PAZ NO ESPÍRITO, NA MENTE, NA ALMA E NO CORAÇÃO, É O QUE DEIXA NOSSA VIDA BONITA!

Amor 2

“A vida nem sempre tem as cores e sabores que desejamos…” Wandy Luz

Wandy Luz faz uma bela reflexão sobre as grandes aprendizagens da vida. Leiam:

Depois de tantos altos e baixos, finalmente entendi que a vida nem sempre tem as cores e sabores que desejamos, e as coisas não acontecem como e quando queremos, mas se tivermos paz, a vida com certeza fica linda demais!

Paz no espírito, na mente, na alma e no coração, é o que deixa nossa vida bonita.

Entender isso, é libertador, porque deixamos de nos preocupar e incomodar com coisas insignificantes. Afinal, tudo o que custa nossa paz, torna-se caro demais, e não devemos nunca tentar pagar esse preço!

Demora, mas a gente entende, que não vale a pena brigar, discordar, reclamar e ir contra tudo e todos. A revolta não resolve nada, mas intoxica o sopro de vida que preenche nosso corpo.

Demora, mas a gente aprende a não se importar tanto com o que pensam e esperam de nós. Pela paz a gente passa a ignorar as inverdades que dizem a nosso respeito, porque sabemos que a boca só fala o que transborda no coração. Então, para que discutir com quem vive carregando o peso de um coração cheio de ódio, rancor, inveja e frustração?

Demora, mas a ficha cai, de que quando se vive em paz, consciente e munido de fé, o tempo é amigo e não inimigo. Ele não passa nem rápido ou devagar demais, ele simplesmente passa e deixa no caminho um rastro de destino que segue seu curso.

Encha-se de Deus, embeleze-se de amor, alimente-se de gratidão, porque ela nutre, fortalece e nos leva de mãos dadas á prosperidade!

Quando estamos em paz, até a solidão se torna companheira, e de uma forma verdadeira a gente olha para si próprio, com honestidade. Gostamos do que vemos, aceitamos tudo o que somos, mesmo longe da perfeição, abraçamos as incertezas, e temos coragem para enfrentar o desconhecido.

Demora, mas a gente finalmente percebe que um dia bonito nem sempre é um dia de sol. Mas com certeza é um dia de paz.

Amor

 

Anúncios

NÃO É A APARÊNCIA QUE ENCANTA, É A ESSÊNCIA…

Essencia

Simone Guerra nos faz refletir sobre o que realmente nos importa… nossa essência. Leiam:

Muitas vezes vivemos em função do outro. Gastamos o que temos e o que não temos para impressionar, para demonstrar e até mesmo aparecer, e no fim de tudo não resta sequer um olhar, um muito obrigado ou um elogio. A pior decepção é aquela que nos abraça na hora errada e vem de quem menos esperamos.

Criamos expectativas demais com as pessoas à nossa volta. Cismamos que aparências e uma boa apresentação nos conecte com alguém que queremos. Vivemos ilusões perdidas e conquistas unilateral, muitas vezes. Quem nunca comprou algo para impressionar alguém e se decepcionou? Todo mundo, pelo menos uma vez na vida, inventou moda, pagou e ainda chorou desconsolada porque ele não percebeu.

Aprendi a fazer agrados para mim mesma, porque depois de muitos anos vividos, percebi que sou minha melhor plateia. Não é excesso de autoestima, não. Muito menos confiança demais, é apenas ter consciência que homens apreciam outras coisas. Raramente vamos encontrar um homem que consiga distinguir uma roupa de boutique com uma de brechó, um sapato caro com algum de liquidação, uma colônia barata de um perfume bom e caro, porque para eles, o imprescindível é a companhia, o carinho, o sexo, o beijo, a pegada, o cheiro natural. Então, aprendi a gastar com mais atenção, algumas horas a mais em casa, carinho dobrado e conversa que convence e acolhe.

essencia 3

Demoramos muito tempo para aprendermos que superficial, supérfluo e falta de contexto matam os encantos. Ninguém precisa ter aparência impecável e cara para encantar, é preciso apenas demonstrar através da simplicidade amor e acolhimento. Uma roupa bonita, um sapato lindo, jóias e maquiagem, muitas vezes, encantam apenas vitrines, porque ninguém vive de aparências.

Exupéry disse: “o essencial é invisível aos olhos”, tão invisível que se compara com a nudez do amor. O amor é tão puro que tem a necessidade de ser transparente, invisível. Se é amor, aquela roupa de grife, aquela bolsa com quatro ou mais dígitos continuarão sendo apenas detalhes, porque uma representação de você não vai ter a mesma importância que a sua essência. E homens, por incrível que pareça, trocam qualquer Valentino, Dior, Chanel por essência e bom humor. Pena, que só entendemos isso depois que já nos preocupamos demais em retocar a maquiagem, escovar os dentes antes dele acordar…

É importante cuidar de nós mesmos, comprar o que nos fazem felizes, gastar com supérfluos, andar na moda, ser impecável, desde que isso te dê aquela sensação de felicidade, de prazer… E se isso não impressionar quem você quer, por favor, não fique triste ou pense que gastou tempo e dinheiro à toa, porque quem deve se impressionar com você antes de qualquer outra pessoa, é você mesma. Faça o seu melhor para você, sempre! Assim, você não vai se decepcionar.

Não é preciso comprar a roupa mais linda para conquistar, porque homens não prestam atenção em detalhes, então compre para você mesmo e se aprecie. Alguém que você quer ao seu lado, vai se preocupar com o que está dentro dos seus pensamentos e coração. O amor tem a exigência de ser leve e inteligente, porque é pura essência.

CUMPRIMENTE A TODOS, CONFIE EM POUCOS E NÃO DEPENDA DE NINGUÉM.

cumprimente

Estamos sempre refletindo sobre nossas aprendizagens. Gosto deste texto de Marcel Camargo. Leiam:

Ser gentil não custa nada e só nos traz benefícios. Sorrir com verdade pode até ajudar quem menos esperamos, pois há sempre alguém procurando por alguma luz em seu dia. Nem imaginamos o quanto de alento um simples “bom dia” pode trazer a quem passa por escuridões dolorosas. Por outro lado, é muito desagradável deparar-se com uma cara amarrada já às sete horas da manhã, com pessoas deseducadas, mal-humoradas e ríspidas, afinal, ninguém tem culpa da nossa briga com o mundo.

Quem de nós nunca foi completamente ignorado ao passar rente a um colega, a um conhecido, a alguém que já conversou conosco, já passou um tempo na nossa companhia e, portanto, já sabe o nosso nome? Não dá para entender por que certas pessoas fingem que não conhecem os outros, se é insegurança, medo sabe-se lá de quê, problema de visão, distração excessiva, ou pura e simplesmente soberba gratuita mesmo. Sentem-se superiores ou inferiores, afinal? Vai entender…

É perfeitamente possível sermos educados e atenciosos com quem quer que seja, sem que precisemos aprofundar intimidade com quem não simpatizemos. Aliás, não conseguiremos ter afinidade com todo mundo à nossa volta e isso não quer dizer que só deveremos nos dirigir tão somente àqueles de quem gostamos. Cumprimentar uma pessoa, trabalhar no mesmo ambiente ou sentar à mesa de amigos em que ela está não nos obriga a manter fortes laços com ela.

Na verdade, conheceremos muita gente, porém, confiaremos em pouquíssimas pessoas, porque o que temos de tão nosso jamais poderá ser entregue a qualquer um, sem ressalvas. Muitos aguardam qualquer chance de derrubar quem quer que seja, através de fofocas maldosas principalmente. Termos a segurança de dividir nossa vida com as pessoas certas nos poupará de inúmeros dissabores e decepções. E esses poucos sempre valerão a pena.

Fato é que não devemos depender muito das pessoas, para podermos seguir nossas vidas sem pendências excessivas, uma vez que os outros, muitas vezes, não correspondem às expectativas que costumamos lhes imputar. Nem sempre as pessoas agirão conforme o que esperávamos, tampouco terão atitudes iguais às nossas. Cada pessoa possui o seu próprio coração e nele guarda aquilo que quiser – ninguém manda nos sentimentos alheios.

Melhor tentar não depender de ninguém, nem contar muito com os outros, afinal, quanto mais depositarmos nossa felicidade fora de nós, mais distante ela se torna. Quando contamos com nós mesmos, então mantemos as chances de ser feliz aqui dentro, que é onde a felicidade deverá sempre permanecer.

cumprimente 1

APRENDA A SE PERDOAR.

 

perdoar 1

Erick Morais sempre me traz grandes reflexões. Leia:

A vida é um processo de perdas e ganhos, o que nem sempre é tão fácil de entender e administrar. Planejamos coisas, sonhamos e a vida trata de nos levar por outros caminhos. Às vezes, nós mesmos saímos daquilo que planejamos por erros que cometemos. Assim, a nossa vida parece ficar sem sentido, sem razão de ser. Ficamos distantes daquilo que nosso coração deseja e nos tornamos estranhos de nós mesmos.

Com o tempo esse estranhamento torna-se permanente, de modo que não conseguimos olhar para o que um dia queríamos da vida. Dessa forma, nos tornamos almas vazias, incapazes de sonhar. Presos aos acontecimentos do passado, não conseguimos manter a chama dos sonhos viva no presente, para que busquemos realizá-los.

É preciso aprender a se perdoar, para que se possa seguir em frente. Ficar preso àquilo em que erramos apenas nos retira o ânimo de que necessitamos para viver. Todos nós erramos, pois não sabemos de tudo e precisamos cair para aprender a levantar. Além disso, como disse, existem coisas que não controlamos, de maneira que não devemos nos martirizar pelos empecilhos impostos pela própria vida.

Deixar de sonhar e de acreditar que os seus sonhos são possíveis de serem alcançados é tão somente anular-se enquanto ser humano e passar a viver o fantasma de uma vida que outrora tinha fé e sabia sorrir e dançar. Não digo fé do ponto de vista religioso, mas a fé que devemos ter em nós mesmos, a qual é essencial para que nos mantenhamos animados e fortes para enfrentar as dificuldades inerentes a qualquer caminhada.

Por mais que queiramos, o passado não pode ser alterado. Sendo assim, ter excesso de passado apenas retira a energia necessária ao presente. Não se deve esquecer o passado, as memórias, pois os nossos erros servem como crescimento emocional e amadurecimento, a fim de que, em novas situações, saibamos como agir.

Ademais, devemos aprender a olhar para o passado e enxergar onde acertamos também. Ninguém apenas acerta, assim como não existe erro perene. O suicídio emocional que fazemos cria uma seletividade, na qual apagamos tudo o que fizemos de bom e nossos acertos.

Por mais que tudo pareça não funcionar e ninguém acredite em nós, precisamos manter o tesão pela vida, por aquilo que há de belo e ser a nossa própria fonte de energia. Parece besteira, mas é muito mais fácil perdoar os outros do que se perdoar e dar um voto de confiança a si próprio. Se erramos, por mais que queiramos, isso não pode ser modificado, portanto, deixe de ser o seu próprio inquisidor e acredite que, mesmo com asas machucadas, ainda pode voar.

A vida nunca será fácil para quem busca realizar os seus sonhos. Sempre haverá dificuldades, obstáculos e pessoas que lhe farão desacreditar de você. No entanto, culpar-se não resolve o problema, bem como pode te levar a depressões distantes das montanhas.

Perdoe-se, dê colorido aos seus sonhos e se mantenha animado. Não se torne apenas um rabisco, pois, com o tempo, este se torna tão fraco que passamos a não enxergá-lo. Acredite em quem é e tenha coragem de arriscar, pois como bem disseram:

“O mundo está nas mãos daqueles que têm coragem de sonhar e de correr o risco de viver os seus sonhos.”

“A VIDA” … POR BERT HELLINGER

meditacao-696x347

Profunda reflexão de Bert Hellinger, o alemão que já foi padre, largou o celibato e tornou-se psicoterapeuta e escritor. Atualmente está com 93 anos… além de terapeuta é um pensador e pesquisador magnífico. Leia :

A vida decepciona-o para você parar de viver com ilusões e ver a realidade.
A vida destrói todo o supérfluo até que reste somente o importante.
A vida não te deixa em paz, para que deixe de culpar-se e aceite tudo como “É”.
A vida vai retirar o que você tem, até você parar de reclamar e começar agradecer.
A vida envia pessoas conflitantes para te curar, pra você deixar de olhar para fora e começar a refletir o que você é por dentro.
A vida permite que você caia de novo e de novo, até que você decida aprender a lição.
A vida lhe tira do caminho e lhe apresenta encruzilhadas, até que você pare de querer controlar tudo e flua como um rio.
A vida coloca seus inimigos na estrada, até que você pare de “reagir”.
A vida te assusta e assustará quantas vezes for necessário, até que você perca o medo e recupere sua fé.

A vida tira o seu amor verdadeiro, ele não concede ou permite, até que você pare de tentar comprá-lo.
A vida lhe distância das pessoas que você ama, até entender que não somos esse corpo, mas a alma que ele contém.
A vida ri de você muitas e muitas vezes, até você parar de levar tudo tão a sério e rir de si mesmo.
A vida quebra você em tantas partes quantas forem necessárias para a luz penetrar em ti.
A vida confronta você com rebeldes, até que você pare de tentar controlar.
A vida repete a mesma mensagem, se for preciso com gritos e tapas, até você finalmente ouvir.
A vida envia raios e tempestades, para acordá-lo.
A vida o humilha e por vezes o derrota de novo e de novo até que você decida deixar seu ego morrer.
A vida lhe nega bens e grandeza até que pare de querer bens e grandeza e comece a servir.
A vida corta suas asas e poda suas raízes, até que não precise de asas nem raízes, mas apenas desapareça nas formas e seu ser voe. A vida lhe nega milagres, até que entenda que tudo é um milagre.

gratidão 1-

A vida encurta seu tempo, para você se apressar em aprender a viver.
A vida te ridiculariza até você se tornar nada, ninguém, para então tornar-se tudo.
A vida não te dá o que você quer, mas o que você precisa para evoluir.
A vida te machuca e te atormenta até que você solte seus caprichos e birras e aprecie a respiração.
A vida te esconde tesouros até que você aprenda a sair para a vida e buscá-los.
A vida te nega Deus, até você vê-lo em todos e em tudo.
A vida te acorda, te poda, te quebra, te desaponta… Mas creia, isso é para que seu melhor se manifeste… até que só o AMOR permaneça em ti.

Fonte indicada: Pensar Contemporâneo

TROQUE AS EXPECTATIVAS POR GRATIDÃO E DESPERTE!

gratidão 1-

Penso que a gratidão desperta o que temos de melhor internamente. Wandy Luz descreve muito bem este despertar. Leiam:

Experimente, de vez em quando, fazer uma boa retrospectiva da sua vida. Experimente agradecer por aquilo que você já tem, ao invés de focar nas coisas que ainda não tem ou de se frustrar com suas próprias expectativas.

Esse exercício só é eficaz, quando temos a humildade de reconhecer que temos, sim, motivos de sobra para agradecer. E é quando somos gratos pelas coisas mais simples, que percebemos como somos ricos, independentemente de como nossas vidas estejam financeiras ou materialmente.

Aqueles que cultivam a gratidão contabilizam suas bênçãos, valorizam suas derrotas, abraçam suas imperfeições, e aprendem com os erros.

Não existe uma fórmula secreta para a felicidade e plenitude. O que existe é o despertar de uma consciência realista, que não se perde no caos do mundo moderno, da tecnologia ou da inclusão digital.

Quando digo despertar, refiro-me a fechar os olhos, respirar fundo e escutar as suas próprias palavras, autoanalisar-se para saber se o seu comportamento, suas atitudes e o que você prega, estão alinhados. Despertar para uma nova perspectiva e visão de mundo, onde o dinheiro não é o rei absoluto, mas sim uma consequência. Precisamos despertar e compreender que não somos vítimas, não somos os injustiçados, mas, sim, cocriadores e os únicos responsáveis por nossa jornada.

Quando eu me refiro ao despertar, refiro-me à você se encontrar, para saber se aquilo que está fazendo e falando o leva para onde você quer chegar. Pessoas que se decepcionam com frequência, geralmente, são aquelas que mais esperam das pessoas, da vida, do mundo, mas, muitas vezes, essas pessoas se esquecem de que para colher, é preciso plantar.

Então, esperar de braços cruzados nunca fez nem fará nenhum milagre acontecer. Faça a sua parte e deixe o Universo cuidar do resto.

Confie no fluxo que você mesmo pode criar, escolha viver na energia do amor, do bem. Tenha fé na vibração positiva que impera na vida daqueles que não conspiram contra ninguém, não praticam a inveja, o negativismo e o rancor. E, acima de tudo, que a gratidão seja verdadeiramente cultivada no seu coração.

Gratidão-pela-vida_

CANÇÃO DAS MULHERES.

meditacao-696x347

Adoro esta crônica de Lya Luft, traduz perfeitamente minha alma de mulher, leiam:
Que o outro saiba quando estou com medo, e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.
Que o outro note quando preciso de silêncio e não vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos porque estou quieta.
Que o outro aceite que me preocupo com ele e não se irrite com minha solicitude, e se ela for excessiva saiba me dizer isso com delicadeza ou bom humor.
Que o outro perceba minha fragilidade e não ria de mim, nem se aproveite disso.
Que se eu faço uma bobagem o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes.
Que se estou apenas cansada o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais.
Que o outro sinta quanto me doía ideia da perda, e ouse ficar comigo um pouco – em lugar de voltar logo à sua vida.
Que se estou numa fase ruim o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde nem dizendo ”Olha que estou tendo muita paciência com você!”
Que quando sem querer eu digo uma coisa bem inadequada diante de mais pessoas, o outro não me exponha nem me ridicularize.
Que se eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire.
Que o outro não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não estou podendo ser nada disso.
Que, finalmente, o outro entenda que mesmo se às vezes me esforço, não sou, nem devo ser, a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa: vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa – uma mulher.

ouvir

DEFICIÊNCIAS – POR MARIO QUINTANA…

mario quintana

“A verdadeira deficiência é aquela que prende o ser humano por dentro e não por fora, pois até os incapacitados de andar podem ser livres para voar”. Thaís Moraes

Neste texto, Mario Quintana discorre de como podemos ser deficientes perigosos para nós mesmos e para aqueles que nos cercam. E alerta que deficiências éticas e comportamentais são mais destruidoras dos que as deficiências físicas, já que essas são, na maioria das vezes, imperceptíveis a olho nu. Leiam:

deficiencia

“DEFICIENTE” é aquele que não consegue modificar a vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade e que vive, sem ter consciência de que é dono de seu destino.

“LOUCO” é quem não procura ser feliz com o que possui.

“CEGO” é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.

“SURDO” é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e querer garantir seus tostões no fim do mês.

“MUDO” é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

“PARALÍTICO” é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

“DIABÉTICO” é quem não consegue ser doce.

“ANÃO” é quem não sabe deixar o amor crescer.

E finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:

“MISERÁVEIS” são todos que não conseguem falar com Deus.

deficiencia.1 jpg  deficiencia. 2 jpg.jpg

OS AVÓS NUNCA MORREM, APENAS FICAM INVISÍVEIS!

avo-02

“A vida me ensinou a dizer adeus às pessoas que amo, sem tirá-las do meu coração”. Fênix Faustine

Os avós nunca morrem, tornam-se invisíveis e dormem para sempre nas profundezas do nosso coração.

Ainda hoje sentimos a falta deles e daríamos qualquer coisa para voltar a escutar as suas histórias, sentir as suas carícias e aqueles olhares cheios de ternura infinita.

Sabemos que é a lei da vida, enquanto os avós têm o privilégio de nos ver nascer e crescer, nós temos que testemunhar o envelhecimento deles e o adeus deles ao mundo. A perda deles é quase sempre a nossa primeira despedida, e normalmente durante a nossa infância. 

Os avós que participam na infância dos seus netos deixam vestígios da sua alma, legados que irão acompanhá-los durante a vida como sementes de amor eterno para esses dias em que eles se tornam invisíveis.

Hoje em dia é muito comum ver os avôs e as avós envolvidos nas tarefas de criança com os seus netos. Eles são uma rede de apoio inestimável nas famílias atuais. Não obstante, o seu papel não é o mesmo que o de um pai ou de uma mãe, e isso é algo que as crianças percebem desde bem cedo.

O vínculo dos avós com os netos é criado a partir de uma cumplicidade muito mais íntima e profunda, por isso, a sua perda pode ser algo muito delicado na mente de uma criança ou adolescente. Convidamos você a refletir sobre esse tema conosco.

O adeus dos avós: a primeira experiência com a perda

Muitas pessoas têm o privilégio de ter ao seu lado algum dos seus avós até ter chegado à idade adulta. Outros, pelo contrário, tiveram que enfrentar a morte deles ainda na primeira infância, naquela idade em que ainda não se entende a perda de uma forma verdadeiramente real, e onde os adultos, em certas situações, a explicam mal na tentativa de suavizar a morte ou fazer de conta que é algo que não faz sofrer.

avo-04 (1)

A maioria dos psicopedagogos diz de forma bem clara: devemos dizer sempre a verdade a uma criança. É preciso adaptar a mensagem à sua idade, sobre isso não há dúvidas, mas um erro que muitos pais cometem é evitar, por exemplo, uma última despedida entre a criança e o avô enquanto este está no hospital ou quando fazem uso de metáforas como “o avô está em uma estrela ou a avó está dormindo no céu “. É bom saber:

  • É preciso explicar a morte às crianças de forma simples e sem metáforaspara que elas não criem ideias erradas. Se dissermos a elas que o avô foi embora, o mais provável é a criança perguntar quando é que ele vai voltar.
  • Se explicarmos a morte à criança a partir de uma visão religiosa, é necessárioincidir no fato de que ele “não vai regressar”. Uma criança pequena consegue absorver apenas quantidades limitadas de informação, dessa forma, as explicações devem ser breves e simples.
  • As crianças irão nos fazer muitas perguntas que precisam das melhores e mais pacientes respostas. A perda dos avós na infância ou na adolescência é sempre algo complexo, por isso é necessário atravessar essa luta em família sendo bastante intuitivos perante qualquer necessidade dos nossos filhos.

§  Embora já não estejam entre nós, eles continuam muito presentes

  • Os avós, embora já não estejam entre nós, continuam muito presentes nas nossas vidas, nesses cenários comuns que compartilhamos com a nossa famíliae também nesse legado verbal que oferecemos às novas gerações e aos novos netos e bisnetos que não tiveram a oportunidade de conhecer o avô ou a avó.
  • Os avós seguraram as nossas mãos durante um tempo, enquanto isso nos ensinaram a andar, mas depois, o que seguraram para sempre foram os nossos corações, onde eles descansam eternamente nos oferecendo a sua luz, a sua memória.

É também importante ter em conta que a morte não é um tabu e que as lágrimas dos adultos não têm que ficar ocultas perante o olhar das crianças. Todos sofremos com a perda de um ente querido e é necessário falar sobre isso e desabafar. As crianças vão fazer isso no seu tempo e no momento certo, por isso, temos que facilitar este processo.

A presença deles ainda mora nessas fotografias amareladas que são guardadas nos porta-retratos e não na memória de um celular. O avô está naquela árvore que plantou com as suas próprias mãos, e a avó no vestido que nos costurou e que ainda hoje temos.

Estão no cheiro daqueles doces que habitam a nossa memória emocional. A sua lembrança está também em cada um dos conselhos que nos deram, nas histórias que nos contaram, na forma como amarramos os sapatos e até na covinha do nosso queixo que herdamos deles.

avo-03

Os avós não morrem porque ficam gravados nas nossas emoções de um modo mais delicado e profundo do que a simples genética. Eles nos ensinaram a ir um pouco mais devagar e ao ritmo deles, a saborear uma tarde no campo, a descobrir que os bons livros têm um cheiro especial e que existe uma linguagem que vai muito mais além das palavras. É a linguagem de um abraço, de uma carícia, de um sorriso cúmplice e de um passeio no meio da tarde compartilhando silêncios enquanto vemos o pôr do sol. Tudo isso perdurará para sempre, e é aí onde acontece a verdadeira eternidade das pessoas.

No legado afetivo de quem nos ama de verdade e que nos honra ao recordar-nos a cada dia.

Fonte: Valéria Amado (o segredo)

O ASILO DOS MEUS SONHOS!

Déa Januzzi, nos presenteando com mais uma bela crônica, leia:

Um dia, ainda vou construir um asilo para velhos. Mas a primeira medida que vou tomar será achar um outro nome para asilo, que não lembre morredouro, como proclamou Simone Beauvoir, no livro Envelhecer, para definir um lugar onde os velhos são depositados para morrer. Não vou mudar só o nome, mas também a filosofia. Vou pintar as paredes do asilo com as cores do arco-íris, abusar dos amarelos, laranjas e vermelhos. Vou abolir os azulejos brancos, insípidos, frios como lápides. Colocar girassóis nas janelas. Vou plantar grama por toda a parte interna da casa, para que os velhos andem descalços e sintam a relva roçar os pés como cócegas.

No asilo que vou construir haverá quintal, jardins e árvores por todos os lados. As janelas estarão sempre abertas para o vento que vai entrar pelos cômodos, passear pelos cabelos dos idosos, levantar as saias e os chapéus, arejar os corações com o aroma das manhãs. Colocarei uma fonte luminosa em cada corredor. Nada de bingo e orações em excesso. Os idosos da minha comunidade vão pintar sóis ao despertar de cada dia, com os próprios pés, que serão mergulhados em baldes de tinta. O ritual será como um escalda-pés de cores. Vou ungir os velhos com a minha fé num mundo novo. No meu asilo, que definitivamente não terá esse nome, não permitirei capelas por todos os lados, como se os idosos já estivessem à beira da morte. Nada de missa demais, cânticos de qualquer igreja, com honrosa exceção para o canto gregoriano dos monges beneditinos, pois os idosos precisam de bancos ao ar livre e não de sepulcros.

Vou pintar o teto de azul e colocar estrelas fosforescentes, para que eles durmam com os olhos nas constelações. Não haverá escuridão nem gritos depois que as luzes se apagarem, mas o brilho das estrelas do teto, sob o ruído suave e persistente das fontes. Todos os idosos poderão ter um animal de estimação, um pássaro, uma tartaruga, um cão, um gato. Mesmo que de pelúcia. Todos poderão verter lágrimas. O choro será livre, em nome dos filhos que os abandonaram sem deixar endereço. Haverá o dia de chorar pelos filhos que enterraram os pais vivos nos asilos. Neste dia, todos os idosos poderão xingar, gritar, deixar toda a raiva sair para fora, como um mar de ondas revoltas.

Os almoços serão sempre festivos e a comida terá um sabor especial, com temperos suaves. Não dispensarei alho, cebola, manjericão, alecrim, sálvia, salsinha, cebolinha. Com gosto de viver, para que o paladar se torne cada vez mais apurado. Nada de pratos de alumínio ou de plásticos. Os idosos vão comer em pratos que escolherão. Haverá o dia da sobremesa que tem gosto de infância, como ambrosia, arroz doce, bala delícia, brigadeiro, amor em pedaços.

O café da manhã será uma celebração. Amanhecer na velhice é mais do que um privilégio, é festejar mais um dia de vida, mais uma dádiva, que será posta na mesa junto com o café com leite, pães feitos por Magui, no Sítio Sertãozinho, com ervas e boas intenções, além de iogurte, cereais, mel e frutas. O café da manhã vai durar uma eternidade. Será uma espécie de ritual, com músicas da nova era para despertar os sentidos. Depois, haverá aulas de alongamento e todos irão para o jardim, tomar sol e brincar. Haverá até um quarto de brinquedos, pois os velhos se tornam crianças. É a idade do desconhecimento, de falar e de fazer o que tiver vontade. Que o diga dona Conceição, de 75 anos, que vive num asilo da capital. Ela não se desgruda de uma enorme boneca de borracha. Ela só encontrou a paz da velhice, depois que teve uma boneca entre os braços, para cuidar, proteger, ser útil. A boca entreaberta da boneca revela que Conceição não a deixa com fome. Pedacinhos de pão escorregam pela boca da bonequinha.

No meu asilo, que não terá esse nome definitivamente, não será pecado envelhecer, ter rugas e cabelos brancos. Para isso, vou pedir ajuda aos contadores de história, aos Doutores da Alegria, aos Anjos da Dança, aos terapeutas de Alexandria e holísticos, aos tanatologistas, aos psicólogos das oficinas da memória, aos mágicos, palhaços, aos artistas, para que se revezem no ofício de transmutar a vida. No meu asilo, que não terá esse nome definitivamente, os velhos vão poder namorar, casar, separar, porque o sexo não é coisa de jovem. O desejo não envelhece nunca.nem morre. Haverá bangalôs para os casais enamorados, a praça do footing, da pipoca e do algodão-doce e até um parque de diversões, com lago e patos. Haverá saraus de poesia, com declamação de poemas longos, infindáveis.

Os jovens farão de seus braços bengalas para os velhos. Juntos, eles caminharão pelas alamedas, serão companheiros nessa viagem pelo tempo de viver. O passado e o futuro, sem confronto, porque o respeito será traduzido em abraços, rodas de conversas, música, malabarismo e até fogueiras nas noites de inverno, com canjica, quentão e quadrilha. E, quem sabe, um copo de vinho tinto. Haverá óleos essenciais para massagens curativas. Os corpos dos velhos exalarão o doce perfume de sândalo.

Eles poderão rabiscar as paredes. Cada morador dessa comunidade poderá levar para o seu quarto, lembranças de antigas casas: panelas, porta-retratos, quadros, cadeiras de balanços, xícaras de porcelana, cristais, álbuns de fotos, linhas, baús, xales, tudo o que levar ao aconchego, todas as recordações afetivas. Ninguém poderá destituir os mais velhos de seus pertences e recordações. Nessa comunidade, com certeza, eu levaria até a minha mãe, para morar no andar debaixo do meu sótão, bem junto de mim. Quando eu estiver lá em cima, escutarei o barulho da cadeira de balanço a ranger ternura, exalar história e sabedoria por todas as frestas desse asukim que não terá esse nome nem cheiro de solidão.

Esta crônica foi publicada originalmente no jornal Estado de Minas.