A MELHOR FASE NA VIDA…

Adoro esta crônica de José Micard Teixeira, consegue dizer muito do que penso. Leiam:

A melhor fase na vida é aquela em que te transformas em ti mesmo. É aquela em que o respeito por ti se torna numa provocação de felicidade. Só isso. Tão isso. Porque respeitares-te é a soma de todas as tuas liberdades individuais, de todas as escolhas que fazes por quem queres ser, de cada um dos sorrisos que esboças sem dificuldade ou vergonha. É uma espécie de poder que sentes ser diferente de todos os outros, sobretudo daquele que fascina os que não o têm, um poder que te leva a não querer ser bajulado ou reconhecido.

Quando te transformas em ti mesmo, recuperas o que sempre existiu em ti, tudo aquilo que sai do mediano e previsível, tudo aquilo que te abre a novos desafios e tentações. É uma espécie de purga do que te ensombrava, de tudo aquilo que erradamente te fazia querer apenas o que os outros querem, como se fosses alguém feito de plasticina e barro, alguém quebrável e sem valor. Na verdade, é um tempo intemporal em que a tua transformação te torna em alguém diferente, alguém para quem os sonhos voltaram a ganhar a mesma cor da infância, essa cor que é uma verdadeira provação em que te compete apenas fazer sempre sobressair o melhor de ti. Só isso. Tão isso.
Veja também : https://oterceiroato.com/2020/10/07/setenios-conheca-a-teoria-dos-setenios-de-7-em-7-anos-a-sua-vida-muda-completamente/

https://oterceiroato.com/2020/09/11/a-mulher-ao-centro-da-vida-2/

SAUDADES!!!

Irina Marques, minha amiga portuguesa, tem um Blog lindo onde escreve muita coisa poeticamente. Ela escreveu este texto muito lindo sobre saudades. A saudade mora em mim a muito tempo. Me emocionei! Compartilhando com vocês.

Sinto saudades, sim, refiro esta palavra tão tipicamente portuguesa que carrega um significado que só nós sabemos, profundo, pesado e com a nostalgia de um afecto que esteve presente mas não está mais. Talvez esteja a ser demasiado breve na sua definição, mas este sentimento melancólico não tem como ser explicado. Saudade, ela por vezes toma conta de nós.

Normalmente associada a algo passado, de lugares, épocas e pessoas a saudade hoje toma conta de mim. Vejamos, não é que não queria seguir em frente e pensar no presente, muito antes pelo contrário é, algo diferente.

Lembro-me de pessoas que estavam presentes e já não estão, momentos vividos com elas ficaram gravados na minha memória, como uma belíssima história que marcou o seu lugar. Lembro-me de locais visitados, alguns muito cobiçados, que através de muita luta e privações consegui alcançar, e que maravilhosas memórias fotográficas e aprendizados que tive. Abriram portas distantes, não foram instantes marcaram a minha forma de perceber e pensar.

Lembro-me de palavras faladas, comunicadas, de certa forma pensadas para haver estruturação. E ainda se lembram das cartas? Aquele envelope que nos deixavam no correio, na altura o único meio de contacto com proximidade. A surpresa da carta, de seu conteúdo, de tentativa de decifrar a letra, o cunho timbrado da pessoa. Não que agora a comunicação não seja mais fácil, mas o envelope, para mim representava uma prenda misteriosa no seu conteúdo. Ainda hoje conservo inúmeras cartas. Lembro-me de modificações, passar por desafios e alterações, como era antes. Terei saudades de como era antes? Aqui ponho-me a pensar…. Há saudades.

Teria feito as coisas de forma diferente? Provavelmente. Com a mentalidade que tenho agora e não possuía na altura tinha evitado alguma aventura, marcas e traumas marcaram o lugar, deixei-me ficar. Seguir ao sabor da corrente não bater o pé ou pensar coerentemente apenas levei pela emoção. Ah coração, que sempre tentaste me ditar a vida. Agora vivo com ponderação, penso na ação, faço questão de usar a expressão. Sempre. E lembro-me que sempre gostei de escrever, não expunha e conservava em cadernos, o seu conteúdo e pensamentos, alguns tormentos que passava, mas em tinta derramava para atestar minha história de vida do meu ser.

Saudade, aquele sentimento tão nosso, que por vezes se apodera de nós. Mesmo que sigamos em frente será algo que temos sempre na mente, em qualquer lugar. E vocês, do que sentem saudades?

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/10/15/historia-do-avental-da-vovo/

https://oterceiroato.com/2020/10/12/casa-de-mae-depois-que-se-vao/

DELÍCIAS MADURAS…


Assim como Erick Tozzo nos diz, acredito que já amadureci. E você?

Maturidade acalma. Traz sossego. Nos livra de melindres. Gente madura olha nos olhos. Não faz chantagem emocional nem sufoca com suas carências. Gente madura compreende, não cria caso, não age pra atingir nem faz uso de indiretas. Aliás ser maduro é ser direto, objetivo. É respeitar a opinião alheia pois quer que a sua também seja respeitada. É aprender com os erros, ao invés de paralisar com eles. É ouvir mais do que fala e escutar com atenção, pois é assim que procede o aprendizado. Gente madura ri de si mesma pois sabe que o sorriso é a chave para muitas portas que a vida nos apresenta. Sabe que o bom humor é chique, que gente feliz brilha, sem precisar de Sol. E sabe também que alegria de verdade não se forja, se exercita com as próprias dificuldades da vida.
Gente madura sabe o que é ser feliz. Anda devagar, por que já teve pressa e percebeu que ela não é só inimiga da perfeição. Gente madura sabe que a pressa faz passar despercebido o que realmente nos ilumina o coração.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/10/30/sou-aquela-mulher/

https://oterceiroato.com/2020/10/30/sou-aquela-mulher/

MINHA ALMA ESTÁ EM BRISA.

Este poema bonito é para aqueles que têm 60 anos ou mais, mas hoje é um luxo para todos. Leia com calma, saboreie você vai gostar deste texto. Circula por aí como sendo de autoria Anônimo, de Mário de Andrade ou Rubem Alves. Mas na realidade o texto é de Ricardo Gondim que escreveu e esta publicado no seu livro “Creio, mas tenho Dúvidas”, Editora Ultimato. Acrescento também minhas observações no texto, leiam:

Contei meus anos e descobri que tenho menos tempo para viver a partir daqui, do que o que eu vivi até agora.
Eu me sinto como aquela criança que ganhou um pacote de doces; O primeiro comeu com prazer, mas quando percebeu que havia poucos, começou a saboreá-los profundamente.
Já não tenho tempo para reuniões intermináveis em que são discutidos estatutos, regras, procedimentos e regulamentos internos, sabendo que nada será alcançado.
Não tenho mais tempo para apoiar pessoas absurdas que, apesar da idade cronológica, não cresceram.
Meu tempo é muito curto para discutir títulos. *Eu quero a essência, minha alma está com pressa … Sem muitos *doces* no pacote …

Quero viver ao lado de pessoas humanas, muito humanas. Que sabem rir dos seus erros. Que não ficam inchadas, com seus triunfos. Que não se consideram eleitos antes do tempo. Que não ficam longe de suas responsabilidades. Que defendem a dignidade humana. E querem andar do lado da verdade e da honestidade.
O essencial é o que faz a vida valer a pena.
Quero cercar-me de pessoas que sabem tocar os corações das pessoas
Pessoas a quem os golpes da vida, ensinaram a crescer com toques suaves na alma
*Sim … Estou com pressa … *Estou com pressa para viver com a intensidade que só a maturidade pode dar.*
Eu pretendo não desperdiçar nenhum dos doces que eu tenha ou ganhe… Tenho certeza de que eles serão mais requintados do que os que comi até agora.
Meu objetivo é chegar ao fim satisfeito e em paz com meus entes queridos e com a minha consciência.
Nós temos duas vidas e a segunda começa quando você percebe que você só tem uma…

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/10/28/acorda-baby-boomer-a-vida-te-chama/

https://oterceiroato.com/2020/10/09/adaptando-se-ao-envelhecimento/

QUERO…

Este texto de Lara Bottas, me trouxe leveza e reflexão. Quero menos 👀. Leiam:

Quero reciclar minha alma, começar de novo, apagar alguns rastros, tampar algumas feridas. Quero olhar as coisas de um outro jeito e aos poucos me comportar de uma outra maneira. Quero esquecer algumas ofensas e ficar com alguns bons olhares. Quero esquecer os amores que tive e me abrir para os novos que virão, pois virão. Quero me desapegar de algumas coisas e pessoas que simplesmente vieram ou estão de passagem. Quero muita coisa, claro, mas antes de tudo, quero que seja tudo novo de agora em diante

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/10/28/acorda-baby-boomer-a-vida-te-chama/

https://oterceiroato.com/2020/11/13/quando-eu-envelheco/

https://oterceiroato.com/2020/11/11/de-repente/

#horadedeixarovelhoirembora #etudosefeznovo #desapego

EU… SIMPLES ASSIM!

Simplesmente assim… Eu

Você vive na sua pele, você está 24 horas por dia desde que nasceu nessa pele. Ninguém a conhece melhor do que você mesma. E você já parou para pensar que mulher magnífica você é? Quantas coisas já viveu, quantos momentos incríveis já passou? O quanto já aprendeu? Quantos tombos já levou, quanta força para se reerguer tem?

Muitas estrelas brilham em você! Você é forte, é livre, é corajosa. Não deixe ninguém ou nenhuma palavra apagarem seu brilho ou matarem os seus sonhos. Você merece muitas coisas boas na vida, você merece o melhor. Não deixe ninguém entrar na sua vida para a atrapalhar, tire do seu caminho tudo que lhe faz mal, todos que a perturbam e que nada de bom lhe trazem.

A pessoa mais importante do mundo é você! Você precisa estar bem acima de tudo e de todos para poder oferecer o que de melhor tem aos outros e ao mundo. Ame-se em primeiro lugar, seja a melhor versão de si mesma para poder ser a melhor pessoa possível para aqueles que você ama! (Autoria desconhecida)

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/12/16/eu-mudei/

https://oterceiroato.com/2020/12/04/ela-era-bonita/

É HORA DE MUDARMOS DE VIA… EDGAR MORIN

“A chegada do coronavírus nos lembra que a incerteza permanece um elemento inexpugnável da condição humana. Todo o seguro social em que você pode se inscrever nunca poderá garantir que você não ficará doente ou será feliz em sua casa”.

Com seus 99 anos, o pensador francês Edgar Morin deu uma entrevista lucida e corajosa. Admiro muito seus livros e seus pensamentos… alguns que já conheci. : “É hora de mudarmos de via – as lições do coronavírus.” – “Ensinar a viver.” – “ Como viver em tempo de crise.” – “Edwige, a inseparável.” – Conhecimento, ignorância, mistério.”

Eis aqui alguns trechos da entrevista que adorei:
“Surpreendi-me com a pandemia mas em minha vida estou habituado a ver chegar o inesperado. A chegada de Hitler foi inesperada para todos. O pacto germano-soviético foi inesperado e inacreditável. O início da guerra da Argélia foi inesperado. Eu só vivi pelo inesperado e pelo hábito com crises. Nesse sentido, estou vivendo uma crise nova, enorme, mas que tem todas as caraterísticas da crise. Isto é, de um lado suscita a imaginação criativa e, de outro, suscita medos e regressões mentais. Buscamos todos a salvação providencial, só que não sabemos como.
É preciso aprender que na história o inesperado acontece, e acontecerá de novo. Pensamos viver certezas, com estatísticas, previsões, e com a ideia de que tudo era estável, quando já tudo começava a entrar em crise. Não nos demos conta. Precisamos aprender a viver com a incerteza, isto é, ter a coragem de enfrentar, de estar pronto para resistir às forças negativas.
A crise nos torna mais loucos e mais sábios. Uma coisa e outra. Grande parte das pessoas perde a cabeça e outras tornam-se mais lúcidas A crise favorece as forças mais contrárias.

Desejo que sejam as forças criativas, as forças lúcidas e as que buscam um novo caminho, aquelas a se imporem, embora ainda sejam muito dispersas e fracas. Com razão podemos nos indignar mas não devemos nos trancar na indignação.
Há algo que esquecemos: há vinte anos começou um processo de degradação no mundo. A crise da democracia não é apenas na América Latina, mas também nos países europeus. A dominação do lucro ilimitado que controla tudo está em todos os países. Idem a crise ecológica. O espírito deve enfrentar as crises para dominá-las e superá-las. Do contrário somos suas vítimas.

Vemos hoje instalarem-se os elementos de um totalitarismo. Este, não tem mais nada a ver com o do século passado. Mas temos todos os meios de vigilância a partir de drones, de celulares, de reconhecimento facial. Existem todos os meios para surgir um totalitarismo de vigilância. O problema é impedir que esses elementos se reúnam para criar uma sociedade totalitária e invivível para nós.
Às vésperas dos 100 anos, o que posso desejar? Eu desejo força, coragem e lucidez. Precisamos viver em pequenos oásis de vida e de fraternidade.” “Antes, a gente achava que existia um progresso certo e agora o futuro é uma angústia. Por isso, suportar, enfrentar a incerteza é não naufragar na angústia, saber que é preciso, de certa forma, participar com o outro, de algo em comum, porque a única resposta aos que têm a angústia de morrer é o amor e a vida em comum” – Edgar Morin

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/10/30/sou-aquela-mulher/

https://oterceiroato.com/2020/06/03/viajar-para-a-europa-pos-coronavirus-tudo-que-voce-precisa-saber/

https://oterceiroato.com/2020/10/07/setenios-conheca-a-teoria-dos-setenios-de-7-em-7-anos-a-sua-vida-muda-completamente/

RECOMEÇAR…

Na vida temos várias desafios e oportunidades de aprendizagens. Algumas mais leves outras muito difíceis. Mas é preciso avançar. Já ouviram falar dos setênios? Pode explicar algumas coisas. Todos temos um tempo para mudar. Cada um tem o seu. Gosto muito deste texto de Christina Ferreira, que diz em poucas palavras muitas coisas. Leiam:

Recomeçar é começar de novo. É jogar fora, destruir, remover tudo que não foi bom, que não valeu a pena, que foi feito errado, e com o que sobrou, reconstruir.
É fazer novas paredes, no lugar daquelas que os erros encheram de buracos e rachaduras. Até as mais pequenas imperfeições no reboco tem que ser removivas, para que as novas estruturas possam ser sólidas.


Para recomeçar, é preciso ter em mente que tudo que é bom deve ser refeito, revivido. Portas de liberdade, janelas de confiança, assentadas sobre tijolos de verdade e justiça. No teto, uma laje de carinho e perdão, para que possamos ficar ao abrigo das tempestades que a vida fatalmente traz. No chão, um piso seguro e sólido, feito de companheirismo e compromisso, será a base para caminhar de mãos dadas.
Nada de querer aproveitar uma meia bancada, ou uma pintura esmaecida.

Afinal, com a vida não se pode brincar. Lembrando apenas dos momentos em que os olhos falaram mais que as palavras, é preciso tomar o outro pela mão e trabalhar. É começar do zero, usando o único material que não se esgota. Ah! O amor.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/12/16/eu-mudei/

https://oterceiroato.com/2020/10/07/setenios-conheca-a-teoria-dos-setenios-de-7-em-7-anos-a-sua-vida-muda-completamente/

OS DELÍRIOS VERBAIS ME TERAPEUTAM…

Gostei muito desta crônica de Elton Luiz Leite de Souza, leiam

Certa vez, quando eu passava por um momento muito difícil , sonhei que seria operado do coração. Angustiado, eu pensava que não sobreviveria à operação. Não sei como fui parar ali, por quais caminhos andei ou fui levado. Sabia apenas que haveria uma operação e eu era o paciente a ser operado. De repente, adentra a sala de cirurgia o cirurgião. Ao vê-lo, meu medo desaparece, cheguei até a sorrir… Pois o médico que me operaria era nada mais nada menos do que o poeta Fernando Pessoa! No princípio, achei estranho. Mas depois percebi que fazia sentido ser um poeta o cirurgião de um coração angustiado. Sem demora, o cirurgião-poeta abriu meu peito, mas não com bisturi: não sangrou, nem houve dor. Ele enfiou uma das mãos, porém não foi suficiente. Somente as duas mãos do poeta conseguiram tirar meu coração do peito:

“Ele está pesado como um paralelepípedo! Preciso extrair o que lhe pesa”, diagnosticou o cirurgião-poeta. “O que lhe pesa não é coisa física, o que lhe pesa é a mágoa com o passado, a decepção com o presente, o medo do futuro e a descrença nos homens”, disse-me ele enquanto extraía tudo isso. Quando olhei para a mão do poeta, meu coração estava minúsculo, parecendo uma semente salva de um fruto que perecia. Protestei: “poeta, com esse coração pequenino não vou sobreviver!” O cirurgião-poeta então respondeu, terminando sua arte, sua “clínica”: “Ele está assim pequeno porque deixei apenas o coração da criança.” Após ouvir isso acordei, e não apenas daquele sonho, já amanhecia.

Queria registrar o sonho e me virei para pegar caneta e papel. Então, algo que estava sobre meu peito caiu ao meu lado na cama, era um livro que adormeci lendo: “O Eu Profundo e os outros Eus”, de Fernando Pessoa. Acordei de um sonho maravilhoso. Seria tão bom ter um cirurgião deste né? Já leu este livro?

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/07/02/me-reinventando/

https://oterceiroato.com/2020/10/30/sou-aquela-mulher/

FILHO É BOM, MAS DURA MUITO!!!

Quando li este texto pensei em muitas coisas para refletir. Não é a minha visão… Filho sempre é muito bom e com todos os desafios que passamos meu amor só aumenta e sempre tem o gostinho de quero mais. Estar mais perto deles. Ganhamos muito mais do que perdemos! Muitas aprendizagens e plantamos aquilo que colhemos ❤️😍. Leiam:

– Aproveita agora, porque, depois que o seu filho nascer você nunca mais vai ter sossego na vida. Você nunca mais vai dormir.

— Aproveita agora, que ele ainda não tem cólicas noturnas e ainda mama nas horas certas, porque depois a sua vida se transformará num verdadeiro inferno noturno.

— Aproveita agora, que os dentinhos dele não começaram a nascer e, quando isso acontecer não vai ter Nenedent que acalme nem ele nem você.

— Aproveita agora, enquanto ele não engatinha, porque, quando começar a arrasar a casa e a derrubar cadeiras e bibelôs e lustres e a comer jornal, só vai dar dor de cabeça.

— Aproveita agora, antes que ele comece a andar. Aí acaba o sossego. É o perigo de ele bater a cabeça nas quinas das mesas, cair e meter a boca no chão, puxar panela no fogão. É um transtorno, filho andando. Ele correndo pela casa e você atrás.

— Aproveita agora, enquanto ele ainda não está na fase do “Por quê?”, porque depois você não vai conseguir ler nem jornal nem livro e nem ver televisão. E vai ter que explicar sempre o inexplicável.

— Aproveita agora, que ele ainda não sabe ler e pedir o que quiser no restaurante. A única vantagem é você não precisar ficar traduzindo os filmes para ele.

— Aproveita agora, enquanto você programa as férias dele e ele ainda não ouviu falar no Disneyworld, porque você vai ter que pegar filas de duas horas e enfrentar montanhas-russas no escuro.

— Aproveita agora, que ele ainda não é tarado por música, porque, quando ele resolver ouvir “música” na sua casa — com ou sem os amigos —, até os vizinhos mais simpáticos irão reclamar. E não pense que ele vai tocar aquelas músicas do seu tempo, não.

— Aproveita agora, que ele ainda não entrou na adolescência. Pois, quando entrar, você nunca mais vai ter sossego, nunca mais vai dormir Não se esqueça da íntima relação entre a palavra adolescência e adoecer. Não ele, mas, sim, você.

— Aproveita agora, que ele ainda não está nem fumando maconha e nem acabando com o seu uísque e aquela cervejinha que você tinha certeza que estava na geladeira te esperando do trabalho.

— Aproveita agora, que ele ainda não está andando em más companhias, porque você vai ter que aturar figuras saídas sabe-se lá de onde, com cabelos, brincos e tatuagens que você jamais poderia imaginar um dia conviver.

— Aproveita agora, que ele ainda não tomou nenhuma bomba e você ainda acha que ele é tudo que você sonhou, porque, quando ele repetir de ano, você fará — para você mesmo — a eterna pergunta: “Meu Deus, onde foi que eu errei?”.

— Aproveita agora, que ele ainda não decidiu que faculdade cursar porque a escolha dele não vai nunca coincidir com os planos que você fazia para ele, quando ele ainda engatinhava.

— Aproveita agora, que ele ainda não entrou na faculdade, porque, quando entrar, vai pedir um carro para ele ou usar o seu.

— Aproveita agora, que ele ainda avisa quando vai dormir fora de casa, e você pode dormir sossegado e não pensar em ligações desagradáveis para a polícia, o hospital e, o pior de tudo, para o IML.

— Aproveita agora, que ele ainda não se casou, porque, depois, ele nunca mais vai te visitar a não ser para pedir dinheiro emprestado.

— Aproveita agora, enquanto ele ainda não tem filhos, porque, quando tiver, é você quem vai tomar conta deles nos fins de semana. Seu sossego chegará ao fim, logo agora que você se aposentou.

— Aproveita agora, que ele ainda não se separou da primeira esposa, pois, quando isso acontecer, ele virá morar novamente na sua casa.

— Aproveita agora, que ele ainda te ajuda com um dinheirinho, porque a sua aposentadoria não dá para nada, pois a segunda mulher dele vai ser contra a ajuda.

— Aproveita agora, porque ele está pensando em te colocar num asilo de velhinhos.

By Mario Prata

Veja também:

https://oterceiroato.com/2020/08/18/filho-desejos-de-uma-mae-ao-filho-quando-se-casou/

https://oterceiroato.com/2020/10/12/casa-de-mae-depois-que-se-vao/