“QUERO REPENSAR QUEM SOU, ENTENDER COMO QUERO ENVELHECER”.

img_4039

“Qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos você tem?” É inevitável, ninguém tem como escapar”.

Chega uma hora, mais cedo ou mais tarde, que a gente começa a pensar na morte. A partida do Sr. Ninno me despertou para a morte. Quando isso me aconteceu e com a minha maturidade começou a surgir o processo de reflexão sobre a finitude… sobre meu tempo de vida na terra. Envelhecer e morrer. Tenho lido mais e participado de alguns palestras, sobre o assunto… tentando enxergar que assim como tudo começa…. um dia acaba. A morte é fato! Um assunto sempre evitado, mas que devemos (re) pensar , a população tem envelhecido a medicina tem evoluído… e devemos aprender também sobre morte.

Li recentemente na revista Trip, uma entrevista (2017) de Nathalia Zaccaro com Vera Holtz, 65, onde ela conta sua reflexão sobre a morte, achei muito interessante. Leia:

Em seu último trabalho, Vera Holtz interpreta uma bruxa que disputa com a morte o controle de destinos no filme “Malasartes e o duelo com a morte”, que estreou no ano passado e tem Jesuíta Barbosa, Isis Valverde e Julio Andrade no elenco. Ao contrário de sua personagem, Vera não acredita que os caminhos de sua vida tenham sido determinados por qualquer outra força além da sua própria. “Não sou mística, não tenho fé em nada disso, adoro estudar esses mitos e entender porque precisamos deles, mas sou pragmática, fui eu quem decidiu meu destino”, diz.

Depois da exaustiva turnê de lançamento do filme, ela decidiu dar um tempo no trabalho e pensar por onde quer levar seus caminhos daqui para frente. “Quero me investigar, repensar quem sou eu, entender como quero envelhecer. Bem ou mal a velhice é um tempo de espera, é a zona da morte”, reflete. Em julho de 2017, Teresa Holtz, irmã mais velha de Vera, faleceu e despertou na atriz reflexões profundas sobre a finitude da vida. “Foi como um alerta, uma ruptura que me chamou atenção para importância de descobrir o que ainda quero explorar no meu tempo.” Em 2015, Vera se dedicou às gravações de um filme sobre a história de sua família, em que interpreta sua mãe, Terezinha Holtz. “O longa, chamado As quatro irmãs, ficou pronto agora e minha irmã partiu em seguida, aos 69 anos. Eu tenho 68 hoje. Brinco que essa fase é uma espécie de pós-produção da vida, não significa que vou ficar paralisada, só que vou deixar tudo do jeito que eu quero.”

Vera Holtz aos 65: Velhice é um tempo de espera, é a zona da morte.

Da última vez que Vera resolveu dar um tempo das novelas, há dois anos, ela teve uma ideia que transformou a maneira como se relaciona com sua criatividade, e também com seus fãs: a criação de uma conta no Instagram. Em uma das fotos que publicou, ela aparece com uma melancia enfeitada com azeitonas enfiada na cabeça; em outra, um rabo de peixe sai pela boca da atriz. “No começo achei que eu não fosse ter paciência, mas foi um canal que se abriu pra mim, um espaço onde posso explorar formatos, foi uma grande descoberta. O que mais me interessa é o contato com as pessoas que estão ali, o exercício de tolerância, de convivência com as diversas opiniões que aparecem o tempo todo.”

Vera tem mais de 1 milhão de seguidores que a definem nos comentários dos posts como uma diva lacradora da internet. “Deram o nome de Vera Viral para essa identidade performática que criei, vou continuar com as postagens, esgotar essa fórmula que faço agora, sentada na cadeira com fundo branco, e depois inventar outras coisas, criar.”

A sensação de conter dentro de si mais de uma mulher define como Vera enxerga seus relacionamentos. “Eu gosto de multiplicidade. Se eu determinei que posso ter múltiplas identidades claro que posso ter múltiplos parceiros. E tive. Não sei se foi em função de alguma decepção na adolescência, pode ser isso ou por qualquer outra coisa, não quero entender. É o que é”, explica.

vera

A certeza do que quer passa pela decisão de não ter filhos — certeza que existe desde os seus 13 anos, quando avisou sua mãe que não esperasse netos vindos dela. “Caiu o mundo quando falei. É um horror a pressão em relação a isso, mas sempre soube que poderia ter outros interesses, que ser doméstica não é a única opção, a profissão pode completar uma mulher. Tive exemplos libertadores que me mostraram que eu poderia ser o que quisesse ser — eu queria ser atriz e acho que consegui.”

A possibilidade de bancar suas vontades, especialmente aquelas que não coincidem com o que se espera dela, é fruto de muita batalha. “Minha geração lutou bastante por causas feministas. Agora existe um neofeminismo, meninas de 15 anos que já entendem a importância de falarmos sobre isso”, conta.  “O que gosto desse novo olhar sobre o assunto é que agora estamos em busca da emancipação individual de cada uma. Nós mulheres não somos um blocão, existem mulheres trans, por exemplo, cada uma tem sua história. E estamos aí dizendo como queremos ser vistas, como queremos ser tratadas.”

Em novembro, Vera dará vida a uma dona de boate lésbica em Berenice procura, filme de Luiz Alfredo Garcia-Roza, em que contracena com a modelo trans Valentina Sampaio. “Me aproximei dessa temática e está claro para mim a importância de conversarmos mais, conhecermos mais sobre as vidas umas das outras”, afirma. A atriz usou sua persona Vera Viral, aquela lacradora do Instagram, e chamou atenção para a causa com um post em que segura uma lousa que diz “sou uma mulher trans e quero dignidade e respeito”.

Os longos cabelos brancos que exibe são reflexos da vontade de exaltar suas próprias particularidades enquanto mulher — e uma mulher velha. “Não tenho problema nenhum com essa palavra, não tenho medo da morte. Gosto do meu cabelo desse jeito porque ele revela a idade do meu corpo. É legitimo esse meu corpo, minha pele, meu rosto”, reflete.

Os fios brancos são herança de uma personagem do filme Família vende tudo, de 2011, quando o diretor Alain Fresnot pediu que Vera pintasse o cabelo para viver uma senhora um tanto descuidada. “Fiz uma decapagem e ficou lindo, fashion, aquele branco deslumbrante. Alain me disse: assim não dá. Tive que tirar. Depois disso, quando cresceu de novo, natural, adorei”. Ela acredita que é a cabeleira branca que ilumina seu rosto, mas as várias Veras que a atriz cultiva em si não dependem de nada para lacrar.

Nunca deixamos de aprender!

Saiba também: https://oterceiroato.com/2018/03/25/morrer-nao-se-improvisa-relatos-que-ajudam-a-compreender-as-necessidades-bel-cesar/

Fonte: https://www.instagram.com/p/BdiI-Rmh0iy/

Anúncios

AS 10 CIDADES MAIS BARATAS PARA VIVER EM PORTUGAL.

“Temos de nos tornar na mudança que queremos ver”. Mahatma Gandh.

Acompanho Erick, da Eurodicas, já a algum tempo, sempre esta nos dando muitas dicas boas sobre como é morar em Portugal. Recomendo vocês visitarem o Blog dele.Como estou planejando minha mudança para 2020, pesquiso bastante . Leiam:

Quando estamos nos preparando para mudar de vida, decidimos mudar de cidade e, principalmente de país, temos que considerar o custo de vida daquele lugar. Portanto consideramos neste artigo 10 cidades mais baratas para viverem em Portugal. O custo de vida em Portugal é relativamente baixo, mas existem as cidades mais baratas para viver em Portugal, assim como existem as mais caras. Por isso, temos que levar isso em conta, na hora de escolher a cidade onde vamos morar, pois o custo de vida e a infraestrutura são muito importantes na hora da mudança.

Custo de vida em Portugal

Portugal é um dos países que tem o custo de vida mais baixo, mas também é um dos que tem o salário mínimo mais baixo. Atualmente (2018) o salário mínimo em Portugal é 580 euros. Porém, principalmente nas grandes cidades, é muito difícil viver somente com esse valor.

Se você já se sente preparado e decidido a morar em Portugal, veja o ebook como Morar em Portugal, (que eles montaram para ajudar) onde conta em mais de 300 páginas de conteúdo prático qual o passo a passo para transformar seu sonho de morar fora em um plano e executá-lo.

A Portugal 2

Vamos dar o exemplo do Porto: Nota: Média de valores para uma pessoa. Gastos dependerão do seu estilo de vida. Custo de vida media/ mensal no Porto:

Apartamento de 1 quarto – 400 euros

Alimentação (mercado) – 150 euros

Contas (água, luz, gás) – 50 euros

Internet + TV – 25 euros

Celular – 10 euros

Transporte – 30 euros

Total – 715 euros

Sem contar outros gastos como academia, animal de estimação, etc. Esse é o custo para uma pessoa viver sozinha no Porto, por isso muitas pessoas que mudam sozinhas para a cidade optam por alugar quartos (por volta dos 300 euros com as contas incluídas), dividindo casa com outras pessoas. Por isso que as pessoas procuram as cidades mais baratas para viver em Portugal.

Leia também: https://oterceiroato.com/2016/03/28/consulados-de-portugal-no-brasil/

Quanto é preciso para viver na cidade?

Existe uma pesquisa feita em 2017 que revelou que o valor mínimo adequado para uma pessoa receber em Portugal, para viver com dignidade é 783 euros.

Cidades mais baratas para viver em Portugal

Falar sobre as cidades mais baratas para viver em Portugal é um tema muito difícil e relativo, pois a cidade pode até ser barata, mas não garantir a infraestrutura que a pessoa precisa para viver. Por isso esse artigo tem apenas a intenção de dar a conhecer um pouco sobre algumas cidades e já vou avisando que vão faltar algumas na lista.

Leia também: https://oterceiroato.com/2016/03/07/conheca-as-5-melhores-cidades-de-portugal-para-morar/

Você quer saber quais são as cidades mais baratas para viver em Portugal? Então confira a lista que fizemos e veja qual mais te agrada.

Morar em Braga. Braga é uma cidade do norte de Portugal, e apesar de ser bastante turística, possui um custo de vida bem barato. A cidade é muito limpa e os transportes funcionam muito bem.

Custo de vida em Braga.

Para se ter ideia do custo de vida na cidade vou citar o valor do aluguel(em média) para termos uma noção. É possível alugar um apartamento de 2 quartos por mais ou menos 350 euros.

Comer em restaurantes na cidade, principalmente fora da zona turística, são bastante acessíveis (mesmo).

Outros aspectos importantes sobre morar em Braga

Possui uma Universidade de renome, oportunidades de trabalho principalmente nas áreas de tecnologia.

Na cidade há taxis e o Uber chegou há pouco tempo. Há estação de trem, shopping e está muito perto do Porto. Tenho amigos que moram em Braga e que não vêm desvantagens em morar lá.

Saiba mais sobre como é morar em Braga.

Morar em Viseu. É uma cidade situada no centro de Portugal, e para quem busca qualidade de vida, esse é o lugar certo. Viseu já entrou algumas vezes em rankings internacionais de cidades com melhor qualidade de vida.

Custo de vida em Viseu

Viver em Viseu não é muito caro. Um apartamento de 2 quartos custa por volta de 300 euros por mês, e as contas são mais baixas do que nas grandes capitais.

Outros aspectos importantes sobre morar em Viseu

É uma cidade moderna, com muitos espaços verdes, e com um centro histórico preservado. Com uma economia baseada em serviços e na indústria, esse é o melhor ramo para encontrar emprego. Os transportes públicos funcionam bem, porém, a cidade não tem trem, portanto as pessoas dependem de ônibus e carro.

Morar em Bragança. Uma cidade do extremo norte de Portugal, bem pertinho da Espanha, com um clima diferente do restante do país, bem mais frio no inverno, e com a primavera bem seca.

Custo de vida em Bragança

Bragança possui um baixo custo de vida, além de ser uma cidade bastante estudantil, o que torna o aluguel de quartos muito baratos. O aluguel de um apartamento de 2 quartos custa por volta de 280 euros. Além disso, restaurantes e contas básicas são bem mais baratos do que as dos grandes centros.

Outros aspectos importantes sobre morar em Bragança

Bragança já foi considerada uma das melhores cidades e também está entre as cidades mais baratas para viver em Portugal, pela sua segurança, qualidade de vida e baixo custo.

Uma cidade bem universitária, situada na região tão conhecida de trás-os-montes, possui um bom sistema de transporte, apesar de não ser muito grande e possui oportunidades de empregos mais na área comercial e vendas. Porém é muito fria no inverno e não tem trem. para ir para outros lugares, vai sempre depender de ônibus ou carro.

Morar em Guarda. Guarda é uma cidade no centro de Portugal, localizada perto da Serra da Estrela. É uma cidade implantada em uma região montanhosa, e tem registros de ocupação desde o período pré-histórico!

Custo de vida em Guarda.

Como uma das cidades mais baratas para viver em Portugal, oferece boa qualidade e um baixo custo de vida. É possível encontrar apartamentos de 2 quartos para alugar a 280 euros, restaurantes com comida boa e barata, contas de casa também abaixo da média das grandes capitais.

Outros aspectos importantes sobre morar em Guarda

Tem uma boa universidade , transportes públicos, estação de trem, shopping, e opções de lazer.

No inverno é muito fria e neva, e algumas casas podem não estar preparadas para esse frio todo, e podemos acabar gastando um pouco mais nas contas, com os aquecedores. Quando pesquisamos sobre empregos na Guarda na internet, as oportunidades que aparecem são mais no ramo de vendas e telemarketing.

Torres Vedras.

É uma cidade de praia e bem perto de Lisboa, possui uma boa qualidade de vida e já se destacou como um dos melhores lugares para viver em Portugal.

Custo de vida em Vedras

Viver em Torres Vedras é bem mais barato do que vivem em Lisboa e muitas pessoas que trabalham em Lisboa optam por vivem em Torres Vedras, pelo baixo custo de vida. Um apartamento de 2 quartos pode custar por volta de 300 euros por mês.

Outros aspectos importantes sobre morar em Torres Vedras

Existe um projeto de investimento na cidade, onde estão sendo realizadas obras de revitalização do centro histórico e outros projetos para melhorar a cidade e a vida de seus habitantes. Além disso é uma cidade com praias maravilhosas e perto de Lisboa, onde tem acesso melhor a oportunidades de trabalho.

Morar em Leiria. Essa cidade está no centro de Portugal, perto de termas com água medicinais, e belas praias, além de ter muita beleza natural e arquitetônica.

Custo de vida em Leiria.

O custo de vida das cidades mais baratas para viver em Portugal são comparados aos das grandes capitais, e claro, não aos das aldeias e vilas, e por isso, os das cidades que estamos citando são muito semelhantes. O aluguel de um apartamento de 2 quartos em Leiria ronda os 310 euros, e os demais custos estão mais ou menos equiparados à média nacional.

Outros aspectos importantes sobre morar em Leiria

Os transportes públicos funcionam muito bem, mas a cidade possui ciclovias, por isso é possível economizar e, de quebra, fazer um exercício físico. Além disso, Leiria foi considerada a terceira melhor cidade do centro de Portugal para se viver, de acordo com um estudo nacional realizado pela empresa Bloom Consulting.

De acordo com o site da câmara municipal de Leiria, a cidade registrou no último censo uma taxa de desemprego abaixo da média nacional. Ou seja, dentre as cidades mais baratas para viver em Portugal, Leiria parece ser uma excelente escolha, não acham?

Morar em Beja. Localizada na região do Alentejo, uma região que atrai muitos turistas. Tem um inverno mais suave, com temperaturas mais amenas, é uma região tranquila e muito segura. Vejam um artigo sobre morar no Alentejo.

Custo de vida em Beja

O custo de vida em Beja é bem menor do que nas outras cidades, porém encontrar casa não é uma tarefa muito fácil. Mas, é possível encontrar apartamentos de 3 quartos por 400 euros ou de 1 quarto por 250.

Outros aspectos importantes sobre morar em Beja

A cidade tem vindo a perder habitantes ao longo dos anos, mas agora existem multinacionais investindo na cidade e criando posto de trabalho, e além disso, existe muita terra para investir em agricultura, tornando interessante investir na região. Por conta desse investimento e criação de postos de trabalho, o investimento na infraestrutura da cidade tende a aumentar, melhorando ainda mais a qualidade de vida dos moradores.

Morar em Portimão. Uma cidade praiana, localizada na região do Algarve, também é um destino muito turístico em Portugal e uma das cidades mais baratas para viver em Portugal.

Custo de vida em Portimão.

Para alugar um apartamento de 2 quartos em Portimão, você irá gastar no mínimo 450 euros. É mais caro que as outras, mas é uma cidade maior.

Para quem quer morar no Algarve, uma alternativa ao custo mais alto dos aluguéis, é morar um pouco mais afastado da cidade e da praia, onde o custo dos aluguéis diminui.

Outros aspectos importantes sobre morar em Portimão

Na época do verão, a cidade fica cheia de turistas, cheia mesmo. Mas isso por um lado é bom, pois surgem diversos empregos temporários e dá para fazer uma grana extra. Além disso, com o crescimento do turismo, as cadeias de hotéis sempre aumentam o número de funcionários a contratar e esse ano as contratações já começaram.

A cidade ainda conta com linhas de ônibus que funcionam muito bem e percorrem toda a cidade, facilitando o deslocamento.

Morar em Évora. Também localizada no Alentejo, é muito procurada pelos turistas principalmente pela sua gastronomia e vinhos.

Custo de vida em Évora

Apesar de ser uma cidade muito turística, Évora é também uma cidade universitária, por isso o custo de vida acaba por não ser muito alto. É possível encontrar apartamentos de 2 quartos para alugar por aproximadamente 400 euros, principalmente se for mais afastado da zona turística/histórica.

Outros aspectos importantes sobre morar em Évora

A cidade recebe muitos turistas, por isso existe um cuidado maior em manter o centro histórico preservado. É possível ir a qualquer lugar caminhando. O lado bom de caminhar é admirar as belezas que a arquitetura da cidade “esconde”. Por receber muitos turistas, as ofertas de empregos estão mais ligadas à hotelaria e bares/restaurantes.

Morar em Faro. Mais uma cidade do Algarve, possui praias, é a porta de entrada dos turistas, por causa do aeroporto. Faro ainda conta com a Universidade do Algarve, muito requisitada.

Custo de vida em Faro.

Na região do Algarve os aluguéis são mais caros, mas resolvemos colocar duas cidades algarvias no artigo de cidades mais baratas para viver em Portugal (fugindo um pouquinho ao objetivo do artigo), pois não queríamos excluir essa região. Para alugar um apartamento de 2 quartos em Faro, por exemplo, você deverá pagar pelo menos uns 450 euros.

Outros aspectos importantes sobre morar em Faro

Faro é uma cidade turística e a porta de entrada dos turistas no Algarve. Por isso, possui muitas opções de restaurantes e lazer, rede de transportes que funciona bem, além de ser possível fazer muitas coisas caminhando ou de bicicleta.

A qualidade de vida é muito boa e tem a vantagem de não ter um inverno tão rigoroso quanto no norte de Portugal. As oportunidades de emprego estarão mais ligadas à área do turismo (hotelaria, restaurantes, bares, agências de turismo).

Veja mais sobre como é morar em Faro. https://oterceiroato.com/2016/04/03/algarve-eleita-o-melhor-lugar-para-os-aposentados-morar/

Cidades pequena mas vizinhas das grandes cidades.

Se você prefere ficar nos grandes centros em Portugal e arrumar um emprego em uma cidade grande, mas quer e/ou até precisa economizar, a dica é procurar as cidades vizinhas às cidades grandes.

Um exemplo de cidades vizinhas do Porto é: Rio Tinto, Ermesinde, Águas Santas, Maia, Vila Nova de Gaia. O custo de vida será mais baixo e elas estão praticamente dentro da cidade do Porto.

Funchal também vale a pena! Gostaria de falar somente sobre 10 cidades, mas não posso deixar de citar o Funchal, e as cidades ao redor.

Sempre que encontro alguém que mora na Madeira, pergunto como é morar lá (ainda nem tive a oportunidade de conhece, mas quero muito!) e sempre falam muito bem da Ilha e da qualidade de vida, do clima, das paisagens, enfim, acho que vale a pena você fazer uma pesquisa sobre o Funchal e ver se é uma cidade que se encaixa nos seus objetivos de vida.

Existem muitas outras cidades mais baratas para viver em Portugal

E tão interessantes quanto estas que citei. Portugal é um país pequeno mas com muito a se explorar.

Se formos escrever sobre todas as cidades, teríamos que escrever um livro, por isso, não fiquem tristes se uma das suas cidades favoritas ficou de fora da nossa lista, continue percorrendo o nosso site que com certeza você irá encontra-la em outras listas. Você também pode ver uma lista com 10 cidades pequenas de Portugal para morar.

Agora que você conheceu algumas ótimas cidades viver, descubra como morar em Portugal. Leia também:

https://oterceiroato.com/2017/12/01/aposentado-em-portugal/

https://oterceiroato.com/2017/09/22/documentos-para-morar-em-portugal/

https://oterceiroato.com/2016/06/27/morar-em-portugal-visto-d7-duvidas-comuns-e-respostas/

Fonte: https://www.eurodicas.com.br/cidades-mais-baratas-para-viver-em-portugal/?utm_medium=social&utm_source=facebook&utm_campaign=page

PONTO G – SAIBA ONDE ELE FICA E COMO ESTIMULÁ-LO.

mulher-pernas-673x1024

“Amor é prosa, sexo é poesia”. Arnaldo Jabor

Hoje é Dia dos Namorados, nada melhor do que tirar algumas dúvidas comuns… bom para todos nós, né? Gostei muito do que Bianca F. Herbe (Fisioterapeuta Pélvica e Sexóloga) nos explica sobre o Ponto G.

Afinal??? Existe ou não o existe o Ponto G da mulher? Onde está localizado? E se existe, como estimula-la? Acredito que este post vai ajudar muito principalmente as mulheres… Interessante, vale a pena ler o que ela diz:

Anatomicamente, ou seja, como um órgão, o Ponto G não existe. Não é um órgão, que está lá esperando para ser estimulado. Não é como um dedo, uma mão, uma orelha, ou um nariz. Nenhum estudo no mundo conseguiu encontrar o Ponto G na mulher sem ela estar previamente excitada.  O Ponto G fica oculto e só aparece após a mulher receber estímulos no corpo inteiro e estar previamente excitada.

Isto quer dizer que quando a mulher recebe estímulos no seu corpo, e identifica estes estímulos como agradáveis, o seu organismo começa a mudar e alterações no seu corpo podem ser notadas. Pois é…

O que isto significa? Que o ponto G aparece quando a mulher fica excitada e pode ser encontrado?

Confie em mim, ela diz… toda mulher possui o ponto G. Ele está lá, só que as vezes são difíceis de perceber! Algumas mulheres têm grandes pontos G que estão bem perto da abertura vaginal e outras têm o seu ponto G um pouco mais escondido. A falta de nos tocarmos e de conhecimento do nosso próprio corpo… frutos da nossa geração reprimida e dos preconceitos nele envolvidos… levam muitas mulheres a não se descobrirem sexualmente. Nunca é tarde para isso, acreditem…

Ao longo destes anos já encontrei várias mulheres que estão convencidas de que simplesmente não possuem o seu ponto do prazer. Mas eu garanto, ele está lá. Grande, suculento e difícil de perder, uma vez que você saiba o que está procurando. Tenha certeza de que você pode tentar encontra-lo… Muitas mulheres da terceira idade por tabus e ou preconceitos, sequer conhecem seu corpo, seus desejos e sensações… esta descoberta começa por ela mesma. Sim a maioria das mulheres da minha geração, teve a sexualidade reprimida durante toda a vida… até que por curiosidade ou de mudanças em seu pensamento começam a mudar isso. E estão mudando. Quem se conhece desfruta de uma vida sexual plena.

Pesquisando encontrei muitas coisas interessante (conheça as dicas de Cátia Damasceno, especialista em sexualidade feminina, uroginecologia e idealizadora do Programa Mulheres Bem Resolvidas) que você precisa saber:

1 – Como encontrar o ponto G.

A melhor maneira de encontrar seu ponto G é através do toque, da excitação, e saber o que sentir. A melhor maneira de localizá-lo é quando a mulher está excitada. Porque há um tecido erétil no ponto e é mais visível e mais fácil de achar quando ele está excitado e cheio.

estimular-ponto-g.png

O homem pode realmente ver o ponto G quando a mulher empurra para fora, porque está muito perto da abertura vaginal. Ele verá um montículo emergir do topo da abertura vaginal. Se seu ponto G for mais profundo, ele pode não ser capaz de vê-lo, mas cerca de 70% das mulheres têm seus pontos bem próximos da entrada vaginal e, portanto, podem ser empurrados para fora e tornar ele visível.

2 – O ponto G é o coração da vagina.

Essa vai para os homens: Prepare-se para a possibilidade de uma resposta emocional dela quando você começa a estimular o ponto G dela. Esse é um lugar que mantém grande emoção. Como o ponto G é rodeado por músculos e embalado com terminações nervosas, pode ser um vórtice de emoções profundas.

Se ela sentir uma onda de energia emocional quando você está estimulando o seu ponto ou durante um orgasmo, incentive ela a não segurar, reprimir ou se fechar por causa do medo. Essas emoções precisam surgir e serem externadas. Diga que você está dando a missão para ela se expressar plenamente.

Permita que ela sinta o que tiver que sentir e simplesmente esteja presente e aproveite com ela. Você nem precisa falar muito.

3 – Diferentes maneiras de estimular o ponto G.

Algumas advertências ao revelar estas informações é que você deve encontrar o que funciona de forma exclusiva para cada mulher que você esteja se relacionando. Quando se trata do ponto G, conhecer todas as suas partes mais sensíveis são fundamentais.

Existem muitas maneiras diferentes de estimular o ponto G. Aqui estão algumas delas:

  • Manualmente com seus dedos lentamente;
  • Brinquedos sexuais são ótimos para autoconhecimento;
  • Dildos, existem grande variedades;
  • Anéis no pênis do homem, entre outros.

Toda mulher terá suas preferências. É seu trabalho criar um refúgio onde ela se sentirá confortável explorando com você o que ela mais gosta. Vá lentamente e crie uma parceria para o prazer onde você pode encontrar técnicas excitantes que lhe permitem liberar seus belos sentimentos. Experimente!

4 – Como melhorar o sexo em geral?

Na maioria das vezes, as mulheres não estão recebendo o que querem na cama com seu parceiro porque simplesmente não se dão permissão para se expressar e outras, simplesmente, não sabem como. A linguagem da vagina pode ser complicada, mas é provável que se o seu parceiro não seja um leitor mental ou não tenha uma bola de cristal, ele pode não conseguir se comunicar sozinho com ela.

A linguagem sexual da mulher pode ser exigente, particular, temperamental, tímida ou espontânea. Por isso, para melhorar o sexo em geral o casal precisa se comunicar, perguntando repetidamente o que o outro precisa, isso abrirá os caminhos para seu prazer e você vai se sincronizar com suas necessidades muito mais prontamente e com facilidade. Isso não tem que ser adivinhação.

Leia também: https://oterceiroato.com/2018/01/24/9-artificios-que-tornam-o-sexo-possivel-e-mais-gostoso-na-3a-idade/

Velhos-sexo

5 – Como aumentar a excitação.

Conheça o Orgasm Turbo Pack é a melhor combinação no mercado para aumentar o desejo sexual feminino (vai trazer uma grande melhora na sua performance sexual). Ele combina o que há de melhor no Virectil Turbo Mulher com o Orgasm Gel. Juntos vão promover o aumento na libido, orgasmos mais intensos e satisfatórios. Esse efeito é visto claramente em poucos minutos, pois ele tem ação rápido.

O Virectil Turbo Mulher é um afrodisíaco extremamente potente e eficaz, sendo 100% natural. Ele tem sido um sucesso entre as mulheres de vários lugares do mundo. Esse suplemento tem ação rápida, permitindo que o desejo sexual feminino aumente rapidamente. Virectil Turbo Mulher também melhora o humor e a vontade de fazer sexo. Além de aumentar o fluxo do sangue na região genital, pois isso faz com que a sensibilidade do clitóris aumente.

Feliz Dia dos Namorados para todos vocês.

Leia também:

https://oterceiroato.com/2015/10/17/viagra-feminino-promete-ser-lancado-a-partir-de-outubro-nos-eua-e-no-brasil/

https://oterceiroato.com/2016/05/06/nove-razoes-para-o-sexo-ser-melhor-depois-dos-50-anos/

https://oterceiroato.com/2018/02/28/depois-dos-60-anos-nao-se-faz-sexo-pelo-prazer-do-momento-e-muito-mais/

Fonte: Bianca F. Herbe – Fisioterapeuta Pélvica e Sexóloga e  Marlon Mattedi – Psicólogo Terapeuta Sexual e Especialista em Sexualidade Humana

VACINAS QUE VOCÊ PRECISA TOMAR, SE JÁ CHEGOU AOS 60 ANOS.

idoso-tomando-vacina-1526417204565_v2_900x506“Ainda não se descobriu vacina contra os males de alma produzidas pelo amor” Carlos Drumound de Andrade.

Tem muitas pessoas depois dos 60, que acredita que a única vacina que temos que tomar anualmente, é a contra gripe. Engano comum… é bom saber que temos outras vacinas importantes, que não devem ser esquecidas.

Se queremos ter um envelhecimento mais saudável e protegidas de outras doenças a vacina é uma das melhores maneiras que temos de nos cuidar. Entre elas está vacinas, contra herpes zóster, pneumonia e hepatite B. Interessante este artigo de Choé Pinheiro (Uol) que estou compartilhando com vocês agora, serve como um alerta.  Leia o artigo:

A campanha nacional de vacinação contra a influenza, agente causador da gripe, vai (aproximadamente) até 1º de junho. E os idosos estão entre os grupos indicados, já que, nesse período da vida, o risco de complicações provocadas pelo vírus, como pneumonia e até infartos, é maior. Isso ocorre não só com a gripe, aliás, mas com outras infecções evitáveis com as vacinas específicas para a terceira idade, que são consideradas aliadas do envelhecimento saudável.

Elas protegem o organismo em uma fase em que a saúde costuma estar mais abalada. “Na terceira idade, doenças crônicas, como o diabetes e hipertensão, são mais comuns, e as infecções podem descompensar esses quadros”, comenta Dra. Maísa Kairalla, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, de São Paulo.

Veja, abaixo, quais são as vacinas indicadas para quem tem mais de 60 anos e como elas devem ser tomadas:

1) GRIPE – A vacina deve ser repetida anualmente porque o vírus sofre mutações constantes. “Ela é feita para proteger contra os tipos de influenza que estão circulando mais naquele ano”, explica Francisco Ivanildo de Oliveira Junior, infectologista membro da diretoria da Sociedade Paulista de Infectologia.

Quem bate o martelo é a Organização Mundial de Saúde, que obtém as informações de serviços de saúde espalhados pelo mundo, recolhidas de indivíduos, infectados nos meses anteriores à estação da gripe: o outono/inverno. A partir daí, são produzidos dois tipos: uma para o hemisfério sul e outra para o hemisfério norte. E, apesar do que se diz por aí, tomar essa injeção não dá gripe. “Ela é feita com fragmentos do vírus morto, então não há essa possibilidade”, esclarece Junior. O que pode ocorrer é o idoso ficar gripado apesar de ter sido vacinado, já que ela demora alguns dias para fazer efeito, ou ter pego algum outro tipo de influenza que não está incluso na campanha do ano.

Ela estará disponível no Sistema Público de Saúde a partir da segunda quinzena de abril , em data ainda a ser confirmada (mas atrasou um pouquinho). Há ainda uma versão que protege contra quatro tipos, ao invés da trivalente da rede pública, disponível nas clínicas particulares.

2)PNEUMONIA – Apesar de não garantir que a pessoa não pegará pneumonia, a vacina evita a infecção por parte da família do pneumococo, grupo de bactérias que são as principais causadoras da doença que inflama os pulmões.

A campanha nacional de vacinação contra a influenza, agente causador da gripe, vai aproximadamente até 1º de junho. Nos idosos, o quadro pode significar risco elevado de morte. “É neles o maior risco de ser internado e desenvolver doenças mais graves por conta da pneumonia, como problemas cardíacos, insuficiência respiratória e até derrames”, comenta Roberto Dischinger Miranda, cardiologista chefe do Serviço de Cardiologia da Geriatria da Escola Paulista de Medicina da Unifesp e diretor do Instituto Longevità.

A relação aqui é semelhante à da gripe. O corpo todo sofre com a doença: mais substâncias inflamatórias circulam, a desidratação aparece por conta da febre, organismo debilitado… Assim, se forma um ambiente perfeito para encrencas mais graves.

A vacina está disponível em duas versões: a do SUS, que barra contra 23 cepas comuns do pneumococos, e há ainda a da rede particular, que evita 13 tipos. “A diferença está na composição, a vacina 13 induz uma proteção um pouco mais duradoura, tanto que não precisa da dose de reforço cinco anos depois, que deve ser feita na 23”, explica Junior.

3) HERPES ZÓSTER – É o mesmo vírus da catapora, o varicela-zóster, mas aqui ele volta para causar a doença também conhecida como “cobreiro”. Mais comum acima dos 50 anos, ela provoca não só manchas em formato de faixa do corpo mas dores lancinantes, que frequentemente persistem por anos depois que a infecção regrediu. Complicações menos frequentes incluem a encefalite, uma inflamação no cérebro, e comprometimento da visão, quando o vírus atinge a face.

A vacina da catapora tomada na infância protege pela vida toda. É possível que essa vacina também previna episódios de herpes-zóster. No entanto, tal hipótese demanda tempo para ser comprovada, uma vez que a vacina é relativamente recente. Nesse caso, os idosos podem tomar uma específica para o zóster. O produto, que chegou ao Brasil no ano passado, custa cerca de 500 reais a dose e não está disponível na rede pública.

Mesmo quem já teve contato com o vírus — estima-se que 95% da população se encaixe aqui — se beneficia do imunizante. “Ele fica latente por décadas, esperando quedas na imunidade para se manifestar como hérpes-zoster”, explica Maísa.  A vacina diminui o risco de complicações como a dor crônica, que compromete a qualidade de vida das pessoas e exige o uso medicações fortes por um tempo prolongado.

Indivíduos imunodeprimidos, como os que tomam medicamentos que interferem na imunidade ou que estão fazendo quimioterapia, devem conversar com seus médicos antes de procurar a vacina.

vacina-adulto.jpg

4) FEBRE AMARELA – Alvo de muita discussão, pois o idoso tem mais chance de desenvolver uma espécie de febre amarela adquirida pela vacina, que é feita com o vírus atenuado, embora mesmo nesse público ela seja rara. A recomendação dos especialistas ouvidos nesta reportagem é calcular o possível benefício da vacinação versus o perigo real da complicação, que atinge uma entre 400 mil pessoas que receberam a dose.

“Ele tem mais risco, mas esse risco não é proibitivo, principalmente se o idoso não tem um grande comprometimento do sistema imune e vive ou vai para áreas de risco”, aponta Miranda, que diz recomendar a imunização à maioria de seus pacientes. Agora, se a pessoa acima de 60 anos mora em um bairro distante ou em uma cidade que ainda não teve casos da doença e tem doenças crônicas associadas, vale avaliar com o médico.

Um boato que circula e é totalmente infundado é o de que as doses fracionadas, distribuídas na campanha do governo para alcançar mais gente, provocariam mais reações. “Isso não faz sentido nenhum, uma vez que a carga viral é menor nessa versão”, elucida Junior.

5) DUPLA BACTERIANA DO TIPO ADULTO – Disponível na rede pública para os idosos, age contra difteria e tétano. Há ainda a tríplice bacteriana do adulto, encontrada na rede privada, que inclui ainda a coqueluche. Elas já são tomadas na infância, mas com os anos a proteção diminui, então o risco da infecção surge novamente, ainda mais na terceira idade, quando a imunidade sofre uma queda natural.

Apesar da coqueluche não ser tão comum no no idoso, recomendamos que ele tome a tríplice na rede privada caso tenha condições, especialmente se tem contato com as populações de alto risco, como as crianças menores de seis anos”, orienta Junior.

6) HEPATITE B – A doença é transmitida via relações sexuais ou sangue contaminado, que pode estar, por exemplo, em um material não esterilizado na manicure ou no reaproveitamento de agulhas utilizadas por outras pessoas. Apesar causar sintomas agudos em menos de 30% dos infectados, o risco da doença se cronificar no idoso é alto.

A longo prazo, a presença da doença no organismo pode provocar cirrose e está associada até a tumores no fígado”, diz Junior. Devem tomar a a vacina, disponível no SUS, pessoas acima dos 60 anos que não tenham sido imunizadas anteriormente.

vacinas-para-idosos-1016-_1400x544.pngColaborou neste artigo: Renata Scilla, médica especialista em geriatria pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia….

https://vivabem.uol.com.br/noticias/redacao/2018/05/17/saiba-quais-sao-as-vacinas-que-devem-ser-tomadas-na-terceira-idade.htm

VIDA, É ISSO… FILHA!

“Os filhos são para as mães as âncoras da sua vida”. Sófocles.

Pra comemorar hoje o aniversário de minha filha caçula, pensei em alguma coisa que eu poderia lhe dizer sobre a vida, do que penso sobre como ela é! Menina, mulher e futura mamãe encontra-se agora numa fase linda da sua vida e de mulher.

32e4d3011005bf65501b8a0bc72dcd30

Eu penso que da vida eu só espero rir dos tombos, aprender com os erros, e continuar acreditando que no final tudo vai dar certo. Tudo passa!!! É, sempre tenho um olhar positivo em relação a vida e muito respeito… isso me ajudou a enfrentar todos os desafios do dia a dia. Por mais difícil que possam parecer, e são muitas vezes, o importante é respirar fundo, ter fé e acreditar que tem solução.

Acredite, sempre tem uma saída! Encontrar os caminhos, construir pontes e refazer as coisas são sempre necessários, a vida está em constante movimento… e eu, sou muito boa nisso rsrsrs… Não importa os tombos que dei, todo mundo dá… Eu levanto, sacudo a poeira e sigo em frente… sou uma resiliente, graças a Deus com muito orgulho!

Percebi que de repente as vezes “a vida te vira do avesso, e você descobre então, que o avesso é o seu lado certo”. Eu descobri isso!

mi e eu 15 anos

Sempre me preocupei mais em “construir pontes” ou “mudar meus caminhos”… construindo novas historias pra mim e para os meus… quando não me sentia feliz na vida! Medo, tive muitos… mas acredite e segui em frente. Fechei o livro sim! Construí novas páginas… algumas vezes… Tudo simplesmente para construir novas e lindas histórias de vida. O importante é sermos felizes e sinceros conosco mesmo, sempre… assim seremos mais felizes. Arrependimentos,, não tenho nem quero ter, por isso sigo a voz do coração. Ouça o seu sempre! Tem dado certo!

Da vida não eu quero muito rsrsrs…  Quero apenas saber que tentei tudo o que quis, tive tudo o que pude, amei tudo o que valia a pena e perdi apenas… o que, no fundo, nunca foi meu. Minha opção sempre foi ser feliz!! Na verdade, somos todos viajantes nesta vida. Acredito  que “estar vivo, não é a mesma coisa que viver”… por isso fiz a opção de viver á muito tempo. Sonhe muitoooo, voe alto… corra atrás de realizar cada um deles. Tenha paciência, as vezes isso é necessário, mas só por um tempo… não muito, viu?

Mi… Todo dia é uma nova oportunidade que a vida te oferece e a quem nela crê, então viva… não perca esta oportunidade, faça acontecer!! Eu creio! Tenho Fé! Tenho paz de espírito! Tenho alegria de viver!!!! Eu estou sempre no comando da minha vida, construindo a minha história da uma maneira que eu me sinta bem e mais feliz… faço as minha escolhas, e sigo em frente, sem olhar pra traz… Lembre-se somos responsáveis pelas nossas escolhas… disso eu não abro mão. Aprendi muito com meus pais, de quem me orgulho muito… e são minha referencia, minha raiz, minha fortaleza… e que me mantem firme e em pé até hoje. Quero passar isso pra vocês meus filhos e netos, pra todo o  meu legado.

a49cdb808f4067e04c2f32d97f3971e4

Escolhi esta poema de  Augusto Branco… pra você se encantar (assim como eu) e saber um pouco mais sobre o que eu penso da vida, de como vivo e conhecer um pouco mais sobre mim... e dei uns palpitinhos aí rsrsrs… Leia: Depois de algum tempo você aprende que na vida… 

Já perdoei erros quase imperdoáveis,
tentei substituir pessoas insubstituíveis
e esquecer pessoas inesquecíveis.

Já fiz coisas por impulso,
já me decepcionei com pessoas
que eu nunca pensei que iriam me decepcionar,
mas também já decepcionei alguém.
Já abracei pra proteger,
já dei risada quando não podia,
fiz amigos eternos,
e amigos que eu nunca mais vi.

Amei e fui amado,
mas também já fui rejeitado,
fui amado e não amei. Amo muito ainda… e muito,
Já gritei e pulei de tanta felicidade,
já vivi de amor e fiz juras eternas,
e quebrei a cara muitas vezes! Mas levantei e segui em frente.

Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
já liguei só para escutar uma voz,
me apaixonei por um sorriso,
já pensei que fosse morrer de tanta saudade
e tive medo de perder alguém especial (acabei perdendo, refiz tudo então e me reconstruí).

35d0ec07c77302aac4a1bbbdff8eb804

Percebi, que tudo vem a seu tempo! Aprendi afinal a dar um tempo… algumas vezes tive paciência… e esperei. 

Pra plantar… Para crescer… Pra brotar… Pra florescer… Pra colher… Pra agir…  Pra seguir… Pra aprender! Aceitar o ciclo da vida…  Respeitar o fluxo do tempo…  Observar o tempo passar… Esperar o tempo certo.  Foi um grande aprendizado da vida! Dei o tempo necessário…

Aprendi então, que tudo que é bom ou não… Tem um tempo. Tudo vai passar. É isso…Temos que aproveitar! Aprendi e continuo aprendendo…Vivo u dia de cada vez, pensando no amanhã!

IMG_0860

Mas vivi…
E ainda vivo! Vivo intensamente.  
Não passo pela vida. Faço acontecer!
E você também não deveria deixar ela passar em branco!
Vibre! Viva!!

Bom mesmo é ir à luta com determinação,
abraçar a vida com paixão,
perder com classe
e vencer com ousadia,
porque o mundo pertence a quem se atreve
e a vida é muito, para ser insignificante.

gratidaofoto02

Sabe, tem coisa que dá vontade de viver de novo. E de novo, e de novo… Então… Viva! Por isso …Sonhe! Realize!! Ouse… Se reinvente… Siga em frente. (Re) Faça quantas vezes forem necessárias… Logo, sem olhar muito pra traz. Você percebe então… que a vida são eternos recomeços. Viver amanhã é muito tarde. Viva o hoje. Viva o agora. Escolha ser feliz, sempre! 

cores 1

Assim é a vida… tudo isso e muito mais. Deixe de fazer com que a sua vida seja insignificante. Viva e seja feliz!!! Lembre-se a vida tem a cor que você pinta!!! Torne-a UMA VIDA VIBRANTE E COLORIDA!

arco iris 2

Espero filhota que você seja muitoooooo feliz! Hoje  e sempre… Muito sucesso! Tenho muito orgulho da sua coragem e determinação… Conte sempre comigo, estarei pertinho! Te amo muitoooooo… Felicidades pra esta nova família que você esta construindo… Você é uma grande mulher,!

mandala-colorida-41876273

CONHEÇA A TEORIA DOS SETÊNIOS: DE 7 EM 7 ANOS A SUA VIDA MUDA COMPLETAMENTE.

Conheça-a-Teoria-dos-Setênios

“A Antroposofia é um caminho de conhecimento que deseja levar o espiritual da entidade humana para o espiritual do universo”. Rudolf Steiner.

Interessante conhecer a Antroposofia (ou Antropossofia)  é uma linha de pensamento criada pelo filósofo Rudolf Steiner (1861-1925), que entende e estabelece uma espécie de “pedagogia do viver”, pois ela abrange vários setores da vida humana como a saúde, a educação, a agronomia e outros. É uma doutrina filosófica mística – uma “ciência espiritual”.

Esta linha de pensamento compreende que o ser humano tem que conhecer a si para também conhecer o Universo, pois somos todos parte e participantes desse mundo. “A vida passa depressa, é dinâmica e, entender melhor esses momentos, poderá trazer certa conformidade e esperança”, diz Rudolf Steiner. Tanto chineses quanto gregos foram os primeiros a observar que as mudanças biológicas e espirituais ocorriam de sete em sete anos na vida das pessoas, por isso “setênios”.as-fases-da-vida1Dentro desse pensamento filosófico encontra-se uma forma cíclica de ver a vida chamada “teoria dos setênios”. Tal teoria foi elaborada a partir da observação dos ritmos da natureza, da natureza no sentido da vida, na qual todos nós estamos imersos. Ela divide a vida em fases de sete anos, vale lembrar que o número sete é um número místico dotado de muito poder em quase todas as culturas conhecidas.

Nossa vida é dividida, basicamente em 10 fases principais, sendo elas estabelecidas a cada 7 anos. A cada fase um novo ciclo é iniciado, que envolvem mudanças e transformações em diversos aspectos. Isto é o que concluíram os estudiosos dos setênios. Um estudo que se baseou na medicina tradicional chinesa e na antroposofia (dos gregos) – na qual a medicina antroposófica se baseia.

teoria-dos-seteniosA Teoria Setênia propõe o seguinte:

Penso que se o indivíduo tiver “respeitado” o ritmo de cada setênio, ele chegará no 10º (ou seja, com 70 anos), muito provavelmente com a consciência e a sabedoria necessárias para viver com boa saúde e lucidez, além de amar sem cobrar e ajudar sem perguntar.

O objetivo dos setênios, então, é de alertar as pessoas das fases existentes para que saibam e percebam todas as mudanças que estão enfrentando e as que estão por vir… assim aproveitem de modo mais saudável.

A vida passa depressa, é dinâmica e, entender melhor esses momentos, poderá trazer certa conformidade e esperança. Um dos intuitos deste estudo é fazer com que as pessoas fiquem atentas, que sejam vigilantes com elas mesmas e que possam decidir sobre suas ações de modo a responder aos estímulos diários, mantendo uma vida saudável mesmo em constante mudança.

Algo importante a se destacar é que, como cada um tem sua percepção de mundo e enfrenta as dificuldades a seu modo (além de terem os mais diferentes níveis de intuição, sensibilidade, empatia etc.), pode ocorrer de algumas mudanças que estão situadas em setênios futuros, serem experienciadas, por exemplo, antes de seu tempo, ou então depois do previsto pela teoria.

Até porque, cada ser amadurece de um modo único, exercita sua afetividade à sua maneira e, por essa razão, pode haver essa transição de experiências de um setênio a outro, todavia, costuma ser raro. Conheça como se dividi a Teoria Setênia… os ciclos da vida:AUTOCONHECIMENTO_E_A_TEORIA_DOS_SETENIOS1º setênio – O ninho. Interação entre o individual (adormecido) e o hereditárioDos 0 aos 7 anos de idade:bebe no aviào 2A fase da gestação, nascimento, nutrição e crescimento. No 1º setênio há o encontro entre a parte espiritual da individualidade e a parte biológica, preparada após a fecundação no ventre materno. A primeira infância é uma fase de individuação, de construção do nosso corpo, já separado do da nossa mãe, da nossa mente e da nossa personalidade. A hereditariedade está bem marcada nas células do corpo no 1º setênio, pela ação das forças herdadas, e são armazenadas nos rins para a vida inteira – deixando assim a marca na fisionomia do corpo do indivíduo.

Olha! É a cara da mamãe ou do papai” ou “da vovó/vovô”, são constatações que provam o que foi mencionado acima. Calor, confiança e amor: Eis os três alimentos à criança. Quem cria tal atmosfera para a criança são os pais. Se um dos pais está ausente, o esforço do outro terá de compensar.

A pedagogia Waldorf, usada em algumas escolas tem como filosofia a Antroposofia, entende que na primeira infância a criança tem que perceber os aspectos positivos do mundo, para quererem estar aqui e cultivarem a felicidade em longo prazo.

O primeiro setênio deve oportunizar o movimento livre, a corrida, as brincadeiras, deve permitir que a criança teste e conheça seu corpo, seus limites e suas percepções de mundo. Por isso o espaço físico é muito importante, bem como o espaço do pensar e o do viver espiritual.

2º setênio – Sentido de si, autoridade do outro – Dos 7 aos 14 anos:mae e filhos 20O segundo setênio promove um profundo despertar do sentimento próprio. A energia que emanava do polo superior, da cabeça, se dilui e se encontra no meio do corpo. Começam a surgir os dentes permanentes e inicia-se a evolução dos órgãos do sistema rítmico, aqueles contidos na caixa torácica (coração e pulmão). Os órgãos desse setênio são o coração e os pulmões, esses se desenvolvem promovendo a interiorização e exteriorização da vivência.

É nesta fase que o mundo externo “chega” a nós e, nós, a partir de dentro, podemos nos manifestar e expandir para o mundo. É nesse ponto que a autoridade dos pais e professores assume um papel importante, pois eles são mediadores do mundo no qual a criança se insere. Esquematizando de forma gráfica esse movimento, temos forças entrando e forças saindo. A característica deste setênio é a troca.

Nesse ciclo as normas e os hábitos estão sendo absorvidos, o desenvolvimento sadio do ser humano está relacionado à dosagem, o equilíbrio e a harmonia das relações de autoridade, valores, limites e permissões. É o sentir que está sendo afetado, o desenvolvimento das emoções. Do interior para o exterior e vice-versa.

As estórias infantis, contos de fadas, todo ato de brincar é extremamente saudável pois a criança cria e molda sua participação no mundo. Isso, para o desenvolvimento humano, é bastante mais saudável que situações em que ela se faz apenas como expectadora, como no caso da televisão, ou de jogos eletrônicos. A arte deve ser estimulada desde o primeiro ciclo, mas nesse momento ela se faz muito mais importante, bem como a religião.  Os mundos artístico e religioso auxiliam no sentido de si e do mundo, fluindo a alma, que busca a beleza e a fé.

3º setênio – Puberdade/ Adolescência – Crise de Identidade – Dos 14 aos 21 anos:desapego em movimentoO que todo adolescente busca?… liberdade! Eles não querem os pais, irmãos mais velhos nem professores “pegando no pé”. O que rege esse ciclo é o sentido de liberdade. No sentido corporal, as forças que se acumulavam nos órgãos centrais se espalham e chegam aos membros e no sistema metabólico.

O espaço dessa criança é o mundo, já não pode se resumir a família nem a Escola. Ele precisa se reconhecer e ser reconhecido, aceito, achar a “sua turma” para compor um grupo no qual se identifique.

A liberdade nesse ciclo atua como a vivência do “bom” no primeiro ciclo e do “belo” no segundo ciclo. Ocorre que a liberdade só se dá num ambiente de tensão entre as possibilidades, impossibilidades e desejos. A mulher começa a menstruar e o homem se torna fértil. Essa tensão costuma gerar rompimentos, as vezes esses rompimentos são violentos, mas são necessários e próprios desse ciclo. Essa liberdade também tem um sentido de exposição. Tudo está voltado para o externo, para fora, para o mundo. Há uma dificuldade em ouvir o outro e entender suas posições, tudo deve seguir o seu sentimento de mudança, de julgamento de certo e errado, de bom e ruim.

As trocas nesse ciclo são importantíssimas. O diálogo, a abertura ao novo, a prática da compreensão, da solidariedade, assim como o seu reconhecimento e o pertencimento. Os questionamentos são fruto desses choques. É o momento de questionar a tudo e a todos.

Também é o momento do discernimento, das escolhas profissionais, do vestibular, do primeiro emprego, pois a liberdade também só faz sentido quando percebemos a vida econômica. O dinheiro então pode ganhar um sentido de poder que talvez não seja saudável. É a partir desta idade que começamos a ter um pensamento mais autônomo, ainda que, nesta época, acreditemos estar amadurecidos para efetuar julgamentos.

A fase onde o ser humano sai do mundo mais paradisíaco e cósmico da infância e entra no mundo terreno. Ele se torna cidadão terrestre, coparticipante da cidadania, de seu lugar, sociedade, e do mundo.

4º setênio – O ‘EU” – A Independência e a Crise do Talento – Dos 21 aos 28 anos:

Abraçar  eu feliz  amor 1

A partir dos 21 anos nossa individualidade, nosso self, toma uma força considerável na tentativa de estabilização. O “Eu” começa realmente a se mostrar, mesmo ainda estando em formação. No entanto, para que esse “Eu” apareça e se forme, mesmo sendo algo subjetivo e interno, ele depende do mundo exterior, da sociedade.

O fim do crescimento corporal instaura o início de um processo de crescimento mental e espiritual, somos então “cidadãos de dois mundos: o celeste e o terrestre”. Músculos e ossos estão fortes, homem e mulher atingem o ápice da fertilidade, além de ser a fase da alma, da sensação e da emoção. Geralmente já não moramos mais com a família e já não estamos mais na escola. É o momento da autoeducação, do emprego, do desenvolvimento dos talentos, etc. Surgem dúvidas como: Escolhi a profissão certa? Quais talentos e aptidões eu deixei para traz? Consegui uma boa relação com o mundo, com o trabalho, com a família e comigo mesmo?

A história das pessoas começa a ser traçadas por elas mesmas, pois há uma tomada de caminho que não depende mais, diretamente, das outras instituições. É uma emancipação em todos os níveis, mas como resultado de toda a experiência nos três primeiros setênios. Surpreendentemente, é também a fase em que mais nos influenciamos pelos outros, pois a sociedade dirá o ritmo da vida de cada um.

Nesse ciclo, os valores, aprendizados, e lições de vida passam a fazer mais sentido.  As energias estão mais pacificadas. Nosso lugar no mundo é o principal objetivo. A colocação profissional assume um papel muito importante.teoria setênios-15º setênio – Fase Organizacional e Crises Existenciais –  Dos 28 aos 35 anos:

Quem nunca ouviu falar na “crise dos 30”? Ela não é um mero mito, ela existe e tem explicação. O 5º setênio começa com essas crises na vida, o abalo da nossa identidade, a cobrança do sucesso que talvez ainda não tenha atingido, a certeza de não podermos tudo, de onde vem a frustração e tristeza.

A sensações de angústia e vazio são muito comuns. Em algumas sociedades as pessoas nesse ciclo não encontram um lugar para si e se veem entre a juventude e a velhice ou maturidade. O baço-pâncreas não sustenta mais a carne, e o rosto começa a enrugar. As pessoas passam a não se conhecerem, pois, seus gostos mudam – ou por si mesmos ou pela pressão dos outros. Sentimo-nos impotentes nesta passagem da juventude para a maturidade, de um viver mais impulsivo para um viver mais sério, responsável, voltados para a família e para o trabalho.

Nesta fase vem a crise dos talentos: Será que estou no caminho? Qual o caminho a escolher? Também há questões sobre intelecto e índole próprios. Como: Consegui me expressar? Eu me sinto oprimido ou oprimi alguém? Encontrei meu local de atuação? Ocorreu alguma modificação importante em minha vida nessa fase?

Nesse ciclo os sentimentos nos levam também a uma busca espiritual maior, um “caminho da alma”. Estamos suscetíveis ao cosmos, às oscilações e às vezes a harmonia custa a acontecer. Somos cobrados por estrutura, firmeza, estabilidade, uma base, um pilar, que seja material e que também sejam mental e espiritual. A Antroposofia acredita que logo após o 31 ½ ano, que corresponde à metade do 63º. ano de vida, estamos no final das atuações planetárias e zodiacais. Depois dessa idade, ficamos mais livres.

Estamos realmente, nessa fase, em organização. Estamos tendo crises, mas é por meio dessas crises que construímos novos pensamentos, novos valores, terminamos relacionamentos e começamos outros, mudamos de emprego, de ideologias, de partidos políticos, enfim… crises, desorganizações e reorganizações. É nesse ciclo que passamos a pesar uma série de coisas, avaliar a trajetória da nossa vida, esse não lugar nos força a perguntar “quem sou eu”. Há uma renovação a partir desse ciclo.

6º setênio – Crise de Autenticidade – Dos 35 aos 42 anos:gratidaofoto02Esse setênio, embora tenha suas peculiaridades, está ainda ligado aos setenio anterior, ruminando os resultados das crises. Reconhecemos também uma espécie de crise nesse setênio, mas uma crise que busca uma autenticidade, geradas pelas reflexões do ciclo anterior.  Temos, aqui, mais capacidade de julgamento, gozamos de mais maturidade psíquica e emocional.

Em geral, já acumulamos alguns bens materiais ou ao menos conseguimos uma renda que seja suficiente para as questões básicas de consumo. O desafio, então, é encontrar valores espirituais e nos reconhecermos como seres únicos. A pergunta é: como é que encontro o caminho para a essência do mundo e para a minha própria essência?

Esse setênio configura a última fase do desenvolvimento da alma propriamente dita, estamos propensos a adentrar mais profundamente no nosso mundo espiritual, na parte mais sensível de nós. Buscamos a essência de tudo, no outro e em nós. Isso passa a acontecer com mais força nesse setênio pois, aqui, já há maturidade e aprendizado suficiente para esse conhecimento. O fígado perde metade de suas funções e o cabelo começa a cair e embranquecer.

A carreira, a família (ou não) os desejos, tudo já teve seu tempo. Já alcançamos as conquistas que nos eram urgentes. Há um desaceleramento. É possível que esse ciclo traga um descontentamento com o novo. Pode ser que o sujeito questione se, chegando aos 40 anos, ainda há algo novo para se fazer. Buscar coisas novas é um exercício importante para esse ciclo. Em contraponto ao novo, há uma aceitação maior do que se é, de como se é, das histórias e experiências de vida.

Mudanças do ritmo do nosso corpo e da nossa mente, o que é algo importante para alcançarmos frequências mais sutis de pensamento, onde estará nosso corpo suprassensível. É a fase da alma da consciência. As perguntas são: Já passou a metade da vida, o que farei daqui pra frente? Acrescentei novos valores à minha vida? Estou encontrando minha missão de vida? Estou caminhando nela? Encontrei e aceitei minha questão básica de vida.

7º setênio – Altruísmo X Quere manter a Fase Expansiva –  Dos 42 aos 49 anos:ir embora 3É um ciclo que tem um “arde recomeço, de ressurreição, de alívio, até a crise dos trinta perde a força e parece não ter tido resultados tão graves como se pensava. É, porém, o momento de buscar, desesperadamente, por algo novo, para que a vida adquira sentido.

As mudanças nesse setênio são urgentes. Mesmo que nem todos estejam preparados para elas. As questões existenciais retornam com uma certa força, mas agora elas mais dinâmicas e menos melancólicas pois o sujeito já se vê capaz de produzir essas mudanças. O lema é “como está, não dá pra ficar”.

Essa dinâmica impulsiona a tomada de decisões que, por vezes, ficou anos sendo gestadas dentro de si. Pode ser a separação conjugal, a saída de uma empresa, ter um filho, etc. É uma fase que corresponde, em termos energéticos, à fase que vai dos 14 aos 21 anos. Ficamos saudosistas, queremos ir à Disney e reviver coisas da nossa adolescência. Voltamos a desafiar nosso corpo e fazer esporte. É uma fase solar.

O medo do envelhecimento surge. As questões internas despertadas pelos ciclos anteriores perdem um pouco de espaço para a estética e a necessidade de se fazer coisas que os jovens fazem. Os pulmões perdem mais capacidade de oxigenar o sangue, o rosto se torna descolado, a andropausa e menopausa geralmente chegam nesse setênio.  As rugas e a menopausa são os espinhos das mulheres nesse setênio. A sexualidade retoma uma importância crucial. Contudo, a força que se perde com o declínio da sexualidade pode e deve ser empregada em outros nichos.

Esse setênio traz o contraditório: queremos mudanças, estamos em busca do novo, mas o envelhecimento que é uma mudança natural nos assusta, incomoda, gera ansiedade, muda nosso comportamento com relação a nós mesmos e ao mundo. Assim, sucumbimos à força do “sósia”, ou seja, da sombra, daquilo que está diretamente ligado aos aspectos pessoais não resolvidos, não integrados.

Nos enxergamos nas sombras do outro e entramos em confronto. As relações ficam à mercê das emoções distorcidas pelo que não vemos em nós, mas vemos nitidamente nas pessoas. No entanto, o que acontece é um espelhamento. A nova visão nessa etapa da vida questiona: Estou desenvolvendo alguma criatividade nova? Em que área? Como está meu casamento? E meus relacionamentos, a relação com meus filhos? Estou procurando ou já encontrei um novo lazer para esta fase?

8º setênio – Ouvir o mundo – Dos 49 aos 56 anos:BIAPodemos reconhecer essa fase como sendo do “pai e da mãe universal”. É a fase de desenvolvimento do espírito. É um setênio tranquilo e positivo. As forças energéticas voltam a estar concentradas na região central do corpo, mas estão voltadas ao sentimento da ética, da moral, do bem-estar, questões universais, humanísticas.

É a fase inspirativa ou moral, e com isso, as perguntas: Consegui encontrar um novo ritmo de vida? Como está meu ritmo anual, mensal, semanal e diário? Quais são os galhos secos de minha árvore, os quais tenho de cortar para que os novos brotos possam aparecer?

É um momento em que estamos mais conscientes do mundo e de nós mesmos. É um bom momento para reconhecer os méritos da nossa história, aceitando-a sem julgamentos. Esse ciclo desperta em nós o existencialismo para observarmos mais de perto o valor simbólico das coisas. Deixamos o pessoal, particular em busca do universal, do humanístico, do existencial. A vitalidade declina, a energia dos rins e do fígado está mais fraca e surge a incapacidade de eliminar mais toxinas.

Contudo, alguns podem incorrer na falha dos egocentrismos, pois um ciclo depende do seu anterior. Assim, pode haver pessoas nesse setênio completamente voltadas para si, suas necessidades e do seu grupo. O desapego é uma consequência da vida pregressa.

Em termos físicos, esta fase espelha fisiologicamente o setênio 7 a 14 anos, o elemento do ritmo tem de ser priorizado, especialmente na condução de uma rotina. A vida nos ensina nesta época uma nova audição, temos a possibilidade de ouvir a voz do coração para esta renovação ético / moral que agora é propícia.

9º setênio –Abnegação e Sabedoria –  Dos 56 aos 63 anos:avos-vivem-mais2A Antroposofia acredita que o 56º ano de vida traz uma brusca mudança. Ela está na forma como a pessoas se relaciona consigo e com o mundo. Como os ciclos se correspondem, esse se liga ao primeiro setênio, aquele que vai do nascimento até os sete anos de vida. A audição, a visão, o paladar das pessoas dessa fase se iguala e o mundo fica estranho.

Contudo, essa fase, por exemplo, evidencia uma volta para dentro de si. O interno passa a fazer muito mais sentido que o externo. É importante internalizar-se, desenvolver os sentidos espirituais. A comunicação com o mundo externo passa a ter ruídos, principalmente pelas mudanças que a sociedade sofreu nesse período inteiro.

A reclusão passa a ser algo natural, boa para a autorreflexão e a busca pela essência. A sabedoria pelo conhecimento acumulado e a intuição que passa a ser mais clara, tornam-se elementos fundamentais dessas pessoas. Elas são o contraponto do sentimento de fracasso e insucesso que, porventura, possa aparecer, vindo dos questionamentos daquilo que se alcançou ou deixou de alcançar.

É a etapa mística ou intuitiva: O que eu consegui realizar? Como estou cuidando do corpo, da memória, dos órgãos dos sentidos? Como estão meus bens e aposentadoria?

Os dentes começam a cair, a visão e a audição se tornam mais fracos, os reflexos e a mobilidade passam a sofrer alterações em razão do declínio energético dos órgãos sólidos (coração, baço-pâncreas, fígado e rins). Certos cuidados se fazem muito importante, como a estimulação da memória, mudanças de hábitos, recursos criativos. Isso porque a aposentadoria pode ser algo limitador, especialmente para aqueles que durante toda a vida atribuíram muita importância ao status profissional e agora temem não ter outra forma de autorrealização.IMG_0860Atividades muito bem-vindas nesse setênio são as acadêmicas – lecionando ou fazendo novos cursos – escrever textos ou um livro, o laser em grupos de pessoas na mesma fase da vida, viagens e outras formas que relacionem prazer e aprendizado. A aproximação da família ou a construção de novas famílias também ajudam a dar novo sentido à vida, além do prazer de se tornar avós… é bem comum neste período…

10º setênio – Em Diante – Sabedoria – Dos 63 aos 70 anos: img_3295É importante pensar que essa teoria foi pensada em uma época em que a expectativa de vida era muito baixa e as pessoas com 60 anos eram verdadeiros anciãos. Logo é preciso também compreender que os ciclos são metafóricos e não tem uma relação matemática exata.

É a “fase do mestre”. A criança pequena tem em volta de si uma aura, uma luz, pois ainda não está totalmente encarnada. No 10º setênio, essa aura está interiorizada e luminosa por dentro, desde que a pessoa não esteja doente.

Se tiver respeitado o ritmo de cada fase, sua luz interior brilhará. Idosos e crianças são parecidos, pois são polos que se atraem. É o momento de passar o “cedro” ou o “cajado” do conhecimento! É um novo escutar e, neste momento, a pessoa é procurada a dar conselhos. As questões são: Tenho momentos bons, sentimento de gratidão e alegria? Sou capaz de perdoar? Busca de sentidos e do Propósito da vida!teoria setenio 3Vivendo os setênios:  old-people-616718_640
Como você vê, nossa vida é feita de uma forma cíclica. Nossa energia vital circula pelas diversas fases da nossa vida. Nossa mente tem diferentes estágios de aprendizado e nossa espiritualidade pode estar mais ou menos aberta também conforme cada estágio. Agora que as fases dos setênios foram apresentadas, é importante saber como aproveitar essa sabedoria.

Hoje talvez essa divisão seja um pouco diferente e, com certeza, faz sentido pensar em mais um ou dois ciclos de sete anos, visto que estamos vivendo cada dia mais, mas o aprendizado com a Antroposofia e a teoria dos setênios é enorme. Metaforicamente ou não, poucas linhas de pensamento conseguem dar pensar de forma sistêmica como essa. De forma que é impossível pensarmos em algo tão complexo quanto a nossa vida de forma linear e homogênea.

paisÉ preciso que a pessoa seja sempre ela mesma, mas saber das mudanças da vida e do corpo para pode tirar proveito de todas as fases. As condições básicas para o bem-estar é sentir o seu corpo e agir de acordo com isso. O corpo tem sua própria sabedoria, então não o perturbe e não se deixe levar apenas pela cabeça.

Compreender as fases ou ciclos da vida é importante para aprendermos mais sobre nós mesmos e sobre o outro, adquirindo mais expertise no cuidado com as pessoas, especialmente os coachees, que devem ser peritos no desenvolvimento e aprendizagem humana. Saber sobre cada etapa nos possibilita saber mais sobre as crises e lidar melhor com elas.

idosos alegria  abraçar mae 4  felizHá uma série de arquétipos que podem ser observados nessas diversas fases, mas isso é assunto para um novo artigo. Lembre-se sempre de se lembrar de nunca esquecer que o saber é o nosso bem maior, cada leitura, cada livro, cada conhecimento acumulado é uma forma de sermos melhores e mais capacitados, além de nos conhecermos mais a cada dia.

Gostou desse artigo? Deixe sua opinião abaixo e compartilhe o texto com seus amigos!

Fonte: http://www.jrmcoaching.com.br/blog/a-teoria-dos-setenios-os-ciclos-da-vida/ e

Adaptado do Texto de: Helena Gerenstadt – Por: Natália & Flávia – Bem Viver + | www.bemvivermais.comAdaptado do Texto de: Helena Gerenstadt

 

 

 

DESCOMPASSO NO DESEJO SEXUAL DE HOMENS E MULHERES ACIMA DE 50 ANOS…

“ Me descubro um pouco mais a cada dia, minhas ânsias e desejos… isso é fundamental para dizer quem eu sou, porque às vezes eu mesma me surpreendo”…

A medida que vamos nos tornando mais maduros e envelhecendo muita coisa muda em nosso corpo. O importante é buscarmos informações e tratamentos adequados à medida que os probleminhas vão surgindo… tentando minimizar ou solucionar. A medicina está muito avançada hoje em dia e sempre temos opções para a maioria dos casos. Uma conversa sincera e aberta com seu medico de confianças podem ajudar muito. Leia o que o Dr. Márcio de Sá nos diz:

É muito frequente haver um descompasso no desejo sexual entre mulheres e homens nos casais com mais de cinquenta anos. “Acredito que um dialogo honesto pode trazer de volta a responsabilidade sexual de ambos e melhorar muito este descompasso”.

A Pós-menopausa, ou Climatério, é o período que se segue à menopausa, ou última menstruação.

A andropausa , ou climatério masculino, que também existe – e sobre o qual eu tratarei num próximo artigo – é a disfunção, a mudança hormonal, que ocorre nos homens um pouco mais tardiamente, por volta dos cinquenta anos.

Esse descompasso no desejo sexual tem como razão, na grande maioria dos casos, as mudanças psíquicas que ocorrem nas mulheres durante o climatério.Velhos-sexoAs mudanças hormonais do climatério masculino causam, diferentemente, transtornos sexuais de outra ordem, relacionados aos problemas de ereção peniana. Estes problemas são capazes de refletir, também, às vezes muito negativamente, no desejo sexual masculino.

O que acontece, então, no viver e na prática quotidiana da vida sexual de um casal de mais de 50 anos é, principalmente, um descompasso de libido feminino-masculina.

As mulheres, em sua grande maioria, perdem ou vivenciam uma importante diminuição do desejo e do interesse sexual, enquanto para a grande maioria dos homens, o mais importante problema é a Disfunção Erétil (o distúrbio de ereção peniana).

As mulheres podem se tratar com a reposição hormonal, para a grande maioria das quais os resultados são excelentes (não se deve esquecer, entretanto, dos potencialmente graves e frequentes efeitos colaterais, tromboembolismo, sobretudo).

Os homens podem se tratar com os medicamentos – o Viagra é um deles – que melhoram muito a disfunção erétil (mas que apresentam também efeitos colaterais e contra-indicações absolutas: os que sofrem de problemas cardíacos, por exemplo).

Maria José N., de 57 anos, teve sua última menstruação aos 53 anos. Desde então, progressivamente e de maneira cada vez mais intensa, a sua libido foi diminuindo, diminuindo, até que o seu desejo sexual extinguiu-se por completo.

A constatação deste fato a deprimiu. Ao mesmo tempo, surgiram, para a sua total infelicidade e crescente desespero, a gama completa dos sintomas da disfunção hormonal da pós-menopausa: nervosismo intenso, uma crescente irritabilidade com todos e com tudo, os terríveis e abruptos calorões e a secura vaginal.

Em completo desespero, ela procurou o seu ginecologista, que explicou-lhe longamente toda a sua problemática e propôs-lhe a reposição hormonal. Ela aceitou e, ao cabo de dois meses após o início do tratamento, para seu grande alívio, Maria José voltou a ser a pessoa que tinha sido quando ainda menstruava.velhos-nudismo[1]Tudo o que a atormentava desapareceu e as recusas às investidas sexuais do seu marido – às quais, até então, ela penava para aceitar-, tornaram-se de novo um prazer.

Sete meses depois, entretanto, muito assustada com um grave acidente de Tromboembolismo Pulmonar ocorrido com sua amiga Clara M., de 62 anos, que fazia reposição hormonal há cerca de um ano e meio, ela procurou novamente o seu ginecologista.

Em comum acordo, foi decidida a interrupção do tratamento com os hormônios sintéticos e o uso unicamente de um creme vaginal à base de hormônios, que normalmente não são absorvidos pelo organismo, mas que tratam de maneira muito eficiente a secura vaginal. Este tratamento está sendo um sucesso para Maria José.

Até a última vez em que a vi em consulta domiciliar, motivada por um resfriado muito forte, ela estava bem, com a libido e tudo o mais em forma.

Francisco T. é um homem de 56 anos, divorciado, grande sedutor e considerado um “boa pinta”, muito feliz até 8 meses atrás com a sua ativa vida sexual com a namorada de 39 anos. Nesta época, ele começou a apresentar problemas, que me descreveu como uma “falha mecânica…” , que o deprimiram.

Ao final da nossa consulta domiciliar, na qual ele me fez umas 15 variadas perguntas sobre a disfunção erétil, as suas causas, o seu tratamento, o seu prognóstico etc., acordamos, ele e eu, sobre o uso, sempre pontual, como deve ser, da Sidelnafila (nome do princípio ativo do Viagra), que ele começou a usar naquela mesma noite.

Em nosso contato telefônico, uma semana após a consulta, ele estava de novo com a auto-estima nos píncaros e retomara a sua vida, alegremente, de grande namorador!Sexo-terceira-idadeEnfim, os descompassos do desejo sexual feminino-masculino têm causas e formas de tratamento diferentes. Estas causas devem ser individualmente estudadas, para que os tratamentos correspondentes possam ser moldados de acordo com cada mulher e cada homem.

*Márcio de Sá é médico clínico formado pela UFMG, especialista em Medicina Preventiva, Mestre em Saúde Pública pela Université Paris VI, e trabalhou durante 11 anos no Hospital Pitié-Salpêtrière, em Paris. (Rio de Janeiro).

TUDO AO MESMO TEMPO…

“A palavra mãe não é um substantivo. É um verbo. Mãe é cuidar, brigar, chorar, brincar, sorrir, ajudar, mudar, se preocupar, se irritar… Mãe é saber amar! 
Rosely Sayao

Gosto muito de refletir sobre o nosso papel como protagonistas na “nossa vida” em muitas fases, lugares e tempos… Sim as coisas vão mudando conforme vamos amadurecendo e envelhecendo… Algumas coisas são mais tranquilamente percebidas com o tempo e não nos abalamos tanto… andamos mais devagar… mudamos conforme nossas necessidades e vontades… Apreciamos melhor… saboreamos mais… devagar e prazerosamente todas as coisas ao nosso redor… quase um contentamento da vida… Me encontro nesta fase agora… o que é muito bom….

Nestas reflexões revi um texto que gosto muito de Rosely Sayão (Publifolha) onde ela diz sobre a mãe que encontramos bastante hoje… Será que mudou? Melhorou? Piorou? Quais as mudanças e as consequências destas modernidades no futuro dos seus filhos? Limites tem? Como era antes? Ela traz boas reflexões importantes sobre a importância e a responsabilidade do papel de ser mãe, hoje e sempre!…
Pra mim… Ser mãe traz certas responsabilidades sim, que não podem ser esquecidas nunca… Criança tem que ser respeitada em qualquer idade… tem que ter coisas próprias para sua idade em cada etapa da sua vida. Ser Mãe é opção… é desejo… Ser Mãe é ter um amor incondicional! Renúncias são temporárias e trazem benefícios e alegrias as crianças e nós mães sabemos no fundo o que é melhor para nosso filho.

indisciplina

Limites são demonstrações grandiosas de amor e temos muitas dificuldades em fazer isso, entrar em conflito com eles, mas fazemos isso porque sabemos o que é melhor pra eles. Cada idade dos filhos tem seus prazeres, desejos e suas necessidades… vivenciamos todos os momentos com eles, com maturidade e amor… orientando, cuidando, acompanhando, estando alertas e atentas a tudo… e a todos…  Tudo tem que ser muito bem pensados, pra minimizarmos os problemas futuros… Internet então nem se fala! Mãe é pra sempre! Filho é pra sempre! Quero compartilhar isso agora com vocês, espero que gostem… Leiam:

Durante as férias escolares e ao final do período recebi mensagens comentando a respeito de um mesmo tema: a presença de pais com crianças pequenas em locais e horários destinados especificamente a adultos.

Em quase todas essas mensagens, os leitores relataram cenas que testemunharam e os deixaram incomodados. Vale ressaltar que a maioria dos leitores que me escreveu também tem filhos e não concordou com a escolha feita pelos pais de se fazerem acompanhar pelas crianças em programas e horários impróprios para elas.

mae e filha. 1JPG

Crianças acordadas na madrugada, presentes em festas realizadas em hotéis de férias, em jantares ocorridos altas horas da noite, em bares e até em sessões de cinema com projeção de filmes que exigiam muita concentração foram situações relatadas por vários leitores.

Algumas pessoas se incomodaram com a simples presença das crianças, porque consideram que as situações eram impróprias para elas e, possivelmente, as afetariam de alguma maneira.

Outras se incomodaram porque as crianças têm reações típicas e naturais na infância –choram, reclamam, querem mexer no que está ao seu alcance– e elas estavam em locais onde isso não deveria acontecer. Na última sessão de um filme, no cinema, por exemplo.

Recebi também a mensagem de uma avó que notou que a sua filha, com um bebê de menos de um ano, estava se comportando da mesma maneira, ou seja, levando o bebê a todos os lugares que costumava ir sozinha, como shopping, supermercado, restaurante etc. E, como ela, a avó, está sempre disponível para ficar com a neta, conversou com a filha e disse que não considerava certo levar o bebê a lugares tão barulhentos e movimentados.

mãe e o mundo

A resposta da filha deixou essa avó pensativa, o que a levou a me escrever. A filha respondeu que o tempo de se anular por causa dos filhos havia acabado.

“É isso mesmo?”, perguntou-me a avó.

A questão também me fez pensar bastante. Gostaria de compartilhar minhas reflexões com você, caro leitor. Talvez estejamos vivendo em uma época que nos leva a cometer alguns equívocos e a fazer confusões. Ter filhos e comprometer-se com esse fato pode estar numa dessas zonas de confusão.

Sim, muitas pessoas, mulheres principalmente, já anularam suas vidas por causa dos seus filhos.

Quer dizer: a partir do momento em que se tornaram mães, essas mulheres transformaram esse papel no quase único de sua vida. E, é bom lembrar, isso não prejudicou apenas a mulher, mas os filhos também. Sabe o que significa carregar nas costas todos os anseios de realização da sua mãe?

Bem, mas ter filhos acarreta algumas renúncias. A maioria delas é de natureza temporária, mas, ainda assim, é renúncia.

O problema é que vivemos em uma época de apologia do prazer, da satisfação imediata e da felicidade. E renúncias não combinam com isso, não é verdade?

Renunciar a algumas coisas se transformou em sinônimo de se anular, portanto. E esses são dois conceitos bem diferentes.

Casar significa renunciar à vida de solteiro; ter filhos significa renunciar à vida sem filhos. Será que aceitamos essas premissas, entre outras, nestes tempos em que é imperioso buscar a felicidade completa, nos moldes em que entendemos hoje essa palavra? Pelo jeito, não. Queremos tudo ao mesmo tempo e agora. Como os adolescentes.

ROSELY SAYÃO é psicóloga e autora de “Como Educar Meu Filho?” (Publifolha)

Veja também:

https://oterceiroato.com/2018/02/21/pais-que-nao-disciplinam-os-filhos-terao-que-sustenta-los-a-vida-toda/

https://oterceiroato.com/2015/11/04/os-filhos-em-o-profeta-de-khalil-gibran/

https://oterceiroato.com/2016/07/08/quando-os-filhos-voam-por-rubem-alves/

https://oterceiroato.com/2016/06/29/como-superar-a-sindrome-do-ninho-vazio/

MORRER NÃO SE IMPROVISA! RELATOS QUE AJUDAM A COMPREENDER AS REAIS NECESSIDADES – BEL CESAR.


BEL CESAR
“Cuidar da nossa travessia é internalizar uma compreensão esperançosa da morte”. Leonardo Boff.

A MORTE é um assunto que ninguém quer sequer pensar, quanto mais, falar sobre ela… este assunto é evitado por todos! Vamos envelhecendo, acontecem as perdas, anunciadas ou não… que me levaram a refletir melhor sobre a vida e a morte… Você já pensou sobre a Finitude? O que fazer quando já não há mais nada a fazer?   

Conheci Bel César, psicóloga, autora do livro “Morrer não se improvisa”, hoje numa palestra realizada por ” Mais velhos, Mais sábios” e fiquei encantada ao ouvir a voz suave e serena dela nos contando sobre a sua missão de vida e do seu “Projeto Viva da Clara Luz”.

Quem é Bel César:

Desde 1989 pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano e dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte e também ao tratamento do estresse pós-traumático com o método de S.E.®️ – Somatic Experiencing. Organizou a primeira vinda de Lama Gangchen Rinpoche ao Brasil em 1987. Presidiu o Centro de Dharma da Paz por 15 anos. Em parceria com Peter Webb, desenvolve atividades de Ecopsicologia no Sítio Vida de Clara Luz. Possui sete livros publicados pela Editora Gaia. Entre eles: “Morrer não se Improvisa”, “Livro das Emoções” e, em parceria com Lama Michel Rinpoche, “O Grande Amor – um objetivo de vida”. A palestra, realizada em São Paulo, partiu de uma reflexão sobre a visão da morte segundo o budismo tibetano e como podemos dar apoio as pessoas que enfrentam a morte assim como aquelas que estão enlutadas. Projeto este precioso onde auxilia os pacientes terminais a encontrar através de terapia de apoio espiritual (embasado no budismo tibetano) um apoio no momento de sua morte.   Para os budista tibetano a morte é a maior oportunidade da vida!”... É nesse momento que podemos voltar para casa – para nossa verdadeira natureza interna – o nível mais fundamental da consciência humana, que sobrevive á morte. Portando, podemos encontrar na morte o estado da paz e plenitude que buscamos durante toda a vida. Por isso não precisamos temer a morte e sim vivenciar com coragem. Confesso que nunca pensei muito sobre este assunto, mas com a doença grave, progressiva e degenerativa de minha mãe, que fará 90 anos em 27 de Abril deste ano, procurei saber mais sobre este assunto tão temeroso… como enfrentar esta passagem? É certo que a perspectiva da morte arranca a esperança do seio da vida, mas talvez seja o caso de tentarmos compreender as reais necessidades emocionais e espirituais daqueles que enfrentam a morte, dando apoio a essas pessoas nesse momento tão especial. É isso que Bel Cesar propõe neste livro “Morrer não é improviso” e na palestra que assisti. Evidentemente não é fácil vivenciar a morte com coragem, mas se falarmos da morte sem preconceitos vamos aprender a lidar com ela de maneira mais serena e veremos que a morte é, na verdade, a maior oportunidade da vida, um momento em que se pode voltar para a verdadeira natureza interna compreendendo que o mais fundamental da consciência humana sobrevive à morte.

Isto me trouxe uma certa leveza, na minha maneira de pensar. Esta visão é uma novidade pra mim, despertou ainda mais meu interesse. Comprei o livro e já comecei a ler, estou adorando e recomendo. Baseado em princípios budistas, este livro ensina como ajudar uma pessoa a atingir um estado mental positivo no momento da morte, encontrando paz e plenitude. Relatos de pacientes na fase final da vida, à espera da morte, comentados por profissionais de diversas áreas, fazem deste livro algo vivo “emocionante e encorajador”, pois ensina que sempre há alguma coisa a fazer, e faz-nos ver a morte com serenidade e esperança.

Da onde partiu esta ideia do livro ?

Em julho de 1999, em uma conversa informal com o seu mestre e amigo Lama Gangchen Rimpoche, Bel Cesar foi questionada sobre a possibilidade de escrever um livro que apresentasse sua experiência com pacientes que estão prestes a morrer. Pensou por alguns instantes e manteve-se reticente. Em seguida, Lama Gangchen foi mais incisivo; “Eu vou morrer e sei que meu trabalho vai continuar. E você, depois de morrer, quem vai dar continuidade ao seu trabalho?

A partir deste diálogo, Bel Cesar compreendeu que o compartilhar sua experiência profissional era muito mais relevante do que resistir em expor o seu trabalho ou a história de seus pacientes. Com coragem e determinação, Bel Cesar colocou no papel 12 casos atendidos desde 1991. Alterou o nome dos pacientes e pediu permissão aos familiares para publicá-los. Fez várias cópias e as distribuiu entre amigos e profissionais da área de saúde. Muitos se interessaram. Interessante que ela consegue integrar a convicção religiosa de cada paciente com sua prática budista e alcança resultados surpreendentes.

Segundo ela, isso só é possível porque o budismo está baseado num sistema de sabedoria universal, respondendo às necessidades inerentes de cada indivíduo, que é encontrar um sentido tanto para a vida como para a morte e cultivar uma visão de paz que transcenda o materialismo imediatista.

Gilberto Gil fez esta musica “Eu não tenho medo de morrer” que ilustra bem este momento da vida, achei  bem interessante, compartilho com vocês…

Veja o que ela diz sobre o livro dela:

 

 

SEXUALIDADE DEPOIS DOS 60 ANOS.

Sexo-terceira-idade

“Tento resolver todos os dias a minha sexualidade”. Padre Fábio de Melo.                                            Muito interessante este Post onde Dr. Drauzio Varella entrevista a médica psiquiatra Dra Carmita Abdo sobre a sexualidade depois dos 60 anos publicado no Blog Segredos de casais. Vale a pena conferir! Acredito que conhecimento pode ajudar muitas pessoas…

Segredos De Casais

Carmita Abdo é médica psiquiatra e coordenadora do grupo de sexualidade do Instituto de Psiquiatria da Universidade São Paulo.

old-people-616718_640

Muitos acham que fazer sexo é característica da juventude — quando muito da maturidade — e que a atividade sexual inexiste a partir de determinada faixa etária. Em geral, admite-se que nos homens, lá pelos 60 ou 70 anos, ela declina e, depois, desaparece de vez. Em relação às mulheres, a crença é que o fenômeno seja ainda mais precoce. A moral vigente durante séculos reforçou o mito de que o momento da menopausa e a consequente perda da capacidade de gerar filhos marcavam o fim do interesse sexual feminino.

Hoje, já existe a comprovação de que esses conceitos estão completamente equivocados. Do ponto de vista médico, o papel da sexualidade após os 60 anos é de fundamental importância para a saúde física e psíquica de homens e mulheres mais velhos…

Ver o post original 2.418 mais palavras