DA VIDA, SÓ QUERO A SIMPLICIDADE…

Assim é meu lar, como descreve #Clara Baccarin

O meu castelo é de fantasia, construído dentro da #casinha simples do interior. Nele, as paredes não possuem muitos quadros, a cozinha não precisa de muitos apetrechos, os armários não guardam grandes segredos. Mas as janelas são amplas, boas de se perder a vista.

No meu #lar não sei receber visitas ilustres, cheias de etiquetas, de pompas e de mistérios. Este lar é ‘pobre’, porém limpinho. Quem chega descalçando os sapatos é bem vindo. E também são bem vindos aqueles que se deixam invadir sem medo, daquele jeito ingênuo de quem nunca percebeu as segundas intenções do mundo. Aqueles que tratam até os estranhos como ‘de casa’. E eu, se preciso, jogo mais água no feijão para fazer render a amizade e a #boacompanhia.

É que aqui, os sentimentos são antigos, talvez até antiquados, cozidos em panela velha, devem ser resultado de receita de avó. As tarefas da casa são simples, mas há de executa-las com carinho. Qualquer frescura pode ser substituída por uma boa dose de afeto. E no final do dia, uma mão lava a outra. Às vezes as roupas sujas se acumulam num canto da casa, mas a gente perde um tempo e lava tudo aqui dentro mesmo, no dia seguinte fica tudo às claras outra vez. As mágoas vão para o ralo junto com a espuma do sabão de coco.

#Davidaquero o que é #simples mas de #boaqualidade. Quero pessoas que trazem o que podem, mas se compartilham por inteiro e quando se afastam, carregam lembranças bem nutridas e corações satisfeitos.

Sou simplesmente assim como

O TEMPO VOA…

Eu não tenho tempo à perder… vivo a vida intensamente,com muita alegria… Vivo o agora! Nunca vou ser da turma do “depois” ou “se”… Gostei deste texto que li recentemente, dá uma boa reflexão:

O tempo não pode ser segurado; a vida é uma tarefa a ser feita e que levamos para casa.

Quando vemos já são 18 horas.

Quando vemos já é sexta feira.

Quando vemos já terminou o mês.

Quando vemos já terminou o ano.

Quando vemos já se passaram 50 ou 60 anos!

Bem isso que #MárioQuintana escreveu.

Quando vemos, nos damos conta de ter perdido um amigo.

Quando vemos, o amor de nossa vida parte e nos damos conta de que é tarde para voltar atrás…

Não pare de fazer alguma coisa que te dá prazer por falta de tempo, não pare de ter alguém ao seu lado ou de ter prazer na solidão.

Porque os teus filhos subitamente não serão mais teus e deverá fazer alguma coisa com o tempo que sobrar. Temos tantas coisas pra fazer…

Tenta eliminar o “depois”…

Depois te ligo…

Depois eu faço…

Depois eu falo…

Depois eu mudo…

Penso nisso depois…

Deixamos muitas vezes tudo para depois, como se o depois fosse melhor, porque não entendemos que:

Depois, o café esfria…

Depois, a prioridade muda…

Depois, o encanto se perde…

Depois, o cedo se transforma em tarde…

Depois, a melancolia passa…

Depois, as coisas mudam…

Depois, os filhos crescem…

Depois, a gente envelhece…

Depois, as promessas são esquecidas…

Depois, o dia vira noite…

Depois, a vida acaba…

Não deixe nada para depois porque na espera do depois se pode perder os melhores momentos, as melhores experiências, os melhores amigos , os melhores amores…

Lembre-se que o depois pode ser tarde.

O dia é hoje, não estamos mais na idade em que é permitido postergar.

Talvez tenha tempo para ler e depois compartilhar esta mensagem ou talvez deixar para…”depois”

Sempre unidos:

Sempre juntos…

Sempre fraternos…

Sempre amigos…

(Autor desconhecido).

E vocês o que pensam disto?

As VANTAGENS DE TER 60 ANOS, OU MAIS…

Não sei quem é o autor, mas achei que tem tudo a ver com o meu momento atual…

Eu nunca trocaria meus amigos surpreendentes, minha vida maravilhosa, minha amada família por menos cabelo branco ou uma barriga mais lisa.

Enquanto fui #envelhecendo tornei-me mais amável para mim e menos crítico de mim mesmo.

Eu me tornei meu próprio amigo…

Eu não me censuro por comer biscoito extra, ou por não fazer a minha cama, ou pela compra de algo bobo que eu não precisava.

Eu tenho o direito de ser desarrumado, de ser extravagante.

Vi muitos amigos queridos deixarem este mundo cedo demais, antes de compreenderem a grande liberdade que vem com o #envelhecimento.

Quem vai me censurar se resolvo ficar lendo ou jogar no computador até às quatro horas e dormir até meio-dia?

Quem irá me tirar o prazer de ficar na cama ou na frente da televisão o tempo que eu quiser?

Eu dançarei ao som daqueles sucessos maravilhosos dos anos 70 & 80 e se eu, ao mesmo tempo, desejar chorar por um amor perdido…

Se eu quiser, vou andar na praia em um short excessivamente esticado sobre um corpo decadente e mergulhar nas ondas com abandono, apesar dos olhares penalizados dos outros no “jet set”.

Eles também vão #envelhecer.

Eu sei que sou às vezes esquecido, mas há algumas coisas na vida que devem mesmo ser esquecidas.

Eu me recordo das coisas importantes. Claro, ao longo dos anos meu coração foi quebrado.

Mas corações partidos são os que nos dão força, compreensão e compaixão. Cresci muito.

Um coração que nunca sofreu é imaculado e estéril, e nunca conhecerá a alegria de ser imperfeito.

Sou abençoado por ter vivido o suficiente para ter meus #cabelosgrisalhos e ter os risos da juventude gravados para sempre em sulcos profundos em meu rosto.

Muitos nunca riram, muitos morreram antes de seus cabelos virarem prata.

Conforme você envelhece, é mais fácil ser positivo.

Você se preocupa menos com o que os outros pensam.

Eu não me questiono mais.

Eu ganhei o direito de estar errado. Assim, para responder sua pergunta, eu gosto de ser #velho.

Eu gosto da pessoa que me tornei.

Não vou viver para sempre, mas enquanto ainda estou aqui, não vou perder tempo lamentando o que poderia ter sido, ou me preocupar com o que será.

E, se me apetecer, vou comer sobremesa todos os dias.

#Envelhecer, me trouxe sabedoria e leveza na alma.

E você faria diferente?

DENTRO E FORA!

A menina que me habita é assim… Adorei esse poema de #LuanJessan…me lembrei de todas nós!!! Leiam:

“#Porfora tenho tantos anos que vc nem acredita.

#Pordentro, doze ou menos, e me acho mais bonita.

Por fora, óculos; algumas rugas, gordurinhas, prata nos tintos cabelos.

Por dentro sou dourada, alma imaculada, corpo de modelo.

Por fora, batem paixões contra o peito.

Paixões por versos, pinturas, filosofia e amigos sem despeito.

Por dentro, sei me cuidar, vivo a brincar, meio sem jeito.

Não me derrota a tristeza; não me oprime a saudade;

Não me demoro padecente.

E é por viver contente que concluo sem demora: é a menina que vive por dentro, que alegra a #mulher de fora! ”

O QUE A MEMÓRIA AMA, FICA ETERNO.

Quando penso nas memórias de minha vida… no que já aprendi, vivi e revivi… sei bem que fica tudo eternamente guardado dentro de nós, mas basta um gatilho pra fazer disparar todas as lembranças daquilo que nos marcou com significado dentro de nós. Adélia Prado descreve tudo isso neste artigo: leia…

Quando eu era pequena, não entendia o choro solto da minha mãe ao assistir a um filme, ouvir uma música ou ler um livro. O que eu não sabia é que minha mãe não chorava pelas coisas visíveis. Ela chorava pela eternidade que vivia dentro dela e que eu, na minha meninice, era incapaz de compreender.

O tempo passou e hoje me emociono diante das mesmas coisas, tocada por pequenos milagres do cotidiano.

É que a memória é contrária ao tempo. Enquanto o tempo leva a vida embora como vento, a memória traz de volta o que realmente importa, eternizando momentos. Crianças têm o tempo a seu favor e a memória ainda é muito recente. Para elas, um filme é só um filme; uma melodia, só uma melodia. Ignoram o quanto a infância é impregnada de eternidade.

Diante do tempo, envelhecemos, nossos filhos crescem, muita gente parte. Porém, para a memória, ainda somos jovens, atletas, amantes insaciáveis. Nossos filhos são crianças, nossos amigos estão perto, nossos pais ainda vivem.

Quanto mais vivemos, mais eternidades criamos dentro da gente. Quando nos damos conta, nossos baús secretos – porque a memória é dada a segredos – estão recheados daquilo que amamos, do que deixou saudade, do que doeu além da conta, do que permaneceu além do tempo.

A capacidade de se emocionar vem daí, quando nossos compartimentos são escancarados de alguma maneira. Um dia você liga o rádio do carro e toca uma música qualquer, ninguém nota, mas aquela música já fez parte de você – foi o fundo musical de um amor, ou a trilha sonora de uma fossa – e mesmo que tenham se passado anos, sua memória afetiva não obedece a calendários, não caminha com as estações; alguma parte de você volta no tempo e lembra aquela pessoa, aquele momento, aquela época…

Amigos verdadeiros têm a capacidade de se eternizar dentro da gente. É comum ver amigos da juventude se reencontrando depois de anos – já adultos ou até idosos – e voltando a se comportar como adolescentes bobos e imaturos. Encontros de turma são especiais por isso, resgatam as pessoas que fomos, garotos cheios de alegria, engraçadinhos, capazes de atitudes infantis e debilóides, como éramos há 20 ou 30 anos. Descobrimos que o tempo não passa para a memória. Ela eterniza amigos, brincadeiras, apelidos… mesmo que por fora restem cabelos brancos, artroses e rugas.

A memória não permite que sejamos adultos perto de nossos pais. Nem eles percebem que crescemos. Seremos sempre “as crianças”, não importa se já temos 30, 40 ou 50 anos. Pra eles, a lembrança da casa cheia, das brigas entre irmãos, das estórias contadas ao cair da noite… ainda são muito recentes, pois a memória amou, e aquilo se eternizou.

Por isso é tão difícil despedir-se de um amor ou alguém especial que por algum motivo deixou de fazer parte de nossas vidas. Dizem que o tempo cura tudo, mas não é simples assim. Ele acalma os sentidos, apara as arestas, coloca um band-aid na dor. Mas aquilo que amamos tem vocação para emergir das profundezas, romper os cadeados e assombrar de vez em quando. Somos a soma de nossos afetos, e aquilo que amamos pode ser facilmente reativado por novos gatilhos: somos traídos pelo enredo de um filme, uma música antiga, um lugar especial.

Do mesmo modo, somos memórias vivas na vida de nossos filhos, cônjuges, ex-amores, amigos, irmãos. E mesmo que o tempo nos leve daqui, seremos eternamente lembrados por aqueles que um dia nos amaram.

COMO E (PORQUE) MESCLAR GERAÇÕES NA EMPRESA.

Tenho pensado muito ultimamente sobre as diferentes gerações que podem e devem aprender e crescer muito juntas no mundo corporativo e na vida. Nossa experiência é tão valiosa… juntando com o conhecimento tecnológico do jovem. Temos muito a ganhar. Neste artigo podemos enxergar bem isso: inteligência emocional x inteligência digital Leiam:

Segundo o consultor estratégico do Airbnb, Chip Conley, a inteligência digital dos millennials ganha quando em contato com a inteligência emocional dos mais velhos — e vice-versa.

“Pela primeira vez na história, cinco gerações convivem no lugar de trabalho. Isso é uma enorme oportunidade. E uma dificuldade,” diz Chip Conley, fundador da Modern Elder Academy, uma escola para preparar adultos para a “velhice moderna”. Palestrante no evento promovido hoje (11/09) por Época NEGÓCIOS, com apoio do Google Campus, em preparação para o Festival de Inovação e Cultura Empreendedora, Chip conhece bem o potencial e os desafios da parceria geracional.

Ele era um “idoso” de 52 anos em 2013, quando foi trabalhar em uma startup que começava a crescer: o Airbnb. “Eu tinha o dobro da idade de qualquer outro no escritório e me sentia um idiota, porque não tinha a menor ideia do que estavam falando. Pensei em ir embora”, diz. “Aos poucos, fui promovendo uma troca: os jovens têm inteligência digital e eu, mais velho, tenho inteligência emocional”. Conley se tornou guru do jovem fundador da empresa, Brian Chesky e, desde então, o valor da startup saltou de US$ 10 bilhões para mais de US$ 30 bilhões. “Brian me disse: eu o contratei pelo seu conhecimento, mas o que você nos traz é sabedoria”, diz. 

A troca entre inteligência digital e emocional é benéfica para as gerações e para a inovação. “Empresas com diversidade de pensamento são mais produtivas. As companhias estão acostumadas a promover variedade de gênero, mas o maior impacto vem da diversidade etária”, diz. “O cérebro encolhe, com a idade, de tal maneira que os hemisférios esquerdo e direito se tornam mais próximos. A pessoa consegue transitar mais facilmente entre a fantasia e a análise”. Chip propõe algumas formas de cultivar a inclusão geracional:

Faça feiras de conhecimentos

Promova encontros informais, de fim de tarde, para os funcionários dizerem o que sabem e o que gostariam de saber. Mutuamente interessados, poderão promover uma troca. “Não chame de mentoria, porque o termo assusta, mas é essa a ideia”, diz Chip.

Mapeie e estimule os sábios

Funcionários experientes que não sobem na carreira executiva frequentemente se consideram (e são considerados) pouco úteis. “Eles são estratégicos. É possível identificá-los e montar um mapa de calor na empresa, para saber como e quando aproveitar seu potencial”, diz Chip. “75% dos millennials afirmam que gostariam de contar com um mentor, mas apenas 2% têm um”, diz Chip. “Essa minoria é justamente a que não fica pulando de uma startup para outra. Orientação é uma ótima forma de reter talentos”.

Estimule a identidade

É curioso pensar em homens brancos de 50 anos como minoria, mas, conforme isso se torna realidade no ambiente de trabalho, sua organização em grupo pode ser estimulada. “Funcionários mais velhos formam um grupo de interesses comuns, podem se organizar para trocar experiências e propor ideias”.  

Saiba reconhecer a sabedoria

Para cultivar os sábios, é importante saber o que é sabedoria no ambiente corporativo. Para Chip, ela não é meramente o conhecimento acumulado. “Conhecimento acumulado é o que eu encontro numa busca no Google. Isso não é tão importante”, afirma Chip. “Sabedoria é a capacidade de destilar a vivência em poucos e bons aprendizados”.

https://www.ted.com/talks/chip_conley_measuring_what_makes_life_worthwhile/up-next?language=pt#t-30813

Fonte: Marcelo Moura, Época

12 ATITUDES FUNDAMENTAIS PARA UMA VIDA MAIS LEVE.

“É fácil ser pesado. Difícil é ser leve”. Gretchen Rubin

Stephanie Gomes nos diz que é difícil viver com leveza porque, por incrível que pareça, nos sentimos mais fortes e seguros quando temos com o que nos preocupar, questões a solucionar e problemas que precisam de nós para serem resolvidos. Por causa de hábitos e escolhas que se tornaram comuns em nosso cotidiano, não estamos acostumados a nos sentir bem por muito tempo. Não nos parece normal.

Uma vida leve é uma vida com menos stress e mais momentos alegres, menos preocupações e mais otimismo, menos pressa e mais dedicação, menos vergonha e mais bom humor, menos cansaço e mais vontade de viver. Quando falamos em “viver com leveza” estamos falando sobre saber viver.

vida-mais-leve

Ter uma vida mais leve é questão de escolha. Com algumas pequenas atitudes e mudanças de pensamento, é possível transformar aquilo que serve apenas para fazer peso na nossa vida em fonte de alegria e satisfação. Existem algumas escolhas que você pode fazer agora mesmo para começar a viver com mais leveza, otimismo, tranquilidade e bom humor:

1) Tenha menos coisas: Palavras de Buda: “quanto mais coisas você tem, mais terá com o que se preocupar”. E acrescento: quanto mais você tem, menos satisfeito está, porque sempre vai querer mais. Preocupação e insatisfação são sentimentos opostos a uma vida leve. Quanto menos você se preocupar em manter uma quantidade alta de bens e menos pensamentos sobre possuir coisas ocuparem sua mente, mais espaço se abre na sua vida para viver com serenidade, ser feliz e afastar-se de sentimentos como falta, angústia e ansiedade.

2) Não leve a vida tão a sério: Você não precisa estar sempre certo. Não é obrigado a ter certeza de que está no caminho mais seguro e correto. Não há necessidade de definir agora todas as direções que seguirá até o fim de sua vida. Não tem que saber se o que está fazendo agora te trará grandes resultados ou recompensas. Você pode apenas viver! O mundo não vai parar se você de vez em quando fizer uma pausa nos deveres para se divertir, curtir o momento, esquecer as partes chatas do dia a dia e não responder e-mails nem atender o celular. Há pessoas que acreditam que as coisas só funcionam à base da neurose, perfeccionismo e seriedade, mas estas características são totalmente dispensáveis e apenas dificultam o processo, seja em relação a trabalho, relacionamentos, família, estudos e todas as outras áreas da vida.

nao-leve-a-vida-tao-a-serio

 

3) Não faça tanta coisa: Se você tem obrigações demais e pouco ou nenhum tempo para aquilo que faz apenas por prazer, a vida se torna pesada, maçante e sem sentido. O quanto de tempo você investe no que realmente faz você se sentir bem? Se a resposta for “muito pouco” ou “nenhum”, é hora de dar o pontapé inicial para uma mudança na sua rotina.

4) Vá com calma: Pare de correr tanto e de fazer tudo com pressa. Diminua um pouco o seu ritmo e dispense a ansiedade, sentimento que é um vício extremamente prejudicial à sua felicidade e também à sua saúde. Talvez você nem perceba, mas já se tornou um hábito fazer com extrema rapidez todas as atividades do cotidiano (até as mais simples). Repare se você anda na rua, lê, come, trabalha e atende o telefone em ritmo tenso e acelerado sem perceber. Se quer uma vida mais leve, comece a mudar este costume.

5) Fique o máximo que puder ao lado de quem te faz rir: No filme Amor sem Escalas há uma frase que gosto muito: “Nas suas melhores lembranças, nos momentos mais importantes da sua vida, você estava sozinho? A vida é melhor com companhia”. Estar com alguém que te faz rir com vontade é um dos (grandes) prazeres da vida. Rir faz bem, deixa a vida mais leve, traz disposição e acaba com o stress. Procure ficar ao lado de pessoas engraçadas e espontâneas e traga mais boas sensações e leveza para a sua vida.

esteja-com-quem-te-faz-rir

6) Pense menos: Alguma vez você já se sentiu cansado de pensar? Acontece quando faz uma atividade automaticamente e seus pensamentos estão longe, se você cultiva a mania de sempre esperar pelo pior em qualquer situação, quando guarda mágoas, ao ficar imaginando diálogos ou situações etc. Em todos os casos, você está desgastando sua mente e isso faz com que se sinta pesado e sobrecarregado, desnecessariamente. Comece já a administrar seus pensamentos e pare de usar sua mente para carregar pensamentos incômodos e dispensáveis. Condicione-a a funcionar a seu favor, com pensamentos positivos que farão você se sentir bem e atrair coisas boas. Se não conseguir pensar em nada bom, então não pense. Medite, concentre-se em alguma atividade ou durma. Fuja do hábito de usar seus pensamentos para depositar coisas ruins dentro de você.

7) Pare de lamentar a agradeça: Eu sei que tem várias coisas na sua vida que não estão como você gostaria. Na minha também. E na de todo mundo! Mas, enquanto algumas pessoas optam por agradecer por aquilo que está bom, outras passam os dias se lamentando, sem conseguir enxergar que têm muitos bons motivos para serem gratas. Os integrantes do primeiro grupo escolheram viver uma vida mais leve e sabem que a gratidão as leva para este caminho. Já as reclamações e lamentos constantes de quem se identifica com o segundo grupo encaminham diretamente para a infelicidade de crer que sua vida é um peso a ser carregado. Questão de opção.

8) Use o bom humor para lidar com suas falhas: Falou alguma besteira? Acontece com todo mundo, ria de você mesmo! Pagou um mico em público? Veja pelo lado engraçado e ria sozinho ou junto de quem estiver com você! Permita-se falhar e não faça disso um grande problema. Bom humor é uma das mais importantes virtudes para uma vida leve.

use-o-bom-humor

9) Pare de transformar situações em problemas: Às vezes o que você chama de problema é apenas uma situação qualquer que está sendo vista pelo lado negativo, e que você poderia muito bem deixar para lá ou permitir que ela passe sem causar prejuízo nenhum. São acontecimentos, não problemas. O problema é como você reage a elas, portanto, está nas suas mãos decidir se ele existe ou não. Reflita sobre as últimas situações que fizeram você se sentir mal e faça isso também das próximas vezes em que perceber um aborrecimento chegando. Provavelmente vai perceber que boa parte do que aconteceu poderia ter sido ignorado ou não precisava que você desse tanta atenção. Com as novas situações, ao pensar antes de reagir, vai conseguir evitar que você mesmo complique algo que não precisa ser complicado.

10) Contamine-se com coisas boas: Procure por boas notícias na internet, televisão e outros meios de comunicação. Veja filmes e leia livros que falem de histórias ou assuntos positivos, ouça músicas animadas, vá a lugares onde há coisas bonitas para se ver. Encha sua vida de coisas que façam você se sentir positivamente inspirado.

11) Adicione leveza à sua vida: Ande descalço, respire fundo, use roupas confortáveis, ria alto, coma sobremesa, balance na rede, corra ao ar livre, aprecie o silêncio, conecte-se com a natureza, brinque, cante, dance, viaje para longe, faça uma pausa, se espreguice, abrace quem você ama, emocione-se, sinta-se livre, deixe seu coração falar mais alto que a razão, faça o que tem vontade, ame sua vida! São coisas como estas que fazem com que sejamos mais abertos aos bons sentimentos e sensações que a vida pode nos proporcionar.

adicione-leveza

12) Seja gentil, educado e generoso: Quando age positivamente em relação às outras pessoas, sua atitude gera energia positiva tanto para elas como para você, e faz com que se sinta bem com si mesmo, ao contrário do que acontece quando trata alguém com grosseria ou rispidez. Lembre-se: a leveza vem de dentro para fora, portanto, doe aos outros aquilo que você tem de melhor para despertar as coisas boas que existem dentro de você.

Fonte: http://desassossegada.com.br/2014/04/28/12-atitudes-fundamentais-para-uma-vida-mais-leve/

NÃO É A APARÊNCIA QUE ENCANTA, É A ESSÊNCIA…

Essencia

Simone Guerra nos faz refletir sobre o que realmente nos importa… nossa essência. Leiam:

Muitas vezes vivemos em função do outro. Gastamos o que temos e o que não temos para impressionar, para demonstrar e até mesmo aparecer, e no fim de tudo não resta sequer um olhar, um muito obrigado ou um elogio. A pior decepção é aquela que nos abraça na hora errada e vem de quem menos esperamos.

Criamos expectativas demais com as pessoas à nossa volta. Cismamos que aparências e uma boa apresentação nos conecte com alguém que queremos. Vivemos ilusões perdidas e conquistas unilateral, muitas vezes. Quem nunca comprou algo para impressionar alguém e se decepcionou? Todo mundo, pelo menos uma vez na vida, inventou moda, pagou e ainda chorou desconsolada porque ele não percebeu.

Aprendi a fazer agrados para mim mesma, porque depois de muitos anos vividos, percebi que sou minha melhor plateia. Não é excesso de autoestima, não. Muito menos confiança demais, é apenas ter consciência que homens apreciam outras coisas. Raramente vamos encontrar um homem que consiga distinguir uma roupa de boutique com uma de brechó, um sapato caro com algum de liquidação, uma colônia barata de um perfume bom e caro, porque para eles, o imprescindível é a companhia, o carinho, o sexo, o beijo, a pegada, o cheiro natural. Então, aprendi a gastar com mais atenção, algumas horas a mais em casa, carinho dobrado e conversa que convence e acolhe.

essencia 3

Demoramos muito tempo para aprendermos que superficial, supérfluo e falta de contexto matam os encantos. Ninguém precisa ter aparência impecável e cara para encantar, é preciso apenas demonstrar através da simplicidade amor e acolhimento. Uma roupa bonita, um sapato lindo, jóias e maquiagem, muitas vezes, encantam apenas vitrines, porque ninguém vive de aparências.

Exupéry disse: “o essencial é invisível aos olhos”, tão invisível que se compara com a nudez do amor. O amor é tão puro que tem a necessidade de ser transparente, invisível. Se é amor, aquela roupa de grife, aquela bolsa com quatro ou mais dígitos continuarão sendo apenas detalhes, porque uma representação de você não vai ter a mesma importância que a sua essência. E homens, por incrível que pareça, trocam qualquer Valentino, Dior, Chanel por essência e bom humor. Pena, que só entendemos isso depois que já nos preocupamos demais em retocar a maquiagem, escovar os dentes antes dele acordar…

É importante cuidar de nós mesmos, comprar o que nos fazem felizes, gastar com supérfluos, andar na moda, ser impecável, desde que isso te dê aquela sensação de felicidade, de prazer… E se isso não impressionar quem você quer, por favor, não fique triste ou pense que gastou tempo e dinheiro à toa, porque quem deve se impressionar com você antes de qualquer outra pessoa, é você mesma. Faça o seu melhor para você, sempre! Assim, você não vai se decepcionar.

Não é preciso comprar a roupa mais linda para conquistar, porque homens não prestam atenção em detalhes, então compre para você mesmo e se aprecie. Alguém que você quer ao seu lado, vai se preocupar com o que está dentro dos seus pensamentos e coração. O amor tem a exigência de ser leve e inteligente, porque é pura essência.

HOJE EU DECIDI SER FELIZ!

Bia brinde Reins 2015-06-02 14.25.58

Como Erick Morais, decidi ser feliz… hoje e sempre! Leiam:

Hoje eu decidi ser feliz. Decidi abandonar aquele peso que eu carregava, que me sufocava, me deixava preso e me impedia de voar. Decidi sair da gaiola e transgredir as normas. Cansei de ser normal, de ser igual, de ser mais um. Cansei das respostas, agora só me preocupo com as perguntas. Perdi-me nas certezas e encontrei-me na loucura

Hoje eu decidi ser feliz. Decidi abandonar todas as presenças ausentes. Cansei de estar rodeado de multidões e me sentir sozinho. Daqui pra frente só aceito olhares profundos, ouvidos atentos, línguas afiadas e abraços apertados. Quero ao meu lado apenas aqueles que se jogam no mar sem medo de se perder.

Hoje eu decidi ser feliz. Decidi andar devagar, aproveitar o dia, esperar de mansinho a lua e sentir, entre as ondas que quebram na praia, as brisas que vem do oceano. Quero correr despreocupado pelo céu, descansar nas nuvens e beber água na fonte.

Hoje eu decidi ser feliz. Decidi prestar mais atenção nas felicidades presentes nas pequenas coisas. Decidi entregar-me aos pequenos prazeres e ser rei apenas do meu reino. Entreguei-me voluptuosamente aos encantos da distração para não perder nesta terra escassa nenhum raro poço de alegria.

Hoje eu decidi ser feliz. Decidi superar todos os meus medos e as minhas vergonhas. Decidi largar a borracha e fazer de cada borrão um novo traço, mais vivo, mais marcante, mais vibrante de um quadro em constante transformação.

Hoje eu decidi ser feliz. Decidi desbravar o mundo enquanto há tempo. Decidi lutar pelos meus sonhos, queimar o pé no asfalto, sentir a mão que afaga e ao mesmo tempo apedreja, pegar carona em balões de poesia e lutar contra as feras da selva de pedra.

Hoje eu decidi ser feliz. Decidi aprender a sorrir mais para poder enxergar na queda o passo de dança. Enxergar o novo lance de escada para continuar a subir, a melodia do silêncio para continuar a cantar e o balanço da rede para adormecer as tormentas.

Hoje eu decidi ser feliz. Decidi continuar a lutar por esse mundo vil e também encantador, que tanto me machuca e me alegra, que tanto me castiga e me nina, que tanto me manda embora e me prende em teus braços para que jamais encontre morada em outro lugar.

Hoje eu decidi se feliz. Decidi me perder nas linhas tortas do destino ou ser mochileiro de uma estrada sem rumo. Decidi explorar meus avessos, ter coragens infantis, vislumbrar o impossível e ser maluco o bastante para sempre acreditar no futuro.

Hoje eu decidi viver e lutar pela vida. Decidi enfrentar a minha tragédia fantasiado de palhaço para sempre rir por mais que o choro seja inevitável, para rir por mais que o choro seja seco, para rir e sempre lembrar que por mais dura que esta terra seja, sempre haverá poetas que jamais se esquecem de sorrir e enquanto estes existirem, sempre haverá uma nova aurora para nascer, um novo hoje a recomeçar e um novo dia para buscar o destino de felicidade do universo.

MAIS DO QUE RESILIÊNCIA, A VIDA PRECISA DE ESPERANÇA.

resiliência

O tempo não para todas as vezes que um problema aparece, não para a fim de que possamos pôr a casa em ordem. Mal saímos de um problema e outros já aparecem, de modo que viver sem que sejamos sufocados por todas as dificuldades que enfrentamos cotidianamente torna-se algo extremamente difícil.

É preciso ter a tal da resiliência, mas mais do que isso, é preciso ter esperança, pois quando esta se esvai, perde-se a capacidade de sorrir para o futuro.

Falando a verdade, existem momentos que não têm como aguentar, parece até que fomos sorteados pela vida só para se ferrar. Quando a gente pensa que as coisas ficarão tranquilas, somos jogados no chão e retornamos à realidade da dureza da vida. Entretanto, não há como parar diante da pedra no meio do caminho, é preciso ultrapassá-la, mesmo sabendo que novas pedras aparecerão durante a caminha.

É tolice acreditar que encontraremos caminhos mais fáceis, sem pedras ou que elas desaparecerão, porque isso não vai acontecer. Devemos continuar, mesmo com todas as dificuldades, acreditando no futuro apesar das circunstâncias adversas. Isso não significa ser otimista, pois o otimista sorri para o futuro em função de alguma coisa, já o esperançoso sorri para o futuro apesar de todas as pedras que existem no caminho.

Todas as vezes que sofremos com alguma coisa e paramos, o tempo passa junto e este ninguém consegue recuperar. Por isso, é necessário continuar respirando, continuar caminhando, uma vez que, mais hora, menos hora, percebemos que a vida segue o seu rumo mesmo com a nossa “ausência”, de maneira que precisamos enfrentar todos os nossos monstros, caso queiramos que as nossas vidas sejam escritas por nós mesmos, com as quedas e os fracassos, os choros e os desesperos, e não somente linhas rabiscadas pela força do tempo.

Nunca conseguiremos entender o porquê de todas as coisas, pois somos seres finitos tentando compreender a infinitude da vida. Mas, o fato é que estamos na vida como ela é, e esta é como uma noite fria com chuvas que vem e vão. Nós estamos na rua, sem guarda-chuva, sem cobertor, tendo que enfrentar o frio que parece congelar a espinha, se animando toda vez que a chuva cessa e tendo que enfrentá-la toda vez que retorna repentinamente. A vida é esse contraste entre o tudo e o nada e nós somos os atores dessa peça sem ensaio, com pouco público e com um fim incerto.

Talvez o ditado “Mar calmo nunca fez bom marinheiro” esteja correto e por isso a vida seja tão dura, talvez seja porque como dizia Rubem Alves – “Ostra feliz não faz pérola”. O que tenho certeza é que, como disse, o tempo não para toda vez que a gente tem que consertar a vida e, assim, faz-se necessário coragem para viver, lembrando Guimarães Rosa, pois apenas desse modo conseguimos fazer da dor o combustível para transformar a pedra no meio do caminho em um impulso para os nossos sonhos, já que por mais dura e seca que esta terra seja, as rosas que nela florescem sempre manterão a minha esperança de encontrar um jardim. By Erick Morais