VISTO D7 PORTUGAL – COMO MORAR EM PORTUGAL COM APOSENTADORIA OU RENDIMENTOS.

Se você sonha em ir morar em Portugal depois de aposentado, assim como eu, aqui está alguém que nos ajuda a realizar este sonho. Já ouviu falar de Cristina do Vamu ver?

Cristina Maya é YouTuber e criadora do Vamu Ver! marca nacional registrada em Portugal
pelo INPI, Instituto Nacional da Propriedade Industrial sob o nº 616476.
Postagens nas mídias sociais e no site vamuver.com.
Formada em Letras, lecionou língua inglesa no Brasil. Estudou e morou nos EUA. Atualmente, promove postagens sobre dicas de viagens, além de tutoriais voltados para Portugal, país onde reside.

Nos dá muitas orientações atualizadas sobre como fazer: antes, durante e depois do visto.

Visto D7 para Portugal 🇵🇹

Quais documentos pedir após o visto D7 ser aprovado?

Vários vídeos importantes que vão nos ajudar. Assistam:

Será de grande valia para si.

* NIF – Tutoriais COMPLETOS: https://bit.ly/3lK6JNl

* Título de residência: https://bit.ly/32YqUzD

* Alugar ou comprar imóveis: http://bit.ly/2Kbc67m

* Utente no SNS: https://bit.ly/33dabcb

* Estatuto de Igualdade de direitos e deveres: http://bit.ly/2lGxV5x

* Estatuto de residente não habitual: https://bit.ly/3lMiKSj

* Cartão de Cidadão: http://bit.ly/2lGxV5x

* Cartão europeu de seguro de doença: https://bit.ly/3kI1U5N

* NISS: http://bit.ly/2lGxV5x

* NISS: https://bit.ly/3nARVRt

* Troca da CNH: https://bit.ly/2C9VID8

* Troca de domicílio eleitoral: https://bit.ly/3kMIRHj

* Prova de vida: http://bit.ly/2C0tzuD

* Saida definitiva: http://bit.ly/32QDo9R

* Renovação da AR: http://bit.ly/2MOcg5W

* Documentos para viajar com animais: http://bit.ly/2lXj3zP

Quer saber mais?

Visto de residência para aposentados ou titulares de rendimentos – D7

https://oterceiroato.com/2020/06/03/viajar-para-a-europa-pos-coronavirus-tudo-que-voce-precisa-saber/

https://oterceiroato.com/2021/03/03/aposentado-visto-d7-brasileiros-como-morar-em-portugal-depois-de-aposentado/amp/

https://oterceiroato.com/2018/08/31/aposentei-e-agora-bora-portugal/amp/

https://oterceiroato.com/2018/08/31/aposentei-e-agora-bora-portugal/amp/

Siga as postagens do Vamu Ver! nas mídias sociais para ficar informado.

 Facebook: http://bit.ly/vamuverfacebook

 Twitter: http://bit.ly/vamuvertwitter

 Instagram: http://bit.ly/vamuverinstagram

YouTube: http://bit.ly/2DeXRe1

SURPRESA! ESTOU NA TERCEIRA IDADE.

Começa assim…

Um dia o meu espelho me contou…
Você está na terceira idade!!! Tomei um susto… me olhei de novo…
percebi então…que pela aparência externa… eu estava mesmo…
dura realidade… fiquei pensando… Quando entrei na terceira idade?…

Não me lembrava…entrei tão devagarzinho… que nem percebi…quando teria sido?… Não com a queda de meus cabelos…
esses começaram a cair nos trinta… Cabelos brancos?…
O grisalho me pegou cedo…
tinha uns 45… na época não meteu medo… mas quando teria sido?.. Como posso ter me esquecido? As rugas?..
Meu gordo rosto sempre as escondeu..
ainda não as tenho… A aparência cansada?.

Esta é de agora…
Não defini a data… mas um dia..
sem que eu percebesse… entrei na terceira idade… O que é terceira idade?…
Apenas uma convenção…
Definiu-se pela idade… 55… 60… não sei… sei que pela minha mente… ainda sou adolescente… agora… até mais que antes… voltei a agir por impulsos… me sinto ainda uma criança… e ainda nessa minha andança… pelos caminhos da vida…
eu crio artes…

Minha mente bola travessuras… as mais belas aventuras… para minha criança fazer… virei criança outra vez… Aquela menina quieta… calada e tímida de outrora… mas que na hora de brincar… inventava mil coisas na hora… que à minha mãe enlouqueciam… Assim era eu… será um início de caduquice?… mas ainda me sinto assim!!! Me sinto ainda adolescente…
sentindo ainda, a vida pela frente…!!! Ainda sinto o amor… e muito

Ainda sinto a vida… como nunca
Estou na 3ª idade… Se for isto, estou amando. Ainda bem que nunca tive medo de envelhecer. Acontece com tanta naturalidade que nem vamos percebendo tanto.
Estou viva!!!!!!! Estou bem!!! Cheia de sonhos e novos propósitos de vida.
Obrigada, Deus!!!!! Envelhecer está sendo bem melhor do que pensei. (Autor Desconhecido) É assim que me sinto e digo a todos envelhecer naturalmente, de bem com a vida é a nossa melhor opção. Não dói nada, nadica… pode vir tranquilo.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/09/11/como-e-envelhecer-para-mim/

CONTOS CONJUGAIS!

Me divirto muito com os textos de meu amigo escritor Laerte Temple, sempre bem humorado. Leiam:

Malando que é malando acha que amar uma mulher só é trair todas as outras. Também sabe que, se quiser se dar bem, precisa estar comprometido. Às vezes fica meses sozinho, mas basta casar para chover interessada. Pensa que aliança é um tipo de ímã. Já a mulher de malandro é vacinada. Sabe que o cabra é safado mesmo, que não é fiel e, na dúvida, dá o troco na mesma moeda, de preferência com outro malandro casado, mais fácil para manter segredo e não causar barraco. Desde que ninguém fique sabendo, claro.

Engana-se quem vê preconceito neste texto e acha que esses rolos só ocorrem na malandragem. Vale o mesmo para todas as classes. A diferença está no nome e no ambiente. Em vez de rolo, é caso, ou afair. Em vez de drive-in, é motel, flat ou apê. Chifre é típico do seu humano. Boi usa de inxerido.

Doralice, mulher de João Gilberto, desconfia que ele a esta traindo. Chega em casa tarde, sempre cansado e não a procura mais. Seguiu-o e descobriu que ele esta ciscando Carolina, a caixa do estacionamento, depois do expediente. Queria uma vingança maligna, mas não podia se envolver, pois era casada com separação de bens e não queria ficar na mão. Pesquisou e descobriu que o marido de Carolina era o Chico, vigia noturno no mesmo estacionamento. Ela trabalhava das 9 às 18 e ele das 20 às 6 da manhã. Só se viam aos domingos, e olha lá. Descobriu que o canalha do Gilberto esperava Carolina na esquina, iam no motel e depois deixava a vadia no Metrô.

Ela procurou o Chico na saída do trabalho, convenceu-o a tomar um café e assim que ganhou sua confiança, contou sobre o rolo que descobriu. Disse que Chico devia aplicar um corretivo no marido. Ele cofiou a barba pensativo e disse:

– Dona, se eu der uma coça no cabra, e ele bem que merece, vou ter de chapar a cara da Carolina também. Perco a esposa de fim de semana e a senhora fica na mão. Deve ter um jeito melhor.

– Então você não vai fazer nada?

– Claro que vou, mas pensa. O que falta para mim e para a senhora, sobra pros dois. Eles se divertem e a gente chupa o dedo.

– Entendi. Sabe, você não é nada mal. A gente podia dar o troco na mesma moeda. É só você vir umas duas horas antes para o trabalho.

O arranjo funcionou bem até que um dia Doralice e Chico passaram da hora e João Gilberto e Carolina chegaram mais cedo. Encontraram-se no motel, dois entrando e dois saindo. Os homens se estranharam, começaram a rosnar, mas foram contidos pelas mulheres. Doralice falou:

– Gente, ninguém tá sabendo. Deixa como está.

João Gilberto chegou em casa à noite e encontrou Doralice dormindo. Beijou-lhe a testa, ajeitou a coberta e dormiu. Estava muito cansado.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/10/21/quando-a-gente-vai-embora-ai/

https://oterceiroato.com/2020/08/21/e-preciso-ir-embora-em-muitos-momentos-na-vida/

MINHA ALMA ESTÁ EM BRISA.

Esta crônica de Mário de Andrade que me trouxe grandes reflexões, depois que sessentei, onde tudo me pareceu bem mais simples e intenso. É assim que me sinto. E você?

Meu tempo tornou-se algo tão importante quanto respirar e viver. Separar as coisas que realmente me fazem sentido e fazer as escolhas certas é imprescindível

… Aprendi a dizer NÃO…

Nao quero perder mais tempo nem fazer coisas desnecessárias.

Tempo de viver prazerosamente!

Contei meus anos e descobri que tenho menos tempo para viver a partir daqui, do que o que eu vivi até agora.

Eu me sinto como aquela criança que ganhou um pacote de “doces”; O primeiro comeu com prazer, mas quando percebeu que havia poucos, começou a saboreá-los profundamente. Um a um…

Já não tenho tempo para reuniões intermináveis em que são discutidos estatutos, regras, procedimentos e regulamentos internos, sabendo que nada será alcançado.

Não tenho mais tempo para apoiar pessoas absurdas que, apesar da idade cronológica, não cresceram.

Meu tempo é muito curto para discutir títulos. Eu quero a essência, minha alma está com pressa … Sem muitos “doces” no pacote …

Quero viver ao lado de pessoas humanas, muito humanas.

Que sabem rir dos seus erros.

Que não ficam inchadas, com seus triunfos.

Que não se consideram eleitos antes do tempo.

Que não ficam longe de suas responsabilidades.

Que defendem a dignidade humana.

E querem andar do lado da verdade e da honestidade.

O essencial é o que faz a vida valer a pena.

Quero cercar-me de pessoas que sabem tocar os corações das pessoas…

Pessoas a quem os golpes da vida, ensinaram a crescer com toques suaves na alma.

Sim … Estou com pressa … Estou com pressa para viver com a intensidade que só a maturidade pode dar.

Eu pretendo não desperdiçar nenhum dos “doces” que eu tenha ou ganhe…

Tenho certeza de que eles serão mais requintados do que os que comi até agora.

Meu objetivo é chegar ao fim satisfeito e em paz com meus entes queridos e com a minha consciência.

Nós temos duas vidas e a segunda começa quando você percebe que você só tem uma…

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/12/16/eu-mudei/

https://oterceiroato.com/2020/11/27/viver-por-dentro/

NÃO ADIANTA FAZER BIRRA PARA CRESCER…

Às vezes, eu me sinto a própria menina mimada, sapateando porque as coisas não estão como quero. Às vezes, a birra é tanta que preciso que alguém coloque um espelho na minha frente pra me mostrar o quão infantil estou sendo.

O que fazer com essa menina? Pôr de castigo no cantinho do pensamento? Colocar no colo e dar o que ela quer pra ver se para de chorar? Mas e quando se trata de uma menina já crescida e formada? Não adianta mais tratá-la como criança.

Decido acolher sem julgamento as fragilidades dela como sendo minhas porque, de fato, são. Eu sou essa menina mimada que quer aprender o caminho sem engatinhar. Que quer desenvolver a paciência sem saber esperar.

Desgosto. Pode ser esse o motivo da birra. A menina anda desgostosa porque tem fome e quer madurar tudo às pressas. Quer adiantar um tempo que tem seu próprio tempo. Impaciente, bate o pé e chora pro mundo que só quer fazer o que gosta. Não quer perder tempo com o que desgosta, mas, ao tentar isso, perde-se de si também.

Aliás, eu vivo dizendo pra essa menina mimada que ela só vai de fato crescer quando aprender a dosar o quão doce ou quão amargo tudo que chega vai ser. Sem gostar demais ou desgostar de menos.

  • Não, garotinha, não digo que é pra vida ser insossa, mas pra ser degustada com tempo e temperança.

No que parece tão amargo, pode estar o meu aprendizado e, no doce demais, a fuga. Se obcecada pelo desejo do saboroso, perco o verdadeiro sabor.

  • Mas isso é muito difícil, não consigo!

Ninguém disse que seria fácil. Não adianta fazer birra pra crescer. E quer saber mesmo? Talvez você venha se dando importância demais.

Gostei muito deste texto de @tacianacollet … me representa algumas vezes. E você já se sentiu assim? Me conte.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/09/04/nada-me-impedira-de/

https://oterceiroato.com/2020/08/21/e-preciso-ir-embora-em-muitos-momentos-na-vida/

VIRAR O JOGO.

Mudar é necessário aprender! Pode levar muito tempo para encontrarmos nosso lugar…

Conheço gente que tem o dobro da minha idade e ainda está à procura.
Outros, tão jovens, já têm a certeza de seu espaço, confiança no seu rumo, fé nas suas escolhas.
Existem momentos em que é difícil reconhecermos nosso lugar…
Parece que a vida dá e tira, coloca e pede de volta, estende a mão e puxa o tapete…
Mas com paciência, o tempo dirá!
E então um dia, por algum motivo pequeno ou grandioso, você percebe que tem um bilhete autenticado em mãos.
Um bilhete que lhe indica exatamente qual sua poltrona, sua janela…
Por onde verá o mundo passar, e sua companhia nessa viagem.
Já me senti sem chão algumas vezes…
É difícil e parece que não vai passar.
Mais ou menos como estar no trem errado vendo o certo ser conduzido para o lado oposto.
Mas o tempo muda tudo!
E dentro do “trem errado”, se você permitir, e somente se você permitir…
Pode começar a ter boas surpresas, grandes presentes.
Essa é a oportunidade de virar o jogo!
(By Fabíola Simões)

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/09/11/como-e-envelhecer-para-mim/

https://oterceiroato.com/2020/08/28/8904/

EM – VÊ – LÊ – SER…

Meu amigo ESTEVAM, J.G. escreveu este lindo poema sobre envelhecer que eu adoro. Leiam:

Envelhecer é a arte de saber em-vê-lê-Ser…minha gratidão a Deus, por esta dádiva.

Envelhecer é saber viver…

Viver sem saber,

O que há de ser…

Quando o dia amanhecer,

Para outro dia anoitecer…

Envelhecer é saber ver…

Ver sem saber,

O que há de ser…

Quando é hora de aparecer,

Para noutra hora se esconder…

Envelhecer é saber ler…

Ler sem saber,

O que há de ser…

Quando o livro da vida escrever,

Para a vida não prescrever…

Envelhecer é saber perder…

Perder sem saber,

O que há de ser…

Quando com a derrota aprender,

Para na vida vencer…

Envelhecer é saber tecer…

Tecer sem saber,

O que há de ser,

Quando cada fio da vida entretecer,

Para em vida não morrer…

Envelhecer é saber colher…

Colher sem saber,

O que há de ser,

Quando a semente crescer,

Para a vida satisfazer…

Envelhecer é saber escolher…

Escolher sem saber,

O que há de ser,

Quando o tempo de vida fenecer,

Para na dor não padecer…

Envelhecer é saber Ser…

Ser sem aparecer,

Para não haver,

Quando a luz da vida escurecer,

Um velho que não soube viver…

APRENDI QUE…

Tenho aprendido tanto ao longo da vida, que nunca me canso de querer mais e mais… e sempre vem 🙌🏻. Sempre é bom. Aprendemos com nossos erros e acertos 👀.

Tenho sede de conhecimento. Assim como o ar que respiro. Leiam… Aprendi que eu não posso exigir o amor de ninguém.
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim e Ter paciência, para que a vida faça o resto.
Aprendi que não importa o quanto certas coisas sejam importantes para mim, tem gente que não dá a mínima e eu jamais conseguirei convencê-las.
Aprendi que posso passar anos construindo uma verdade e destruí-la em apenas alguns segundos.
Que posso usar o meu charme por apenas 15 minutos, depois disso, preciso saber do que estou falando.
Eu aprendi…Que posso fazer algo em um minuto e ter que responder por isso o resto da vida.
Que por mais que se corte uma pão em fatias, esse pão continua tendo duas faces, e o mesmo vale para tudo o que cortamos em nosso caminho.
Aprendi… Que vai demorar muito para me transformar na pessoa que quero ser, e devo ter paciência.
Mas, aprendi também que posso ir além dos limites que eu próprio coloquei.


Aprendi que preciso escolher entre controlar meus pensamentos ou ser controlado por eles.
Que os heróis são pessoas que fazem o que acham que devem fazer naquele momento, independentemente do medo que sente.
Aprendi que perdoar exige muita prática.
Que há muita gente que gosta de mim, mas não consegue expressar isso.
Aprendi… Que nos momentos mais difíceis, a ajuda veio justamente daquela pessoa que eu achava que iria tentar piorar as coisas.
Aprendi que posso ficar furiosa, tenho o direito de me irritar, mas não tenho o direito de ser cruel.
Que jamais posso dizer a uma criança que seus sonhos são impossíveis, pois seria uma tragédia para o mundo se eu conseguisse convencê-la disso.
Eu aprendi que meu melhor amigo vai me machucar de vez em quando, e que eu tenho que me acostumar com isso.
Que não é o bastante ser perdoado pelos outros, eu preciso me perdoar primeiro.

Aprendi que, não importa o quanto meu coração esteja sofrendo, o mundo não vai parar por causa disso.
Eu aprendi… Que as circunstâncias de minha infância são responsáveis pelo que eu sou, mas não pelas escolhas que eu faço quando adulta;
Aprendi que numa briga preciso escolher de que lado eu estou, mesmo quando não quero me envolver.
Que, quando duas pessoas discutem, não significa que elas se odeiem; e quando duas pessoas não discutem não significa que elas se amem.
Aprendi que por mais que eu queira proteger minha filha, ela vai se machucar e eu também. Isso faz parte da vida.
Aprendi que a minha existência pode mudar para sempre, em poucas horas, por causa de gente que eu nunca vi antes.
Aprendi também que diplomas na parede não me fazem mais respeitável ou mais sábia.
Aprendi que as palavras de amor perdem o sentido, quando usadas sem critério.
E que amigos não são apenas para guardar no fundo do peito, mas para mostrar que são amigos.

Aprendi que certas pessoas vão embora da nossa vida de qualquer maneira, mesmo que desejemos retê-las para sempre.
Aprendi, afinal, que é difícil traçar uma linha entre ser gentil, não ferir as pessoas, e saber lutar pelas coisas em que acredito. (Autoria desconhecida)

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/10/07/setenios-conheca-a-teoria-dos-setenios-de-7-em-7-anos-a-sua-vida-muda-completamente/

https://oterceiroato.com/2020/10/09/adaptando-se-ao-envelhecimento/

AS MÃOS DE MINHA MÃE.

Tem texto que leio e que marcam, muitas vezes me identifico, assim como este. Leiam: O tempo insiste em ser verdadeiro no dorso das mãos. O rosto despista, atenua os anos corridos com corretivos simples e semblante suave, mas as pregas das mãos denunciam o tempo dos ganhos e das perdas, dos dias vividos e irremediavelmente vencidos.
O tecido que recobre suas mãos conta os anos de magistério com o giz em punho, a sensação de sentir-se segura no entrelaçamento de dedos com meu pai, o tempo de gerar e criar, o sol diário na despreocupação com o protetor solar, o carinho ao cair da noite, a firmeza ao volante, os gestos exagerados durante as costumeiras piadas, os movimentos contidos na desavença, o calor na menopausa, o frio na tristeza, o suor na espera, a suavidade resignada na prece e recomeço.

Sabe mãe, carrego alguma nostalgia da época em que suas mãos eram lisas e uniformes. Mas é no hoje, porém, que aprendi a respeitar o significado do desenho das veias que saltam através do tecido fino, e das manchas salpicadas como gotas de tinta decorando a fina estampa de sua superfície. Trazem mais história que ambição, exemplo de uma vida de coragem e superação.
Observo seu rosto mas a sinto em suas mãos. Sei que carregam o tempo e a vivência, o que deixou pra trás e o que tem guardado dentro de si. E admiro os sulcos que traduzem o amadurecimento e o olhar reciclado perante a vida; a sabedoria de entender-se completa, ainda que lhe faltem pedaços.

Talvez os sulcos sejam mais que deficiências cutâneas provocadas pelos raios de sol. Talvez sejam faltas que lhe acompanham e hoje fazem parte daquilo que se tornou.
Sinais de uma vida repleta de presença e ausência, orfandade e resiliência, alturas e tombos. Sei de seus voos, mãe, mas também acompanhei sua perda de altitude. Você, que sempre esteve no comando, teve que aprender a ser conduzida também. E isso lhe tornou uma pessoa melhor. Com mais marcas, mas melhor.
É por isso que admiro tanto suas mãos, mãe. Porque me mostram que você não é de ferro. Você é de verdade, assim como eu e meus irmãos. E descobri-la mais humana tem me ajudado a entender a vida também. Porque assim é mais fácil compreender que todos nós até você carregamos dúvidas, incertezas, desilusões. Mas tudo isso é superável também. Apesar dos cabelos brancos e das pintinhas coloridas, estamos diariamente tentando resistir. E você é dura na queda, mãe. Você é porreta. De uma fé e certeza tão grandes que a gente duvida se é feita do mesmo tecido. Mas então eu tenho as suas mãos. E elas dizem que sim, que você também enfrenta desafios, você também sente na carne cada uma de suas dores. A diferença é que aprendeu a lidar bem com elas, e não está nem aí se lhe causaram algum dano visível ou invisível. Você só quer saber do que virá depois.
Agora recordo uma história que aconteceu há aproximados dois anos. Fomos visitar minha amiga que tinha perdido a mãe no dia anterior. Eu perdi o apetite porque sentia a perda da mãe dela dentro de mim, como se fosse você que não estivesse mais ali. Mas você estava. E ao ser confrontada pela sobrinha da minha amiga, que não entendia o porquê do sofrimento e morte da avó, disse-lhe mais ou menos isso: “Você ainda não entende porque tem muito chão pela frente. Quando tiver a minha idade, vai aprender e conseguir aceitar também”. Acho que naquele momento, as mãos da menina começavam a rachar também, só que de um jeito imperceptível. Mas você soube apaziguar um pouco a dor. Vc Do alto de seus sessenta e poucos, soube colocar aquelas mãos tão jovens entre as suas e doar uma ponta de serenidade…
Minhas mãos começam a mudar também. Estão mais finas, e o esverdeado das veias faz contraste com o caramelo de minha pele. Meu filho chama atenção para elas. Diz que estão mais magras e entendo que o colágeno vai indo embora enquanto se aproximam outras noções acerca do meu tempo e espaço.
Aos poucos sigo seu caminho e desejo assemelhar-me a você. Nos gestos, nas andanças, na vontade de responder ao mundo como você tem respondido.

Mostrando ao Bernardo que, ainda que não haja remédio para a perda de gordura e saliência dos tendões, há delicadeza e poesia no tempo que chega de mansinho, de um jeito ou de outro, irremediavelmente.
Obrigada mãe, por não tentar esconder o traçado de suas mãos. Por não querer disfarçar os sinais de um tempo que se desenrolou cheio de promessas e desfechos nem sempre fiéis ao que se esperava deles. Por me mostrar que a vida nos aproximou como meninas crescidas, e hoje posso me preocupar com você tanto quanto você se preocupa comigo.
Obrigada por me ensinar a não censurar o que o tempo traz sem o nosso consentimento, perdoando as marcas que não podemos controlar, reagindo com alegria aos dias que nem sempre são só bons.
Acima de tudo, por me dar a mão e mostrar que nossos sinais são resquícios de uma vida que se viveu intensa e plenamente. Amo você ! Belíssimo texto de autoria desconhecida, com olhar poético sobre o envelhecimento de uma mãe 👀😍

“Só por hoje quero apenas um dia recheadinho de alegria, amor e paz com o perfume suave da compreensão, aceitação e gratidão”.(Sonia Peter)

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/10/12/casa-de-mae-depois-que-se-vao/

https://oterceiroato.com/2020/08/18/filho-desejos-de-uma-mae-ao-filho-quando-se-casou/

DEIXE-ME ENVELHECER!

Deixem-me envelhecer sem compromissos e cobranças,
Sem a obrigação de parecer jovem e ser bonita para alguém,
Quero ao meu lado quem me entenda e me ame como eu sou,
Um amor para dividirmos tropeços desta nossa última jornada,
Quero envelhecer com dignidade, com sabedoria e esperança,
Amar minha vida, agradecer pelos dias que ainda me restam,
Eu não quero perder meu tempo precioso com aventuras,
Paixões perniciosas que nada acrescentam e nada valem.
Deixem-me envelhecer com sanidade e discernimento,
Com a certeza que cumpri meus deveres e minha missão,
Quero aproveitar essa paz merecida para descansar e refletir,
Ter amigos para compartilharmos experiências, conhecimentos,
Quero envelhecer sem temer as rugas e meus cabelos brancos,
Sem frustrações, terminar a etapa final desta minha existência,
Não quero me deixar levar por aparências e vaidades bobas,
Nem me envolver com relações que vão me fazer infeliz.
Deixem-me envelhecer, aceitar a velhice com suas mazelas,
Ter a certeza que minha luta não foi em vão: teve um sentido,
Quero envelhecer sem temer a morte e ter medo da despedida,
Acreditar que a velhice é o retorno de uma viagem, não é o fim,
Não quero ser um exemplo, quero dar um sentido ao meu viver,
Ter serenidade, um sono tranquilo e andar de cabeça erguida,
Fazer somente o que eu gosto, com a sensação de liberdade,
Quero saber envelhecer, ser uma velha consciente e feliz!!!

Gosto muito deste texto se Concita Weber. Sempre me traz grandes reflexões.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/11/13/quando-eu-envelheco/

https://oterceiroato.com/2020/11/20/7-licoes-de-uma-mulher-de-mais-de-100-anos-para-voce-praticar-em-2020/