TUDO PASSA!!!

Tudo passa. Tenha calma.

No lugar da ferida se renova a pele, no lugar da dor se refaz o amor, no lugar da perda se refaz a esperança. E é pelas esperas que se refaz um coração.

Tudo passa quando a gente se aquieta.

Tudo se refaz quando a gente acredita…

(By Cecília Sfalsin)

EMPREENDER DEPOIS DOS 50: uma questão de atitude…

Pensando na longevidade fase que me encontro agora, tenho descoberto muitas coisas novas e muito interessante. Este texto foi escrito por Mara Sampaio e nos traz uma ótima reflexão muito bacana sobre o que está acontecendo na longevidade atualmente, no quesito trabalho. Leiam: Um fenômeno que já havia se manifestado nos países desenvolvidos parece ter chegado para ficar no Brasil. Os Baby Boomers, pessoas que nasceram nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial, um dos momentos de maior taxa de natalidade da história, cresceram, amadureceram e hoje têm entre 56 anos e 74 anos. Esse grupo expressivo, dinâmico e guarda uma diferença importante em relação a seus pais e seus avós.

Ao contrário das gerações anteriores, que pareciam ter o objetivo de aumentar a população da Terra, eles não tiveram muitos filhos. Houve nas últimas décadas uma redução expressiva na taxa de natalidade e essa tendência, combinada com o aumento da expectativa de vida, teve como consequência uma elevação consistente na média etária da população. Para um país que sempre foi visto como jovem, chega a ser surpreendente constatar que, daqui há dez anos, mais da metade da população economicamente ativa do Brasil será composta por pessoas entre 50 e 59 anos. Caminhamos rápido para ser um país maduro.

Esse fenômeno demográfico é acompanhado por uma outra mudança, às transformações no mundo do trabalho. As portas das empresas parecem ter se fechado para as pessoas que chegaram aos 50 anos. A evolução tecnológica, o uso cada vez mais intensivo da Inteligência Artificial para a execução de tarefas e a difícil convivência com a nova geração acabaram contribuindo para que os ambientes corporativos acabassem se tornando inóspitos para a geração Baby Boomer.

TENDÊNCIA DO MOMENTO — Essa realidade tem colocado a sociedade em geral e os Baby Boormers em particular, diante de uma circunstância que não valia para as gerações anteriores. No passado recente, as pessoas que ultrapassavam a barreira dos 50 anos começavam a se preparar para a aposentadoria — um momento de inatividade que lhes daria tempo para as atividades de lazer que não tiveram tempo de realizar enquanto investiam nas carreiras. Hoje não é assim.

Além de mais joviais e com mais tempo de vida pela frente do que seus antepassados, as pessoas que alcançam a maturidade neste momento são ativas. Por necessidade de sobrevivência, por temperamento ou por estilo de vida, elas preferem se manter em ação. E como já não se adaptam mais ao mercado tradicional de trabalho, a escolha é empreender.

O número de pessoas maduras que seguem esse caminho é cada vez maior. Uma pesquisa recente realizada pelo Sebrae aponta que 23% das pessoas que se aposentam, continuam trabalhando. Outros 12% tornaram-se empresários e outros 8% têm intenção de ter seu próprio negócio. Além desses dados, há outros que comprovam o aumento do interesse dos sêniores por atividades empreendedoras. Quem frequenta os eventos voltados para as áreas de empreendedorismo, inovação e startups percebeu nos últimos meses um aumento expressivo de pessoas maduras interessadas em se lançar a uma atividade empreendedora. O empreendedorismo sênior é a tendência do momento.

QUESTÃO DE ATITUDE — Um detalhe que muitos não levam em conta é que a opção empreendedora não é, por si só, uma garantia de sucesso. pessoas com mais de 50 anos que hoje faz a escolha empreendedora foi preparada para trabalhar em grandes empresas e sempre teve como uma medida de sucesso profissional uma carreira especialidade com a permanência longa numa mesma empresa.

A transição da carreira corporativa para a vida empreendedora nem sempre é suave e não depende apenas da bagagem profissional acumulada ao longo da vida. Ela é importante, sem dúvida, mas está longe de ser o principal requisito para o empreendedor sênior. Para ter sucesso nessa nova jornada, mais do que as habilidades técnicas, a pessoa precisa desenvolver uma atitude empreendedora – habilidades comportamentais.

Iniciar uma carreira empreendedora, muitas vezes requer a descoberta das motivações pessoais para o trabalho — e essas motivações, ainda que incluam a necessidade de sobrevivência, estão relacionadas com a busca da transformação pessoal e plenitude. Se para esta geração, a atividade profissional era relacionada ao esforço e à dedicação, hoje está ligada a valores pessoais e propósito de vida. A chance de sucesso ao empreender será maior se a escolha levar em conta a qualidade de vida e a realização de antigas paixões, e para um número cada vez mais de pessoas, que contribua para melhorar o planeta para as futuras gerações.

 AS QUATRO HABILIDADES — a atividade empreendedora a partir dos 50 anos exige, além da bagagem profissional e da sabedoria adquirida com a maturidade, o desenvolvimento de pelo menos quatro habilidades que nem sempre estiveram presentes no repertório dessa geração. São elas:

A autoconfiança, ou seja, a capacidade de ousar e de assumir riscos para criar um negócio inovador.

A autonomia, que se refere à capacidade de tomar decisões em situações de incertezas para se adaptar ao mercado atual que vive em constante mudança.

A auto atribuição, que é a capacidade de se responsabilizar pelo processo e pelo resultado para que seja o empreendimento se torne sustentável.

A alteridade, que é a capacidade de entender os problemas do mundo pela perspectiva do cliente e agir para servi-lo com empatia.

Essas habilidades são fundamentais, mas ainda não são suficientes para assegurar o sucesso na vida empreendedora. Há uma série de fatores de mercado que interferem no resultado final e devem ser levados em conta. Sem elas, no entanto, o fracasso se torna uma possibilidade bem palpável — e esse não é o objetivo de ninguém com mais de 50 anos ao abraçar uma atividade empreendedora.

https://www.linkedin.com/pulse/empreender-depois-dos-50-uma-questão-de-atitude-mara-sampaio

MULHER AO CENTRO DA VIDA.

Chegou ao meio da vida e sentou-se para tomar um pouco de ar. Não sabia explicar. Não era cansaço, nem estava perdida. Notou-se inteira pela primeira vez em todos esses anos. Parou ali, entre os dois lados da estrada e ficou observando as margens da sua história, a estrada da vida ficando fininha, calando-se de tão longe que ia.
Estava em paz observando a menina que foi graciosa, cheia de vida. Estava olhando para si mesma e nem notou. Ali, naquele instante estava recebendo um presente. Desembrulhava silenciosamente a sabedoria que tanto pediu para ter mais.
Quando a mulher chega à metade da estrada da vida, começa lentamente a ralentar o passo. Já notou como tem gente que adora conturbar a própria rotina, alimentar o próprio caos? Ela não.
Não mais.
Deixa que passem, deixa que corram, a vida é curta demais para acelerar qualquer coisa. Ela quer sentir tudo com as pontas dos dedos, ela quer notar o que não viu da primeira vez. Senhora do seu próprio tempo.
Percebeu, à metade da vida, que caminhou com elegância, que viveu com verdade, que guiou a própria sombra na estrada em direção ao amor. E como amou! Amor por si, pelos outros, amou em dobro, amou sozinha, amou amar.

A mulher ao centro da vida traz a leveza que os anos teceram, pacientemente. Escuta bem mais, coloca a doçura à frente das palavras, guarda as pessoas com preciosismo. Aquela mulher já perdeu pessoas demais.
Ao meio da estrada, ela já não dorme tanto, mas sonha bem mais. Sonha pelo simples exercício de sonhar. Sonha porque notou que é o sonho que tempera a vida. Aprendeu a parar de ficar encarando as linhas do corpo. Seu espírito teso, seu riso aberto, sua fé gigante não têm rugas, nem celulite, sem encanação. Descobriu que o segredo é prestar atenção no melhor das coisas, nas qualidades das pessoas, nas belas costas que tem e deixá-las ao alcance da vista dos outros.
Sentada ali, ao centro da própria vida, decidiu seguir um pouco mais. Há mais estrada para caminhar, mais certezas para perder, mais paixão para trilhar. Não há dádiva maior do que compreender-se, que encontrar conforto para morar em si mesmo, que perdoar-se de dentro pra fora. Ao centro da vida ela descobriu que a gente não se acaba, a gente vai mesmo é se cabendo, a cada ano um pouco mais. Adoro esta crônica de Diego Engenho Novo, espero que você aprecie também.

A VIDA NÃO PODE SER SÓ PAGAR CONTA… É MUITO MAIS QUE ISSO…

Tem coisas que o padre Fábio de Mello diz que eu adoro, traz grandes reflexões… neste tempo de pandemia então, nem se fale… Nós estamos cada vez mais refletindo sobre a vida… O que realmente nos importa, como fazer pra resolver nossos problemas que estão surgindo agora e muitos deles vão aumentar ainda. Paciência, procurar manter a saúde física e emocional além do “fique em casa” são a palavra da vez. Não podemos mudar nada agora. Temos que ser criativos e inovadores em procurar encontrar soluções dentro das nossas possibilidades… sempre tem algo que podemos fazer… pense. Temos que procurar manter a calma. Saber esperar, que tudo passa. O que é mais importante pra nós agora? Já parou pra pensar nisso? Gratidão pela vida e pela saúde minha e dos meus, está pra mim agora em primeiro lugar. Eu sou grata! Sim, eu estou cuidando pra me manter saudável e me protegendo pra não pegar o tal do coronavírus já que me encontro no grupo de risco. E você como está se saindo? Concordo plenamente com Padre Fábio, e você o que acha? Leia:

Aprenda a nunca mais ser idiota…

A vida não pode ser só trabalhar e pagar conta. Seu casamento não pode ser somente cobranças e sexo. Seu relacionamento com seus filhos não pode ser só perguntar como foi a escola. Sua preocupação não pode ser somente suas finanças, sua academia e seu próximo apartamento.

Os dias estão passando muito rápido, os celulares estão consumindo nossos preciosos minutos de conversas, de carinho e de risadas.

Esse ano (2019) já vimos um jornalista dizer: chego em 10 minutos para almoçar e não chegou. Esse ano vimos um modelo tão entusiasmado para desfilar que o coração não aguentou. Alguém que foi descansar no mar… e não volta mais pra casa outro que foi só ajustar o ar condicionado da casa nova caiu e se foi.

Organize sua vida colocando prioridades que realmente importam no seu dia a dia.

Peça perdão, libere perdão, seja leve de espírito… beije na boca a quem você ama, abrace, conforte, chore junto, sorria mais ainda…

Não gaste energia com quem não quer o seu bem, politicos mentirosos, parentes e amigos falsos.. não perca tempo abrindo a sua boca para falar o que não edifica, a vida é muito curta para viver aborrecido.

Brinque com seus filhos, durma com eles, se lambuze ao cozinhar algo e divirta-se…

E busque ganhar dinheiro o suficiente somente para você ter segurança e um pouco de conforto, todo o resto é vaidade, é idiotice… um Dia a hora chega e quem viver, viveu.

O mundo precisa de amor, nos seus 4 cantos, é preciso darmos as mãos e fazermos essa corrente do bem…

Precisamos urgentemente liberar energias positivas e pensamentos amorosos”. Em casa agora todos estão tendo a oportunidade de conviver mais com os seus, se conhecendo e reconhecendo melhor: marido e esposas, pais e filhos… filhos e pais…

Temos que fazer deste tempo algo inesquecível no bom sentido, depende só das nossas escolhas. Bora pensar sobre isso.

A VIDA… E SUAS PEDRAS!

Neste momento que o mundo inteiro se encontra em isolamento social por causa da pandemia… angústias e ansiedades despontam mais do que nunca, esta crônica de Mário Quintana traz uma boa reflexão… cutuca bem lá no fundo, mexe e remexe e traz uma luz sobre o que de mais importante temos na vida… a vida… agora.

Ter clareza na percepção sobre tudo o que nos cerca, saber parar… esperar… ouvir e enxergar pra onde queremos ir… com paciência, resignação e esperança faz toda a diferença. Sempre fez, mas muitas vezes não soubemos… a maturidade nos da isso.

“Depois de muitas quedas, eu descobri que, às vezes, quando tudo dá errado, acontecem coisas tão maravilhosas que jamais teriam acontecido se tudo tivesse dado certo.

Eu percebi que quando me amei de verdade pude compreender que, em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa.

Então pude relaxar… pude perceber que o sofrimento emocional é um sinal de que estou indo contra a minha verdade.

Parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.

Desisti de querer ter sempre razão e com isso errei muito menos vezes.

Desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Isso me mantém no presente, que é onde a vida acontece.

Descobri que na vida a gente tem mais é que se jogar, porque os tombos são inevitáveis.

Percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.

Também percebi que sem amor, sem carinho e sem verdadeiros amigos a vida é vazia e se torna amarga.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…”

UM BRINDE…

Acredito que neste tempo de pandemia do coronavírus, o codiv-19… temos que fazer um brinde a vida. Um brinde…
A todas as vozes que desaprenderam preces, ou mesmo que jamais aprenderam.
A todas as solidões individuais ou partilhadas, gritadas, colhidas ou caladas, nos corações e nas almas.
A todas as buscas que levaram a encontros, perdas ou abandonos.
A todos os silêncios de gestos e palavras que encobriram impossibilidade, refúgios, medos ou
ausências.
E, principalmente, aqueles que disseram mais do que palavras.
A todos os braços e abraços que acolheram, aqueceram e ampararam, nos momentos em que a perda já parecia certa e o abandono das forças de luta era aparentemente a única possibilidade de resposta.

Aos sorrisos esboçados ou assumidos que coloriram os rostos e enfeitaram o mundo.
A todas as crianças crescidas e pequenas que viveram momentos de descoberta e
não morreram para o aprender.
A todo o Amor que nasceu e morreu, mas que teve seu espaço de cor, força e brilho nas faces, corações e corpos.
A todas as músicas e versos que os artistas, ou não, exprimiram com suas emoções e nos ajudaram a compreender e comunicar melhor as nossas.
A toda voz ou carícia que não se negou, que ouviu o apelo e respondeu com sua existência, sua expressão sua proximidade.
A todas as orações desesperadas, suplicantes ou agradecidas.
A todos os “becos sem saídas” que deram em novos caminhos e em outras possibilidades.
A todos os desesperos que tiveram a grandeza de pedir ajuda e dar a enorme descoberta de serem conhecidos na partilha e no calor de um olhar, talvez perplexo, mas acolhedor.

A toda a vida que se omitiu ou ousou, que se transformou ou paralisou no tempo do medo.
A todo o medo que a coragem permitiu viver, e que a força não deixou que imobilizasse o gesto, e levou aos passos mais adiante e aos caminhos mais além de antes do ontem.
A todos aqueles que, disponíveis para o novo, o invasivo, o ensaio, percorreram com seus olhos linhas como estas somando as nossas, as suas vivências, indagações e descobertas e fazendo com isto que amontoados de palavras se vestissem de significados, dedico esta mensagem como uma liberdade de aproximação e um enorme desejo de que a busca de cada um não cesse nunca, seja ela qual for, por mais que mudem as respostas ou que por vezes, nos desanime a ausência delas.

Um brinde aos encontros, que neste espaço de vida, puderam acontecer…
Um brinde a vocês … (Autor Desconhecido).