CURAR…

Embora seja um poema escrito a tantos anos atrás, por Kathleen O’Meara (1839-1888)… ele vem de encontro, se encaixando tão bem com a nossa atualidade, com o estamos vivendo na atualidade… leiam:

E as pessoas ficaram em casa.

E leram livros e ouviram.

E descansaram e se exercitaram.
E fizeram arte e brincaram.
E aprenderam novas maneiras de ser.
E pararam.
E ouviram fundo
Alguém meditou
Alguém orou
Alguém dançou
Alguém conheceu sua sombra
E as pessoas começaram a pensar de forma diferente.
E pessoas se curaram
E na ausência de pessoas que viviam de maneiras ignorantes,
Perigosas, sem sentido e sem coração,
Até a Terra começou a se curar.
E quando o perigo terminou.
E as pessoas se encontraram.
Lamentaram pelas pessoas mortas.
E fizeram novas escolhas.
E sonharam com novas visões.
E criaram novos modos de vida.
E curaram a Terra completamente.

 Kathleen O’Meara, pen name Grace Ramsay 

Nascimento: 1839, Dublin, Irlanda

Falecimento: 10 de novembro de 1888, Paris, França

SAUDADES DOS VELHOS TEMPOS.

“Sinto saudade de tudo que marcou a minha vida. Quando vejo retratos, quando sinto cheiros, quando escuto uma voz, quando me lembro do passado, eu sinto saudade. Sinto saudades de tantas coisas”.
De Clarice Lispector

Sinto saudades de tudo quando vejo nas fotos antigas… e me lembro das histórias que vivi… revivo e saboreio cada detalhe… o gosto no tempo delas… revivo com detalhes… com tanta doçura e intensidade que me emociono. Estão bem guardadas dentro do meu coração. Posso sentir sempre que quiser. Sinto saudades das doces lembranças do que vivi.

Hoje vivo mais devagar e com alegria porque eu já tive pressa. Quero aproveitar tudoooo ao seu tempo.

Agora neste tempo de #quarentena, #isolamento social mundial como maneira de evitar um maior contágio do covid-19, e medida de proteção aos mais velhos que são os mais vulneráveis a doença que está para do o mundo… é preciso ter calma, paciência e equilíbrio emocional. As lembranças são algo precioso pra aliviar as saudades e nos deixar mais felizes e com otimismo. Vai passar, hora de nos cuidarmos melhor agora. Fiquem bem 🏠🙋🏼‍♀️😘🙏🏻

SOMOS MULHERES… EMPODERADAS!!!

Eu sou assim… uma #mulher #empoderada!
Pulsante, #amorosa, #companheira, #paciente, positivista, #bem humorada, generosa, #feliz, aprendiz, #corajosa, #curiosa, #resiliente, rebelde… ufa!!! E muito mais rsrsrs
Gosto de quebrar padrões e #paradigmas… gosto de inventar e me #reinventar…. gosto #sonhar e #ousar realizar, e vou longe… se não der certo, reconstruo de outra maneira… gosto de compartilhar meus aprendizados e aprender… gosto de papear com amigos e conhecer pessoas novas de todas as idades, estou sempre aberta pra isto…. gosto de #transformar o mundo ao meu redor… com dose de humor e amor… e deixá-lo um #mundo 🌎 muito melhor.
Eu 🙋🏼‍♀️vivo de bem com a #vida💓🌸 🌹🌻💄💫🥰

Somos 🤩🤩🤩assim… mulheres empoderadas 🙋🏼‍♀️ eu e minhas irmãs 😍 Isa e 😍 Zai 💓💓💓
Feliz Dia das Mulheres 🌸🌺🌹💋

QUE MULHER EU SOU…

Como diz Martha Medeiros faço parte de uma nova geração de mulheres, sempre fortes e guerreiras… Gosto desta crônica dela:

Sempre que chega próximo ao “Dia Internacional da Mulher”, procuro fugir do discurso de vitimização que a data invoca. Não que estejamos com a vida ganha, mas creio que as mulheres já mostraram a que vieram e as dificuldades pelas quais passamos não são privilégios nossos: injustiça e violência são para todos.

Prefiro aproveitar a data, esse ano, para fazer um brinde à nossa importância não para a sociedade e a família, mas umas para outras. Assistindo ao delicado filme “Caramelo”, tive a sensação boa de confirmar que o tempo passa, os filhos crescem, os corações se partem, mas amigas ficam.

Como todos os filmes que abordam a amizade e a solidão intrínseca de toda mulher, Caramelho nos consola valorizando o que temos de melhor: a nossa paixão, a nossa bravura e o bom humor permanente, mesmo diante de tristezas profundas.

Precisamos de mulheres à nossa volta. Amigas, filhas, avós, netas, irmãs, cunhadas, tias, primas. Somos mais chatas do que os homens, porém, entre uma chatice e outra, somos extremamente solidárias e companheiras de farras e roubadas. Competitivas?! Talvez, mas isso não corrompe em nada a nossa predispoisção para o afeto, o nosso abraço na hora da dor.

Aprendemos a compartilha nossas virtudes e pecados e temos uma capacidade infinita para o perdão. Somos meigas e enérgicas ao mesmo tempo, o que perturba e fascina os que nos rodeiam.

Brigamos muito, é verdade: temos unhas compridas não por acaso.

Em compensação, nascemos com o dom de detecção do sagrado nas pequenas coisas, e é por isso que uma amizade iniciada na escola pode completar bodas de ouro e uma empatia inesperadapode estimular confidências nunca feitas. Amamos os homens, mas casadas, mesmo, somos umas com as outras.

TUDO PASSA!

Tudo passa. Tenha calma. No lugar da ferida se renova a pele, no lugar da dor se refaz o amor, no lugar da perda se refaz a esperança. E é pelas esperas que se refaz um coração. Tudo passa quando a gente se aquieta. Tudo se refaz quando a gente acredita…
Assim como Cecília Sfalsin eu tenho certeza que tudo passa!

O VALIOSO TEMPO DOS MADUROS. CONTEI OS MEUS…

Este texto de Ricardo Gondim descreve muito bem sobre este maravilhoso tempo em que estamos vivendo na Longevidade. Traz uma boa reflexão. Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora.

Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltavam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.

Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas que, apesar da idade cronológica, são imaturas.

Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral ou semelhante bobagem, seja ela qual for.

Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa…

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado de deus.

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo. O essencial faz a vida valer a pena. Basta o essencial!

​QUARENTA… CINQUENTA… SESSENTA ANOS!

Tem gente que começa aos quarenta, outros assim como eu, só perto dos sessenta anos.

A nossa percepção sobre o mundo e nós mesmos vai mudando… vamos ficando mais calmos… leves e felizes. Queremos a simplicidade em cada gesto… em cada atitude… e mudamos em tantas coisas que a nossa companhia conosco mesmo torna- se um prazer absoluto. Somos mais seletivos em todas as nossas escolhas assim como Fabrício Carpinejar descreve neste texto. Leiam:

Gostar da própria solidão é a manifestação mais clara de que chegou aos 40 anos.

Não precisa mais sair de casa para ser feliz, não é mais tributário do barulho e da multidão para se ver acompanhado.

Gosta do silêncio e de não fazer nada demais. Gosta do espaço vazio e da liberdade de não ter a agenda cheia.

Passa a filtrar os convites, a peneirar as festas, a abrir a porta para a rua somente quando realmente é indispensável.

Não sofre mais em dizer não. Prefere receber os amigos em casa, em pequenos e semelhantes grupos, a virar a madrugada em baladas com estranhos.

Dispensou o bordel dentro de si. Tem como princípio sexo com qualidade, não mais pela quantidade. Não está mais desesperado para transar toda noite, toda semana. Busca criar um clima para o clímax, acima de tudo. A música de qualidade e a conversa inteligente são preliminares indispensáveis antes de qualquer amasso.

Perdeu também a ganância de enriquecer, o olho de águia do sucesso, opta por ganhar menos e se incomodar menos.

Mudou a sua concepção de prosperidade, paz é prosperidade.

O que fazia quando estava gripado, de permanecer na cama lendo um livro ou emendando episódios de uma série, agora ocupa a maior parte de seus dias sadios. Preocupa-se em aguar as plantinhas, em aprender idiomas, em comprar verduras sem agrotóxico nas feirinhas de bairro.

Nem para tomar vinho acredita que depende de companhia. As quatro décadas revelam a satisfação de um cálice sentado na varanda, sem ninguém para apressar os goles. Finalmente está solto no seu mundo de pensamentos para degustar a safra e descobrir os taninos.

Sei que meus amigos sopraram as quarenta velinhas quando decidem se dedicar a cerveja artesanal. Largam os botecos e a zona de desconforto da boemia pela produção caseira de sua bebida. Ostentam experimentos e guardam as provas para limitados convidados. São cientistas do isolamento, explicando, depois de cumprida a missão, o passo-a-passo de sua incubadora com ostensivo orgulho.

Alguns encontram tempo para maturar queijos, outros se aventuram a assar pães ou pizzas, com sacerdócio de mestre-cucas. Se antes reclamavam da submissão doméstica das mães e avós, que colocavam tortas a esfriar nas janelas, agora não acham nem um pouco inconveniente o hábito de cozinhar, ainda que seja para o seu consumo.

Aliás, é simbólico nesta faixa etária querer produzir a sua própria comida. A cozinha torna-se a parte mais importante da residência, com aquisição de fornos potentes e panelas inquebrantáveis.

O discernimento da meia-idade surge com a renúncia. Entende-se que perder a agitação é ganhar autoconhecimento. A experiência traz a clareza do que é bom e do que é ruim, de que não vale realizar coisa alguma na contrariedade, de que nada mais será feito para agradar o outro.

Gostar-se é o início de uma nova vida. Longeva vida, com a adrenalina da simplicidade. 💙🙏🏻