QUERO FAZER COM QUE MULHERES DE 60 ANOS DEIXEM DE SER INVISÍVEIS – CLAUDIA GRANDE.

Conheci já a algum tempo a Cláudia Grande pelo Facebook, ela tem 62 anos e é a criadora de um site dos mais interessantes para pessoas maduras: Projeto 60 anos. Tem muitas seguidoras que aumentam dia a dia.

Uma mulher elegante, que conta num vídeo como, depois dos filhos criados, da separação do marido e com tempo para ela, resolveu revolucionar a própria existência já na sexta década de vida. É super interessante sua página que lida com diversas questões.

O próprio jeito de Cláudia Grande se apresentar no site é muito instigante. Leia e, mais abaixo, veja o vídeo, no qual ela explica por que está simplificando sua vida:

“Meu nome é Claudia Grande e tenho 61 anos. Por que comecei contando minha idade? Porque me reinventei aos 60, depois de ter sobrevivido a um câncer, acabado um casamento de 33 anos e deixado minha empresa ambiental para realizar um sonho, o de inspirar mulheres desta idade a ter uma maturidade saudável, ser elegante, alegre e principalmente, fazer com que deixássemos de ser invisíveis.

Aos 58 anos, me vi planejando meu aniversário de 60 e ao mesmo tempo que escolhia um smoking para usar na festa me sentia fora de forma e cheia de dores. Resolvi sair do sofá e começar a correr na rua (hoje meu esporte preferido). E, para que meus 100 amigos do Facebook me incentivassem, criei uma página chamada Projeto 60 anos, onde compartilhei meus sonhos, minhas roupas preferidas, as comidas que gosto de fazer, músicas da minha vida, filmes inesquecíveis, meus progressos com meu novo esporte e, para minha surpresa, em uma semana eu tinha 1000 seguidores me incentivando.

Espera aí, o que está acontecendo? Não conhecia essas pessoas mas elas estavam me tratando como velhas amigas, me mandando mensagens dizendo que finalmente alguém havia lembrado delas e que queiram mais e mais sugestões minhas. Começava aí uma nova vida…Blogueira da Terceira Idade? Justo eu que sempre fui empresária?

Leia também: https://oterceiroato.com/2020/02/09/envelhecer-esta-sendo-bem-melhor-do-que-pensei/

Até parece que antes minha vida era pacata para dar tanto valor aos dias cheios de hoje. Eu sempre tive uma vida super agitada, sou mãe de 4 filhos, 5 netos, tenho 4 cachorros, duas gatas, sou presidente de uma Assistência Social há 10 anos, onde cuido de idosos carentes, minha casa é grande e repleta de amigos, meus jantares diários sempre tem mesa cheia, adoro festas, recebo muito. Sou descendente de Italianos e Libaneses, a mais velha de 5 irmãos e nossa família adora se reunir para comer, dançar, festejar, brigar, se divertir, viajamos juntos e nos amamos de montão.

Ex-empresária da área de meio-ambiente, Cláudia superou um câncer e se reinventou.

Mas, de repente, 570.000 pessoas, fazem parte do meu dia a dia (hoje é este o número de seguidores da página,) levando o segundo turno da minha vida para outro patamar, transformando a tal temida maturidade em algo delicioso de viver, fazendo a velhice ser interessantíssima e repleta de coisas boas e, o mais importante, podendo ser útil a tanta gente que antes se sentia desmotivada e esquecida simplesmente por ter entrado na tal da terceira idade.

Leia também: https://oterceiroato.com/2019/10/15/os-sexalescentes-do-seculo-xxi/

E com esta página, a moda, que eu sempre amei, entrou em primeiro plano na minha vida, e eu que já dava muito valor ao que vestia, hoje dou dicas, sugestões para mulheres como eu, que querem ficar bem vestidas mas sem usar roupas de velhas, que podem ter os cabelos sem pintar com muito orgulho sem parecer desleixada.

A indústria da moda só agora está despertando para este publico, que veste um número maior, pesa um pouco mais, tem formas mais arredondadas mas quer estar fashion e bonita. Sempre digo que menos é mais, mas nem sempre fui assim. A maturidade me ensinou a ser clean e prática, visto roupas básicas e dou muito valor para acessórios bons, que na minha opinião são fáceis de achar e transformam um look, indo do clássico ao contemporâneo sem grandes problemas e gastos. Em tempos de dinheiro mais curto, sugiro roupas de boa qualidade, deixando para poucas peças as roupas de modinha.

Bom senso sempre, é o que friso para minhas seguidoras. Vestidos e saias curtas e justas, decotes enormes, calças de malha apertadas e chamativas estão fora do meu guarda-roupa. Adoro pantalonas, vestidos leves e sem muitos detalhes, casacos e blazers bem cortados, camisa branca com jeans, alpargatas e oxfords, saltos não tão altos mas modernos e mais confortáveis, lingerie muito bonita, camisolas de seda, óculos de sol com pegada moderna, bolsas vintages ou de tiragem especial. Não saio sem maquiagem e filtro solar, uso tênis esportivo apenas para esporte, roupa de ginástica quando me exercito, adoro jóias e bijoux diferentes e únicas.

Leia também: https://oterceiroato.com/2020/02/20/de-invisiveis-a-protagonistas-os-acima-de-50-anos/

Meu perfume é um creme e os meus cabelos são grisalhos e com um corte moderno. Mas nada disso adianta se não tivermos um sorriso no rosto que eu considero nosso cartão de visita. Ser feliz pode ser uma opção e a roupa que se veste é o retrato da nossa alma. A elegância está nos gestos e nas atitudes. O dinheiro pode nos fazer ricos mas não nos deixa mais nobres. Eu já criei filhos, já plantei arvores e agora escrevo páginas…Como dizia meu pai, você se tornou imortal. Adoro saber disso, porque tenho pavor de morrer! Por falar em morte, brinco muito com meus filhos sempre que vou a um velório. Tenho listas de desejos, como não ter flores me cobrindo entre outras coisas, mas fiquem tranquilos, não farei uma página sobre isso….se bem que acabo de ter uma ótima idéia…(risos, muitos risos).”

Neste depoimento de Cláudia Grande conta como vai simplificando cada vez mais a sua vida e de sua busca incessante de leveza”. Assista:

https://youtu.be/iturETfT-G4

Fonte.:

https://www.50emais.com.br/quero-fazer-com-que-mulheres-de-60-anos-deixem-de-ser-invisiveis/

VOCÊ MERECE ISTO TUDOOOO,.. E MUITO MAIS!

Neste tempo de pandemia que estamos todos resguardados em nossas casa, já a bastante tempo… sem previsão de voltar, achei pertinente este poema de Estefania Mitre, que é frequentemente atribuído a Frida Kahlo; ele deve ser lido pelo menos uma vez por todos, leiam:


Você merece um amor que a ame quando você estiver despenteada, aceitando as razões que a fazem acordar rapidamente, e os medos que não permitem que você durma.
Você merece um amor que faça com que você se sinta segura. Que a ajude a conquistar o mundo ao pegar em sua mão, que sinta que seus abraços se encaixam perfeitamente com sua pele.
Você merece um amor que deseje estar ao seu lado, visitar o paraíso apenas olhando seus olhos, e que nunca fique entediado lendo suas expressões.
Você merece um amor que a ouça cantar, que apoie todas as suas loucuras, que respeita sua liberdade e que a acompanhe em seu voo, que não a deixe cair.
Você merece um amor que afaste as mentiras. E que traga sonhos, café, poesia.
Você merece isto é muito mais 💓

MEMÓRIAS…

“De vez em quando a vida preciso ser vista de ângulos diferente”.

Eu vou indo… eu vou evoluindo!

Sobre estar em movimento, me reinventando, vivendo essa metamorfose ambulante que é a vida.

Existem momentos únicos que duram segundos, mas deixam lembranças para a vida toda. São únicos e inesquecíveis.

No final tudo vira história. Então ria de si mesmo, eternize os sorrisos na sua memória.

SOU FEITA DE CICATRIZES E GRATIDÃO…

Sou feita de histórias que não deram certo, de frases sem ponto final, de reticências… Sou feita de uma porção de livros lidos pela metade… outros relidos várias vezes. Sou feita de humanidade. Carne, ossos e humanidade!

Todas as minhas histórias… algumas pela metade, (ou quase todas), me deixaram completamente inteira. Inteira de mim… de tudo que não desejo, de tudo que não tolero mais. Sei exatamente quando e o que.

Sou feita de sim, muitos deles. Mas, graças ao tempo, sou feita de não, mais ainda deles. Não ao que me fere, ao que me faz mal, ao que não me alimenta… ao que não tolero mais. Sou feita de construções e reconstruções. Sou feita de corpo, alma e histórias!

Sou feita de santos, budas e Iemanjás. Também sou feita de muita complexidade. Sou sonhos, sou desilusão. Ouso sonhar e acreditar. Não sou feita de basílicas, capelas, igrejas, sés ou conventos, mas sou todinha retalhada na fé.

Fé é o que me movimenta, é o que me levanta todos os dias, é o que seca minha alma depois do temporal. Fé é meu prato preferido. Fé é a roupa que mais me cai bem. Fé me acompanha sempre! Muita fé!

Sou feita de anseios, de preocupação. Sou feita de luz e escuridão. Sou feita de beijos, pele, conexão. Sou feita de amor, abraços e música clássica. Tudo pulsa dentro de mim. Sou feita de amor… muitas cores e sons!

Sou feita de detalhes que não me recordo bem (e de uma péssima memória). Sou feita de imensa facilidade em desculpar (outras nem tanto rsrsrs) mas de uma capacidade ainda maior em tentar esquecer ou compreender quem me machucou. Sou feita de esperança que em impulsiona pra frente!

Sou feita do amor dos meus pais, dos meus irmãos, da minha avó, do meu marido, dos meus filhos, enteados, dos meus netos e dos meus amigos. Sou feita do que já conquistei, mas, mais ainda de tudo o que perdi na vida.

Foi o que perdi que me manteve alerta. Foi o que aprendi na dor que me fez forte, firme e foi o que entendi do amor que me fez humana. Compreender, observar, amar, falar e ouvir fez parte de mim. Positivismo na vida, me impulsionou. Superei… resisti… construí e reconstruí novas histórias… Resiliente fui, sempre. Vivi e vivo em paz… de bem com o mundo é a vida!

Sou feita de cicatriz e gratidão!

Assim como Ju Farias também… sou feita assim…

MULHERES MÃES…

Todas as mulheres são Mães, porque ser Mãe é muito mais que o ato físico de dar à luz. É um dom, uma virtude, um modo de ser e sentir, um não sei quê que a mulher traz dentro de si. Mãe faz parte do DNA das mulheres desde seu nascimento.

Meninos brincam com seus carrinhos bonecos e games de luta, jogam futebol e quase sempre voltam sujos e até machucados. Meninas brincam com suas bonecas casinhas, comidinhas imaginárias que trazem para a gente experimentar com uma xicrinha de chá vazia de líquidos, mas cheia de sonhos. Suas bonecas não são seres inanimados. Elas as chamam pelo nome, penteiam seus cabelos, trocam suas roupinhas, conversam com elas. Elas cuidam de suas bonecas. Desde pequenas elas cuidam, elas protegem.

Quando estão com as amiguinhas no mais do tempo conversam cochicham compartilham segredos, falam bem ou mal das outras meninas e dos meninos, mas falam, às vezes todas ao mesmo tempo, o que desespera os meninos. Comentam os quase namoros, a sandália diferente da amiga, que talvez lhes provoque uma inveja que não demonstram. Diferente dos meninos que falam o que pensam ou acham, elas falam o que sentem. Confiantes, voltam para casa sempre arrumadas, a alma cheia de estórias para contar e sonhos para sonhar. Ao chegar contam e vibram com emoção, coisa rara para os meninos. As emoções e a intuição precedem seu pensar.

Meninos voltam para casa sem nada falar ou reparar, vão correndo para seus quartos e brinquedos. Meninas chegam, notam a nova planta na sala, e sem mesmo olhar, percebem e perguntam: mamãe, por que você está triste? E antes que a mãe responda, lhe entregam seu abraço, muitas vezes sem nada perguntar ou dizer. Sofrem quando veem uma dor, uma injustiça. Amam mesmo sem encontrar o amor, e precisam ser amadas.
Percebem de imediato que algo aconteceu. Notam coisas visíveis, mas também as invisíveis, notam sentimentos que inutilmente tentamos delas esconder, embora saibam como ninguém esconder os seus. Se a mãe recebe amigas elas conseguem, absolutamente do nada, sentir o que não foi dito, e cochichar: mamãe, por que fulana não gosta de você? Conseguem ler um tom de voz, olhares, intuem sentimentos. Impossível não lhes abrir o coração pois, quando seguras, chegam de coração aberto. Elas nos acolhem, nos compreendem, nos desvendam.

Têm um jeito de conseguir que deixa os meninos furiosos. Meninos argumentam, discutem, podem até ter razão, mas nem sempre conseguem o que querem. Meninas não discutem muito, esperam o momento, o jeito, as palavras certas, até encontrarem uma fresta em nossas resistências. E com sua meiguice de meninas, lutam, não desistem nunca. Melhor não discutir com elas, guerreiras perigosas com armas invisíveis. Lutam pelo que querem ou defendem, e geralmente vencem, para sorte dos meninos. Acho que às vezes até têm pena e mesmo raiva da lógica inútil dos meninos.

Observe o jeito de ser de duas meninas adultas e diga qual das duas já deu à luz. Difícil dizer, pois ambas têm o DNA de Mãe. Meninas de ontem, mulheres de hoje. E na dúvida, não pergunte qual delas é Mãe. Pergunte qual delas já tem filho.
São meninas, dão colorido e esperança ao mundo. São imprescindíveis. Já nascem Mães.

Este lindo texto foi escrito para homenagear todas nós mulheres/ mães, pelo meu amigo Luiz Arnaldo Cajado Moncau, do grupo #Trabalho60+ (10 de maio de 2020)
que com muita sensibilidade e carinho, desejou-nos assim desta forma, hoje logo cedo… um FELIZ DIA DAS MÃES… lançou-nos então este seu olhar poético … que chegou transbordado de afeto e amor. Muito obrigada meu amigo e que neste tempo de quarentena que estamos todos vivendo em isolamento social, desperte a alegria da vida que pulsa e está sempre em movimento dentro ou fora de nossos corações pelo mundo… e seja um dia de muita gratidão, conforto e de infinito amor .

UM FELIZ DIA DAS MÃES… especialmente neste tempo que estamos todos em isolamento social… Sou a mãe mais feliz do mundo 💐💓😍💝🤩🙏🏻

COLEÇÃO DE LINGERIE PARA QUE MULHERES QUE PASSARAM DOS 60 ANOS.

Encontrar uma moda para quem tem mais de 60 anos é muito difícil. Tanto no Brasil como no mundo, estamos envelhecendo rapidamente mas, essa nova realidade não se traduz ainda nas passarelas.

Ainda bem que a paulista Helena Schargel está apresenta a sua segunda #coleçãodelingerieparamulheresmaisvelhas.A primeira foi um grande sucesso!

Uma coisa que eu adoro é o fato de ela ter insistido em ser ela mesma a modelo com 80 anos. Demais isto! Helena teria insistido, inclusive, que as suas fotos fossem o mais natural possível, sem o uso do chamado “photoshop” para retocar as imagens. Esta ousadia e liberdade dela mostra o quanto somos diferentes e nos aceitamos no envelhecer. Sensacional! O resultado, está aqui: uma coleção de muito bom gosto, divulgada por uma grande modelo. Leiam:

A modelo e estilista paulista Helena Schargel, 79, acaba de lançar sua segunda coleção de lingeries voltada para mulheres acima dos 50 anos. “São peças confortáveis, mas sexy e coloridas. Afinal, somos lindas e temos visibilidade, sim”, afirma. Cansada de ficar em casa após um ano de aposentadoria — ela trabalhava como criadora de marcas femininas —, Helena ofereceu a ideia em dezembro passado à etiqueta Recco.

“Estipulei que eu precisava ser a garota-propaganda, e nada de usar Photoshop na campanha. Viva a mulher real!” Helena também virou palestrante motivacional e prepara uma linha de roupas esportivas, além de contar com outras novidades na vida pessoal. “Estou viúva há sete anos. Recebo muitas cantadas no Instagram, mas meus filhos têm ciúme”, diverte-se.(Fonte:Veja)

Em dezembro, quando anunciou que lançaria a coleção, Helena Schargel deu esta entrevista para O Globo

“A paulista Helena Schargel é uma mulher à frente do seu tempo. Durante mais de quatro décadas, ela trabalhou na fábrica de tecidos Berlan.

— Para a minha época, trabalhar fora era uma atitude bastante ousada. Durante um tempo, também tive um restaurante — diz Helena. —Há dois anos, deixei tudo em ordem e resolvi sair da fábrica.

Depois de passar um ano fazendo terapia, pilates e os mais diversos cursos, a estilista idealizou o seu próximo passo.

— Um belo dia, num encontro de pessoas de mais de 50 anos, perguntaram-me qual era o meu projeto. Respondi imediatamente: “uma coleção de lingerie 60+”. Na saída do evento, um grupo de meninas de 70 anos veio me perguntar onde poderiam comprar as peças.

No dia seguinte, Helena diz ter acordado com a coleção completa na cabeça:

— Liguei para a Myriam Recco, diretora de criação da Recco Lingerie, e perguntei se ela se interessava na proposta. Disse também que queria ser a imagem da coleção e que fazia questão de que as minhas rugas aparecessem.

Segundo ela, as peças unem praticidade e sensualidade:

— O meu maior propósito é tirar as mulheres dessa faixa etária da invisibilidade. As pessoas estão vivendo mais, porém, não sabem o que fazer com esse presente.

A coleção, que tem lingeries diurnas e para a noite, também conta com uma linha de pijamas.

— Que vão da cama para a rua — explica Helena, empolgada com o lançamento.

Veja melhor ela aqui:

#reccolingerie #helenaschargel #lingerieparaacimadis60 #envelhecerdebemcomavida #modaparaterceiraidade #lingerieparamulheresmaduras #envelhecercomestilo