O QUE A MEMÓRIA AMA, FICA ETERNO.

Quando penso nas memórias de minha vida… no que já aprendi, vivi e revivi… sei bem que fica tudo eternamente guardado dentro de nós, mas basta um gatilho pra fazer disparar todas as lembranças daquilo que nos marcou com significado dentro de nós. Adélia Prado descreve tudo isso neste artigo: leia…

Quando eu era pequena, não entendia o choro solto da minha mãe ao assistir a um filme, ouvir uma música ou ler um livro. O que eu não sabia é que minha mãe não chorava pelas coisas visíveis. Ela chorava pela eternidade que vivia dentro dela e que eu, na minha meninice, era incapaz de compreender.

O tempo passou e hoje me emociono diante das mesmas coisas, tocada por pequenos milagres do cotidiano.

É que a memória é contrária ao tempo. Enquanto o tempo leva a vida embora como vento, a memória traz de volta o que realmente importa, eternizando momentos. Crianças têm o tempo a seu favor e a memória ainda é muito recente. Para elas, um filme é só um filme; uma melodia, só uma melodia. Ignoram o quanto a infância é impregnada de eternidade.

Diante do tempo, envelhecemos, nossos filhos crescem, muita gente parte. Porém, para a memória, ainda somos jovens, atletas, amantes insaciáveis. Nossos filhos são crianças, nossos amigos estão perto, nossos pais ainda vivem.

Quanto mais vivemos, mais eternidades criamos dentro da gente. Quando nos damos conta, nossos baús secretos – porque a memória é dada a segredos – estão recheados daquilo que amamos, do que deixou saudade, do que doeu além da conta, do que permaneceu além do tempo.

A capacidade de se emocionar vem daí, quando nossos compartimentos são escancarados de alguma maneira. Um dia você liga o rádio do carro e toca uma música qualquer, ninguém nota, mas aquela música já fez parte de você – foi o fundo musical de um amor, ou a trilha sonora de uma fossa – e mesmo que tenham se passado anos, sua memória afetiva não obedece a calendários, não caminha com as estações; alguma parte de você volta no tempo e lembra aquela pessoa, aquele momento, aquela época…

Amigos verdadeiros têm a capacidade de se eternizar dentro da gente. É comum ver amigos da juventude se reencontrando depois de anos – já adultos ou até idosos – e voltando a se comportar como adolescentes bobos e imaturos. Encontros de turma são especiais por isso, resgatam as pessoas que fomos, garotos cheios de alegria, engraçadinhos, capazes de atitudes infantis e debilóides, como éramos há 20 ou 30 anos. Descobrimos que o tempo não passa para a memória. Ela eterniza amigos, brincadeiras, apelidos… mesmo que por fora restem cabelos brancos, artroses e rugas.

A memória não permite que sejamos adultos perto de nossos pais. Nem eles percebem que crescemos. Seremos sempre “as crianças”, não importa se já temos 30, 40 ou 50 anos. Pra eles, a lembrança da casa cheia, das brigas entre irmãos, das estórias contadas ao cair da noite… ainda são muito recentes, pois a memória amou, e aquilo se eternizou.

Por isso é tão difícil despedir-se de um amor ou alguém especial que por algum motivo deixou de fazer parte de nossas vidas. Dizem que o tempo cura tudo, mas não é simples assim. Ele acalma os sentidos, apara as arestas, coloca um band-aid na dor. Mas aquilo que amamos tem vocação para emergir das profundezas, romper os cadeados e assombrar de vez em quando. Somos a soma de nossos afetos, e aquilo que amamos pode ser facilmente reativado por novos gatilhos: somos traídos pelo enredo de um filme, uma música antiga, um lugar especial.

Do mesmo modo, somos memórias vivas na vida de nossos filhos, cônjuges, ex-amores, amigos, irmãos. E mesmo que o tempo nos leve daqui, seremos eternamente lembrados por aqueles que um dia nos amaram.

35 IDÉIAS DE COISAS LEGAIS PARA VOCÊ FAZER SOZINHO.

meditar

É sempre bom ter a companhia dos amigos, da família, do namorado(a) e de outras pessoas que gostamos. Bons relacionamentos fazem bem e são fundamentais para a felicidade, mas tão importante quanto isso é ter um relacionamento bom com você mesmo, para que ficar só não seja uma tarefa árdua e chata – afinal, nem sempre temos alguém por perto.

Saber curtir momentos a sós é um excelente indício de que você se relaciona bem consigo mesmo. É claro que isso também tem muito a ver com seus hábitos, costumes e a sua personalidade. Pessoas introvertidas costumam gostar de ficar sozinhas, já as mais extrovertidas geralmente preferem estar acompanhadas. Mas é importante aprender a gostar de estar apenas na própria companhia e de mais ninguém, porque de vez em quando isto certamente irá acontecer.

Quando não tem ninguém para te fazer companhia você se afunda no tédio e fica desanimado? Ou gosta de, de vez em quando, curtir a sua própria companhia? Se faz parte do primeiro grupo, tente entender por que se sente assim. Será que não falta um pouquinho de esforço e vontade para tornar os momentos sozinho mais divertidos e agradáveis?

Independentemente de como se sente, aqui estão algumas ideias de coisas superlegais para fazer quando você estiver sozinho e quiser se divertir. Várias opções para você nunca mais desperdiçar seu tempo reclamando e perdendo a chance de aproveitar ótimos momentos:

1) Colocar fones de ouvido e cantar bem alto junto com a música

2) Ir ao cinema – Sim! É ótimo ir ao cinema sozinho ver aquele filme que você tanto queria

3) Escrever cartas (ou e-mails) – Para amigos, para você mesmo, para alguém que você admira ou quer elogiar…

4) Sair para fotografar – Vá a um lugar que goste e explore a beleza e os detalhes testando ângulos e focos diferentes

SOZINHA

5) “Spa day” – Uma das coisas que mais gosto de fazer em casa quando estou sozinha: fazer as unhas, hidratar o cabelo, fazer esfoliação, tratar a pele do rosto, passar hidratante…

6) “Zen day” – Tirar algumas horinhas para meditar, acender velas perfumadas ou incensos, ouvir músicas relaxantes, fazer yoga, massagear os pés…

7) Ler debaixo do cobertor

8) Explorar sua cidade, conhecer os pontos turísticos – Visite aquele lugar na sua cidade que ninguém quer ir com você

9) Marcar uma sessão de massagem ou ir ao salão de beleza

10) Fotografar você mesmo e usar a criatividade para fazer fotos legais

11) Testar uma receita nova – Arrisque-se na cozinha!

12) Colorir (ou desenhar, se você gostar)

13) Maratona de filmes – Ver todos os Harry Potter, filmes da Disney, musicais, dvds de shows da sua banda favorita, filmes de terror…

14) Começar uma nova série e assistir uma temporada inteira de uma vez debaixo do cobertor comendo pipoca

15) Entrar em contato com a natureza – Caminhar no parque, ouvir os pássaros cantando, plantar, deitar na grama…

SOZINHA.1 jpg

16) Organizar suas coisas e deixar o ambiente mais bonito e aconchegante

17) Mudar a decoração do seu quarto

18) Caminhar e refletir sobre a vida

19) Descobrir canais legais no Youtube para assistir (eu adoro assistir canais de youtubers gringas, aproveito para treinar o inglês!)

20) Automassagem – Nos pés é muuuuuito relaxante!

21) Escrever um diário

22) Tentar fazer algo que você tem vontade, mas ainda não conseguiu – gravar um vídeo pro Youtube, fazer delineado nos olhos, escrever uma letra de música, meditar…

23) Passar horas explorando uma livraria (ou uma loja de decoração, de artigos musicais, de esportes… o que você gostar mais)

24) Fazer exercícios de autoconhecimento – Tire um tempinho para olhar para si mesmo e tentar se conhecer melhor

25) Descobrir um assunto que te interessa (e que você sabe pouco sobre) e pesquisar para saber mais – Na internet, livros, vídeos, cursos…

26) Comprar suas revistas favoritas e passar horas lendo

ler-revistas

27) Montar um mural de inspirações

28) Começar a colocar aquele projeto que não sai da sua mente em prática

29) Fazer algum DIY (faça você mesmo) – Dá pra customizar roupas, criar objetos de decoração, fazer acessórios… não faltam vídeos e blogs ensinando coisas muito legais de fazer!

30) Escrever, desenhar, rabiscar – Use papel e caneta para colocar seus sentimentos para fora

31) Fazer um curso online de algo que tem vontade de aprender – Yoga, maquiagem, velas, idiomas, programação, design, fotoshop, jardinagem… opções não faltam!

32) Comprar um quebra-cabeças gigantesco e desafiar-se a terminá-lo sozinho

33) Fazer um bolo e comer ainda quentinho com uma xícara de café ou chocolate quente

34) Experimentar um novo hobby – De preferência um que você nunca tentou ou pensou em tentar, saia da zona de conforto!

35) Dançar sozinho no seu quarto – Vale colocar um dvd ou vídeo no Youtube para aprender uma coreografia

Tem alguma outra coisa que você gosta de fazer quando está sozinho? Conte nos comentários!

Fonte: http://desassossegada.com.br/2015/05/11/35-ideias-de-coisas-legais-para-fazer-sozinho/

 

PAZ NO ESPÍRITO, NA MENTE, NA ALMA E NO CORAÇÃO, É O QUE DEIXA NOSSA VIDA BONITA!

Amor 2

“A vida nem sempre tem as cores e sabores que desejamos…” Wandy Luz

Wandy Luz faz uma bela reflexão sobre as grandes aprendizagens da vida. Leiam:

Depois de tantos altos e baixos, finalmente entendi que a vida nem sempre tem as cores e sabores que desejamos, e as coisas não acontecem como e quando queremos, mas se tivermos paz, a vida com certeza fica linda demais!

Paz no espírito, na mente, na alma e no coração, é o que deixa nossa vida bonita.

Entender isso, é libertador, porque deixamos de nos preocupar e incomodar com coisas insignificantes. Afinal, tudo o que custa nossa paz, torna-se caro demais, e não devemos nunca tentar pagar esse preço!

Demora, mas a gente entende, que não vale a pena brigar, discordar, reclamar e ir contra tudo e todos. A revolta não resolve nada, mas intoxica o sopro de vida que preenche nosso corpo.

Demora, mas a gente aprende a não se importar tanto com o que pensam e esperam de nós. Pela paz a gente passa a ignorar as inverdades que dizem a nosso respeito, porque sabemos que a boca só fala o que transborda no coração. Então, para que discutir com quem vive carregando o peso de um coração cheio de ódio, rancor, inveja e frustração?

Demora, mas a ficha cai, de que quando se vive em paz, consciente e munido de fé, o tempo é amigo e não inimigo. Ele não passa nem rápido ou devagar demais, ele simplesmente passa e deixa no caminho um rastro de destino que segue seu curso.

Encha-se de Deus, embeleze-se de amor, alimente-se de gratidão, porque ela nutre, fortalece e nos leva de mãos dadas á prosperidade!

Quando estamos em paz, até a solidão se torna companheira, e de uma forma verdadeira a gente olha para si próprio, com honestidade. Gostamos do que vemos, aceitamos tudo o que somos, mesmo longe da perfeição, abraçamos as incertezas, e temos coragem para enfrentar o desconhecido.

Demora, mas a gente finalmente percebe que um dia bonito nem sempre é um dia de sol. Mas com certeza é um dia de paz.

Amor

 

EU, MODO DE USAR:

meditacao-696x347

“Não gosto da vida em banho-maria, gosto de fogo, pimenta, alho, ervas. Por um triz não sou uma bruxa”. Martha Medeiros

Uma das coisas que mais gosto nos textos de Martha Medeiros é o despojamento, a inquietude e a espontaneidade. O que precisa ser dito, é dito sempre, sem meias palavras. Nada é calado. Temos muito em comum… Leiam:
Pode invadir ou chegar com delicadeza, mas não tão devagar que me faça dormir. Não grite comigo, tenho o péssimo hábito de revidar. Acordo pela manhã com ótimo humor, mas… permita que eu escove os dentes primeiro. Toque muito em mim, principalmente nos cabelos e minta sobre minha nocauteante beleza.
Tenho vida própria, me faça sentir saudades, conte algumas coisas que me façam rir, mas não conte piadas e nem seja preconceituoso, não perca tempo, cultivando este tipo de herança de seus pais. Viaje antes de me conhecer, sofra antes de mim para reconhecer-me um porto, um albergue da juventude. Eu saio em conta, você não gastará muito comigo. Acredite nas verdades que digo e também nas mentiras, elas serão raras e sempre por uma boa causa. Respeite meu choro, me deixe sozinha, só volte quando eu chamar e, não me obedeça sempre que eu também gosto de ser contrariada. (Então fique comigo quando eu chorar, combinado?).
Seja mais forte que eu e menos altruísta! Não se vista tão bem… gosto de camisa para fora da calça, gosto de braços, gosto de pernas e muito de pescoço. Reverenciarei tudo em você que estiver a meu gosto: boca, cabelos, os pelos do peito e um joelho esfolado, você tem que se esfolar às vezes, mesmo na sua idade. Leia, escolha seus próprios livros, releia-os. Odeie a vida doméstica e os agitos noturnos. Seja um pouco caseiro e um pouco da vida, não de boate que isto é coisa de gente triste. Não seja escravo da televisão, nem xiita contra. Nem escravo meu, nem filho meu, nem meu pai. Escolha um papel para você que ainda não tenha sido preenchido e o invente muitas vezes.
Me enlouqueça uma vez por mês mas, me faça uma louca boa, uma louca que ache graça em tudo que rime com louca: loba, boba, rouca, boca… Goste de música e de sexo. Goste de um esporte não muito banal. Não invente de querer muitos filhos, me carregar pra a missa, apresentar sua família… isso a gente vê depois… se calhar… deixa eu dirigir o seu carro, que você adora. Quero ver você nervoso, inquieto, olhe para outras mulheres, tenha amigos e digam muitas bobagens juntos. Não me conte seus segredos… me faça massagem nas costas. Não fume, beba, chore, eleja algumas contravenções. Me rapte! Se nada disso funcionar… EXPERIMENTE ME AMAR!

O ASILO DOS MEUS SONHOS!

Déa Januzzi, nos presenteando com mais uma bela crônica, leia:

Um dia, ainda vou construir um asilo para velhos. Mas a primeira medida que vou tomar será achar um outro nome para asilo, que não lembre morredouro, como proclamou Simone Beauvoir, no livro Envelhecer, para definir um lugar onde os velhos são depositados para morrer. Não vou mudar só o nome, mas também a filosofia. Vou pintar as paredes do asilo com as cores do arco-íris, abusar dos amarelos, laranjas e vermelhos. Vou abolir os azulejos brancos, insípidos, frios como lápides. Colocar girassóis nas janelas. Vou plantar grama por toda a parte interna da casa, para que os velhos andem descalços e sintam a relva roçar os pés como cócegas.

No asilo que vou construir haverá quintal, jardins e árvores por todos os lados. As janelas estarão sempre abertas para o vento que vai entrar pelos cômodos, passear pelos cabelos dos idosos, levantar as saias e os chapéus, arejar os corações com o aroma das manhãs. Colocarei uma fonte luminosa em cada corredor. Nada de bingo e orações em excesso. Os idosos da minha comunidade vão pintar sóis ao despertar de cada dia, com os próprios pés, que serão mergulhados em baldes de tinta. O ritual será como um escalda-pés de cores. Vou ungir os velhos com a minha fé num mundo novo. No meu asilo, que definitivamente não terá esse nome, não permitirei capelas por todos os lados, como se os idosos já estivessem à beira da morte. Nada de missa demais, cânticos de qualquer igreja, com honrosa exceção para o canto gregoriano dos monges beneditinos, pois os idosos precisam de bancos ao ar livre e não de sepulcros.

Vou pintar o teto de azul e colocar estrelas fosforescentes, para que eles durmam com os olhos nas constelações. Não haverá escuridão nem gritos depois que as luzes se apagarem, mas o brilho das estrelas do teto, sob o ruído suave e persistente das fontes. Todos os idosos poderão ter um animal de estimação, um pássaro, uma tartaruga, um cão, um gato. Mesmo que de pelúcia. Todos poderão verter lágrimas. O choro será livre, em nome dos filhos que os abandonaram sem deixar endereço. Haverá o dia de chorar pelos filhos que enterraram os pais vivos nos asilos. Neste dia, todos os idosos poderão xingar, gritar, deixar toda a raiva sair para fora, como um mar de ondas revoltas.

Os almoços serão sempre festivos e a comida terá um sabor especial, com temperos suaves. Não dispensarei alho, cebola, manjericão, alecrim, sálvia, salsinha, cebolinha. Com gosto de viver, para que o paladar se torne cada vez mais apurado. Nada de pratos de alumínio ou de plásticos. Os idosos vão comer em pratos que escolherão. Haverá o dia da sobremesa que tem gosto de infância, como ambrosia, arroz doce, bala delícia, brigadeiro, amor em pedaços.

O café da manhã será uma celebração. Amanhecer na velhice é mais do que um privilégio, é festejar mais um dia de vida, mais uma dádiva, que será posta na mesa junto com o café com leite, pães feitos por Magui, no Sítio Sertãozinho, com ervas e boas intenções, além de iogurte, cereais, mel e frutas. O café da manhã vai durar uma eternidade. Será uma espécie de ritual, com músicas da nova era para despertar os sentidos. Depois, haverá aulas de alongamento e todos irão para o jardim, tomar sol e brincar. Haverá até um quarto de brinquedos, pois os velhos se tornam crianças. É a idade do desconhecimento, de falar e de fazer o que tiver vontade. Que o diga dona Conceição, de 75 anos, que vive num asilo da capital. Ela não se desgruda de uma enorme boneca de borracha. Ela só encontrou a paz da velhice, depois que teve uma boneca entre os braços, para cuidar, proteger, ser útil. A boca entreaberta da boneca revela que Conceição não a deixa com fome. Pedacinhos de pão escorregam pela boca da bonequinha.

No meu asilo, que não terá esse nome definitivamente, não será pecado envelhecer, ter rugas e cabelos brancos. Para isso, vou pedir ajuda aos contadores de história, aos Doutores da Alegria, aos Anjos da Dança, aos terapeutas de Alexandria e holísticos, aos tanatologistas, aos psicólogos das oficinas da memória, aos mágicos, palhaços, aos artistas, para que se revezem no ofício de transmutar a vida. No meu asilo, que não terá esse nome definitivamente, os velhos vão poder namorar, casar, separar, porque o sexo não é coisa de jovem. O desejo não envelhece nunca.nem morre. Haverá bangalôs para os casais enamorados, a praça do footing, da pipoca e do algodão-doce e até um parque de diversões, com lago e patos. Haverá saraus de poesia, com declamação de poemas longos, infindáveis.

Os jovens farão de seus braços bengalas para os velhos. Juntos, eles caminharão pelas alamedas, serão companheiros nessa viagem pelo tempo de viver. O passado e o futuro, sem confronto, porque o respeito será traduzido em abraços, rodas de conversas, música, malabarismo e até fogueiras nas noites de inverno, com canjica, quentão e quadrilha. E, quem sabe, um copo de vinho tinto. Haverá óleos essenciais para massagens curativas. Os corpos dos velhos exalarão o doce perfume de sândalo.

Eles poderão rabiscar as paredes. Cada morador dessa comunidade poderá levar para o seu quarto, lembranças de antigas casas: panelas, porta-retratos, quadros, cadeiras de balanços, xícaras de porcelana, cristais, álbuns de fotos, linhas, baús, xales, tudo o que levar ao aconchego, todas as recordações afetivas. Ninguém poderá destituir os mais velhos de seus pertences e recordações. Nessa comunidade, com certeza, eu levaria até a minha mãe, para morar no andar debaixo do meu sótão, bem junto de mim. Quando eu estiver lá em cima, escutarei o barulho da cadeira de balanço a ranger ternura, exalar história e sabedoria por todas as frestas desse asukim que não terá esse nome nem cheiro de solidão.

Esta crônica foi publicada originalmente no jornal Estado de Minas.

OUTRO DIA DESSES EU ME DIVORCIEI…

img_4637-1

“Nada é por acaso, evoluir é consequência”. Bia Perez

Perfeito esse texto de Clara Baccari… sabemos que a separação é de fato um processo necessário, doloroso e lento… cuja relação terá muito o que se ponderar. No entanto não devemos morrer aos poucos junto de uma relação, que já se desgastou com o tempo e já terminou… nem devemos nos anular até o ponto de morrermos, com ela. Ao contrário, trata-se de um renascer!

Aprendi que a separação consciente é salutar a toda família, pois é só a consumação de fato, do que já estava separado, acabado… que nos dará paz e nos fará descobrir o que somos e o que queremos para nós… Ser feliz precisa muitas de vezes de coragem pra mudar o que não está bom. Essa é a tônica da sobrevivência humana… Com o tempo você percebe que tudo passa… nem vamos lembrar com dor desta nossa opção e sim de que sempre estamos no lugar e na hora certa. Leia:

Outro dia desses eu me divorciei. Saí da casa, da vida, da rotina…

O luto foi longo sim, luto de separação é sempre difícil e complexo. Vem a culpa, vêm os medos, as questões morais, a solidão, a loucura, a saudade, os apegos e os desapegos, os heróis e vilões, as roupas sujas expostas na sala de visitas.

Outro dia desses eu me divorciei. E tanta gente me perguntou o porquê.

Me disseram que relacionamentos são complexos, difíceis mesmo. Que a gente tem que enfrentar os desafios diariamente. Que a gente tem que passar por cima de tanta coisa, fazer vista grossa, tem que reconstruir, perdoar, recomeçar inúmeras vezes.

Mas ninguém diz como é mais difícil ainda ser outro dentro de um ciclo vicioso, ninguém conta como é quase impossível mudar as células viciadas em padrões, quebrar os comodismos culturais dentro de um acordo pré-estabelecido. Ninguém diz que normalmente o equilíbrio pende mais para um lado, que os corpos se ajustam às injustiças dos espaços mal divididos, que as mentes se aquietam para poderem ter energia para concretizar o desafio de pagar as contas no fim do mês.

Ninguém diz que esse passar por cima de tudo é na verdade tantas vezes um passar por baixo, é esconder atrás dos cômodos e das almas as dores e as alegrias. É passar por baixo de si mesmo. É voltar, é continuar, é engolir melhor os sapos que vão denunciar os coachados dois meses (ou dias, semanas… ) depois dos elos reatados e dos perigos amenizados.

É tudo muito sério para deixar de lado. Dói, é verdade. De uma maneira ou de outra, vai doer. Mas, mesmo assim, outro dia desses eu me divorciei.

Porque depois de ser adulta por tantos anos, eu quis voltar a ser espontânea.

Quais os motivos? Me pergunta alguém.

img_1497

Eu não sei bem… mas sabe quando a gente é criança e a brincadeira está tão boa que a gente se esquece de sentir fome, de olhar as horas, de trocar de carro, e pensar na pós-graduação do filho mais novo?

Sabe quando a gente é criança e encontra um amigo do peito bom de brincar e a gente nem pensa em saber qual é o passado dele, a profissão, as visões de futuro, o dia de amanhã… A gente nem lembra de notar a cor dos olhos dele, eles apenas brilham, a gente não repara nas diferenças, a gente apenas se perde na alegria, no momento.

A gente entra na terra úmida, sobe na árvore, joga a bola alto.

Se o amigo for bom de brincadeira, a gente sem querer querendo fica perto. Mas, se o amigo é chato, cheio de regras, de competições e conversas, chorão, reclamão, a gente anda, voa, desencana daquela energia. Uma hora a água da vida bate na bunda e a gente desatina.

A gente se divorcia.

Dia desses eu me divorciei e até o mito de abrir o vidro de azeitonas e a garrafa de vinho se desfez, deve ser porque até meus músculos estão mais despertos.

E não levanto a solidão como bandeira não. Apenas celebro a coragem, a vida, a possibilidade de ser dona de mim. Fecho um livro. Respiro fundo, sacudo a poeira… dou a volta por cima. Penso… E os amores mais genuínos que virão. Novas histórias serão escritas… mais feliz com certeza eu serei!

luto 4

Fonte: Resiliência Mag

UM BRINDE Á NÓS!

Bia Barco Bus Paris 2015-06-09 19.42.13

“A vida é tão perfeita que nos dá a chance de recomeçar a todo instante”. Andreza Filizzola

 “Gostaria de te desejar muitas coisas. Mas nada seria suficiente. Então, desejo apenas que vocês tenham muitos desejos… Desejos grandes! E que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo de sua felicidade!” (Drummond). 

Hoje é o aniversário do nosso casamento, 15 anos juntos…. com meu amor, amigo e companheiro… da pessoa mais importante que preenche minha vida, meu coração e minha alma! Parabéns maridinho. Parabéns família! Sabe preciso contar algumas coisas pra você (s)…

Valeu a pena conhecer você… Valeu a pena ter deixado o destino nos fazer encontrar, na hora certa… um momento único! Valeu a pena ter correspondido ao primeiro impulso… Valeu a pena ter ultrapassado barreiras… Valeu a pena acreditar que podia dar certo e ter seguido em frente… Valeu a pena ter tido paciência… e esperança! Valeu a pena ter tido compreensão… ter recebido e dado tanto amor… Valeu a pena ter feito amor… e ter me doado completamente a você e aos seus filhos… Valeu a pena ter cuidado dos meus filhos… dos seus filhos… dos nossos filhos!

Valeu a pena ter dado uma chance ao destino de nos conhecermos melhor… e nos entregarmos de corpo e alma… Valeu a pena juntos termos reconstruído nossas famílias… Valeu a pena ter escolhido você pra caminhar comigo… seguir a vida… construir uma nova história… a nossa história!

Valeu a pena superarmos os problemas juntos… tentar e tentar… Valeu a pena cada um dos desafios enfrentados… desafios que nos fortaleceram… e juntos tentamos supera-los… erramos e acertamos tantas vezes… E foram (que são) tantas!!!! Insistimos e superamos todos juntos… e os desafios nos levaram longe… ainda estamos adquirindo nossas aprendizagens! Refizemos e construímos uma nova família, a nossa família… linda, pulsante, viva, intensa…  com toda a imperfeiçoes que a vida nos proporciona … mas tudo baseada no amor e na compreensão. Continuamos aprendendo ainda todos… dia a dia!

Valeu a pena tudo! Tudo isso mesmo… valeu a pena!!!

Quero que saiba meu amor (e todos da nossa família) que valeu e vale muito a pena sim estar compartilhando minha vida com você (s)… Vale a pena tudo que somos, quando estamos juntos! Somos todos loucos… uns pelos outros!

Vale a pena amadurecer e envelhecer junto com você… é uma benção, só tenho o que agradecer. Vale muito a pena, tudo mesmo!

1

Com vocês, nossos filhos adorados nos completando ainda mais: Bruno, Michelle, Ca e André.

Amo muito a nossa família, que agora vem crescendo… com os netinhos chegando João PedroEva e Noah… lindos e maravilhosos, nos completando ainda mais, alegrando mais ainda tudo o que já tínhamos… Tudo floresce da melhor maneira que poderíamos ter e ser… é a vida que se transforma e renova.

Vale muito a pena, tudo mesmo!

Com vocês sempre junto conosco, e vem completando e aumentando com suas famílias… Bruno e Vanessa; Michelle e Fabio; Cá e Renaud… só tenho a agradecer.

Vale a pena brindar a vida com você… Nossa vida esta perfeita do jeitinho que é! Confesso que faria tudo novamente, igualzinho!!!

Te amo muito viu Zé?

E vocês nossos meninos! As suas famílias… aos nossos queridos netinhos… Um brinde a todos nós!

 

 

SEMPRE É TEMPO!

“Para realizar grandes conquistas, devemos não apenas agir, mas também sonhar; não apenas planejar, mas também acreditar.” Anatole France

Este é o depoimento sincero de minha amiga, Shirley Furlan que é uma empresária, com mais de 50 anos que decidiu buscar um antigo sonho e realizá-lo. Penso que… Sonhar e realizar são nossas vitórias… ir vencendo cada desafio, passo a passo, são nossas grandes aprendizagens na vida. Vivendo e aprendendo.

Sonhar, amar e aprender não tem idade, depende apenas de nossas escolhas, ações e acima de tudo de acreditar em si mesmo. Ter fé, otimismo, cumplicidade e entusiamo… fazem toda a diferença… sonhar e continuar sonhando sempre. Agora basta fazer acontecer! Leia:

Quando se gosta infinitamente de algo tem-se que buscar isto! E foi assim que pensei….depois de uma carreira de mais de 25 anos como empresária na área de eventos corporativos, fundei a primeira agencia de palestrantes do país, por 1996. a Includere(hoje conhecida como Futurus – Palestras e Palestrantes – http://www.Futurus.com.br ), buscar uma nova carreira, uma outra formação parecia loucura.

E realmente muitos disseram que eu estava ficando louca….aos 55 anos entrar novamente na Faculdade e só se formar após cinco anos, parecia mesmo uma loucura.

Mas pensei… se amo tanto fazer tudo isto, se posso me desdobrar procurando uma nova carreira, porque não?

Lá fui eu para um novo vestibular, e não é que passei!

As aulas pra mim já começaram mais tarde, pois entrei depois de um mês do início do ano letivo das aulas. Fui recebida por poucos e excluída pela maioria, já que era diferente, tinha cara de professora e não de aluna…..

Este foi o meu primeiro teste de volta para a Faculdade – eu só pensava no que tinha que enfrentar, já que estava firmemente decidida e fazer o curso. Era meu sonho de adolescente e não conseguia entender porque não tinha feito isto antes. Mas já que estava alí iria enfrentar tudo e todos!

E quem disse que bulling é só para as crianças ou outras situações – o incrível é sofrer bulling na Faculdade só porque você é mais velha – porque tem cara de mãe e não de aluna – porque você talvez tenha um pouco mais de experiência dos que muitos dos que estão ali…..mas enfim o bulling existe mesmo e eu pude comprovar isto ao longo dos 5 anos de curso.

“Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.” Sarah Westphal

Mas isto também serviu para eu me impor, mostrar que independentemente de tudo e de todos podemos concluir o curso e se sair muito melhor que muitos jovens que lá estavam.

E assim aconteceu, passei por diversas adversidades ao longo deste período, aprendi a lidar com as situações que me deixavam constrangida e negligenciada e ao final já havia um respeito velado por mim e por tudo o que fazia e mostrava ao grupo.

A conclusão do curso foi o ápice da realização de mais este sonho, saber que a idade não importa, o tempo não conta, as pessoas que torcem pra que você não tenha força… não importa. O que importa mesmo são as poucas pessoas que ficam ao seu lado, que te “suportam” por este longo período de 5 anos…. Isto sim conta e é por isto que quero compartilhar com todos vocês esta grande experiência.

A vida pra mim recomeçou aos 60 anos….então é verdadeiro quando podemos dizer que sempre é tempo de fazer, de recomeçar, de expandir nossos horizontes.

Convido todos a recomeçar comigo esta grande jornada de ser uma Arquiteta. e acima de tudo lembrar aque enquanto ha vida e esperança, é possivel se dedicar para tranformar sonhos em realidade!

Fonte: https://www.administradores.com.br/mobile/artigos/carreira/sempre-e-tempo/110431/

SEJA VOCÊ O AMOR DA SUA VIDA!

img_0662

“Quando você se encontrar, não se perderá em mais ninguém. Seja você o amor da sua vida!”

Vivemos preocupados procurando algo… longe, distante e em outras pessoas… e muitas vezes nos esquecemos do que esta dentro de nós… Janda Barros, nos fala da importância de apreciar a nossa companhia. Leia:

Você é o amor que procura nos outros, você é a sua melhor companhia, você é completo (a)!

Quando a gente descobre que tudo o que precisamos está em nós mesmos, na nossa alma, no nosso coração e no nosso silenciar, paramos de procurar externamente. Esta descoberta vai mudar tudo.

Às vezes, estamos com a cabeça em um turbilhão de emoções, mil coisas para pensar, coração acelerado, que mal olhamos para a nossa essência, pois procuramos fora o amor que sempre esteve dentro de nós.

Entramos e saímos de relações, sem nos permitir olhar verdadeiramente para nós mesmos.

Ficamos focados no ego e na vaidade de ter um alguém e, muitas vezes, a todo custo ou a qualquer custo, ferindo a nossa identidade e o nosso amor-próprio, nossa autoestima.

O quanto você silencia para ouvir a si mesmo, libertando-se do ter que provar algo a alguém?

Muitas vezes, a resposta e o caminho estão dentro de nós, no nosso coração e na calmaria dele.

Silencie o seu coração. Todas as respostas estão dentro de você, seja amoroso (a) consigo.

Quando esquecemos que Deus nos ama, saímos à procura de um “alguém” que preencha nossa necessidade de sermos amados (as). Mas o amor está dentro de nós, a cada novo dia a cada novo despertar do coração.

img_2210

Seja bom (boa) com você, seja sua melhor companhia, não tenha medo “da solidão”, ela pode ser sua amiga. Convide a solidão para sair com você, para um café, um jantar, um cinema, ande de mãos dadas com ela, até o seu (sua) “parceiro (a) de vida” chegar.

Seja seu (sua) melhor amigo (a), não tenha medo! O amor vai chegar no tempo e no momento certo, mas, antes disso, você merece ter uma relação de muito amor consigo mesmo (a), você é a única pessoa que pode fazer por você o que espera que outra pessoa faça.

Enquanto isso vá, prepare-se, você só pode dar ao outro aquilo que você já tem, portanto, AME-SE, CUIDE-SE, ACEITE-SE e PERDOE-SE. Seja generoso (a), bondoso (a) e carinhoso (a) com você. O amor-próprio nos permite ter tempo para sorrir, para nos ouvir, abraçar, e para nos perdoar, de todas as coisas que fizemos no passado.

Você é o amor que procura nos outros, você é a sua melhor companhia, você é completo (a). O seu companheiro (a) vai/pode chegar… mas enquanto isso: seja você o amor da sua vida!

Fonte: Resiliência Mag

CANSEI!

img_4380

“Eu não tenho muito, mas tenho paz.” Wandy Luz

Chega uma hora que damos um basta! Cansamos de tantas coisas desnecessárias… nos tornamos mais leves. Livres! Acontece uma liberdade interna que os faz tão bem… Gosto de como Wandy Luz coloca isto, leia:

Cansei de tentar entender quem está ao meu lado, quem está contra mim ou quem está em cima do muro por medo de se posicionar.

Decidi me livrar de tudo e todos que tiravam minha paz

Tornei-me indiferente a opiniões alheias, e pouco me importo com críticas destrutivas, principalmente vindas de pessoas hipócritas, demagogas, que vivem de mentiras.

Não preciso provar nada a ninguém, não preciso ser aceita ou agradar a todos. A minha consciência está tranquila, porque sou exatamente o que quero ser.

Lealdade para mim não é simplesmente uma palavra, é um estilo de vida, uma regra.

A minha vida mudou quando eu simplesmente deixei de me importar com tudo que não é de fato importante. Eu não mudei por causa de um amor, ou uma desilusão, não… eu não mudo por você nem por influência de ninguém.

Eu mudei porque percebi que a vida era curta demais para condicionar a minha felicidade a pessoas e acontecimentos externos. Eu finalmente entendi que a única pessoa capaz de transformar solidão em companhia, tristeza em alegria, dor em amor, era, e sempre foi, eu mesma.

Eu aprendi a viver um dia de cada vez, às vezes com muita sensatez, às vezes fazendo tudo errado, porque eu tenho muitos defeitos para ser perfeita, mas sou muito abençoada para ser ingrata.

E foi errando que eu aprendi lições maravilhosas sobre a vida, sobre as pessoas, sobre o amor, sobre a dor, e o mais importante, sobre mim, sobre quem eu sou de verdade.

Eu não tenho muito, mas tenho paz. Eu não sou melhor do que ninguém, mas sou bem melhor do que ontem.

img_4395

“Cansei. Cansei de pedir desculpa por quem eu sou. Cansei de ouvir de todo mundo como é que se trabalha, se ama, se permanece, se constrói, cansei.” Coringa

Fonte: Resiliência Mag