MORRER NÃO SE IMPROVISA! RELATOS QUE AJUDAM A COMPREENDER AS REAIS NECESSIDADES – BEL CESAR.


BEL CESAR
“Cuidar da nossa travessia é internalizar uma compreensão esperançosa da morte”. Leonardo Boff.

A MORTE é um assunto que ninguém quer sequer pensar, quanto mais, falar sobre ela… este assunto é evitado por todos! Vamos envelhecendo, acontecem as perdas, anunciadas ou não… que me levaram a refletir melhor sobre a vida e a morte… Você já pensou sobre a Finitude? O que fazer quando já não há mais nada a fazer?   

Conheci Bel César, psicóloga, autora do livro “Morrer não se improvisa”, hoje numa palestra realizada por ” Mais velhos, Mais sábios” e fiquei encantada ao ouvir a voz suave e serena dela nos contando sobre a sua missão de vida e do seu “Projeto Viva da Clara Luz”.

Quem é Bel César:

Desde 1989 pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano e dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte e também ao tratamento do estresse pós-traumático com o método de S.E.®️ – Somatic Experiencing. Organizou a primeira vinda de Lama Gangchen Rinpoche ao Brasil em 1987. Presidiu o Centro de Dharma da Paz por 15 anos. Em parceria com Peter Webb, desenvolve atividades de Ecopsicologia no Sítio Vida de Clara Luz. Possui sete livros publicados pela Editora Gaia. Entre eles: “Morrer não se Improvisa”, “Livro das Emoções” e, em parceria com Lama Michel Rinpoche, “O Grande Amor – um objetivo de vida”. A palestra, realizada em São Paulo, partiu de uma reflexão sobre a visão da morte segundo o budismo tibetano e como podemos dar apoio as pessoas que enfrentam a morte assim como aquelas que estão enlutadas. Projeto este precioso onde auxilia os pacientes terminais a encontrar através de terapia de apoio espiritual (embasado no budismo tibetano) um apoio no momento de sua morte.   Para os budista tibetano a morte é a maior oportunidade da vida!”... É nesse momento que podemos voltar para casa – para nossa verdadeira natureza interna – o nível mais fundamental da consciência humana, que sobrevive á morte. Portando, podemos encontrar na morte o estado da paz e plenitude que buscamos durante toda a vida. Por isso não precisamos temer a morte e sim vivenciar com coragem. Confesso que nunca pensei muito sobre este assunto, mas com a doença grave, progressiva e degenerativa de minha mãe, que fará 90 anos em 27 de Abril deste ano, procurei saber mais sobre este assunto tão temeroso… como enfrentar esta passagem? É certo que a perspectiva da morte arranca a esperança do seio da vida, mas talvez seja o caso de tentarmos compreender as reais necessidades emocionais e espirituais daqueles que enfrentam a morte, dando apoio a essas pessoas nesse momento tão especial. É isso que Bel Cesar propõe neste livro “Morrer não é improviso” e na palestra que assisti. Evidentemente não é fácil vivenciar a morte com coragem, mas se falarmos da morte sem preconceitos vamos aprender a lidar com ela de maneira mais serena e veremos que a morte é, na verdade, a maior oportunidade da vida, um momento em que se pode voltar para a verdadeira natureza interna compreendendo que o mais fundamental da consciência humana sobrevive à morte.

Isto me trouxe uma certa leveza, na minha maneira de pensar. Esta visão é uma novidade pra mim, despertou ainda mais meu interesse. Comprei o livro e já comecei a ler, estou adorando e recomendo. Baseado em princípios budistas, este livro ensina como ajudar uma pessoa a atingir um estado mental positivo no momento da morte, encontrando paz e plenitude. Relatos de pacientes na fase final da vida, à espera da morte, comentados por profissionais de diversas áreas, fazem deste livro algo vivo “emocionante e encorajador”, pois ensina que sempre há alguma coisa a fazer, e faz-nos ver a morte com serenidade e esperança.

Da onde partiu esta ideia do livro ?

Em julho de 1999, em uma conversa informal com o seu mestre e amigo Lama Gangchen Rimpoche, Bel Cesar foi questionada sobre a possibilidade de escrever um livro que apresentasse sua experiência com pacientes que estão prestes a morrer. Pensou por alguns instantes e manteve-se reticente. Em seguida, Lama Gangchen foi mais incisivo; “Eu vou morrer e sei que meu trabalho vai continuar. E você, depois de morrer, quem vai dar continuidade ao seu trabalho?

A partir deste diálogo, Bel Cesar compreendeu que o compartilhar sua experiência profissional era muito mais relevante do que resistir em expor o seu trabalho ou a história de seus pacientes. Com coragem e determinação, Bel Cesar colocou no papel 12 casos atendidos desde 1991. Alterou o nome dos pacientes e pediu permissão aos familiares para publicá-los. Fez várias cópias e as distribuiu entre amigos e profissionais da área de saúde. Muitos se interessaram. Interessante que ela consegue integrar a convicção religiosa de cada paciente com sua prática budista e alcança resultados surpreendentes.

Segundo ela, isso só é possível porque o budismo está baseado num sistema de sabedoria universal, respondendo às necessidades inerentes de cada indivíduo, que é encontrar um sentido tanto para a vida como para a morte e cultivar uma visão de paz que transcenda o materialismo imediatista.

Gilberto Gil fez esta musica “Eu não tenho medo de morrer” que ilustra bem este momento da vida, achei  bem interessante, compartilho com vocês…

Veja o que ela diz sobre o livro dela:

 

 

CASA ARRUMADA – Carlos Drummond de Andrade.

” Eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade que se petrifica e nenhuma força o resgata”. Carlos Drummond de Andrade.

Assim como Carlos Drummond de Andrade, penso que uma “casa” só existe quando tem vida! Casa é lar! Leiam esta crônica:

Casa arrumada é assim: Um lugar organizado, limpo, com espaço livre pra circulação e uma boa entrada de luz.

Mas casa, pra mim, tem que ser casa e não centro cirúrgico, um cenário de novela. Tem gente que gasta muito tempo limpando, esterilizando, ajeitando os móveis, afofando as almofadas… Não, eu prefiro viver numa casa onde eu bato o olho e percebo logo: Aqui tem vida…

Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras e os enfeites brincam de trocar de lugar. Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha. Sofá sem mancha? Tapete sem fio puxado? Mesa sem marca de copo? Tá na cara que é casa sem festa. E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.

Casa com vida, pra mim, tem banheiro com vapor perfumado no meio da tarde. Tem gaveta de entulho, daquelas que a gente guarda barbante, passaporte e vela de aniversário, tudo junto…

Casa com vida é aquela em que a gente entra e se sente bem-vinda. A que está sempre pronta pros amigos, filhos… Netos, pros vizinhos… E nos quartos, se possível, tem lençóis revirados por gente que brinca ou namora a qualquer hora do dia.

Arrume a casa todos os dias… Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo para viver nela… E reconhecer nela o seu lugar.

 

 

SEXO DEPOIS DOS 50 ANOS: PROBLEMAS QUE ELES E ELAS ENFRENTAM…

Sexo-terceira-idade

“No homem, o desejo gera o amor. Na mulher, o amor gera o desejo.” Jonathan Swift

Sexo na “melhor idade” é um assunto de grande interesse, não é? Assunto cheio de tabus e preconceitos, mas que atualmente tem mudado muito. Afinal somos da geração Baby Boom (da Explosão de Bebês) e a Geração X (ou “baby bust“) lembra? Revolucionários? Acompanhamos de perto muitas mudanças culturais e sociais das décadas de 60 e 70. Mais do que uma explosão demográfica (Baby Boom), essas foram as gerações (e X) de grandes transformações culturais e sociais . Mudanças transformadoras eu diria, para um novo mundo que viria á frente. Dessas gerações surgiram os ideais de liberdade, o feminismo e os movimentos civis a favor dos negros e homossexuais. Gosto muito do que Maya Santana (do 50e mais) comenta sobre o sexo na terceira idade. Leiam.
Sexo depois dos 50 anos é um assunto cada dia mais atual, já que a população está envelhecendo rapidamente. E, a partir dessa idade, é natural que comecem aparecer os problemas: para as mulheres, um dos principais é a perda da libido e o consequente desinteresse por sexo; para eles, a questão mais aguda é a qualidade da ereção, que começa a declinar a partir dos 45 anos.

Que tal ler aqui trechos da entrevista de Mariza Tavares, de O Globo, com Carmita Abdo, uma das maiores autoridades do Brasil em questões sexuais, autora de oito livros, Doutora e livre-docente pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, fundou e coordena o Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP.

PERDA DA LIBIDO:
“A menopausa exerce um impacto muito grande sobre a mulher. Não fomos feitas para viver sem hormônios. Na ausência do estrógeno, a lubrificação da vagina fica prejudicada e a mulher pode, consequentemente, sentir dor na relação sexual. Há outros prejuízos: para os ossos, os músculos, a cognição. A reposição hormonal é medida de saúde precedida de orientação médica, mas não pode ser descartada. Também é preciso estar atenta à depressão, que aumenta sua incidência depois da menopausa. Neste caso, a mulher não se interessa por sexo, como também não quer se cuidar e se isola. Na verdade, é uma falta de interesse geral pela vida! No consultório, é frequente atender pacientes que não querem tomar antidepressivos, alegando que o remédio vai interferir negativamente na libido. Isso realmente pode acontecer, mas apenas durante o tratamento, enquanto que, se a depressão não for tratada, a falta de desejo sexual será mantida como consequência da depressão.”

Velhos-sexo

Depois dos 50, o maior problema para ela é a perda da libido; para ele, falhas na ereção.

POR QUE A MULHER PARECE SE INTERESSAR MENOS POR SEXO:
“A maioria das mulheres se empenha mais durante a sedução, no desafio da conquista. Algumas ficam, então, satisfeitas e abrem mão do prazer do ato sexual. Talvez por dificuldades pessoais, talvez devido a parceiros apressados ou inábeis. Ou até por desconhecimento delas, ou seja, porque não sabem como fazer o próprio corpo reagir ou não conseguem relaxar. Na atualidade, vivemos relações-relâmpago, com ainda menos chance de a mulher ter seu corpo pronto para a penetração, pois as preliminares nem sempre são suficientes ou satisfatórias. O sexo contextualiza a sociedade contemporânea, onde tudo acontece de forma rápida e descompromissada. Por outro lado, os homens adorariam ser informados sobre o que agrada às mulheres na cama. É o que ouço deles o tempo todo. No entanto, ainda parece estranho ou desconfortável para as mulheres falarem sobre o seu prazer sexual ou guiarem seus parceiros para o que dá prazer a elas. Algumas se referem a ser constrangedor falar, porque pode parecer que o parceiro não é eficiente e não ‘se garante’, a menos que seja conduzido. Puro machismo feminino. Ela prefere realizar um ato sem qualquer ganho pessoal, a correr o risco de ele se sentir pouco habilidoso. Vale a pena falar e dar a ele a oportunidade de fazer melhor.”

NOS HOMENS, PROBLEMAS DE EREÇÃO:
“Apesar do tamanho do pênis ser um grande fantasma na vida sexual dos homens, a qualidade da ereção (a qual começa a entrar em declínio a partir dos 45 anos) é ainda maior. Os medicamentos que promovem a ereção são eficazes, mas se o homem viveu boa parte de sua vida com o problema, certamente complicou o quadro com o prejuízo de sua autoestima. Nesse caso, a eficácia da medicação poderá estar comprometida e ele necessitará também de uma terapia sexual. O medicamento age na fase de excitação, o que significa que o desejo deve estar preservado para o efeito ocorrer. De modo geral, os homens não fazem prevenção e encaram o agendamento de uma consulta médica como sinal de fragilidade. No entanto, as doenças, quando prevenidas, ajudam a preservar a ereção na idade avançada. Se, por exemplo, todos os homens fizessem exame da próstata a partir dos 40 anos, teríamos uma diminuição drástica dos índices de câncer avançado e de cirurgias radicais, uma das causas de perda da ereção.”

Fonte:http://www.50emais.com.br/44968-2/

 

 

60 CONSELHOS DAS MULHERES DE 60 PARA AS JOVENS DE 30.

ENVELHECER 2.jpg

“Não se preocupe com o envelhecimento. Preocupe-se com o tédio.” Margaret Manning

Um dia Margaret Manning decidiu deixar o emprego e criar Sixty e me, uma comunidade para mulheres com mais de 60 anos.

Sua proposta abriu as mentes de muitas mulheres, fazendo-as questionar o propósito e o significado de suas vidas. Em particular, ela percebeu que as dúvidas se apresentavam de forma habitual nas mulheres que estavam em torno de 30 anos.

Então, Margaret convidou cada um dos membros de sua crescente comunidade para compartilhar uma dica com as mulheres que tinham metade de sua idade. Com conselhos honestos e profundos, que pudessem refletir o que elas passaram três décadas atrás, quando elas começaram a levantar voo.

Percebi que tenho muito á aprender com este lista rsrsrs… Nunca é tarde!

Aqui divulgamos suas sessenta sábias dicas:

Conselhos das mulheres de 60

1- Lembre-se de que você tem apenas uma vida; e esta não é um ensaio geral.

2- Tente ser positiva e olhar para o lado bom de cada experiência de vida.

3- Pense sobre o aqui e agora.

4- Viva cada dia de sua vida ao máximo, porque você nunca sabe o que te espera ao virar a esquina.

5- Lembre-se de que a sua vida pode mudar em um instante.

6- Ame todas as fases da sua vida e não tema passar por nenhuma delas, porque todas são mágicas.

7- Aprenda a viver o momento. Se você puder fazer isto enquanto você é jovem, vai ajudar muito quando você tiver 60.

8- A vida é muito curta para se preocupar com algo que vai acontecer no futuro. Viva o hoje.

9- Saia e desfrute da natureza!

10- Encontre um hobby ou um trabalho que faça você experimentar as diferentes sensações de cada fase de sua vida.

11- Seja você mesma. Envelheça com dignidade.

12- Foque no envelhecimento de uma forma positiva; não tente evitá-lo.

13- Aceite as mudanças em seu corpo e na sua mente enquanto você amadurece.

14- Seja sempre honesta com você mesma. A vida é um processo lento de aprendizagem, mas que vale a pena.

15- Preserve suas memórias, mas não seja demasiadamente dura consigo mesma.

16- Virginia Woolf estava certa; uma mulher precisa de espaço para si mesma e US$ 500.

17- Esqueça os estereótipos que a sociedade tem sobre o envelhecimento.

18- Não se preocupe com o envelhecimento. Preocupe-se com o tédio.

19- A idade é apenas um número, ela não define quem você é.

20- O tempo vai passar, goste você disso ou não, portanto comece a viver!

21- Não deixe de inspirar-se.

22- Viva de uma maneira simples e segura. Exercite-se, cultive, leia e viaje.

23- Um visual clássico sempre está na moda.

24- Não desperdice dinheiro em sapatos; os homens não olham para os seus pés.

25- Não encha a sua vida com coisas e pessoas inúteis!

26- Seja você mesma; brilhe. Mostre-se real, esteja consciente e viva em todos os momentos.

27- Não se torne obsessivas com as rugas. Quando elas começarem a 29. Esteja no presente; não se preocupe com o envelhecimento. O melhor ainda está por vir.

28- Viva com paixão e amor, com os olhos e o coração abertos. Basta ser feliz.

29- Esteja no presente; não se preocupe com o envelhecimento. O melhor ainda está por vir.

GRATIDAOFOTO02

30- Aprecie os pequenos prazeres da vida; não a complique ainda mais.

31- Respeite o seu parceiro e seus filhos da mesma forma que você quer que eles te amem e te respeitem.

32- Distribua o seu amor de forma livre e incondicional.

33- Tenha filhos quando quiser tê-los: não há um momento específico para isto.

34- Mostre empatia com você mesma e com aqueles que estão ao seu redor.

35- Tire um monte de fotos, você vai ficar feliz em tê-las quando seus entes queridos não estiverem mais presentes.

36- Aprenda a perdoar desde a juventude.aparecer em seu rosto, pense que elas são um mapa de sua vida.

37- Esqueça a sua raiva, e deixe a gratidão e a alegria serem a sua lei na vida.

38- Tenha um círculo íntimo de amigos. Isso é fundamental!

39- Valorize sua família. Eles vão estar com você quando os outros se afastarem. Irão apoiá-la durante todo o percurso de sua vida.

40- Nunca vá para a cama com raiva de si mesma ou de outra pessoa.

41- Diga ao seu parceiro, aos seus amigos e a sua família que você os ama todos os dias.

42- Aos 30 anos você se torna mulher. Aprecie sua beleza.

43- Não perca tempo se preocupando com coisas que não pode mudar; mude as que puder.

44- Termine um relacionamento ruim o mais cedo possível, você não pode mudar a outra pessoa.

45- Cuide de sua pele! E sorria com frequência.

46- Confie em seus instintos e nunca fale mal de si mesma.

47- Seja gentil com você mesma. Você não deve considerar o que não está sob seu controle. Se alguma coisa faz você se sentir mal, tire-a de sua vida.

48- Aprenda a rir de si mesma. Não seja tão séria!

49- Dedique algum tempo a si mesma todos os dias; ria e sorria o tempo todo.

50- Basta ser você mesma. Não pretenda ser perfeita.

51- Se você tem filhos, ame-os, mas não tente ser uma mãe perfeita.

52- Deixe o seu filho ser o seu próprio mestre.

53- Seja um guerreiro; aprenda a gerar os seus próprios recursos e a ser autossuficiente.

54- Não se guie pelo medo.

55- Não pare de aprender e a exercitar a sua mente, o seu físico e o seu espírito.

56- Mostre-se grato todos os dias, mesmo quando estiver tendo um dia ruim. Há sempre uma lição a aprender.

57- Aceite os aspectos positivos do envelhecimento, como ter menos responsabilidades e mais liberdade.

58- Muitas batalhas são simplificadas com a idade.

59- Não deixe que ninguém lhe diga que você está velho demais para fazer alguma coisa! Ou muito jovem.

60- Não tenha medo. Quando você ficar velha, você vai se sentir bem. A vida e a natureza preparam você para cada fase de sua vida.

Espero que gostem!

http://www.asomadetodosafetos.com/2017/02/60-conselhos-das-mulheres-de-60-para-as-jovens-de-30.html

A VIDA É UM CAMINHO DE APRIMORAMENTO CONSTANTE.

vida

Já dizia Saramago: “A vida é breve, mas cabe nela muito mais do que somos capazes de viver”.

A vida anda bem difícil né? Procurando um caminhar mais leve me deparei com este lindo texto de José Silveira, leiam:

Allan Kardec dizia que o espírito deve adotar uma postura diante da vida que lhe permita otimizar o conhecimento extraído de cada situação a ser ingerida. Isso é evolução.

Essa atitude é chamada de auto atualização permanente: exercício contínuo de leitura que o homem faz de si mesmo, dos outros, do mundo, da vida. Espécie de autoanálise promotora do crescimento pessoal. Ou seja, como dizia o mestre francês: “nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei”.

“O sol refulgia no céu límpido e azul, a água cintilava sob os seus raios, as árvores pareciam mais verdes e as flores mais alegres à sua benéfica influência. A água murmurejava com um ruído agradável; as árvores farfalhavam à leve brisa que lhes agitava as folhas; os pássaros cantavam nos ramos. Era manhã – uma clara e balsâmica manhã estival; a menor das folhas, o mais diminuto dos talos de grama palpitava de vida. A formiga saía para seu labor cotidiano; a borboleta, revoluteando, aquecia-se aos cálidos raios do sol; miríades de insetos estiravam as asas transparentes e gozavam a breve, posto que feliz existência. O homem caminhava, enlevado pela cena, e tudo era brilho e esplendor”.

Como qualquer paisagem idílica, o tempo “evapora” com pressa.

Realmente, o viver é breve. Já dizia Clarice Lispector: “A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar duram uma eternidade”.

meditando 3

Com o passar do tempo, sentimos que devemos extrair da vida o potencial de aprendizado de cada situação vivida. Muitas vezes, queremos sentir o desejo do eterno em nossas vivências. Queremos que o momento presente se prolongue. A eternidade é um dos desejos mais profundos do ser humano.

Todos nós queremos ser eternos. A maioria das religiões prometem a Vida eterna. E, muitas vezes, nos iludimos com essa perspectiva de eternidade.

Eternizar o momento é ter a consciência de que o futuro pode ser uma grande ilusão.

Aprendemos a partir disso que devemos viver o presente. Ou seja, carpe diem.

Devemos ver as dádivas do presente: os “milagres” do cotidiano. Devemos sentir a graça e a leveza ou mesmo os desafios e os percalços da nossa vida. Por trás de tudo, há uma beleza e um aprendizado. Tudo tem um significado.

Os “acasos maravilhosos de nossas vidas”, como situações inesperadas, são relâmpagos que clareiam nossos horizontes de escuridão.

A brevidade de nossa existência e a nossa fragilidade diante do que chamamos de acaso deve servir como alarme.

O acaso é uma alternativa para tentar explicar situações que desconhecemos. Acontece independentemente de nosso querer, desejo e vontade.

Não há razões ou “conexões lógicas”. O acaso se assemelha ao acidente e as contingências.

O acaso não é somente a negação de um determinismo ou de uma explicação racional, de fato, é o estabelecimento de uma desordem.

Porém, “nada acontece por acaso”.

O acaso possui uma ordem racional de “situações não explicáveis”.

Devemos buscar entender a mensagem do acaso.

Tudo possui sua razão de ser e se constitui em um discurso a ser “lido”. E chegamos à conclusão de que não existem vidas que se desenvolvem paralelamente, mas todas estão entrelaçadas e fazem parte de um todo.

Um encontro inesperado depois de muitos anos. Um telefonema. Um e-mail. Uma notícia.

Aprendemos que os eventos do “acaso” fomentam nossa evolução.

A evolução é um dos objetivos da própria vida.

A evolução faz parte da história de nossa espécie.

Espero que gostem.

http://www.resilienciamag.com/vida-e-um-caminho-de-aprimoramento-constante/

PARA SE SENTIR PLENO, CALE-SE E CULTIVE O SEU SILÊNCIO INTERIOR…

gratidaofoto02

“O silêncio é ..de ouro e muitas vezes é resposta.” Sabedoria Popular

Sempre procuro por textos que melhorem à minha maneira de ser e viver rsrsrs… quando me deparei no Blog 50 e mais da Maya logo quis dividir com vocês. Este texto é do Portal do Budismo e foi publicado com o título original de “Tao – a sabedoria do silêncio interno”… é pra refletir bastante!

Chamou a minha atenção a palavra silêncio – algo tão raro no nosso exterior e igualmente raro no nosso interior, nestes tempos de tanto barulho. Falamos demais quando precisa e quando não precisa. Falamos por falar. Jogamos fora as palavras sem ao menos nos determos no significado delas. Passamos muito tempo fora de nós mesmos, apontando para os outros, julgando, falando mal. Com isso, não olhamos para dentro. Talvez porque seja muito mais difícil. Como falar menos e cultivar mais o nosso silêncio interior? Leia:

Pense no que vai dizer antes de abrir a boca. Seja breve e preciso, já que cada vez que deixa sair uma palavra, deixa sair uma parte do seu Chi (energia). Assim, aprenderá a desenvolver a arte de falar sem perder energia.

Nunca faça promessas que não possa cumprir. Não se queixe, nem utilize palavras que projetem imagens negativas, porque se reproduzirá ao seu redor tudo o que tenha fabricado com as suas palavras carregadas de Chi.

Se não tem nada de bom, verdadeiro e útil a dizer, é melhor não dizer nada. Aprenda a ser como um espelho: observe e reflita a energia. O Universo é o melhor exemplo de um espelho que a natureza nos deu, porque aceita, sem condições, os nossos pensamentos, emoções, palavras e ações, e envia-nos o reflexo da nossa própria energia através das diferentes circunstâncias que se apresentam nas nossas vidas.

silencio

Se se identifica com o êxito, terá êxito. Se se identifica com o fracasso, terá fracasso. Assim, podemos observar que as circunstâncias que vivemos são simplesmente manifestações externas do conteúdo da nossa conversa interna. Aprenda a ser como o universo, escutando e refletindo a energia sem emoções densas e sem preconceitos.

Porque, sendo como um espelho, com o poder mental tranquilo e em silêncio, sem lhe dar oportunidade de se impor com as suas opiniões pessoais, e evitando reações emocionais excessivas, tem oportunidade de uma comunicação sincera e fluída.

Não se dê demasiada importância, e seja humilde, pois quanto mais se mostra superior, inteligente e prepotente, mais se torna prisioneiro da sua própria imagem e vive num mundo de tensão e ilusões. Seja discreto, preserve a sua vida íntima. Desta forma libertar-se-á da opinião dos outros e terá uma vida tranquila e benevolente invisível, misteriosa, indefinível, insondável como o TAO.

Não entre em competição com os demais, a terra que nos nutre dá-nos o necessário. Ajude o próximo a perceber as suas próprias virtudes e qualidades, a brilhar. O espírito competitivo faz com que o ego cresça e, inevitavelmente, crie conflitos. Tenha confiança em si mesmo. Preserve a sua paz interior, evitando entrar na provação e nas trapaças dos outros. Não se comprometa facilmente, agindo de maneira precipitada, sem ter consciência profunda da situação.

Tenha um momento de silêncio interno para considerar tudo que se apresenta e só então tome uma decisão. Assim desenvolverá a confiança em si mesmo e a Sabedoria. Se realmente há algo que não sabe, ou para que não tenha resposta, aceite o fato. Não saber é muito incómodo para o ego, porque ele gosta de saber tudo, ter sempre razão e dar a sua opinião muito pessoal. Mas, na realidade, o ego nada sabe, simplesmente faz acreditar que sabe.

silencio 1

Evite julgar ou criticar. O TAO é imparcial nos seus juízos: não critica ninguém, tem uma compaixão infinita e não conhece a dualidade. Cada vez que julga alguém, a única coisa que faz é expressar a sua opinião pessoal, e isso é uma perda de energia, é puro ruído. Julgar é uma maneira de esconder as nossas próprias fraquezas.

O Sábio tolera tudo sem dizer uma palavra. Tudo o que o incomoda nos outros é uma projeção do que não venceu em si mesmo. Deixe que cada um resolva os seus problemas e concentre a sua energia na sua própria vida. Ocupe-se de si mesmo, não se defenda. Quando tenta defender-se, está a dar demasiada importância às palavras dos outros, a dar mais força à agressão deles.

Se aceita não se defender, mostra que as opiniões dos demais não o afetam, que são simplesmente opiniões, e que não necessita de os convencer para ser feliz. O seu silêncio interno torna-o impassível. Faça uso regular do silêncio para educar o seu ego, que tem o mau costume de falar o tempo todo.

Pratique a arte de não falar. Tome algumas horas para se abster de falar. Este é um exercício excelente para conhecer e aprender o universo do TAO ilimitado, em vez de tentar explicar o que é o TAO. Progressivamente desenvolverá a arte de falar sem falar, e a sua verdadeira natureza interna substituirá a sua personalidade artificial, deixando aparecer a luz do seu coração e o poder da sabedoria do silêncio.

Graças a essa força, atrairá para si tudo o que necessita para a sua própria realização e completa libertação. Porém, tem que ter cuidado para que o ego não se infiltre… O Poder permanece quando o ego se mantém tranquilo e em silêncio. Se o ego se impõe e abusa desse Poder, este converter-se-á num veneno, que o envenenará rapidamente.

Fique em silêncio, cultive o seu próprio poder interno. Respeite a vida de tudo o que existe no mundo. Não force, manipule ou controle o próximo. Converta-se no seu próprio Mestre e deixe os demais serem o que têm a capacidade de ser.

Fonte: http://www.50emais.com.br/42554-2/

GRATIDÃO!

gratidao-foto01

“ As pessoas felizes lembram o passado com gratidão, alegram-se com o presente e encaram o futuro sem medo”. Epicuro

Sinto uma enorme gratidão pela minha vida… e assim como Carolina Vila Nova por tudo que ela me proporciona, leiam:

Me sinto grata pela minha casa, pois ainda que seja pequena, é nela que tenho tido o meu merecido e bom sono, os banhos quentes nos dias de frio e os alimentos nos momentos de saciar a fome. Moro nela há algum tempo e ainda que me vá, sempre me lembrarei dos dias em que pude viver aqui.

Me sinto grata pela vida do meu filho, que ainda em sua juventude tem sido meu desde seu primeiro dia. Cheio de qualidades, há de percorrer seu próprio caminho para aprender as mesmas coisas que aprendi. E quando chegar aqui, no momento em que estou, iremos nos encontrar como grandes amigos, cheios de história para contar, nas afinidades dos caminhos percorridos.

Me sinto grata pelo meu trabalho, onde convivo com tantas pessoas e aprendo todos os dias. A arte da profissão e a arte da vida. O viver o dia a dia sobre pressão e com as diferenças, exercitando a tolerância de aceitar o outro e todo tipo de situação. Me sinto grata pela resiliência adquirida. Me sinto grata por tudo que recebo por isto.

Me sinto grata pelos amigos, que mesmo distantes nunca se esquecem de mim.

Me sinto grata pelos colegas, que quando preciso sempre se prontificam a me ajudar.

Me sinto grata pelas pessoas difíceis em minha vida e por finalmente eu possuir gratidão por isso. Me sinto grata por entender o quanto elas me ensinam e o quanto elas também estão aprendendo. Cada um no seu caminho de evolução.

Me sinto grata até mesmo pelos que me machucam, pois são eles hoje a me ferir e não o contrário. E me sinto grata por não julgar os que menosprezam a minha dor.

Me sinto grata pela minha família, por eu ter pessoas a quem posso chamar de meus. Me sinto grata por tudo que a mim fizeram, pois com tudo cresci. E me sinto grata por todos estarem aqui, disponíveis em caso de qualquer pedido de socorro.

gratidaofoto02

Me sinto grata por minha saúde, que mesmo com alguns cansaços e excessos, continua aqui.

Me sinto grata pela vida, que mesmo com tantas dores e tropeços, ainda me proporciona momentos de prazer, amor e gratidão.

Me sinto grata pelo ar que eu respiro, pela luz que me cega e pelo frio que incomoda. Me sinto grata por às vezes queimar a língua e ouvir as buzinas num dia de congestionamento. Me sinto grata pelo bom funcionamento dos meus sentidos.

Me sinto grata por às vezes me sentir só, pois isso me mostra a capacidade de querer amar, mesmo após alguns fracassos.

Me sinto grata por tantas vezes me sentir confusa, triste ou irritada. Todos esses sentimentos me provocam reflexões e me tiram de onde estou, sempre me levando a um lugar melhor.

Me sinto grata pela minha capacidade de escrever desde criança e pelo inestimável prazer que isto me proporciona. Me sinto grata pelos meus livros. E por toda inspiração.

Me sinto grata por finalmente me sentir assim e perceber o poder da gratidão, que me traz sempre mais daquilo que eu preciso e desejo.

Me sinto grata pela capacidade de sorrir, mesmo quando algo dói dentro de mim.

Me sinto grata por perceber o milagre da vida, que um dia leva e outro dia trás. Num dia me deixa confusa e no outro me surpreende.

Me sinto grata por querer mais e continuar a sonhar. Me sinto grata por continuar a caminhada, mesmo sem a certeza de onde vai dar.

Me sinto grata por quem eu sou hoje.

E me sinto grata por simplesmente me sentir assim!

By Caroline Vila Nova

Fonte: https://osegredo.com.br/2016/05/gratidao-eu-me-sinto-grata-por-quem-eu-sou-hoje/

TRANSMUTO-ME!

transmutar

“Eu penso renovar o homem usando borboletas”. Manoel de Barros

Assim como Ester Chaves  eu também transmuto meus pensamentos… transformo!

Há sempre uma voz insistente no pano de fundo dos dias, na tessitura das coisas, no âmago do ser que se deixa reverberar. Às vezes, um toque suave, quase imperceptível, o que chamam de “intuição” é o modo como você se dispõe à escuta do mundo. Escutar o mundo, é muitas vezes, abrir as comportas e deixar barulhar o peito ou silenciar-se totalmente numa comunhão absoluta de sentidos. Os olhos lacrimejam diante desse vazio profundo que não se apresenta nem diz nomes, mas ao ser adivinhado sempre diz mais do que é. Se o mundo lá fora está em constante mudança, acontecimentos infinitos que tecem e compõem teias de informações e descobertas, aqui dentro não é diferente nem menos barulhento. Talvez você não ouça, assim com ouvidos tão desesperados. Esta voz pode soar também como uma ausência de voz, que indica, inflama e aponta para o ser que precisa dar um passo além para conhecer mais de si mesmo. E quem disse que toda escuta deve partir da análise de um ruído? A escuta possui raiz no silêncio. O silêncio é originante e originado de tudo que descansa sendo. O retumbar da coisa sendo coisa. Do ser sendo ser. A disposição de ser está sempre amarrada a um condicionamento efêmero. “O homem que diz sou, não é! /Porque quem é mesmo é não sou/”. A temporalidade do ser que se abisma sendo o “que está” o leva a condição de renovar a si mesmo: transmutando-se! Outrando-se! Multiplicando-se!

http://www.asomadetodosafetos.com/2016/03/transmuto-me.html

PENSAR É TRANSGREDIR!

_-aumentar-felicidade

“Para reinventar-se é preciso pensar: isso aprendi muito cedo.” Lya Luft 

Vocês sabem que adoro crônicas de vários autores onde costumo postar os meus preferidos aqui no Blog. Os de Lya Luft  costuma sempre me inquietar… leiam:
Não lembro em que momento percebi que viver deveria ser uma permanente reinvenção de nós mesmos — para não morrermos soterrados na poeira da banalidade embora pareça que ainda estamos vivos.
Mas compreendi, num lampejo: então é isso, então é assim… Apesar dos medos, convém não ser demais fútil nem demais acomodada. Algumas vezes é preciso pegar o touro pelos chifres, mergulhar para depois ver o que acontece: porque a vida não tem de ser sorvida como uma taça que se esvazia, mas como o jarro que se renova a cada gole bebido.
Para reinventar-se é preciso pensar: isso aprendi muito cedo.
Apalpar, no nevoeiro de quem somos, algo que pareça uma essência: isso, mais ou menos, sou eu. Isso é o que eu queria ser, acredito ser, quero me tornar ou já fui. Muita inquietação por baixo das águas do cotidiano. Mais cômodo seria ficar com o travesseiro sobre a cabeça e adotar o lema reconfortante: “Parar pra pensar, nem pensar!”
O problema é que quando menos se espera ele chega, o sorrateiro pensamento que nos faz parar. Pode ser no meio do shopping, no trânsito, na frente da tevê ou do computador. Simplesmente escovando os dentes. Ou na hora da droga, do sexo sem afeto, do desafeto, do rancor, da lamúria, da hesitação e da resignação.
Sem ter programado, a gente pára pra pensar.

gratidaofoto02
Pode ser um susto: como espiar de um berçário confortável para um corredor com mil possibilidades. Cada porta, uma escolha. Muitas vão se abrir para um nada ou para algum absurdo. Outras, para um jardim de promessas. Alguma, para a noite além da cerca. Hora de tirar os disfarces, aposentar as máscaras e reavaliar: reavaliar-se.
Pensar pede audácia, pois refletir é transgredir a ordem do superficial que nos pressiona tanto.
Somos demasiado frívolos: buscamos o atordoamento das mil distrações, corremos de um lado a outro achando que somos grandes cumpridores de tarefas. Quando o primeiro dever seria de vez em quando parar e analisar: quem a gente é, o que fazemos com a nossa vida, o tempo, os amores. E com as obrigações também, é claro, pois não temos sempre cinco anos de idade, quando a prioridade absoluta é dormir abraçado no urso de pelúcia e prosseguir, no sono, o sonho que afinal nessa idade ainda é a vida.
Mas pensar não é apenas a ameaça de enfrentar a alma no espelho: é sair para as varandas de si mesmo e olhar em torno, e quem sabe finalmente respirar.
Compreender: somos inquilinos de algo bem maior do que o nosso pequeno segredo individual. É o poderoso ciclo da existência. Nele todos os desastres e toda a beleza têm significado como fases de um processo.
Se nos escondermos num canto escuro abafando nossos questionamentos, não escutaremos o rumor do vento nas árvores do mundo. Nem compreenderemos que o prato das inevitáveis perdas pode pesar menos do que o dos possíveis ganhos.
Os ganhos ou os danos dependem da perspectiva e possibilidades de quem vai tecendo a sua história. O mundo em si não tem sentido sem o nosso olhar que lhe atribui identidade, sem o nosso pensamento que lhe confere alguma ordem.
Viver, como talvez morrer, é recriar-se: a vida não está aí apenas para ser suportada nem vivida, mas elaborada. Eventualmente reprogramada. Conscientemente executada. Muitas vezes, ousada.
Parece fácil: “escrever a respeito das coisas é fácil”, já me disseram. Eu sei. Mas não é preciso realizar nada de espetacular, nem desejar nada excepcional. Não é preciso nem mesmo ser brilhante, importante, admirado.
Para viver de verdade, pensando e repensando a existência, para que ela valha a pena, é preciso ser amado; e amar; e amar-se. Ter esperança; qualquer esperança.
Questionar o que nos é imposto, sem rebeldias insensatas mas sem demasiada sensatez. Saborear o bom, mas aqui e ali enfrentar o ruim. Suportar sem se submeter, aceitar sem se humilhar, entregar-se sem renunciar a si mesmo e à possível dignidade.
Sonhar, porque se desistimos disso apaga-se a última claridade e nada mais valerá a pena. Escapar, na liberdade do pensamento, desse espírito de manada que trabalha obstinadamente para nos enquadrar, seja lá no que for.
E que o mínimo que a gente faça seja, a cada momento, o melhor que afinal se conseguiu fazer.

By Lya Luft

12 LEIS DA GRATIDÃO QUE VÃO MUDAR SUA VIDA..

gratidao-2

“Nas nossas vidas diárias, devemos ver que não é a felicidade que nos faz agradecidos, mas a gratidão é que nos faz felizes.” Albert Clarke

Começando um novo ano é uma boa hora para refletirmos sobre tudo na nossa vida e ter gratidão. A gratidão pode literalmente transformar o que você tem em mais do que suficiente! Reconhecer as coisas boas que já temos na vida, isso é essencial. Acredito que o que você apreciar e dar graças, vai crescer mais forte em sua vida e dentro de você. Então aqui vai uma boa reciclagem, para não nos esquecermos de agradecer:

  1. Quanto mais você está em um estado de gratidão, mais vai atrair coisas pelas quais ser grato.
  2. Ser feliz nem sempre vai te fazer grato, mas ser grato sempre vai te fazer feliz.
  3. Gratidão fomenta o verdadeiro perdão, que é quando você pode sinceramente dizer: “Obrigado por essa experiência.”
  4. Você nunca precisa mais do que tem em um dado momento.
  5. A gratidão inclui tudo.
  6. O que você tem para ser grato no presente, muda a cada dia.
  7. A mente grata nunca toma coisas como garantidas.
  8. Enquanto você expressa sua gratidão, não deve esquecer que a maior valorização não é simplesmente proferir palavras, mas vivê-las diariamente.
  9. Gratidão inclui retribuição.
  10. A maior homenagem às pessoas e circunstâncias que você perdeu não é tristeza, mas a gratidão.
  11. Para ser verdadeiramente grato, você deve estar realmente presente.
  12. Abandonar o controle multiplica o potencial de gratidão.

sou-um-punhado-de-excessos

Ouça o Silêncio. Ouça a voz Interior.

http://resilienciahumana.tumblr.com/post/142873270131/gratid%C3%B5es-1-quanto-mais-voc%C3%AA-est%C3%A1-em-um-estado