A MAGIA DE SER MULHER DEPOIS DOS 40.

José Saramago descreve bem o que sentimos. Quer ver?
Quantos anos tenho?

Tenho a idade em que as coisas são vistas com mais calma, mas com o interesse de seguir crescendo.

Tenho os anos em que os sonhos começam a acariciar com os dedos e as ilusões se convertem em esperança.

Tenho os anos em que o amor, às vezes, é uma chama intensa, ansiosa por consumir-se no fogo de uma paixão desejada.

E outras vezes é uma ressaca de paz, como o entardecer em uma praia.

Quantos anos tenho?

Não preciso de um número para marcar, pois meus anseios alcançados, as lágrimas que derramei pelo caminho ao ver minhas ilusões despedaçadas…

Valem muito mais que isso

O que importa se faço vinte, quarenta ou sessenta?!

O que importa é a idade que sinto.

Tenho os anos que necessito para viver livre e sem medos.

Para seguir sem temor pela trilha, pois levo comigo a experiência adquirida e a força de meus anseios.

Quantos anos tenho? Isso a quem importa?

Tenho os anos necessários para perder o medo e fazer o que quero e o que sinto.

Fonte:

https://www.50emais.com.br/38297/

A INFÂNCIA…

“A infância não é um tempo, não é uma idade, uma coleção de memórias. A infância é quando ainda não é demasiado tarde. É quando estamos disponíveis para nos surpreendermos, para nos deixarmos encantar. Quase tudo se adquire nesse tempo em que aprendemos o próprio sentimento do Tempo”.

By Mia Couto

UMA LIÇÃO DE VIDA!

contato-com-a-naturezaEste texto de Flávio Givovate (in memória), nos dá uma lição de vida. Muito interessante…

“Aprender a conviver bem com as dúvidas é condição indispensável para quem não quer ter um cérebro “cristalizado” e envelhecer antes da hora.

Ser capaz de trocar velhas crenças por novos conceitos, atravessando o “mar de dúvidas” é o caminho para a renovação e reciclagem das ideias.

O bom convívio com as dúvidas cria as condições para que se tenha um “cérebro poroso”; e isso é indispensável para a honestidade intelectual.

Quem convive bem com as dúvidas gosta de aprender; não sofrerá do tédio que assola aquelas pessoas que acham que já conhecem tudo muito bem!

Quem gosta de aprender tende a levar uma vida estimulante e rica mesmo nos anos da maturidade e velhice: é um prazer que jamais se esgota!

O prazer de aprender é a contrapartida intelectual do prazer sexual, mais físico; a vaidade também se gratifica quando se descobre algo novo.

A vaidade é o componente da sexualidade que participa de tudo, inclusive dos avanços intelectuais. Vaidade e gosto pelas dúvidas se somam!

A vaidade dá ainda mais força à curiosidade daquelas pessoas que aprenderam a curtir as dúvidas; para elas, sempre haverá muito o que fazer!”

https://hi-in.facebook.com › postsResultados da WebAprender a conviver bem com as dúvidas é… – Flávio Gikovate – In …

A GENTE VAI EMBORA E…

img_5666Eh!!!! Não sabemos dar valor nesta riqueza que é o nosso Tempo. Deixamos ele passar sem nos dar conta da sua real  importância… Tempo é assim inegociável…. perdeu, perdeu mesmo…. ele não volta mais.                            Vai deixar lembranças, um gostinho de quero mais ou marcar algum momento importante da nossa vida. Sempre podemos (re) lembrar dele, resgatar algo…. reviver.                                                                                               É importante percebermos que o tempo passa rápido e devemos escolher o que for mais importante para priorizar o uso do nosso tempo. Deixar passar as coisas que sugam nossas energias e não são tão importantes assim.  Adorei esta texto do jornalista e professor Sérgio Cursino. Verdade pura! Dá uma boa reflexão, espero que gostem e que possamos aproveitar muita mais e melhor ele… o nosso TEMPO.

A GENTE VAI EMBORA e fica tudo aí,

os planos a longo prazo e as tarefas de casa,

as dívidas com o banco,

as parcelas do carro novo que a gente comprou pra ter status.

A GENTE VAI EMBORA sem sequer guardar as comidas na geladeira,

tudo apodrece, a roupa fica no varal.

A GENTE VAI EMBORA, se dissolve e some toda a importância que pensávamos que tínhamos,

a vida continua, as pessoas superam e seguem suas rotinas normalmente.

A GENTE VAI EMBORA as brigas, as grosserias, a impaciência, serviram para nos afastar de quem nos trazia felicidade e amor.

A GENTE VAI EMBORA e todos os grandes problemas que achávamos que tínhamos se transformam em um imenso vazio, não existem problemas.

Os problemas moram dentro de nós.

As coisas têm a energia que colocamos nelas e exercem em nós a influência que permitimos.

A GENTE VAI EMBORA e o mundo continua caótico, como se a nossa presença ou ausência não fizesse a menor diferença.

Na verdade, não faz.

Somos pequenos, porém, prepotentes. Vivemos nos esquecendo de que a morte anda sempre à espreita.

A GENTE VAI EMBORA, pois é.

É bem assim: Piscou, a vida se vai.. .

O cachorro é doado e se apega aos novos donos.

Os viúvos se casam novamente, andam de mãos dadas e vão ao cinema.

A GENTE VAI EMBORA e somos rapidamente substituídos no cargo que ocupávamos na empresa.

As coisas que sequer emprestávamos são doadas, algumas jogadas fora.

img_4484

Quando menos se espera, A GENTE VAI EMBORA. Aliás, quem espera morrer?

Se a gente esperasse pela morte, talvez a gente vivesse melhor.

Talvez a gente colocasse nossa melhor roupa hoje,

talvez a gente comesse a sobremesa antes do almoço.

Talvez a gente esperasse menos dos outros,

Se a gente esperasse pela morte, talvez perdoasse mais, risse mais, saísse à tarde para ver o mar, talvez a gente quisesse mais tempo e menos dinheiro.

Quem sabe, a gente entendesse que não vale a pena se entristecer com as coisas banais,

ouvisse mais música e dançasse mesmo sem saber.

O tempo voa.

A partir do momento que a gente nasce,

começa a viagem veloz com destino ao fim – e ainda há aqueles que vivem com pressa!

Sem se dar o presente de reparar que cada dia a mais é um dia a menos, porque A GENTE VAI EMBORA o tempo todo, aos poucos e um pouco mais a cada segundo que passa.

O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO COM O POUCO TEMPO que lhe resta?!

Que possamos ser cada dia melhores e que saibamos reconhecer o que realmente importa nessa passagem pela Terra!!! Só isso.

Até porque, A GENTE VAI EMBORA…

A GENTE VAI EMBORA….

PARIS – PASSEANDO PELO BAIRRO LE MARAIS.

Meu bairro preferido para ficar, comer, me divertir e passear em Paris é o Le Marais. #lemarais

Hoje fui passear lá (4.º arrondissement), também conhecido como SoMa (South Marais), é um bairro elegante, boêmio e agitado, que mistura galerias de arte, hotéis, restaurantes, lojas de grife, bares, bristrô e cafés… está repleto de boutiques modernas… Foi muito bom caminhar por lá… são ruas estreitas, perfeitas para se andar a pé. O tempo está firme e muito frio.

Fui na Uniqlo, uma loja conceitual que eu adoro. Tem roupas básicas e de boa qualidade (nos itens de frio, a tecnologia impera). Adoro seus casacos leves, coloridos e confortáveis…as roupas internas que não retém suor e tampouco deixam passar o frio e o melhor: tudo com preço super justo. #uniqlo

Depois do almoço passeamos também pela verdejante Place des Vosges com seus arcadas elegantes, Musée Victor Hugo, Museu Pompidou e a Praça da Bastilha. #museupompidou – #praçadabastha – #paris

Demos uma passadinha no Le Comptoir de Mathilde, comprar chocolates, azeites, patês e temperos com truffles. Adoro. #lecomptoirdemathilde

Hora de voltar e descansar.

Valeu! Até a volta Le Marais.

#paris #envelhecer # #envelhecerbem #viagens #viagem

#lemarais #placedesvosges #museupompidou #uniqlo #praçadabastilha

PARIS – ALMOÇO NO LES OMBRES EM #PARIS

Estou em Paris curtindo a família de minha enteada. Nossa netinha está muito linda e engraçadinha. Com 1 ano e 6 meses está descobrindo o mundo com tanta curiosidade e agilidade… vai de lá para cá rapidamente, experimentando tudo que vê… Agora está na fase do “faz de conta” e adorando brincar de cozinhar e servir café. Uma graça. Começando agora a sair as suas primeiras palavrinhas… são em francês. Pode isso? Muito emocionante participar destas descobertas dela. Quero curtir muitoooo eles aqui. Deixamos ela na escolinha logo de manhã.

Hoje fomos almoçar no restaurante Les Ombres (de comida africana, francesa, contemporâneo e centro-americana)…comemorar o ano que começa. #lesombres #paris.

Este é um dos restaurantes com a mais linda vista da Torre Eiffel. Para você ter uma ideia, ele se chama Les Ombres em função do reflexo da #torreeiffel sobre a cobertura de vidro do restaurante.

Ele se encontra no último andar do Museu do Quai Branly e a decoração foi projeto do arquiteto Jean Nouvel. A vista é #maravilhosa! A Torre Eiffel, imensa, na sua frente, e o Sena passando lentamente embaixo. Tudo isso você pode ver através da cobertura onde fica o restaurante e circulado com paredes de vidro. Dà pra imaginar isso?

Ambiente è top, diferenciado e encantador… Com uma comida #gourmet muito boa… veem lindamente empratados.

Sim, foi uma das #experiências mais #memoráveis da minha vida… é um local que me #emocionou… não só pela beleza e magnitude do local, como pela visão #excepcional da Torre Eiffel. Fomos #agradecer pelo ano que passou e dar as boas vindas ao ano novo que está chegando. Tem que reservar com antecedência.

O atendimento foi excepcional desde a entrada até o final… todos extremamente preparados, atenciosos e te fazendo sentir-se único… foi assim que me senti.

Nos dias quentes, você pode ficar no terraço exterior. No inverno, o teto de vidro garante a vista de qualquer ângulo, foi onde ficamos.

É também um restaurante com uma cozinha  elegante… tendo um cardápio variado a lá carte ou menu sugestão do chef no almoço ou no jantar.

Uma sugestão: escolha o menu completo já com entrada, prato principal e a sobremesa por €47 em 2020.

Se você quiser um lugar especial em Paris para comer ou fazer uma #comemoraçãoespecial, super recomendo este #restaurante.

Les Ombres: 27 Quai Branly, 75007.

Para saber mais: https://www.lesombres-restaurant.com/

Clique aqui para reservar uma mesa no Les Ombres

GOSTO DO QUE É SIMPLES…

Chega uma hora na vida da gente que queremos descomplicar tudoooo… eu quero só simplicidade… eu gosto da simplicidade. Viver assim é bem melhor. Assim como #ClaraBaccarin descreveu:

“Da #vida quero o que é simples, mas de boa qualidade.

Troco um jantar requintado por um arroz-feijão feito em casa refogado com muita cebola, alho e papo furado.

Gosto dos sentimentos simples, mas bem temperados. Do sorriso caseiro com uma pitada de pimenta. Das receitas simples de felicidade, fáceis de decorar, de seguir e de ensinar.

Gosto de um canteiro de afeto cultivado no aparador da janela. Do cheiro acolhedor invadindo a casa e os corações. Das falas fáceis, da risada solta, dos medos guardados do lado de fora da porta de entrada.

Gosto de comer me reconhecendo nos sabores. De lembrar a riqueza que é apreciar sentimentos #familiares.

Gosto de me sentir em casa dentro de mim quando estou perto do outro.

Gosto da #simplicidade #afetiva.