CONSTANTES…

Aqui me vi exatamente como me sinto. Lindo e profundo o texto da minha amiga Irina Marques! Leiam:

Sou do tipo resiliente otimista e mesmo nos momentos mais difíceis que já enfrentei pela vida, que com certeza me abateram… também sempre acreditei que tudo ia passar, eu aprenderia algo novo… e iria sair dali mais forte e melhor. Tudo tem seu tempo. E cada um tem o seu. E assim aconteceu.

Lembranças trazem “mergulhos profundos”, retalhos de nós que se escancaram e trazem a tona algumas cicatrizes.

Com o tempo sei que sempre estive na hora e nos momentos certos da vida. Tudo no seu devido lugar. Gratidão por isto.

Tenho uma tendência para me esquecer facilmente das coisas, outras vezes não, as coisas marcam de forma a criar cicatriz. Quando olhamos, ela está sempre lá, e muitas vezes é costume esquecermos a história que ela tem para contar. A nossa cicatriz, é apenas nossa e só cabe a nós conseguir entender, desvendar e aprofundar as causas e consequências dela.

Muitas vezes, o que acontece, é as pessoas tomarem as nossas dores, seja por simpatia, empatia ou compaixão. Está certo, num mundo perfeito as coisas deveriam ser assim, talvez num mundo mais sentimental e menos competitivo esta, seria uma utopia perfeita. Acordamos para a vida.

Ontem, dei por mim a escrever, a escrever muito, a escrever tanto que a dor começou a tomar lugar. Questionei, encontrei respostas, voltei a questionar, vi outras perspetivas, tentei pôr-me do outro lado, voltei a escrever – criar personagens, sair da zona de conforto e observar outras realidades.

Aprendizagens que temos no decorrer da vida, por vezes esquecemos ou outras vezes abordamos de forma diferente, com tempo, aprendizagens e, o olhar não é o mesmo de hoje, de ontem, dos meses passados, dos anos… O que escrevo hoje daqui a dois anos pensarei de outra forma, é assim que tem ocorrido, tem sido uma constante. São relatos, pedaços de mim, deixados para trás para que eu própria consiga rastear.

E por ter esta tendência para me esquecer, tenho a mesma tendência a relatar, a testemunhar a minha presença e pensamento através de textos, de reflexões até mesmo para recordar. A memória é a coisa mais falível que temos, se nos lembramos de algo, não é exatamente como foi mas preenchemos essas lacunas para que isso mesmo faça sentido – ora para o bem, ora para o mal.

Nos mergulhos profundos foi onde eu encontrei as melhores explicações, o cerne da questão, a raiz. E nesses mergulhos profundos, não entendia a sua própria profundidade, ainda não entendo, continuo a mergulhar enquando as minhas forças me permitem. E quanto mais mergulho, mais são as descobertas que faço, horizontes que se relevam, testemunhos que tenho que relatar mas já não os exponho. Todos os que expus resolvi apagar, conforme referia, as palavras são minhas mas expostas podem não conseguir manifestar o que cá vai dentro.

Através da expressão e relatos guardados, é o que me permite encontrar, montar as peças e dar forma a tudo o que se passou e se encontra a passar. E muitas vezes esqueço, é verdade que esqueço, lições que aprendi e esqueci, nesses mesmos relatos estão essas lições – constantes, que me lembram – este é o caminho a tomar, ali, vais errar. Não são roteiros rígidos, são apenas registos para não me perder, novamente mas saborear a corrente. As constantes, mantêm-se nos relatos e, permitem-me desviar.

Pedaços de vida que não se compõem aqui, mas sim noutro lugar. As artes, são apenas um testemunho, do que no interno se está a passar.

Imagem Klaudia Piaskowska no Unsplash

SER FELIZ!

Assim fui levando a minha vida. Sendo feliz… Quero reciclar minha alma, começar de novo, apagar alguns rastros, tampar algumas feridas. Quero olhar as coisas de um outro jeito e aos poucos me comportar de uma outra maneira. Quero esquecer algumas ofensas e ficar com alguns bons olhares. Quero esquecer os amores que tive e me abrir para os novos que virão, pois virão. Quero me desapegar de algumas coisas e pessoas que simplesmente vieram ou estão de passagem. Quero muita coisa, claro, mas antes de tudo, quero que seja tudo novo de agora em diante.

Assim como eu e Lara Bottas estamos vivendo e sendo feliz 😃

Veja também:

https://oterceiroato.com/2020/12/16/eu-mudei/

https://oterceiroato.com/2020/11/27/viver-por-dentro/

A ARTE DE SER AVÓ.

Uma singela homenagem aos avós que nos tempos modernos tem muitas vezes ajudado (ou até substituído) muitos pais em seu papel de protetores e educadores. Sempre parceiros, nesta missão. Parabéns a todos os avós 💗💓.

Não me canso de lembrar de tantas coisas boas que nossos netos nos trazem. Construímos muitas histórias juntas… marcamos nossas vidas eternamente… moramos no coração e no pensamento ⭐️… cheios de ternura e afeto 💓💗 carregados de amor 💓💗.

João Pedro (5 anos 🇬🇧) Noah (2 anos 🇺🇸) Eva (2 anos 🇫🇷)… são as minhas preciosidades… minha maior alegria. Gratidão. Eu sou uma avó coruja assumida:

“Netos são como heranças. Você os ganha sem merecer. Sem ter feito nada para isso, de repente lhe caem do céu… Sem se passarem as penas do amor, sem os compromissos do matrimônio, as dores da maternidade.

E não se trata de um filho suposto. O neto é, realmente, o sangue do seu sangue, o filho do filho, mais filho que filho mesmo….

A velhice tem suas alegrias, as suas compensações… Todavia, às vezes, lhe dá aquela nostalgia da mocidade. Não de amores nem de paixão; a doçura da meia-idade não lhe exige essas efervescências. A saudade é de alguma coisa que você tinha e lhe fugiu sutilmente junto com a mocidade. Bracinhos de criança no seu pescoço. Choro de criança…. Meu deus, para onde foram as suas crianças?

Pois aquela criancinha, longe de ser um estranho, é um menino que se lhe é “devolvido”. E o espantoso é que todos lhe reconhecem o seu direito sobre ele, ou pelo menos o seu direito de o amar com extravagância; ao contrário, causaria escândalo ou decepção.

A avó não tem direitos legais, mas oferece a sedução do romance e do imprevisto. Faz coisas não programadas. Leva a passear, “não ralha nunca”. Deixa lambuzar de pirulito. Não tem a menor pretensão pedagógica. É a confidente das horas de ressentimento, a secreta aliada nas crises de rebeldia.

E quando você vai embalar o neto e ele, tonto de sono, abre um olho, lhe reconhece, sorri e diz “vó”, seu coração estala de felicidade, como pão ao forno.”

Uma mensagem linda de Raquel de Queiroz que me toca profundamente. Me identifico muito com o que ela diz. Avó tem sido uma das melhores experiências da minha vida.

Dedico a todos os avós. Feliz Dia dos Avós 💓💗⭐️💐

(Fortaleza, 17/11/1910 – Rio de Janeiro, 4/11/2003)

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/09/16/maturidade-acalma-2/

https://oterceiroato.com/2020/09/16/avos-anjos-em-forma-de-gente/

https://oterceiroato.com/2020/10/15/historia-do-avental-da-vovo/

https://oterceiroato.com/2020/07/26/avos-de-hoje-em-dia/

AMIGOS…

Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.

Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que normalidade é uma ilusão imbecil e estéril.”

Esta crônica de, Oscar Wilde vem bem de encontro com o que eu procuro nos meus amigos. Leveza e compreensão

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/12/16/eu-mudei/

https://oterceiroato.com/2020/11/27/viver-por-dentro/

AS COISAS PASSAM…

Para Gloria Hurtado, assim como para mim….. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração – e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar. Mudar a energia!

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.
Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do “momento ideal”. Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará.

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa – nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é.
#novoanovidanova #reciclandoavida

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/12/16/eu-mudei/

https://oterceiroato.com/2020/08/21/e-preciso-ir-embora-em-muitos-momentos-na-vida/

AME-SE…

Ame-se!
Você vive na sua pele…
Você está 24 horas por dia desde que nasceu nessa pele.
Ninguém a conhece melhor do que você mesma.
E você já parou para pensar que mulher magnífica você é?
Quantas coisas já viveu, quantos momentos incríveis já passou?
O quanto já aprendeu?
Quantos tombos já levou, quanta força para se reerguer tem?
Muitas estrelas brilham em você!
Você é forte, é livre, é corajosa.
Não deixe ninguém ou nenhuma palavra apagarem seu brilho ou matarem os seus sonhos.
Você merece muitas coisas boas na vida, você merece o melhor.
Não deixe ninguém entrar na sua vida para a atrapalhar, tire do seu caminho tudo que lhe faz mal, todos que a perturbam e que nada de bom lhe trazem.
A pessoa mais importante do mundo é você! Você precisa estar bem acima de tudo e de todos para poder oferecer o que de melhor tem aos outros e ao mundo.
Ame-se em primeiro lugar, seja a melhor versão de si mesma para poder ser a melhor pessoa possível para aqueles que você ama!
Tem coisa melhor?

Veja também:

https://oterceiroato.com/2020/11/13/quando-eu-envelheco/

https://oterceiroato.com/2020/10/30/sou-aquela-mulher/

SOBRE OS FELIZES…

Existem pessoas admiráveis andando em passos firmes sobre a face da Terra. Grandes homens, grandes mulheres, sujeitos exemplares que superam toda desesperança. Tenho a sorte de conhecer vários deles, de ter muitos como amigos e costumo observar suas ações com dedicada atenção. Tento compreender como conseguem levar a vida de maneira tão superior à maioria, busco onde está o mistério, tento ler seus gestos e aprendo muito com eles.

De tanto observar, consegui descobrir alguns pontos em comum entre todos e o que mais me impressiona é que são felizes. A felicidade, essa meta por vezes impossível, é parte deles, está intrínseco. Vivem um dia após o outro desfrutando de uma alegria genuína, leve, discreta, plantada na alma como uma árvore de raízes que força nenhuma consegue arrancar.

Dos felizes que conheço, nenhum leva uma vida perfeita. Não são famosos. Nenhum é milionário, alguns vivem com muito pouco, inclusive. Nenhum tem saúde impecável, ou uma família sem problemas. Todos enfrentam e enfrentaram dissabores de várias ordens. Mas continuam discretamente felizes.

O primeiro hábito que eles têm em comum é a generosidade. Mais que isso: eles têm prazer em ajudar, dividir, doar. Ajudam com um sorriso imenso no rosto, com desejo verdadeiro e sentem-se bem o suficiente para nunca relembrar ou cobrar o que foi feito e jamais pedir algo em troca.

Os felizes costumam oferecer ajuda antes que se peça. Ficam inquietos com a dor do outro, querem colaborar de alguma maneira. São sensíveis e identificam as necessidades alheias mesmo antes de receber qualquer pedido. Os felizes, sobretudo, doam o próprio tempo, suas horas de vida, às vezes dividem o que têm, mesmo quando é muito pouco.

Eu também observo os infelizes e já fiz a contraprova: eles costumam ser egoístas. Negam qualquer pequeno favor. Reagem com irritação ao mínimo pedido. Quando fazem, não perdem a oportunidade de relembrar, quase cobram medalhas e passam o recibo. Não gostam de ter a rotina perturbada por solicitações dos outros. Se fazem uma bondade qualquer, calculam o benefício próprio e seguem assim, infelizes. Cada vez mais.

O segundo hábito notável dos felizes é a capacidade de explodir de alegria com o êxito dos outros. Os felizes vibram tanto com o sorriso alheio que parece um contágio. Eles costumam dizer: estou tão contente como se fosse comigo. Talvez seja um segredo de felicidade, até porque os infelizes fazem o contrário. Tratam rapidamente de encontrar um defeito no júbilo do outro, ou de ignorar a boa nova que acabaram de ouvir. E seguem infelizes.

O terceiro hábito dos felizes é saber aceitar. Principalmente aceitar o outro, com todas as suas imperfeições. Sabem ouvir sem julgar. Sabem opinar sem diminuir e sabem a hora de calar. Sobretudo, sabem rir do jeito de ser de seus amigos. Sorrir é uma forma sublime de dizer: amo você e todas as suas pequenas loucuras.

Achei bem interessante esta crônica de Socorro Acioli, me sentindo grata e emocionada, relembrando o rosto dos homens e mulheres sublimes que passaram e que estão na minha vida, entoando seus nomes com a devoção de quem reza… Sigo feliz, com leveza e buscando aprender com elas a acender a luz genuína e perene de alegria na alma de todos nós. Sigamos os felizes, pois eles sabem o caminho…

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/09/11/a-mulher-ao-centro-da-vida-2/

https://oterceiroato.com/2020/10/09/adaptando-se-ao-envelhecimento/

AS MÃOS… E A DOR!

– Vovó, como se enfrenta a dor?
– Com as mãos, minha querida. Se você a enfrentar com a mente, em vez da dor se suavizar, ela endurece ainda mais.
Com as mãos, vovó?
– Sim. Nossas mãos são as antenas da nossa alma. Se você as movimenta costurando, tricotando, bordando, cozinhando, pintando, tocando ou afundando-as na terra, você envia sinais de cuidado para a parte mais profunda de si mesma. E tua alma se ilumina porque você lhe está dando atenção. Assim, ela não precisa mais lhe enviar a dor para ser notada.
As mãos são realmente tão importantes assim?
– Sim, minha pequena. Pense nos recém-nascidos: eles começam a conhecer o mundo graças ao toque de suas mãozinhas. Se você olhar, verá que as mãos dos velhos contam mais sobre a vida deles do que qualquer outra parte do corpo. Diz-se que tudo o que é feito com mão é feito com o coração. Porque é realmente assim: as mãos e o coração estão conectados. Os Fisioterapeutas sabem muito bem disso: quando tocam o corpo de outra pessoa com as mãos, criam uma conexão profunda. É precisamente a partir dessa conexão que vem a cura. Pense nos apaixonados: quando suas mãos se tocam, fazem amor da maneira mais sublime que existe.


As minhas mãos, vovó … há quanto tempo não as uso assim!
– Movimente-as, minha querida, comece a criar com elas e tudo dentro de você mudará também. A dor não passará. Mas vai se transformar na mais bela obra-prima. E não vai doer mais. Porque a partir dela, você poderá bordar a tua essência.

Adorei este texto com muita sensibilidade num diálogo entre uma avó e sua neta de Elena Bernabè. Também contar isto para os meus netos.

Veja também:

https://oterceiroato.com/2020/11/13/quando-eu-envelheco

https://oterceiroato.com/2020/11/11/de-repente/

A MELHOR FASE NA VIDA…

Adoro esta crônica de José Micard Teixeira, consegue dizer muito do que penso. Leiam:

A melhor fase na vida é aquela em que te transformas em ti mesmo. É aquela em que o respeito por ti se torna numa provocação de felicidade. Só isso. Tão isso. Porque respeitares-te é a soma de todas as tuas liberdades individuais, de todas as escolhas que fazes por quem queres ser, de cada um dos sorrisos que esboças sem dificuldade ou vergonha. É uma espécie de poder que sentes ser diferente de todos os outros, sobretudo daquele que fascina os que não o têm, um poder que te leva a não querer ser bajulado ou reconhecido.

Quando te transformas em ti mesmo, recuperas o que sempre existiu em ti, tudo aquilo que sai do mediano e previsível, tudo aquilo que te abre a novos desafios e tentações. É uma espécie de purga do que te ensombrava, de tudo aquilo que erradamente te fazia querer apenas o que os outros querem, como se fosses alguém feito de plasticina e barro, alguém quebrável e sem valor. Na verdade, é um tempo intemporal em que a tua transformação te torna em alguém diferente, alguém para quem os sonhos voltaram a ganhar a mesma cor da infância, essa cor que é uma verdadeira provação em que te compete apenas fazer sempre sobressair o melhor de ti. Só isso. Tão isso.
Veja também : https://oterceiroato.com/2020/10/07/setenios-conheca-a-teoria-dos-setenios-de-7-em-7-anos-a-sua-vida-muda-completamente/

https://oterceiroato.com/2020/09/11/a-mulher-ao-centro-da-vida-2/

SAUDADES!!!

Irina Marques, minha amiga portuguesa, tem um Blog lindo onde escreve muita coisa poeticamente. Ela escreveu este texto muito lindo sobre saudades. A saudade mora em mim a muito tempo. Me emocionei! Compartilhando com vocês.

Sinto saudades, sim, refiro esta palavra tão tipicamente portuguesa que carrega um significado que só nós sabemos, profundo, pesado e com a nostalgia de um afecto que esteve presente mas não está mais. Talvez esteja a ser demasiado breve na sua definição, mas este sentimento melancólico não tem como ser explicado. Saudade, ela por vezes toma conta de nós.

Normalmente associada a algo passado, de lugares, épocas e pessoas a saudade hoje toma conta de mim. Vejamos, não é que não queria seguir em frente e pensar no presente, muito antes pelo contrário é, algo diferente.

Lembro-me de pessoas que estavam presentes e já não estão, momentos vividos com elas ficaram gravados na minha memória, como uma belíssima história que marcou o seu lugar. Lembro-me de locais visitados, alguns muito cobiçados, que através de muita luta e privações consegui alcançar, e que maravilhosas memórias fotográficas e aprendizados que tive. Abriram portas distantes, não foram instantes marcaram a minha forma de perceber e pensar.

Lembro-me de palavras faladas, comunicadas, de certa forma pensadas para haver estruturação. E ainda se lembram das cartas? Aquele envelope que nos deixavam no correio, na altura o único meio de contacto com proximidade. A surpresa da carta, de seu conteúdo, de tentativa de decifrar a letra, o cunho timbrado da pessoa. Não que agora a comunicação não seja mais fácil, mas o envelope, para mim representava uma prenda misteriosa no seu conteúdo. Ainda hoje conservo inúmeras cartas. Lembro-me de modificações, passar por desafios e alterações, como era antes. Terei saudades de como era antes? Aqui ponho-me a pensar…. Há saudades.

Teria feito as coisas de forma diferente? Provavelmente. Com a mentalidade que tenho agora e não possuía na altura tinha evitado alguma aventura, marcas e traumas marcaram o lugar, deixei-me ficar. Seguir ao sabor da corrente não bater o pé ou pensar coerentemente apenas levei pela emoção. Ah coração, que sempre tentaste me ditar a vida. Agora vivo com ponderação, penso na ação, faço questão de usar a expressão. Sempre. E lembro-me que sempre gostei de escrever, não expunha e conservava em cadernos, o seu conteúdo e pensamentos, alguns tormentos que passava, mas em tinta derramava para atestar minha história de vida do meu ser.

Saudade, aquele sentimento tão nosso, que por vezes se apodera de nós. Mesmo que sigamos em frente será algo que temos sempre na mente, em qualquer lugar. E vocês, do que sentem saudades?

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/10/15/historia-do-avental-da-vovo/

https://oterceiroato.com/2020/10/12/casa-de-mae-depois-que-se-vao/