VELHO OU IDOSO…

Idoso é quem tem o privilégio de viver uma longa vida; velho é quem perdeu a jovialidade.
A idade causa a degenerescência das células; a velhice causa a degenerescência do espírito.
Você é idoso quando sonha; você é velho quando apenas dorme.
Você é idoso quando ainda aprende; você é velho quando já nem ensina.
Você é idoso quando se exercita; você é velho quando somente descansa.
Você é idoso quando tem planos; você é velho quando só tem saudades.
Para o idoso, a vida se renova a cada dia que começa; para o velho a vida se acaba a cada noite que termina.
Para o idoso, o dia de hoje é o primeiro do resto de sua vida; para os velhos todos os dias parecem o último de uma longa jornada.
Para o idoso, o calendário está repleto de amanhãs; para o velho o calendário só tem ontens.
Que você, quando idoso, viva uma vida longa, mas que nunca fique velho.

Eu sou idosa e você? Dá no que pensar este texto né… Gostou?

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/07/10/comecar-de-novo-eu/. https://oterceiroato.com/2020/07/08/deixem-me-envelhecer-3/

SE EU PUDESSE CONVERSAR COM CLARICE LISPECTOR…

Se eu pudesse queria conversar com você Clarice Lispector, pela janela da minha sala escancarada, de robe e com meu cabelo ainda desgrenhado… bem cedinho. Eu daqui tomando um café fumegante acabado de ser passado no coador de pano e com uma bela fatia de bolo de fubá fumegante na mão, que certamente você me acompanhando do lado de lá da calçada e então te perguntaria: o que você faria na quarentena?

Como não posso, vou experimentar o que já sugeriu e pensar… “se eu fosse você, como seria e o que você faria neste período de isolamento?”… esta sua pergunta me provocou um novo olhar e me trouxe grandes reflexões sobre a que é importante na vida.

Vejo muitas coisas acontecendo pela televisão, os noticiários não falam de outra coisa é coronavírus pra cá, fique em casa e mortes pra lá… dia e noite. Uma explosão de estatística do mundo inteiro de hora em hora, instaurando um medo absurdo de pegar este vírus tão invisível, de fácil contaminação e tão devastador. A ansiedade desponta e me tira o ar.

“Melhor desligar a TV um pouco e viver, se atualize apenas uma vez ao final do dia, já basta. Aproveite a beleza e a simplicidade das pequenas coisas do seu dia a dia e respire fundo, apenas sinta a vida”, você aconselharia. E assim eu faço!

Ainda sem vacina ou algo para curar, nem sequer um remédio potente capaz de controlar a sua devastação em nossos pulmões, obrigou o mundo a parar… se isolar socialmente em suas casas e se protegerem a si mesmo e aos outros… Sim, o mundo inteiro parou… e continua parado, não sabemos até quando. Estamos numa pandemia. Uma guerra contra o invisível.

“Melhor se cuidar e relaxar, tenha paciência e esperança… Pode ler estudar, escrever… tente inovar e descobrir os prazeres da vida nas pequenas coisas, que a muito tempo você deixou de perceber por causa do corre corre e da vida atribulada. Aproveite melhor o tempo que tem agora, use e abuse dele, não desperdice esta chance. Será um grande aprendizado, vais ver.” você lembraria. E assim eu faço!

Percebo que tem governantes que resistiram um pouco a isto tudo no começo e foi devastador o resultado em seus países… Desta forma causaram mais sofrimento e mortes ao seu povo, assistimos isto com uma tristeza profunda, o que estes erros trouxeram…

“Ainda dá tempo de não cometermos o mesmo erro, afinal estamos vendo e temos mais tempo. Não queremos que isto aconteça por aqui também, não é verdade?”, certamente me alertaria. E assim eu pensaria e faço!

Mas aqui o que vejo chega a ser ainda pior, pois além do presidente não perceber a gravidade do momento que vivemos, faz pouco caso das nossas vítimas e das tantas mortes que agora só tendem a subir cada vez mais rápido. Tenta ainda desmoralizar tanto as recomendações da OMS, como dos nossos governadores dos estados brasileiros, que fazem imensas campanhas para conscientizar o povo, fiquem em casa…

Toda esta irresponsabilidade causa mais stress e gera um aumento nos problemas sociais, econômicos e políticos do país… além de estar na contramão, dando péssimos exemplos. Cada dia uma nova polêmica. Confunde a cabeça de muitas pessoas.

Pobre de nós brasileiros, enfrentamos duas guerras ao mesmo tempo a da vírus e o da incompreensão dos políticos que deveriam proteger o seu povo. Desestrutura seus Ministérios, dispara barbaridades nas redes sociais, fomentado por vaidades abaladas e incompatibilidade de pensamentos, onde muitos baseado na ciência pedem a todos que fiquem em casa, colaborem… enquanto poucos dizem temos que trabalhar agora. Vamos morrer mesmo, vira pano de fundo… as loucuras se juntam e mostram a sua cara… se destacando nas manchetes pelo mundo afora. Instauram-se o salvem-se quem quiser ou puder. E assim caminhamos, como sempre tentando sobreviver… na corda bamba e agora enfrentando uma pandemia.

“Acorde, você é quem faz as suas escolhas, não eles. A casa e a vida são sua, relaxe e fique em casa. Siga sua intuição e seus pensamentos. Procure em sua casa o que fazer, tem tantas coisas… redesenhe a uma rotina e que ela seja bem variada e criativa fazendo bem a você, tem que ser bem pensada. Inove, experimente coisas novas, descubra um sentido da vida pra você… Então relaxe, respire fundo e comece agora já”, assim voce aconselharia. E assim eu faço!

Tudo está de cabeça virada para baixo. Mortes, hospitais lotando… o sistema de saúde sufocado não está dando mais conta de tantos pacientes graves ao mesmo tempo. A morte ronda as UTI, muitas vezes esquecidas e sucateadas… com seus respiradores acabando. Estão todos correndo atrás do prejuízo causados por tanto tempo de descaso com os sistemas de saúde desabastecidos. E olha que tem muitos usando a criatividade e dando seus jeitos pra tentar melhorar ou sanar os graves problemas surgidos… Tentam todos cientistas, pesquisadores, técnicos num trabalho conjunto mundial, todos buscam sobreviver. Todos em busca de uma vacina que pode conter está pandemia. Mentes brilhantes juntam esforços.

Pedem para ficarmos em casa enquanto eles preparam os sistemas de saúde para que possa atender a todos os pacientes que irão precisar… correm contra o tempo.

Os médicos e o pessoal da saúde trabalhando incansavelmente nas linhas de frente arriscando suas vidas… nossos verdadeiros heróis agora.

Tudo está sendo adaptado. A maioria consciente da gravidade do momento faz o que é preciso. A vida está em primeiro lugar.

“Aproveite este momento como uma grande oportunidade de aprendizado para a sua vida. Recupere a leveza, a poesia e o encanto no que temos de mais simples e belo agora e no podemos ter agora… viver. Viva apenas isto”. ela me diria. E assim eu faço!

A economia mundial parou… empresas quebrando, desemprego em massa, meios de transportes restritos… os restaurantes só para entrega em delivery, escolas e todo o comércio fechados… só o que atende as necessidades estritamente básicas e essenciais de alimentação e saúde podem funcionar e com restrições de convívio social, com uso de máscaras e sem aglomerações.

Com a demora do dinheiro extra do governo a chegar no bolso dos realmente necessitados, a criatividade e a inovação tem acontecido e muita gente querendo ajudar.

Solidariedade tem surgido de muitas formas diferentes, todos lutam para sobreviver e ter o que comer… Ajudas vem de muitos lados e de formas diferentes.

“Tudo está diferente agora, temos que ter paciência e esperança… tudo vai passar, acredite… tenha fé, saiba esperar.”, me aconselharia. E assim eu faço!

A internet e às redes sociais são nossos aliados agora, bem vindos sejam… uma febre mundial que pode ser usados: para o “bem” melhorando os relacionamentos e com propostas de ótimas lives e demais projetos ao vivo… e para o “mau” com suas fake news e desatinos. Saber filtrar, ou seja, selecionar o que de fato nos importa é o deve ser visto e considerado, tem sido um grande desafio para todos nós.

Avós e netos foram separados, afinal tinham que proteger os idosos, que estão no grupo de risco… todos tinham que fazer a sua parte. Ao vivo não dá, mas a internet surgia como uma forma de interagir mais e se comunicarem pra contar como andam as coisas por aqui e ali.

Há muitos que acreditam na importância do isolamento social, do “fique em casa”, onde somos obrigados a mudar a rotina e tendo que conviver dia a dia com seus familiares. Atinge, aí, sua epifânia.

O que no começo não parecia tão difícil… era até divertido mas com o tempo tiveram que se (re) descobrirem… e o que parecia ser bom e diferente começou a desandar e a incomodar. Os relacionamentos quando se obrigam a ter uma maior convivência diária como agora, tem se mostrado uma verdadeira turbulência, sendo retratadas com intensidade todas as formas do relações humanas. Respeito ao outro e as diferenças se faz necessário, mas o difícil é ser aplicado.

Muitos tem se aproximado e se redescoberto como algo prazeiroso e em coisas que haviam sido esquecidas, são resgatadas… e despertando, para algo melhor ainda pra levar no futuro… enquanto outros se desalinham, se atacam, se matam e se destroem na certeza que não dão mais certo nesta convivência. E agora José?

“Esta se sentindo entediada com seu papel de esposa/marido e mãe/pai de família, filho pequeno ou adolescente dentro de casa?… Chegou a relaxar em suas tarefas diárias, sentir que não queria mais fazer isto assim ou assado… Hora da verdade, de repensar o que é importante pra você na vida… o que te faz feliz?Hora de parar e reprogramar.”. me perguntaria. E assim eu faço!

Há outros os que não acreditam nisto e desafiam a sua vida e dos demais… como que numa cegues e surdez destemida, fazendo diferente do que é preciso ser feito.

“Será que precisava de algo assim, pra fazer você despertar pra vida? Muitas coisas passam por nós despercebidas e adormecidas, quando vem algo, como uma bofetada e nos desperta enfim, ela chegou. O que realmente é importante pra você ser feliz na vida?”. me perguntaria você. Eu sei!

E eu te diria, não quero morrer agora, quero aproveitar bem o tempo que ainda tenho para viver e ser feliz. Tenho sonhos e muitos planos, estão sendo apenas adiados… e em breve retornarei firme e forte, cheia de saúde e amor pra dar e receber.

Me aguardem, tudo passa! Paciência e otimismo foram sempre a minha bandeira, e não será diferente agora.

Estou em casa á mais de um mês, aproveitando as pequenas coisas que a vida me dá e feliz por estar com saúde e de bem com a vida.

Sinto-me muito bem.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/04/15/sou-o-que-quero-ser/. https://oterceiroato.com/2020/03/25/saudades-dos-velhos-tempos/

EU QUERO MENOS…

Agora EU QUERO MENOS.

Menos ausências, menos complicações, menos vírus circulando, menos sofrimento, menos desemprego, menos ansiedade, menos mortes…

Mais remédios curativos, mas vacina, mais solidariedade… mais descompressão.

Menos dito pelo não dito. Quero menos. Muito menos! Mais ação!

Menos diz que diz, menos fakenews, menos malevolência, menos displicência, menos desamor, menos rompimentos…

Mais seriedade, mais respeito, mais comprometimento, mais políticas públicas parceiras e acertadas, mais compreensão, mais humanidade!

Quero muito menos! Menos de mim… e mais de nós.

Quero muito menos conversada fiada e mais entrega.

De gente que faz falsas promessas e mentiras o mundo está cheio. Tá na hora de ser mais verdadeiro consigo mesmo e com o mundo.

Quero menos. Mais ação!

EU QUERO MENOS!

SOU FEITA DE CICATRIZES E GRATIDÃO…

Sou feita de histórias que não deram certo, de frases sem ponto final, de reticências… Sou feita de uma porção de livros lidos pela metade… outros relidos várias vezes. Sou feita de humanidade. Carne, ossos e humanidade!

Todas as minhas histórias… algumas pela metade, (ou quase todas), me deixaram completamente inteira. Inteira de mim… de tudo que não desejo, de tudo que não tolero mais. Sei exatamente quando e o que.

Sou feita de sim, muitos deles. Mas, graças ao tempo, sou feita de não, mais ainda deles. Não ao que me fere, ao que me faz mal, ao que não me alimenta… ao que não tolero mais. Sou feita de construções e reconstruções. Sou feita de corpo, alma e histórias!

Sou feita de santos, budas e Iemanjás. Também sou feita de muita complexidade. Sou sonhos, sou desilusão. Ouso sonhar e acreditar. Não sou feita de basílicas, capelas, igrejas, sés ou conventos, mas sou todinha retalhada na fé.

Fé é o que me movimenta, é o que me levanta todos os dias, é o que seca minha alma depois do temporal. Fé é meu prato preferido. Fé é a roupa que mais me cai bem. Fé me acompanha sempre! Muita fé!

Sou feita de anseios, de preocupação. Sou feita de luz e escuridão. Sou feita de beijos, pele, conexão. Sou feita de amor, abraços e música clássica. Tudo pulsa dentro de mim. Sou feita de amor… muitas cores e sons!

Sou feita de detalhes que não me recordo bem (e de uma péssima memória). Sou feita de imensa facilidade em desculpar (outras nem tanto rsrsrs) mas de uma capacidade ainda maior em tentar esquecer ou compreender quem me machucou. Sou feita de esperança que em impulsiona pra frente!

Sou feita do amor dos meus pais, dos meus irmãos, da minha avó, do meu marido, dos meus filhos, enteados, dos meus netos e dos meus amigos. Sou feita do que já conquistei, mas, mais ainda de tudo o que perdi na vida.

Foi o que perdi que me manteve alerta. Foi o que aprendi na dor que me fez forte, firme e foi o que entendi do amor que me fez humana. Compreender, observar, amar, falar e ouvir fez parte de mim. Positivismo na vida, me impulsionou. Superei… resisti… construí e reconstruí novas histórias… Resiliente fui, sempre. Vivi e vivo em paz… de bem com o mundo é a vida!

Sou feita de cicatriz e gratidão!

Assim como Ju Farias também… sou feita assim…

EMPREENDER DEPOIS DOS 50: uma questão de atitude…

Pensando na longevidade fase que me encontro agora, tenho descoberto muitas coisas novas e muito interessante. Este texto foi escrito por Mara Sampaio e nos traz uma ótima reflexão muito bacana sobre o que está acontecendo na longevidade atualmente, no quesito trabalho. Leiam: Um fenômeno que já havia se manifestado nos países desenvolvidos parece ter chegado para ficar no Brasil. Os Baby Boomers, pessoas que nasceram nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial, um dos momentos de maior taxa de natalidade da história, cresceram, amadureceram e hoje têm entre 56 anos e 74 anos. Esse grupo expressivo, dinâmico e guarda uma diferença importante em relação a seus pais e seus avós.

Ao contrário das gerações anteriores, que pareciam ter o objetivo de aumentar a população da Terra, eles não tiveram muitos filhos. Houve nas últimas décadas uma redução expressiva na taxa de natalidade e essa tendência, combinada com o aumento da expectativa de vida, teve como consequência uma elevação consistente na média etária da população. Para um país que sempre foi visto como jovem, chega a ser surpreendente constatar que, daqui há dez anos, mais da metade da população economicamente ativa do Brasil será composta por pessoas entre 50 e 59 anos. Caminhamos rápido para ser um país maduro.

Esse fenômeno demográfico é acompanhado por uma outra mudança, às transformações no mundo do trabalho. As portas das empresas parecem ter se fechado para as pessoas que chegaram aos 50 anos. A evolução tecnológica, o uso cada vez mais intensivo da Inteligência Artificial para a execução de tarefas e a difícil convivência com a nova geração acabaram contribuindo para que os ambientes corporativos acabassem se tornando inóspitos para a geração Baby Boomer.

TENDÊNCIA DO MOMENTO — Essa realidade tem colocado a sociedade em geral e os Baby Boormers em particular, diante de uma circunstância que não valia para as gerações anteriores. No passado recente, as pessoas que ultrapassavam a barreira dos 50 anos começavam a se preparar para a aposentadoria — um momento de inatividade que lhes daria tempo para as atividades de lazer que não tiveram tempo de realizar enquanto investiam nas carreiras. Hoje não é assim.

Além de mais joviais e com mais tempo de vida pela frente do que seus antepassados, as pessoas que alcançam a maturidade neste momento são ativas. Por necessidade de sobrevivência, por temperamento ou por estilo de vida, elas preferem se manter em ação. E como já não se adaptam mais ao mercado tradicional de trabalho, a escolha é empreender.

O número de pessoas maduras que seguem esse caminho é cada vez maior. Uma pesquisa recente realizada pelo Sebrae aponta que 23% das pessoas que se aposentam, continuam trabalhando. Outros 12% tornaram-se empresários e outros 8% têm intenção de ter seu próprio negócio. Além desses dados, há outros que comprovam o aumento do interesse dos sêniores por atividades empreendedoras. Quem frequenta os eventos voltados para as áreas de empreendedorismo, inovação e startups percebeu nos últimos meses um aumento expressivo de pessoas maduras interessadas em se lançar a uma atividade empreendedora. O empreendedorismo sênior é a tendência do momento.

QUESTÃO DE ATITUDE — Um detalhe que muitos não levam em conta é que a opção empreendedora não é, por si só, uma garantia de sucesso. pessoas com mais de 50 anos que hoje faz a escolha empreendedora foi preparada para trabalhar em grandes empresas e sempre teve como uma medida de sucesso profissional uma carreira especialidade com a permanência longa numa mesma empresa.

A transição da carreira corporativa para a vida empreendedora nem sempre é suave e não depende apenas da bagagem profissional acumulada ao longo da vida. Ela é importante, sem dúvida, mas está longe de ser o principal requisito para o empreendedor sênior. Para ter sucesso nessa nova jornada, mais do que as habilidades técnicas, a pessoa precisa desenvolver uma atitude empreendedora – habilidades comportamentais.

Iniciar uma carreira empreendedora, muitas vezes requer a descoberta das motivações pessoais para o trabalho — e essas motivações, ainda que incluam a necessidade de sobrevivência, estão relacionadas com a busca da transformação pessoal e plenitude. Se para esta geração, a atividade profissional era relacionada ao esforço e à dedicação, hoje está ligada a valores pessoais e propósito de vida. A chance de sucesso ao empreender será maior se a escolha levar em conta a qualidade de vida e a realização de antigas paixões, e para um número cada vez mais de pessoas, que contribua para melhorar o planeta para as futuras gerações.

 AS QUATRO HABILIDADES — a atividade empreendedora a partir dos 50 anos exige, além da bagagem profissional e da sabedoria adquirida com a maturidade, o desenvolvimento de pelo menos quatro habilidades que nem sempre estiveram presentes no repertório dessa geração. São elas:

A autoconfiança, ou seja, a capacidade de ousar e de assumir riscos para criar um negócio inovador.

A autonomia, que se refere à capacidade de tomar decisões em situações de incertezas para se adaptar ao mercado atual que vive em constante mudança.

A auto atribuição, que é a capacidade de se responsabilizar pelo processo e pelo resultado para que seja o empreendimento se torne sustentável.

A alteridade, que é a capacidade de entender os problemas do mundo pela perspectiva do cliente e agir para servi-lo com empatia.

Essas habilidades são fundamentais, mas ainda não são suficientes para assegurar o sucesso na vida empreendedora. Há uma série de fatores de mercado que interferem no resultado final e devem ser levados em conta. Sem elas, no entanto, o fracasso se torna uma possibilidade bem palpável — e esse não é o objetivo de ninguém com mais de 50 anos ao abraçar uma atividade empreendedora.

https://www.linkedin.com/pulse/empreender-depois-dos-50-uma-questão-de-atitude-mara-sampaio

A VIDA NÃO PODE SER SÓ PAGAR CONTA… É MUITO MAIS QUE ISSO…

Tem coisas que o padre Fábio de Mello diz que eu adoro, traz grandes reflexões… neste tempo de pandemia então, nem se fale… Nós estamos cada vez mais refletindo sobre a vida… O que realmente nos importa, como fazer pra resolver nossos problemas que estão surgindo agora e muitos deles vão aumentar ainda. Paciência, procurar manter a saúde física e emocional além do “fique em casa” são a palavra da vez. Não podemos mudar nada agora. Temos que ser criativos e inovadores em procurar encontrar soluções dentro das nossas possibilidades… sempre tem algo que podemos fazer… pense. Temos que procurar manter a calma. Saber esperar, que tudo passa. O que é mais importante pra nós agora? Já parou pra pensar nisso? Gratidão pela vida e pela saúde minha e dos meus, está pra mim agora em primeiro lugar. Eu sou grata! Sim, eu estou cuidando pra me manter saudável e me protegendo pra não pegar o tal do coronavírus já que me encontro no grupo de risco. E você como está se saindo? Concordo plenamente com Padre Fábio, e você o que acha? Leia:

Aprenda a nunca mais ser idiota…

A vida não pode ser só trabalhar e pagar conta. Seu casamento não pode ser somente cobranças e sexo. Seu relacionamento com seus filhos não pode ser só perguntar como foi a escola. Sua preocupação não pode ser somente suas finanças, sua academia e seu próximo apartamento.

Os dias estão passando muito rápido, os celulares estão consumindo nossos preciosos minutos de conversas, de carinho e de risadas.

Esse ano (2019) já vimos um jornalista dizer: chego em 10 minutos para almoçar e não chegou. Esse ano vimos um modelo tão entusiasmado para desfilar que o coração não aguentou. Alguém que foi descansar no mar… e não volta mais pra casa outro que foi só ajustar o ar condicionado da casa nova caiu e se foi.

Organize sua vida colocando prioridades que realmente importam no seu dia a dia.

Peça perdão, libere perdão, seja leve de espírito… beije na boca a quem você ama, abrace, conforte, chore junto, sorria mais ainda…

Não gaste energia com quem não quer o seu bem, politicos mentirosos, parentes e amigos falsos.. não perca tempo abrindo a sua boca para falar o que não edifica, a vida é muito curta para viver aborrecido.

Brinque com seus filhos, durma com eles, se lambuze ao cozinhar algo e divirta-se…

E busque ganhar dinheiro o suficiente somente para você ter segurança e um pouco de conforto, todo o resto é vaidade, é idiotice… um Dia a hora chega e quem viver, viveu.

O mundo precisa de amor, nos seus 4 cantos, é preciso darmos as mãos e fazermos essa corrente do bem…

Precisamos urgentemente liberar energias positivas e pensamentos amorosos”. Em casa agora todos estão tendo a oportunidade de conviver mais com os seus, se conhecendo e reconhecendo melhor: marido e esposas, pais e filhos… filhos e pais…

Temos que fazer deste tempo algo inesquecível no bom sentido, depende só das nossas escolhas. Bora pensar sobre isso.

DEIXEM-ME ENVELHECER.

Quero envelhecer exatamente assim como M.Concita Weber descreve… Feliz da vida! Quer ver só? Leia:

Deixem-me envelhecer sem compromissos e cobranças,

Sem a obrigação de parecer jovem e ser bonita para alguém,

Quero ao meu lado quem me entenda e me ame como eu sou,

Um amor para dividirmos tropeços desta nossa última jornada,

Quero envelhecer com dignidade, com sabedoria e esperança,

Amar minha vida, agradecer pelos dias que ainda me restam,

Eu não quero perder meu tempo precioso com aventuras,

Paixões perniciosas que nada acrescentam e nada valem.

Deixem-me envelhecer com sanidade e discernimento,

Com a certeza que cumpri meus deveres e minha missão,

Quero aproveitar essa paz merecida para descansar e refletir,

Ter amigos para compartilharmos experiências, conhecimentos,

Quero envelhecer sem temer as rugas e meus cabelos brancos,

Sem frustrações, terminar a etapa final desta minha existência,

Não quero me deixar levar por aparências e vaidades bobas,

Nem me envolver com relações que vão me fazer infeliz.

Deixem-me envelhecer, aceitar a velhice com suas mazelas,

Ter a certeza que minha luta não foi em vão: teve um sentido,

Quero envelhecer sem temer a morte e ter medo da despedida,

Acreditar que a velhice é o retorno de uma viagem, não é o fim,

Não quero ser um exemplo, quero dar um sentido ao meu viver,

Ter serenidade, um sono tranquilo e andar de cabeça erguida,

Fazer somente o que eu gosto, com a sensação de liberdade,

Quero saber envelhecer, ser uma velha consciente e feliz!!!

ÁLBUM MEMÓRIAS DE UMA AVÓ… VOVÓ BIA!

23o da minha #quarentena💪🏠🙋🏼‍♀️16o dia de #quarentenasaopaulo

Faz parte da quarentena, com o nosso isolamento social sofrermos altos e baixos. Somos humanos, vulneráveis e, por enquanto, o virus nos é superior.

“Não podemos agir como se estivesse tudo bem”, disse a Monja Coen e eu concordo…

Depois do meu café da manhã caprichado e com tranquilidade começa a minha rotina variada e bem distribuída pela semana.Tem tempo para os afazeres do dia a dia da casa… e sempre tem algo que tenho prazer em realizar… cada dia escolho uma coisa diferente… e me envolvo tanto que nem vejo o tempo passar… ele voa. Eu, viajo no tempo e no espaço e me envolvo em algo bem legal.

Hoje continuo a fazer o meu “Álbum Memórias de uma Avó”… da vovó Bia , claro. Me realizo fazendo este álbum. Faço com muito amor e carinho.

Já escrevi sobre a início da minha vida, desde o “antes”; um pouco da minha família paterna e materna; como foi quando eu nasci e depois… como fui durante a minha infância e a minha adolescência; e uma parte da vida adulta… quais foram os fatos marcantes pro mundo e pra mim; as grandes escolhas que fiz; as mudanças e formação da minha família… as coisas que surgiram e foram acrescentadas na minha vida… as dificuldades, superações, reconstruções e grandes transformações… que me fazem feliz e realizadas como pessoa, mãe, filha, esposa, irmã e mulher…

Eu faço pesquisas da época, ligo meu click de memórias e lembranças junto tudo, revejo com tanto detalhe e depois começo a escrever… verdadeiramente viajo no tempo. Sempre que me sento pra escrever aqui… faço uma total imersão de corpo e alma… me doou por completo aqui.

E maravilhoso nesta época da minha vida eu fazer estar fazendo uma retrospectiva da minha vida. Uma benção. Sou muita agradecida.

Muita coisa aconteceu em todo este tempo da minha vida… e percebo claramente que sou fruto das minhas escolhas na vida. E o que é melhor… eu faria exatamente as mesmas escolhas… trilharia os mesmos caminhos.

Acertos e erros aconteceram, mas o mais importante é que o meu olhar resiliente, otimista e de querer aprender com eles… Passado o choque no tempo das perdas que eu tive, eu sempre reagi… me reergui, superei e com esperança em dias melhores e bom humor, continuei meu caminho rumo a ter mais qualidade de vida e em ser mais feliz. Está sempre foi a minha meta. Aproveitar o lado bom das coisas.

Sempre me preocupei em ser uma pessoa forte e em querer ensinar aos meus filhos que tudo passa e que fica melhor. Tenha paciência é o meu lema, temos tempo para tudo! Tudo vai se encaixar na hora certa. A maneira como olhamos e enfrentamos os problemas é decisivo para encontrar uma saída, construir pontes ou virar a página. A escolha é nossa… trato de fazer a minha parte… quero dar força pra todos e que saibam que aconteça o que acontecer… sempre há uma saída, uma solução… Dando certo ou não, podemos recomeçar e reconstruir nossos caminhos. É o que eu faço até hoje.

Pensei em fazer este álbum quando a medida que eu fui envelhecendo eu tive necessidade de conversar profundamente com minha mãe, mas me era impossível por causa da sua grave doença. Eu tinha tanta vontade de conversar com ela sobre tantas coisas, e na sua falta muitas vezes converso com as pessoas mais velhas, com mais experiência sobre as suas impressões sobre alguns fatos ou problemas que eu passo ou quero saber mais. Minhas reflexões com a vida! Fico entusiasmado com suas de encarar a vida… sua sabedoria que a idade e a experiência traz.

Eu quis então deixar um registro sobre as minhas impressões para que meus filhos e netos pudessem saber como me senti sobre tantas mudanças que vi no mundo e tive na minha vida pessoal, minhas conquistas e meus desafios, meus sonhos e propósitos de vida.

Um dia não estarei entre eles, mas vou deixar pra eles o que eu penso sobre a vida, como vivi e fui feliz, como brindei e que sonhei muito, como amei e me orgulhei de cada um deles… assim como superei meus maiores desafios… Tem que saber o quanto eles foram amados e importantes na minha vida. Sem eles talvez não tivesse o mesmo incentivo e motivação. Quero que se orgulhem de mim e que eu tenha marcado a vida deles de forma positiva e incentivadora… Isto me bastará. Sempre vou estar presente nos seus coração e nas suas lembranças.

#quarentena #fiqueemcasacovid19 #fiqueemcasa #pandemia

#pandemiacoronavirus

SOMOS MULHERES… EMPODERADAS!!!

Eu sou assim… uma #mulher #empoderada!
Pulsante, #amorosa, #companheira, #paciente, positivista, #bem humorada, generosa, #feliz, aprendiz, #corajosa, #curiosa, #resiliente, rebelde… ufa!!! E muito mais rsrsrs
Gosto de quebrar padrões e #paradigmas… gosto de inventar e me #reinventar…. gosto #sonhar e #ousar realizar, e vou longe… se não der certo, reconstruo de outra maneira… gosto de compartilhar meus aprendizados e aprender… gosto de papear com amigos e conhecer pessoas novas de todas as idades, estou sempre aberta pra isto…. gosto de #transformar o mundo ao meu redor… com dose de humor e amor… e deixá-lo um #mundo 🌎 muito melhor.
Eu 🙋🏼‍♀️vivo de bem com a #vida💓🌸 🌹🌻💄💫🥰

Somos 🤩🤩🤩assim… mulheres empoderadas 🙋🏼‍♀️ eu e minhas irmãs 😍 Isa e 😍 Zai 💓💓💓
Feliz Dia das Mulheres 🌸🌺🌹💋

DE INVISÍVEIS Á PROTAGONISTAS: OS ACIMA DE 50 ANOS!

“Jovens” com mais de 50 anos: de invisíveis a protagonistas…

A sociedade envelhece rapidamente — isso quer dizer que cada companhia vai ter uma parcela maior de profissionais e de clientes maduros. Sua empresa já percebeu isso?

MADUROS TAMBÉM:

O que é, o que é: está em toda parte, mas ainda é invisível; possui enorme poder de consumo, mas é ignorado pela publicidade; tem conhecimento, inteligência emocional, comprometimento e experiência, mas não é  valorizado no mercado de trabalho? Estou me referindo aos “jovens” com 50 anos ou mais — jovens porque muitos ainda vão viver até os 100 anos.

Apesar do recente estudo “Oldiversity” do Grupo Croma comprovar que as empresas genuinamente envolvidas com o tema longevidade obtêm relevante impacto positivo na preferência do cliente, as marcas ainda engatinham: a tese de Doutorado da professora de publicidade Christiane Machado, da Universidade Positivo, concluiu que os idosos aparecem em menos de 3% das propagandas e, em muitos desses casos, de maneira estereotipada. Outro trabalho, realizado pelo blog Beleza na Melhor Idade, que consultou mulheres com 60 anos ou mais, constatou que 60% delas não se sentem representadas pela mídia.

São exemplos que ilustram o enorme vácuo da Economia da Longevidade (expressão difundida pela ONG multinacional AARP, que luta pelo envelhecimento com qualidade de vida). Há carência de uma comunicação inclusiva que contemple desde um posicionamento institucional pertinente até a indispensável empatia para cativar esses consumidores. E, igualmente, faltam estratégias específicas que englobem uma atrativa jornada de compras e o oferecimento de produtos e serviços voltados às crescentes e peculiares demandas desse grupo.

Aqueles que já detectaram oportunidades vêm colecionando êxitos e multiplicando usuários, como as startups ISGame, Euvô e Gero360. Começam a surgir novidades, como marketplaces exclusivos, roteiros de viagens inclusivas, serviços de biografias que eternizam o legado e espaços arquitetônicos idealizados especificamente para este segmento. Mas a maioria dos empreendedores e grandes empresas ainda age como se ignorasse o potencial estimado da “Revolução prateada”.

Há iniciativas a respeito em grandes empresas de tecnologia da informação, como Alphabet, Amazon, Apple, Facebook e Microsoft; e também entre as startups apelidadas de “agetechs” (atuantes na interseção da longevidade com a tecnologia). De acordo com o investidor Dominic Endicott, da Nauta Capital, um dos principais especialistas na área, esse grupo trabalha em quatro frentes: 1) os serviços adquiridos diretamente pelo público maduro; 2) os pagos por terceiros, mas dirigidos aos mais velhos; 3) os negociados de forma intergeracional; e 4) os que buscam a extensão da vida com qualidade.

Os defensores do “Aging in Place”, por exemplo, acreditam que a expectativa de vida é maior quando o idoso continua em sua própria residência, em um ambiente familiar e com autonomia, em vez de ficar com os filhos ou numa instituição. Empresas em diferentes países estudam como digitalizar residências por meio de sensores, I.A. e uso de drones, para avaliar o risco de quedas acidentais de idosos, prevenir esses acidentes e, caso aconteçam, oferecer socorro rapidamente.

Ainda na linha da prevenção, a britânica Medicalchain começa a usar o blockchain num serviço para que o usuário tenha seu prontuário de saúde sempre atualizado. Já a PillPack envia para o usuário os remédios que precisa tomar, devidamente separados em saquinhos com o dia e a hora em que devem ser ingeridos, tudo de forma segura, on-line e automatizada.

O supermercado alemão Kaiser’s inaugurou o “Generation Market”, em Berlim, uma loja personalizada para atender às necessidades da população 60+. Nela, os corredores são mais amplos, existem botões de ajuda instalados nas gôndolas, trilhos antiderrapantes no chão, óculos que ampliam o preço dos produtos e até carrinhos com espaço para descanso.

A Pantene optou pelo caminho do empoderamento e criou a campanha #PowerofGrey, que incentiva homens e mulheres a celebrarem seus cabelos grisalhos naturais, rechaçando crenças e preconceitos. Um estudo encomendado pela empresa revelou que 80% dos britânicos têm cabelos grisalhos, mas dois em cada cinco deles pintam porque se sentem menos confiantes. As percepções diferem entre os sexos, com 35% dos entrevistados concordando que “a sociedade aceita mais homens grisalhos do que mulheres”.

Fonte: Mauro Wainstock (mauro@hub40mais.com.br) é CEO do HUB 40+, comunidade que oferece aos “jovens acima de 40 anos” capacitação para a empregabilidade e o empreendedorismo. Pra saber mais:

https://epocanegocios.globo.com/amp/Mercado/noticia/2019/09/jovens-com-mais-de-50-anos-de-invisiveis-protagonistas.html