DOENÇA DE ALZHEIMER E QUALIDADE DE VIDA: UMA REALIDADE POSSÍVEL!

Alzheimer.3 jpg

 “Mesmo quando tudo parecer desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar, porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir”.  Cora Coralina.

Envelhecimento não é sinônimo de doença, pois é possível envelhecer com saúde e qualidade de vida. O envelhecimento com ou sem doenças depende de fatores biopsicossociais, ou seja, as pessoas envelhecem de formas diferentes de acordo com os seus hábitos de vida e genética.

Mas durante o processo de envelhecimento podemos nos deparar com a Doença de Alzheimer que é uma das doenças que está em evidência na atualidade. A Doença de Alzheimer é uma doença degenerativa que ataca o cérebro e provoca a perda das funções cognitivas, como memória, capacidade de orientação no tempo e/ou espaço e capacidade de planejamento. O problema se inicia com alterações na memória e avança progressivamente até a dependência total do paciente.

Alzheimer.2 jpg           Alzheimer

Para buscar uma vida com mais qualidade o tratamento deve envolver diversas áreas da saúde em uma atuação transdisciplinar (fisioterapia, nutrição, psicologia, farmácia, enfermagem, etc.).

A família e os cuidadores também devem ser incluídos no tratamento, como uma forma de estarem mais presentes e serem auxiliados e orientados em todos os âmbitos que a doença exige, desde um simples banho até como realizar atividades cognitivas e como proceder para o autocuidado, a fim de não adoecerem juntos.

Além do tratamento medicamentoso, exercícios físicos, alimentação adequada e os cuidados pessoais, devemos também desenvolver estratégias compensatórias de adaptação para estimular o paciente no que desrespeito as funções cognitivas comprometidas e realização de atividades diárias, conhecida também como estimulação cognitiva ou reabilitação cognitiva.

Essa estimulação cognitiva como alternativa de tratamento não medicamentoso à Doença de Alzheimer se faz importante não só para o treino das funções cerebrais perdidas como também no controle de outros sintomas, promovendo assim o bem estar do paciente e o ajudando a viver melhor com as limitações que a doença lhe impõe.

Alzheimer.1 jpg

Estudos comprovam que quanto mais cedo o diagnóstico da Doença de Alzheimer for feito, mais efetivo é o tratamento. Por isso a importância da troca de conhecimentos e experiências e, principalmente, de informar a população sobre a doença, sintomas iniciais, alternativas de tratamento medicamentoso e não medicamentoso, e formas de se lidar com a pessoa no dia a dia.

Não podemos curar a Doença de Alzheimer, mas enquanto tivermos em mãos mecanismos para amenizar sua progressão e promover uma maior e melhor qualidade enquanto esta ainda existir, devemos proporcionar essa condição a todo idoso comprometido ou não pela doença. Não tratamos a Doença de Alzheimer, e sim a pessoa humana que possui a Doença de Alzheimer, bem como seus familiares e cuidadores!

http://www.portaldoenvelhecimento.com/saudedoenca/item/3366-doen%C3%A7a-de-alzheimer-e-qualidade-de-vida-uma-realidade-poss%C3%ADvel

        

Anúncios

2 comentários sobre “DOENÇA DE ALZHEIMER E QUALIDADE DE VIDA: UMA REALIDADE POSSÍVEL!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s