo; – Acredite em você, tenha fé; – Valorize-se. Você merece muito mais do que tem hoje, e vai conquistar se mantiver seu pensamento voltado para suas conquistas, sonhos e desejos. Ouse sonhar muito; – Tudo isto vai passar! Só existem dois dias no ano em que nada pode ser feito. Um se chama ontem e outro amanhã. Portanto, hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer, e principalmente viver. Viver em paz é ser muito mais feliz!resiliência #pazinterior #leveza #equilíbrio #aprendizados #envelhecerbem #consciência #amor #compaixão #gratidão #paz #tranquilidade #sejaresiliente #terapia

A MULHER QUE QUERO SER…

Estou em constante desenvolvimento. A mulher que sou hoje era a que desejava ser há anos atrás. Sonhava ter confiança, serenidade, saber conversar sobre aquilo que amo sem tremer a voz.

Agora, quero ainda mais que isso. Quero ser uma versão ainda melhor de mim mesma. A que chamo “eu” está em constante desenvolvimento, e, assim que me adapto a cada melhoria, outra versão desse eu surge.

Isto porque o meu verdadeiro eu não tem forma – ou melhor, tem a forma que eu quiser. Eu provenho de algo muito maior que um corpo, uma personalidade, um contexto.

Eu não sou a idade que tenho, as ações que tomei, o lugar onde cresci. Eu sou energia infinita e em constante movimento, sou parte de algo indescritivelmente grandioso.

Sempre soube isso, de alguma forma. Por isso, nunca tive interesse ou necessidade em definir-me por conceitos.

Denominações por característica é algo que divide as pessoas e as coloca em frascos. As pessoas não são produtos, ninguém tem a mesma composição que outro alguém.

Posso ser como quiser, mas nunca me vou identificar com um grupo. Podemos fazer a mesma coisa, mas as nossas mentalidades são sempre completamente diferentes – por causa das nossas preferências e desejos.

O que eu desejo mais do que tudo é ser a versão melhorada de mim, o eu que idealizei com todos os detalhes e a minha versão do futuro que já está a viver a vida que amo.

Esta Beatriz já existe, e ela já está a experienciar a vida que escolheu, fruto dos desejos da Bia do passado. É a versão de mim que aspiro ser agora, e o resultado de uma brecha que se fecha entre onde estou e onde quero ir.

A mulher que quero ser sabe exatamente o poder que tem. Sabe transformar qualquer situação em progresso, vendo-a por aquilo que realmente é: o caminho para algo melhor. Isto inclui circunstâncias desagradáveis – o contraste é uma oportunidade para mais desejos, e para aprender a realizá-los.

A mulher que quero ser tem grande destreza nos relacionamentos. Por já ter passado por algumas humilhações nas amizades e amores, sabe ser ela mesma independentemente da outra pessoa aceitar isso ou não.

Ela tem uma aura bonita, iluminando qualquer lugar em que entre, e quem quer que lá esteja é contagiado por essa luz.

A sua felicidade e leveza para com a vida é inegável, e nota-se a cada detalhe dela – a fala, o olhar, os gestos, a postura – que inspiração flui através dela, um fluir divino de coisas boas, uma vontade de viver com mais abundância, amor, sabedoria.

Ah sim, ela é mais sábia do que alguma vez foi. Agora, sabe que não vale a pena criticar ou reclamar, e sente-se em paz com o Mundo e os outros. Aceita-se como exemplo e não como opinião, por isso vive com otimismo e filtra o que há de melhor.

Tem uma forma peculiar ser, a elegância intemporal dos clássicos com a audácia do modernismo. Sabe ter classe sóbria ou embriagada, mas fala o que lhe vai na alma, sem reservas.

É cheia de amor. Expressa-o tão naturalmente como o ar que respira. Elogia um estranho ou um amigo. Perdoa com graciosidade quem lhe fez mal, aceitando o seu papel na sua vida. Ama o parceiro com a maior beleza, abraçando-o e sendo o maior exemplo para ele, não descontando qualquer frustração, que sabe que vem sempre de si mesma e não do outro.

Essa mulher sou eu. Eu sou a mulher que quero ser, no progresso para qualidades mais amplificadas e uma maneira de viver que combina mais com aquilo que desejo. Quem eu desejo ser é quem me estou a tornar.

Está crônica de Claudia Rocha, vai bem de encontro com o que eu penso e acredito.

SIM, ESTÁ MELHOR DO QUE EU PENSAVA…

A primeira metade da vida é muito boa, mas da metade pro fim pode ser ainda melhor, se a gente aprendeu alguma coisa com os tropeços lá do início.

Que o pensamento é uma aventura sem igual.

Que é preciso abrir a nossa caixa preta de vez em quando, apesar do medo do que vamos encontrar lá dentro.

Que maduro é aquele que mata no peito as vertigens e os espantos.

Como Martha Medeiros nos diz, sim pode ser melhor ainda rsrsrs

FICAR EM CASA É O NOVO ROLÊ DOS JOVENS…

Sextou não é mais sinônimo apenas para o início dos tradicionais divertimentos do fim de semana: sair, beber, dançar e curtir com os amigos.

Ficar em casa deixou de ser algo a esconder, e o combo Netflix, vinho e máscara facial viraram rolê digno de postar nas redes sociais. Economizar energia, dinheiro e tempinho para cuidar de si mesmo agora são cool. Isto já antes da pandemia! Agora então ganhou outro glamour… estamos descobrindo o prazer de ficar em casa 🥂. Inovar faz bem ❤️

Se antes o FOMO (em inglês, fear of missing out, aquela sensação de estar perdendo algo muito legal, que todo mundo está aproveitando, menos você) imperava nas redes, o JOMO (joy of missing out, a alegria em estar por fora) ganha seu momento. Mais do que nunca agora 🦠

Antes: Dava para tirar onda de quem saia na sexta à noite, cansado depois de uma semana inteira de trabalho, gastava para entrar na balada e beber drinques com preços abusivos, só para acordar de ressaca no dia seguinte (sem ter feito a rotina de skincare à noite, claro). Além de economizar agora temos aprendido 🦠 o prazer do que podemos fazer no aconchego do nosso lar. Como o friozinho do inverno que está chegando então… fica melhor.

Com tantas opções para se divertir online sozinho, ou em boa companhia… filmes e lives musicais… sair de casa além de não ser uma boa ideia agora 🦠parecer até desnecessário…

A verdade é que redes sociais e a vida social estão conectadas. A imagem digital pauta o espaço físico. É uma geração que se relaciona muito pelo que é percebido do ponto de vista da imagem. Temos lives muito boas com show de artistas que gostamos, acontecendo muito. Basta se ligar 👀

É sabido da capacidade ❤️ limitada dos estabelecimentos de oferecer experiências inusitadas onde eu possa fotografar interagindo os faz mais atrativos. Um bom vinho com papo divertido não pode faltar.

Quer saber mais:

https://www.google.com.br/amp/s/tab.uol.com.br/noticias/redacao/2019/10/25/ficar-em-casa-tambem-e-cool-como-o-sofa-esta-competindo-com-as-baladas.amp.htm

OI SENHORAS, TUDO BOM? BLOGUEIRAS IDOSAS FAZEM SUCESSO NA WEB.

Elas são fotogênicas, #estilosas, têm milhares de #seguidores (que aumentam dia a dia) e provam que carisma e estilo jamais #envelhecem.

Elas são #autênticas e não têm medo de expor seus melhores ângulos. Seus perfis nas redes sociais estão recheados de looks coloridos, poses cheias de atitudes e elogios dos #seguidores. A descrição bate com o estilo de vida de muitas jovens #blogueiras, mas, com mais de 60 anos, estas #influenciadoras estão nas redes para provar que #elegância e carisma jamais #envelhecem e também merecem o seu like!

Aos 64 anos, a designer de joias Sarah Jane Adams é categórica ao falar sobre seu sucesso: “É menos sobre as roupas, e mais sobre a atitude”. Sua carreira como influenciadora teve início em 2014, quando foi fotografada em uma jaqueta esportiva para divulgar sua coleção de joias.#saramaijewels

No caso de Sarah, suas roupas são o reflexo de sua atitude jovem e destemida. Em uma bomber colorida ou um vestido estruturado, ela prova que peças e tendências não têm idade. Com quase 200 mil seguidores no Instagram, a influenciadora atende por @saramaijewels

Dona de um sorriso radiante, looks acessíveis e uma emocionante história de superação, a brasileira Sueli Rodrigues, do @blogdasu70, começou a publicar suas fotos por incentivo de uma amiga próxima após vencer um câncer em 2017. Com 70 anos e 28 mil seguidores, Sueli dá um show de autoestima, “provando que beleza e estilo não têm idade”. Esta paulista é um sucesso como blogueira de moda.

Com esse semblante alegre, nem parece que ela passou por tantos percalços. #suelirodrigues #blogdasu70

Sueli se derrete pelos fãs, a quem carinhosamente chama de “seguimores”: “Tenho seguimores de todos os tipos, tamanhos e cores, adoráveis e amorosos. Para mim, é um aumento na #autoestima, que nunca foi baixa”. Ela conta que prefere #looks casuais e práticos, só compra suas roupas em lojas jovens, e ainda deixa um conselho às #seguidoras.

“Não existem roupas que sejam proibidas, sempre dentro de uma certa noção do nosso corpo. Vestiu? Se sentiu bonita? Desfila seu poder. Mas não se esqueça de colocar um brinco e um batom”. “O que mais vale é a saúde, é poder viver planamente seu dia e se sentir bonita. O #empoderamento para a mulher é a saúde”, declara ela. Sueli ainda trabalha na Câmara Municipal de Itu e já está ganhando dinheiro com seu blog. Sueli Rodrigues é o maior exemplo que dá para se #reinventar na #terceiraidade.

Aos 84 anos, a ex-coelhinha da Playboy Dorrie Jacobson (#seniorstylebible) (@seniorstylebible) não se conformou em deixar o posto de beldade no passado: “A noção de que as mulheres precisam se vestir de uma maneira apropriada parece sempre absurda para mim”.

Em ensaios de #lingerie publicados nas redes sociais, ela faz questão de mostrar que não abre mão de sua #sensualidade.

Dorrie não faz o tipo que se vale da glória do passado. A blogueira famosa também dá dicas de moda em sua página e sabe como adotar um visual elegante e colorido.

Aos 97 anos, Iris Apfel (@iris.apfel) é um verdadeiro ícone #fashion nova-iorquino. Dona da empresa têxtil Old World Weavers, a quase #centenária foi a primeira pessoa viva a ter seus acessórios expostos no Metropolitan Museum of Art, em Nova York. #iris.apfel

Seus colares e pulseiras pesados são um complemento para os espalhafatosos casacos de pele, no melhor estilo coroa milionária.

Apesar de ter um visual difícil de ser copiado pelas brasileiras, Iris Apfel ainda tem muito a ensinar sobre como criar um visual inesquecível. No caso dela, os óculos redondos funcionam como marca registrada de sua #elegância e ousadia.

A canadense Melanie Kobayashi (@bagandaberet) estreou como modelo aos 55 anos de idade e, desde então, colabora com várias grifes. Além de fazer sucesso no Instagram, Melanie também mantém um blog de moda e um canal no Youtube, nos quais dá dicas de estilo a seus seguidores. #bagandaberet

Em sua página principal, ela conta que tira foto dos próprios looks com um tripé. Despojada dos pés à cabeça, ela não hesita em assumir os fios brancos com penteados modernos, e diz que o segredo da elegância está em sua personalidade: “Minha positividade e humor podem ser contagiantes”.

Fonte:

https://lifestyle.r7.com/moda/fotos/oi-senhoras-tudo-bom-blogueiras-idosas-fazem-sucesso-na-web-24082019?amp

PARIS – CENTRO GEORGES POMPIDOU.

Pensando na viagem que fiz no início do ano, voltando pra Paris… achei importante falar um pouco deste museu. Conhecido também como Beaubourg, o #centrogeorgespompidou é um choque visual na paisagem parisiense. No meio dos velhos prédios, aparece sua imensa estrutura de metal e tubulações, com escadas rolantes externas, cores vermelhas e transparências, acabou causando polêmica nos anos 70, quando foi inaugurado. Até hoje eu fico curiosa vendo suas estruturas modernas e gosto do que vejo.

É um grande complexo cultural criado pelos arquitetos Renzo Piano e Richard Rogers. Tem biblioteca, teatros, cinema, e dois de seus andares são ocupados pelo Musée National d’Art Moderne, que abriga uma das maiores coleções de arte moderna e contemporânea do mundo. Picasso, Matisse, Baltus, Francis Bancon e Andy Warhol são alguns dos nomes entre as 100 mil obras do Centro, que também incorporou um espaço mágico: o ateliê do escultor romeno Constantin Brancusi, ao lado da entrada principal, foi totalmente reconstituído e pode ser visitado gratuitamente. Este ano não pude ir visitar estas obras… mas eu recomendo vocês incluir uma visita neste centro.

Horários: aberto de quarta à segunda-feira, das 11h às 20h. Quinta-feira até 23h, apenas para as exposições temporárias no 6° andar. Fechado às terças e no dia 1° de maio. O Ateliê Brancusi abre todos os dias de 14h às 18h. Preço para acervo e exposições temporárias: 14 euros. Grátis para menores de 26 anos. Mais informações no site.

Endereço: Place Georges Pompidou  75004 Paris

#paris #viagens #viagem #envelhecer #envelhecerbem #maturis #maturidade #picasso #centrogeorgespompidou #matisse #obrasdearte #muséenationaldartmoderne