A GRAMA DO VIZINHO.

nao-leve-a-vida-tao-a-serio

Adoro esta crônica de #MarthaMedeiros, leiam:

Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma.

Estamos todos no mesmo barco.

Há no ar certo queixume sem razões muito claras.

Converso com mulheres que estão entre os 40 e #50anos, todas com profissão, marido, filhos, saúde, e ainda assim elas trazem dentro delas um não-sei-o-quê perturbador, algo que as incomoda, mesmo estando tudo bem.

De onde vem isso? Anos atrás, a cantora Marina Lima compôs com o seu irmão, o poeta Antonio Cícero, uma música que dizia:

“Eu espero/ acontecimentos/ só que quando anoitece/ é festa no outro apartamento”.

Passei minha adolescência com esta sensação: a de que algo muito animado estava acontecendo em algum lugar para o qual eu não tinha convite. É uma das características da juventude: considerar-se deslocado e impedido de ser feliz como os outros são, ou aparentam ser. Só que chega uma hora em que é preciso deixar de ficar tão ligada na #gramadovizinho.

As festas em outros apartamentos são fruto da nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias. Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco das suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas, então fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando na verdade a festa lá fora não está tão animada assim. Ao #amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma. Estamos todos no mesmo barco, com motivos pra dançar pela sala e também motivos pra se refugiar no escuro, alternadamente.

Só que os motivos pra se refugiar no escuro raramente são divulgados.

Pra consumo externo, todos são belos, sexys, lúcidos, íntegros, ricos, sedutores.

“Nunca conheci quem tivesse levado porrada/ todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo”.

Fernando Pessoa também já se sentiu abafado pela perfeição alheia, e olha que na época em que ele escreveu estes versos não havia esta overdose de revistas que há hoje, vendendo um mundo de faz-de-conta. Nesta era de exaltação de celebridades – reais e inventadas – fica difícil mesmo achar que a vida da gente tem graça. Mas, tem. Paz interior, amigos leais, nossas músicas, livros, fantasias, desilusões e recomeços, tudo isso vale ser incluído na nossa biografia.

Ou será que é tão divertido passar dois dias na Ilha de Caras fotografando junto a todos os produtos dos patrocinadores? Compensa passar a vida comendo alface para ter o corpo que a profissão de modelo exige? Será tão gratificante ter um paparazzo na sua cola cada vez que você sai de casa? Estarão mesmo todos realizando um milhão de coisas interessantes enquanto só você está sentada no sofá pintando as unhas do pé? Favor não confundir uma vida sensacional com uma vida sensacionalista.

As melhores festas acontecem dentro do nosso próprio apartamento.

Fonte: https://www.agrandeartedeserfeliz.com/grama-do-vizinho-por-martha-medeiros/

O QUE A MEMÓRIA AMA, FICA ETERNO.

Quando penso nas memórias de minha vida… no que já aprendi, vivi e revivi… sei bem que fica tudo eternamente guardado dentro de nós, mas basta um gatilho pra fazer disparar todas as lembranças daquilo que nos marcou com significado dentro de nós. Adélia Prado descreve tudo isso neste artigo: leia…

Quando eu era pequena, não entendia o choro solto da minha mãe ao assistir a um filme, ouvir uma música ou ler um livro. O que eu não sabia é que minha mãe não chorava pelas coisas visíveis. Ela chorava pela eternidade que vivia dentro dela e que eu, na minha meninice, era incapaz de compreender.

O tempo passou e hoje me emociono diante das mesmas coisas, tocada por pequenos milagres do cotidiano.

É que a memória é contrária ao tempo. Enquanto o tempo leva a vida embora como vento, a memória traz de volta o que realmente importa, eternizando momentos. Crianças têm o tempo a seu favor e a memória ainda é muito recente. Para elas, um filme é só um filme; uma melodia, só uma melodia. Ignoram o quanto a infância é impregnada de eternidade.

Diante do tempo, envelhecemos, nossos filhos crescem, muita gente parte. Porém, para a memória, ainda somos jovens, atletas, amantes insaciáveis. Nossos filhos são crianças, nossos amigos estão perto, nossos pais ainda vivem.

Quanto mais vivemos, mais eternidades criamos dentro da gente. Quando nos damos conta, nossos baús secretos – porque a memória é dada a segredos – estão recheados daquilo que amamos, do que deixou saudade, do que doeu além da conta, do que permaneceu além do tempo.

A capacidade de se emocionar vem daí, quando nossos compartimentos são escancarados de alguma maneira. Um dia você liga o rádio do carro e toca uma música qualquer, ninguém nota, mas aquela música já fez parte de você – foi o fundo musical de um amor, ou a trilha sonora de uma fossa – e mesmo que tenham se passado anos, sua memória afetiva não obedece a calendários, não caminha com as estações; alguma parte de você volta no tempo e lembra aquela pessoa, aquele momento, aquela época…

Amigos verdadeiros têm a capacidade de se eternizar dentro da gente. É comum ver amigos da juventude se reencontrando depois de anos – já adultos ou até idosos – e voltando a se comportar como adolescentes bobos e imaturos. Encontros de turma são especiais por isso, resgatam as pessoas que fomos, garotos cheios de alegria, engraçadinhos, capazes de atitudes infantis e debilóides, como éramos há 20 ou 30 anos. Descobrimos que o tempo não passa para a memória. Ela eterniza amigos, brincadeiras, apelidos… mesmo que por fora restem cabelos brancos, artroses e rugas.

A memória não permite que sejamos adultos perto de nossos pais. Nem eles percebem que crescemos. Seremos sempre “as crianças”, não importa se já temos 30, 40 ou 50 anos. Pra eles, a lembrança da casa cheia, das brigas entre irmãos, das estórias contadas ao cair da noite… ainda são muito recentes, pois a memória amou, e aquilo se eternizou.

Por isso é tão difícil despedir-se de um amor ou alguém especial que por algum motivo deixou de fazer parte de nossas vidas. Dizem que o tempo cura tudo, mas não é simples assim. Ele acalma os sentidos, apara as arestas, coloca um band-aid na dor. Mas aquilo que amamos tem vocação para emergir das profundezas, romper os cadeados e assombrar de vez em quando. Somos a soma de nossos afetos, e aquilo que amamos pode ser facilmente reativado por novos gatilhos: somos traídos pelo enredo de um filme, uma música antiga, um lugar especial.

Do mesmo modo, somos memórias vivas na vida de nossos filhos, cônjuges, ex-amores, amigos, irmãos. E mesmo que o tempo nos leve daqui, seremos eternamente lembrados por aqueles que um dia nos amaram.

COMO E (PORQUE) MESCLAR GERAÇÕES NA EMPRESA.

Tenho pensado muito ultimamente sobre as diferentes gerações que podem e devem aprender e crescer muito juntas no mundo corporativo e na vida. Nossa experiência é tão valiosa… juntando com o conhecimento tecnológico do jovem. Temos muito a ganhar. Neste artigo podemos enxergar bem isso: inteligência emocional x inteligência digital Leiam:

Segundo o consultor estratégico do Airbnb, Chip Conley, a inteligência digital dos millennials ganha quando em contato com a inteligência emocional dos mais velhos — e vice-versa.

“Pela primeira vez na história, cinco gerações convivem no lugar de trabalho. Isso é uma enorme oportunidade. E uma dificuldade,” diz Chip Conley, fundador da Modern Elder Academy, uma escola para preparar adultos para a “velhice moderna”. Palestrante no evento promovido hoje (11/09) por Época NEGÓCIOS, com apoio do Google Campus, em preparação para o Festival de Inovação e Cultura Empreendedora, Chip conhece bem o potencial e os desafios da parceria geracional.

Ele era um “idoso” de 52 anos em 2013, quando foi trabalhar em uma startup que começava a crescer: o Airbnb. “Eu tinha o dobro da idade de qualquer outro no escritório e me sentia um idiota, porque não tinha a menor ideia do que estavam falando. Pensei em ir embora”, diz. “Aos poucos, fui promovendo uma troca: os jovens têm inteligência digital e eu, mais velho, tenho inteligência emocional”. Conley se tornou guru do jovem fundador da empresa, Brian Chesky e, desde então, o valor da startup saltou de US$ 10 bilhões para mais de US$ 30 bilhões. “Brian me disse: eu o contratei pelo seu conhecimento, mas o que você nos traz é sabedoria”, diz. 

A troca entre inteligência digital e emocional é benéfica para as gerações e para a inovação. “Empresas com diversidade de pensamento são mais produtivas. As companhias estão acostumadas a promover variedade de gênero, mas o maior impacto vem da diversidade etária”, diz. “O cérebro encolhe, com a idade, de tal maneira que os hemisférios esquerdo e direito se tornam mais próximos. A pessoa consegue transitar mais facilmente entre a fantasia e a análise”. Chip propõe algumas formas de cultivar a inclusão geracional:

Faça feiras de conhecimentos

Promova encontros informais, de fim de tarde, para os funcionários dizerem o que sabem e o que gostariam de saber. Mutuamente interessados, poderão promover uma troca. “Não chame de mentoria, porque o termo assusta, mas é essa a ideia”, diz Chip.

Mapeie e estimule os sábios

Funcionários experientes que não sobem na carreira executiva frequentemente se consideram (e são considerados) pouco úteis. “Eles são estratégicos. É possível identificá-los e montar um mapa de calor na empresa, para saber como e quando aproveitar seu potencial”, diz Chip. “75% dos millennials afirmam que gostariam de contar com um mentor, mas apenas 2% têm um”, diz Chip. “Essa minoria é justamente a que não fica pulando de uma startup para outra. Orientação é uma ótima forma de reter talentos”.

Estimule a identidade

É curioso pensar em homens brancos de 50 anos como minoria, mas, conforme isso se torna realidade no ambiente de trabalho, sua organização em grupo pode ser estimulada. “Funcionários mais velhos formam um grupo de interesses comuns, podem se organizar para trocar experiências e propor ideias”.  

Saiba reconhecer a sabedoria

Para cultivar os sábios, é importante saber o que é sabedoria no ambiente corporativo. Para Chip, ela não é meramente o conhecimento acumulado. “Conhecimento acumulado é o que eu encontro numa busca no Google. Isso não é tão importante”, afirma Chip. “Sabedoria é a capacidade de destilar a vivência em poucos e bons aprendizados”.

https://www.ted.com/talks/chip_conley_measuring_what_makes_life_worthwhile/up-next?language=pt#t-30813

Fonte: Marcelo Moura, Época

PRECE DA EXPERIÊNCIA!

meditar

Ri muito dessa oração. Salve Nossa Senhora da Terceira Idade! Genial e bem-humorada. Leiam:
Ó Senhor, tu sabes melhor do que eu que estou envelhecendo a cada dia. Sendo assim, Senhor, livra-me da tolice de achar que devo dizer algo, em toda e qualquer ocasião.
Livra-me, também, Senhor, deste desejo enorme que tenho de querer pôr em ordem a vida dos outros.
Ensina-me a pensar nos outros e ajudá-los, sem jamais me impor sobre eles, mesmo considerando, com modéstia, toda a sabedoria que acumulei e que penso ser uma lástima não passar adiante.
Tu sabes, Senhor, que desejo preservar alguns amigos e uma boa relação com os filhos, e que só se preservam os amigos e os filhos quando não há intromissão na vida deles…
Livra-me, também, Senhor, da tolice de querer contar tudo com os mínimos detalhes e minúcias, mas dá-me asas para voar diretamente ao ponto que interessa.
Não me permita falar mal de alguém e ensina-me a fazer silêncio sobre minhas dores e doenças. Ambos estão aumentando e, com isso, a vontade de descrevê-los vai crescendo a cada dia que passa.
Não ouso pedir o dom de ouvir com alegria a descrição das doenças alheias; seria pedir demais. Mas, ensina-me, Senhor, a suportar ouvi-las com alguma paciência.
Ensina-me a maravilhosa sabedoria de saber que posso estar errado em algumas ocasiões. Já descobri que pessoas que acertam sempre são maçantes e desagradáveis.

perdoar 1
Mas, sobretudo, Senhor, nesta prece de envelhecimento, peço:
Mantenha-me o mais amável possível.
Livrai-me de ser santo. É difícil conviver com santos! Mas um velho ou velha rabugentos, Senhor, é obra prima do capeta! Me poupe para que eu seja tolerado!
Amém!
Fonte: Autor Desconhecido.

A INCRÍVEL ARTE DE COZINHAR MAL… MESMO QUE VOCÊ TENTA ACERTAR!

cozinhar ogo

Outro dia li uma crônica de Ruth Manus no Estadão que me fez rir muito e ver que não estou sozinha… leiam:

Falam muito sobre cozinhar bem. Há milhares livros, programas de televisão, canais de youtube, sites, aplicativos. Ao redor do mundo, cozinheiros e chefs são observados, imitados e idolatrados por sua capacidade ou dom de cozinhar bem. Acho ótimo- e minha barriga também agradece aos seus talentos. Mas ninguém fala sobre a incrível arte de cozinhar mal.

Acho que no mundo existem quatro tipos de pessoas: as que gostam de cozinhar e cozinham bem, as que não gostam de cozinhar e simplesmente não cozinham, as que não gostam de cozinhar, mas precisam, e cozinham qualquer gororoba só pra sobreviver e, por fim, as que gostam de cozinhar e cozinham verdadeiramente mal, não se sabe bem o porquê.

É curioso. Juntar ingredientes deliciosos como cebola refogada, vinho branco, arroz carnarolli, queijo parmesão e presunto de parma e ficar uma delícia é fácil. Difícil é juntar cebola refogada, vinho branco, arroz carnaroli, queijo parmesão e presunto de parma e conseguir que fique uma merda. Ou seja, a arte de cozinhar mal às vezes pode ser muito mais complexa do que a arte de cozinhar bem- e sobre isso ninguém fala. É preciso ser quase um mago para conseguir alcançar certas proezas.

Morango, leite condensado, manteiga, chocolate em pó: conseguimos estragar? Conseguimos. Maionese, atum em lata e cebolinha: conseguimos errar? Conseguimos. Spaghetti, manjericão, azeite e sal. Também. Bolo de caneca. Também. Cuscuz marroquino. Também. Salada com tomate cereja e mozzarella. Também. É um talento raro, uma vocação ímpar, muito mais improvável do que a capacidade de preparar maravilhas com serenidade.

Fingimos que está tudo bem. Fingimos não criar expectativas de dar certo. Mas a realidade é que a gente sempre tenta acertar: segue receita, compra bons ingredientes, prepara com cuidado. Impossível dar errado. Mas dá. Não sabemos explicar, deve ser alguma influência do cosmo ou a posição de Júpiter no momento do nosso nascimento. Não há outra explicação para o fenômeno.

cozino mal

Não dá para negar uma certa tristezinha que nos invade a cada vez que a certeza se confirma: ficou uma porcaria. A gente já sabia que seria assim. Sempre sabemos. Mas “vai que”. Vai que é dessa vez. Vai que é hoje. Vai que dá certo. Mas não, voltamos para nossa posição e fama tradicionais: damos risada, dizemos que não sabemos o que houve, avisamos o pessoal que não é preciso comer. Os amigos tentam ser simpáticos, dizem que não está assim tão mau. Está.

Aguardamos o dia em que lancem o Master Chef Erro Atrás de Erro. No qual pessoas como nós poderão mostrar ao mundo como é possível pegar chocolate ao leite de boa qualidade, tentar derreter e transformá-lo em pequenos pedregulhos de açúcar marrom com cheiro de fumaça. Como seguir uma receita de bolo à risca e, ao abrir o forno, encontrar uma gigantesca sola de havaiana. Como grudar omelete em frigideira de tefal com meio litro de azeite. Como errar no chá. Acho bizarro que os canais de televisão nunca tenham pensado em investir nesse mistério. É arte, é dom, é um talento nato para transformar deliciosas iguarias em terríveis pesadelos.

Fonte: https://emais.estadao.com.br/blogs/ruth-manus/a-incrivel-arte-de-cozinhar-muito-mal

TUDO QUE SINTO.

nao-leve-a-vida-tao-a-serio

Já tive tanto medo de magoar as pessoas que me afoguei nos meus próprios sentimentos. Já fiz de tudo na expectativa de agradar ou outros que acabei por me esquecer, deixando as minhas próprias vontades em último plano. Já fiquei em situações que me sufocavam por receio de não ferir ninguém… No fim, tudo só serviu para me tornar alguém que eu não sou. Engolir sapos a vida todas nos faz acreditar que não somos suficientes, que precisamos fazer o máximo para sermos notados, bons para os outros. Mas eu te pergunto: Vale a pena se destruir para manter os outros inteiros? Você também é importante! Se olhe no espelho e veja, chega de segurar o mundo inteiro nas costas enquanto o seu cai no chão. Não é errado se colocar em primeiro lugar, errado é abrir mão de si por pessoas que nem sequer reconhecem o teu valor. Saiba selecionar quem merece o teu melhor e quem na verdade, nunca mereceu.

EU VIVO MESMO É DE CLARIDADE.

CAIO

Ando tropeçando em absurdos. Em desassossegos também. Tem gente que tirou o mês pra me chatear, me colocar pra baixo, me jogar em cima um amontoado de energias ruins. Tem gente que tem esse dom. De não ser feliz e querer enferrujar o sorriso alheio.

Aí eu lembro daquela música do Forfun: “Faço de mim casa de sentimentos bons, onde a má fé não faz morada e a maldade não se cria.” Me cerco de boas intenções, me reservo pros poucos e melhores amigos. Me encho de luz lendo Adélia e Manoel. Me permito o riso.

Porque, na verdade, o que eu levo aqui dentro é maior que tudo. É maior porque é do bem e vem fresquinho. Eu vivo mesmo é de claridades e não vai ser qualquer gentinha à toa que vai enfraquecer minha fé na vida e minha vontade de sorrir pro mundo.

Pra você que não aprendeu a ser feliz e que não tem olhos pra esticar horizontes, eu canto o meu refrão: ‘Sendo aquele que sempre traz amor, sendo aquele que sempre traz sorrisos. E permanecendo tranquilo aonde for. Paciente, confiante, intuitivo.’

Yeah, Baby, Yeah!

Fonte: Caio Fernando de Abreu