NOVOS VELHOS!

Esta acontecendo… os Maturis estão se movimentando. São os protagonistas de uma nova geração.  

Prepare-se para a grande onda prateada que está mudando a demografia e todos os setores de negócios no Brasil e no mundo! As pessoas que estão chegando agora nos seus 60 anos não são nada parecidas com o estereótipo do velhinho de bengalas. Os “novos velhos” estão tomando as passarelas de moda, viajando pelo Airbnb e se divertindo muito.

LAYLA VALLIAS no diz: Querendo ou não, seremos velhos! Precisamos falar do mercado da longevidade. Assista:

https://m.youtube.com/watch?v=HblN7Z38o9w

DE INVISÍVEIS Á PROTAGONISTAS: OS ACIMA DE 50 ANOS!

“Jovens” com mais de 50 anos: de invisíveis a protagonistas…

A sociedade envelhece rapidamente — isso quer dizer que cada companhia vai ter uma parcela maior de profissionais e de clientes maduros. Sua empresa já percebeu isso?

MADUROS TAMBÉM:

O que é, o que é: está em toda parte, mas ainda é invisível; possui enorme poder de consumo, mas é ignorado pela publicidade; tem conhecimento, inteligência emocional, comprometimento e experiência, mas não é  valorizado no mercado de trabalho? Estou me referindo aos “jovens” com 50 anos ou mais — jovens porque muitos ainda vão viver até os 100 anos.

Apesar do recente estudo “Oldiversity” do Grupo Croma comprovar que as empresas genuinamente envolvidas com o tema longevidade obtêm relevante impacto positivo na preferência do cliente, as marcas ainda engatinham: a tese de Doutorado da professora de publicidade Christiane Machado, da Universidade Positivo, concluiu que os idosos aparecem em menos de 3% das propagandas e, em muitos desses casos, de maneira estereotipada. Outro trabalho, realizado pelo blog Beleza na Melhor Idade, que consultou mulheres com 60 anos ou mais, constatou que 60% delas não se sentem representadas pela mídia.

São exemplos que ilustram o enorme vácuo da Economia da Longevidade (expressão difundida pela ONG multinacional AARP, que luta pelo envelhecimento com qualidade de vida). Há carência de uma comunicação inclusiva que contemple desde um posicionamento institucional pertinente até a indispensável empatia para cativar esses consumidores. E, igualmente, faltam estratégias específicas que englobem uma atrativa jornada de compras e o oferecimento de produtos e serviços voltados às crescentes e peculiares demandas desse grupo.

Aqueles que já detectaram oportunidades vêm colecionando êxitos e multiplicando usuários, como as startups ISGame, Euvô e Gero360. Começam a surgir novidades, como marketplaces exclusivos, roteiros de viagens inclusivas, serviços de biografias que eternizam o legado e espaços arquitetônicos idealizados especificamente para este segmento. Mas a maioria dos empreendedores e grandes empresas ainda age como se ignorasse o potencial estimado da “Revolução prateada”.

Há iniciativas a respeito em grandes empresas de tecnologia da informação, como Alphabet, Amazon, Apple, Facebook e Microsoft; e também entre as startups apelidadas de “agetechs” (atuantes na interseção da longevidade com a tecnologia). De acordo com o investidor Dominic Endicott, da Nauta Capital, um dos principais especialistas na área, esse grupo trabalha em quatro frentes: 1) os serviços adquiridos diretamente pelo público maduro; 2) os pagos por terceiros, mas dirigidos aos mais velhos; 3) os negociados de forma intergeracional; e 4) os que buscam a extensão da vida com qualidade.

Os defensores do “Aging in Place”, por exemplo, acreditam que a expectativa de vida é maior quando o idoso continua em sua própria residência, em um ambiente familiar e com autonomia, em vez de ficar com os filhos ou numa instituição. Empresas em diferentes países estudam como digitalizar residências por meio de sensores, I.A. e uso de drones, para avaliar o risco de quedas acidentais de idosos, prevenir esses acidentes e, caso aconteçam, oferecer socorro rapidamente.

Ainda na linha da prevenção, a britânica Medicalchain começa a usar o blockchain num serviço para que o usuário tenha seu prontuário de saúde sempre atualizado. Já a PillPack envia para o usuário os remédios que precisa tomar, devidamente separados em saquinhos com o dia e a hora em que devem ser ingeridos, tudo de forma segura, on-line e automatizada.

O supermercado alemão Kaiser’s inaugurou o “Generation Market”, em Berlim, uma loja personalizada para atender às necessidades da população 60+. Nela, os corredores são mais amplos, existem botões de ajuda instalados nas gôndolas, trilhos antiderrapantes no chão, óculos que ampliam o preço dos produtos e até carrinhos com espaço para descanso.

A Pantene optou pelo caminho do empoderamento e criou a campanha #PowerofGrey, que incentiva homens e mulheres a celebrarem seus cabelos grisalhos naturais, rechaçando crenças e preconceitos. Um estudo encomendado pela empresa revelou que 80% dos britânicos têm cabelos grisalhos, mas dois em cada cinco deles pintam porque se sentem menos confiantes. As percepções diferem entre os sexos, com 35% dos entrevistados concordando que “a sociedade aceita mais homens grisalhos do que mulheres”.

Fonte: Mauro Wainstock (mauro@hub40mais.com.br) é CEO do HUB 40+, comunidade que oferece aos “jovens acima de 40 anos” capacitação para a empregabilidade e o empreendedorismo. Pra saber mais:

https://epocanegocios.globo.com/amp/Mercado/noticia/2019/09/jovens-com-mais-de-50-anos-de-invisiveis-protagonistas.html

CAFÉ & PROSA… da IT_AVO

Acontece uma vez por mês em São Paulo, na região do centro o café &prosa, preparado com muito carinho por Rosângela do it_avo.

Será mês dia 20/02 no @cafegirondino das 14:30 as 16:30.

Venha tomar um café conosco! Você é nosso convidado. #it_avo #oterceiroato #cafe&prosa

[2º café&prosa] estamos a poucas horas para o nosso delicioso encontro, regado a alegria, conversa boa, felicidade e. cafezinho. BEM VINDAS! #cafécomigas #criandolacos

OS 12 MELHORES PAÍSES DO MUNDO PARA SE ENVELHECER.

Para maiores de 60…

À medida que a expectativa de vida aumenta , espera-se que a proporção de adultos em seus anos de aposentadoria cresça em todas as regiões do mundo. Segundo dados recentes, existem aproximadamente 901 milhões de pessoas em todo o mundo com 60 anos ou mais. Até 2050, esse número chegará a 2,1 bilhões de pessoas, ou 21,5% da população global .

Mas as experiências que as pessoas têm mais tarde na vida variam muito, dependendo de onde moram.

O Índice Global AgeWatch avaliou recentemente 96 países para determinar os melhores lugares para os idosos viverem. Esses países incluem mais de 90% da população mundial com 60 anos ou mais.

As classificações foram baseadas na qualidade de cada país em quatro categorias: estado de saúde dos idosos, segurança de renda, capacidade (medida pelo status de emprego e níveis de educação) e ambiente propício (medido pelo acesso ao transporte público, segurança física, conexões sociais e liberdade cívica).

Maiores de 60 baseou essa matéria na citada pesquisa e em outro estudo conduzido pela Columbia University School of Public Health e da Universidade do Sul da Califórnia. Nessa pesquisa o critério variou um pouco e, julgamos, produziu um resultado complementar ao apreciado pela Global Age Watch. Aqui, os países são avaliados segundo cinco características de suas populações seniores: (1) Produtividade e engajamento; (2) Bem-estar; (3) Equidade (medida das lacunas no bem-estar e segurança econômica entre os que têm e os que não têm na faixa etária.); Coesão (medida entre gerações e sua conectividade social); e (5) Segurança baseada nas estatísticas aplicadas a incidentes com idosos. Com base nos dois estudos, apresentamos os
Os 12 melhores países para maiores de 60:

1. Suíça

A Suíça ficou em primeiro lugar como o melhor país para se viver, se você tem 60 anos ou mais. Os relatórios das duas pesquisas apresentam diversos programas e políticas que promovem a saúde dos idosos e um ambiente propício de segurança e lazer para os maduros. Uma pessoa de 60 anos que more na Suíça pode esperar viver em média 25 anos a mais do que a média dos 50 países mais ricos do mundo. A Suíça também possui uma taxa superior à média europeia dos quesitos conexão social e satisfação com a liberdade cívica entre os idosos.

O contraponto à perfeição é o fato de apesar de ter 100% de cobertura de pensão para adultos com mais de 65 anos, a Suíça ainda tem uma taxa de pobreza de 16,1% na velhice. Muito embora ser pobre na Suíça, meus caros, não se assemelhe em nada a ser pobre no Brasil.

2) Noruega

A Noruega obteve uma classificação consistentemente alta em todas as categorias, mas ficou em primeiro lugar no que diz respeito à ocupação da população idosa. Por lá não falta emprego para os maduros que ainda querem trabalhar. A taxa de emprego é de 71,1 por cento entre os idosos. Quase 15 pontos percentuais acima da média europeia. A Noruega também tem a maior taxa de escolaridade entre os idosos.

Outros destaques incluem a segunda menor taxa de pobreza na terceira idade na Europa, apenas 1,8%, e 100% de cobertura de pensão para adultos acima de 65 anos.

3. Suécia

A Suécia possui altas taxas de emprego e escolaridade quando comparada às médias regionais entre pessoas com mais de 60 anos. Os adultos do país também relatam alta satisfação com segurança, liberdade cívica e transporte público.

4. Alemanha

A Alemanha também obteve uma classificação alta no quesito da ocupação (ou emprego) e a segunda maior taxa de escolaridade entre os adultos mais velhos.

5. Canadá

O país também ocupa uma posição alta no quesito de conexão social e liberdade cívica, enquanto a expectativa de vida e a expectativa de vida saudável estão próximas das médias europeias.

O país também possui alto nível de segurança de renda, com 97,7% de cobertura de renda de aposentadoria e uma taxa de pobreza de 6,8%, abaixo da média regional. O sistema de saúde pública canadense é reconhecido como um dos melhores do mundo -tão inclusivo que não faltam detratores a chama-lo de socialista. Oi?

O Canadá completa a lesta dos cinco primeiros países, com uma pontuação particularmente alta no domínio da saúde dos idosos e expectativa de vida, inclusive para os maiores de 75. 

6.Holanda

Em sexto lugar, temos a Holanda um país com uma baixíssima taxa de pobreza na terceira idade:  3%. 100% das pessoas com mais de 65 anos recebem uma pensão. Os idosos do país também relatam alta satisfação com a conexão social e as liberdades cívicas.

E por que as coisas são tão boas para os aposentados holandeses? Além de receberem uma pensão do tipo seguridade social, com base nos ganhos vitalícios, também recebem uma pensão pública de taxa fixa apenas por se aposentar. Tipo um bônus. Como resultado, muitos aposentados ganham tanto quanto antes da aposentadoria.

7. Islândia

A Islândia possui a menor taxa de pobreza na terceira idade em sua região, 1,6%. O país também ocupa o primeiro lugar na categoria saúde, com uma expectativa de vida de 25 anos adicionais aos 60 anos, quase 18 deles com expectativa de boa saúde, o que é um diferencial.

A Islândia está acima da média em satisfação com a conexão social, segurança, transporte público e liberdade cívica entre adultos mais velhos. No entanto, apesar de uma alta taxa de emprego para idosos (81,1%), apenas 40,9% da população acima de 60 anos tem ensino médio ou superior – índice 20% abaixo da média europeia.

8. Japão

O Japão tem a maior proporção de idosos na população do mundo. Um terço dos japoneses tem mais de 60 anos.

O país ocupa o primeiro lugar no quesito da saúde, com uma expectativa de vida de 86 anos, sendo a média de 80 anos de boa saúde e produtividade. Os idosos no Japão relatam alta satisfação com a conexão social, segurança e liberdade cívica.

9. Estados Unidos

Os Estados Unidos ocupam o nono lugar na lista dos melhores países para se viver com mais de 60 anos na pesquisa Global Age Watch. Os EUA são particularmente altos em desempenho educacional,  sendo que 96% da população com mais de 60 anos de idade possui ensino secundário ou superior.

Em todo o país, os idosos relatam alta satisfação com a segurança e a conexão social, e a expectativa de vida e a expectativa de vida saudável estão próximas das médias regionais.

Contudo, os EUA apresentam índices baixos em segurança de renda, com uma taxa de pobreza entre os idosos de 18%.

10. Reino Unido

Os idosos do país relatam alta satisfação com conexão social, liberdade cívica, segurança e transporte público. O Reino Unido também possui cobertura de 100% da renda de pensão para adultos acima de 65 anos. Tem uma taxa de pobreza na velhice de 9,3% – um pouco acima da média regional. Com uma boa renda e cansados do clima frio, uma proporção considerável dos idosos ingleses se aposentam em países europeus mais quentes, como: Portugal, Espanha, Grécia e sul da França.

11 França

A primeira inclusão fora da lista dos dez melhores países para a vida após os 60 anos da Global Age Watch é a França.

As razões incluem o patrimônio cultural e educacional do país, a sociabilidade, ainda que os custos de moradia sejam altos em muitas partes do país. 

Para compensar,  a França possui o melhor sistema de saúde do mundo, pelo menos de acordo com um relatório da Organização Mundial da Saúde. A França usa uma combinação de financiamento público e privado para garantir que todos os residentes legais tenham acesso a cuidados básicos de saúde.

Quanto mais doente você está, mais o sistema se importa com você – ao contrário de muitos planos de saúde estadunidenses, por exemplo, que não atendem clientes com condições pré-existentes ou problemas crônicos de saúde. O sistema da França cobre completamente as necessidades de 30 doenças de longo prazo. Se você tem diabetes, não paga nada pelos itens necessários para administrar a doença.  

12 MÉXICO

Obviamente, sendo um país em desenvolvimento, o único da lista, há restrições sérias devidas a toda a população, não apenas idosos. Contudo, em se tratando de políticas públicas para os idosos, o país dá um olé no Brasil. 

Um ponto se destaca: a vida social dos maduros. E isso não é importante? A agência ForeignPolicy.com declarou o México como um dos melhores lugares para idosos viverem por causa de sua “animada cena social”. O país possui quase 12.000 centros comunitários e clubes administrados pelo governo em todo o país onde são atendidos mais de 500.000 pessoas por dia. Além disso, os idosos aproveitam descontos consideráveis em supermercados, restaurantes e farmácias e em transportes públicos. Viva o México!

Edílson Silvestre com informações de Age Watch, SCLU

Imagem de capa: ShutterStock licenciada.

Fonte: https://oterceiroato.files.wordpress.com/2020/02/26456-suave-cont-int-las-fiestas-decembrinas-con-los-abuelos.jpg

PUDIM…

Sextou! Que nosso fim de semana seja de alegria e descontração. Então, vamos começar com um texto super gostoso da incomparável Marta Medeiros.

PUDIM

Não há nada que me deixe mais frustrada do que pedir pudim de sobremesa, contar os minutos até ele chegar e aí ver o garçom colocar na minha frente um pedacinho minúsculo do meu pudim preferido.

Um só.

Quanto mais sofisticado o restaurante, menor a porção da sobremesa. Aí, a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência, comprar um pudim bem cremoso e saborear em casa com direito a repetir quantas vezes a gente quiser, sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.

O PUDIM é só um exemplo do que tem sido nosso cotidiano.

A vida anda cheia de meias porções, de prazeres meia-boca, de aventuras pela metade. A gente sai pra jantar, mas come pouco.

Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons.

Conquista a chamada liberdade sexual, mas tem que fingir que é difícil (a imensa maioria das mulheres continua com pavor de ser rotulada de ‘fácil’).

Adora tomar um banho demorado, mas se contém pra não desperdiçar os recursos do planeta.

Quer beijar aquele cara 20 anos mais novo, mas tem medo de fazer papel ridículo.

Tem vontade de ficar em casa vendo um DVD, esparramada no sofá, mas se obriga a ir malhar.

E por aí vai.

Tantos deveres, tanta preocupação em ‘acertar’,

tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação…

Aí a vida vai ficando sem tempero, politicamente correta e existencialmente sem-graça, enquanto a gente vai ficando melancolicamente sem tesão…

Às vezes dá vontade de fazer tudo ‘errado’. Deixar de lado a régua, o compasso, a bússola, a balança e os 10 mandamentos.

Ser ridícula, inadequada, incoerente e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito. Recusar prazeres incompletos e meias porções.

Até Santo Agostinho, que foi santo, uma vez se rebelou e disse uma frase mais ou menos assim:

‘Deus, dai-me continência e castidade, mas não agora’…

Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem, podemos (devemos?) desejar vários pedaços de pudim, bombons de muitos sabores, vários beijos bem dados, a água batendo sem pressa no corpo, o coração saciado.

Um dia a gente cria juízo.

Um dia.

Não tem que ser agora.

Por isso, garçom, por favor, me traga: um pudim inteiro

um sofá pra eu ver 10 episódios do ‘Law and Order’, uma caixa de trufas bem macias e o Richard Gere, nu, embrulhado pra presente.

OK?

Não necessariamente nessa ordem.

Depois a gente vê como é que faz pra consertar o estrago .

Lindo dia❤

TERCEIRA IDADE – DESFILANDO LINDA LEVE E SOLTA EM PARIS !

Simplesmente maravilhosa!!!

Aos 74 anos, Hellen Mirren apostou no conforto para #desfilar na semana de moda de Paris, numa tarde de domingo (30/09/2019).

Descalça, a atriz #veterana cruzou a #passarela com um vestido longo esfoaçante preto e branco, chamando a atenção dos presentes devido a sua simpatia e através de seus pulinhos, encantando a todos.

Foi no desfile da L´oreal Paris que levou também para a apresentação nomes como a cantora Camilla Cabello e as atrizes Andie McDowell e Evan Longoria. 

Se eu pudesse escolher gostaria de desfilar assim como ela, jogando todos os padrões convencionais ao vento e mostrando toda a alegria do meu #envelhecer, sem #invisibilidade!

Somos todas #empoderadas!!!

POR VEZES TENHO ESSA VONTADE…

Por vezes… muitas vezes… tenho vontade que o tempo se esvai no compasso da vida… que o que acontece aqui e agora, seja eternizado ou se transforme em câmara lenta, tornando cada segundo em horas e horas… assim conforme Fernanda Leal nos diz:

Por vezes tenho essa vontade
De suspender o tempo
E viver como que distante
Riscar o vai e vem
O engolir constante
Das coisas formatadas
Vividas em vidas aprisionadas
Com as horas ritmadas.


Por vezes tenho essa vontade
De não ser hoje nem amanhã
Calar a razão
Sem a condição de ter que ser
Não me apetece obedecer
À certeza dos certos
Caminho a par com a incerteza
Certa de encontrar a minha leveza.

Por vezes tenho essa vontade
De não ser hoje nem amanhã
Calar a razão
Sem a condição de ter que ser
Não me apetece obedecer
À certeza dos certos
Caminho a par com a incerteza
Certa de encontrar a minha leveza.


Por vezes tenho essa vontade
De ir longe ficando por perto
Vestir o rosto de sorriso aberto
Não deixar os dias embrulhados
Ainda que tristes ou amuados
Transporto-os na minha ilusão
E com eles vou
Tal e qual como sou…

https://essenciadapoesia.wordpress.com/2018/03/08/como-sou/ acrescentando o comentário de Chronosfer2.wordpress.com