DEFICIÊNCIAS – POR MARIO QUINTANA…

mario quintana

“A verdadeira deficiência é aquela que prende o ser humano por dentro e não por fora, pois até os incapacitados de andar podem ser livres para voar”. Thaís Moraes

Neste texto, Mario Quintana discorre de como podemos ser deficientes perigosos para nós mesmos e para aqueles que nos cercam. E alerta que deficiências éticas e comportamentais são mais destruidoras dos que as deficiências físicas, já que essas são, na maioria das vezes, imperceptíveis a olho nu. Leiam:

deficiencia

“DEFICIENTE” é aquele que não consegue modificar a vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade e que vive, sem ter consciência de que é dono de seu destino.

“LOUCO” é quem não procura ser feliz com o que possui.

“CEGO” é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.

“SURDO” é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e querer garantir seus tostões no fim do mês.

“MUDO” é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

“PARALÍTICO” é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

“DIABÉTICO” é quem não consegue ser doce.

“ANÃO” é quem não sabe deixar o amor crescer.

E finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:

“MISERÁVEIS” são todos que não conseguem falar com Deus.

deficiencia.1 jpg  deficiencia. 2 jpg.jpg

UM BRINDE Á NÓS!

Bia Barco Bus Paris 2015-06-09 19.42.13

“A vida é tão perfeita que nos dá a chance de recomeçar a todo instante”. Andreza Filizzola

 “Gostaria de te desejar muitas coisas. Mas nada seria suficiente. Então, desejo apenas que vocês tenham muitos desejos… Desejos grandes! E que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo de sua felicidade!” (Drummond). 

Hoje é o aniversário do nosso casamento, 15 anos juntos…. com meu amor, amigo e companheiro… da pessoa mais importante que preenche minha vida, meu coração e minha alma! Parabéns maridinho. Parabéns família! Sabe preciso contar algumas coisas pra você (s)…

Valeu a pena conhecer você… Valeu a pena ter deixado o destino nos fazer encontrar, na hora certa… um momento único! Valeu a pena ter correspondido ao primeiro impulso… Valeu a pena ter ultrapassado barreiras… Valeu a pena acreditar que podia dar certo e ter seguido em frente… Valeu a pena ter tido paciência… e esperança! Valeu a pena ter tido compreensão… ter recebido e dado tanto amor… Valeu a pena ter feito amor… e ter me doado completamente a você e aos seus filhos… Valeu a pena ter cuidado dos meus filhos… dos seus filhos… dos nossos filhos!

Valeu a pena ter dado uma chance ao destino de nos conhecermos melhor… e nos entregarmos de corpo e alma… Valeu a pena juntos termos reconstruído nossas famílias… Valeu a pena ter escolhido você pra caminhar comigo… seguir a vida… construir uma nova história… a nossa história!

Valeu a pena superarmos os problemas juntos… tentar e tentar… Valeu a pena cada um dos desafios enfrentados… desafios que nos fortaleceram… e juntos tentamos supera-los… erramos e acertamos tantas vezes… E foram (que são) tantas!!!! Insistimos e superamos todos juntos… e os desafios nos levaram longe… ainda estamos adquirindo nossas aprendizagens! Refizemos e construímos uma nova família, a nossa família… linda, pulsante, viva, intensa…  com toda a imperfeiçoes que a vida nos proporciona … mas tudo baseada no amor e na compreensão. Continuamos aprendendo ainda todos… dia a dia!

Valeu a pena tudo! Tudo isso mesmo… valeu a pena!!!

Quero que saiba meu amor (e todos da nossa família) que valeu e vale muito a pena sim estar compartilhando minha vida com você (s)… Vale a pena tudo que somos, quando estamos juntos! Somos todos loucos… uns pelos outros!

Vale a pena amadurecer e envelhecer junto com você… é uma benção, só tenho o que agradecer. Vale muito a pena, tudo mesmo!

1

Com vocês, nossos filhos adorados nos completando ainda mais: Bruno, Michelle, Ca e André.

Amo muito a nossa família, que agora vem crescendo… com os netinhos chegando João PedroEva e Noah… lindos e maravilhosos, nos completando ainda mais, alegrando mais ainda tudo o que já tínhamos… Tudo floresce da melhor maneira que poderíamos ter e ser… é a vida que se transforma e renova.

Vale muito a pena, tudo mesmo!

Com vocês sempre junto conosco, e vem completando e aumentando com suas famílias… Bruno e Vanessa; Michelle e Fabio; Cá e Renaud… só tenho a agradecer.

Vale a pena brindar a vida com você… Nossa vida esta perfeita do jeitinho que é! Confesso que faria tudo novamente, igualzinho!!!

Te amo muito viu Zé?

E vocês nossos meninos! As suas famílias… aos nossos queridos netinhos… Um brinde a todos nós!

 

 

SER VELHO É LINDO!

“Envelhecer ainda é a única maneira que se descobriu de viver muito tempo”. Charles Saint-Beuve

Gosto muito deste olhar sobre o envelhecer! Mirian Goldenberg compartilha aqui os resultados de sua pesquisa sobre como os homens e mulheres envelhecem, e a velhice é algo belo, ser velho é lindo! Mirian é Professora Titular do Departamento de Antropologia Cultural e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutora em Antropologia Social pelo Programa de Pós Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Colunista de jornal e autora de vários livros. Assistam ao vídeo:

Lindo pensar que estamos caminhando pra um aprendizado de vida, perfeita! E você já pensou sobre isso?

 

CAMINHO DE SANTIAGO PRA QUEM TEM MAIS DE 50 ANOS!

“Nossa ligação foi traçada à nascença, mas nós escolhemos prolongá-la pela vida.” Feliz Dia do Irmão!

Hoje para homenagear meus irmãos no “Dia dos Irmãos”, vou compartilhar com vocês um desejo conjunto… Começou com minha irmã caçula, contaminou os outros  dois e encontrou um pouco de resistência minha rsrsrsr… Deste desejo de fazermos juntos o Caminho de Santiago de Compostela, que surgiu assim de repente e com a vida nos colocando a prova constantemente comecei a me questionar… pensei então em aceitar e começar a me preparar para tal…

“Foi um dos únicos momentos da minha vida que conheci o que deve ser “felicidade plena”. 

Já contei isso aqui outro dia que tenho 3 irmãos que há algum tempo comentam que desejam fazer o Caminho de Santiago, mas só com nós 4 (coisa de irmãos)… isto me inclui é claro.  Um desafio com 4 irmãos, pode? Confesso que adoro desafios e bem lá no fundo também desejava fazer este caminho… Sempre sonho em conhecer lugares incríveis…  e em fazer essa caminhada peregrina, tinha curiosidade e também fazia parte disso. Penso que deve ser uma experiência única e muito especial… algo marcante para dentro nós mesmos… um autoconhecimento profundo. Quando?… algum dia, pensava? Deixava pra lá… Nunca determinei… até fugia, mas agora…

O problema é que eu sempre fui meia (inteira rsrsr) sedentária fisicamente e na minha idade (coisa que não sinto)… pensava, isso não vai rolar! Eles vieram, propuseram, mexeram daqui me cutucaram dali… com isso minha vontade anda acendendo… aquela chama apagadinha… é, realmente confesso, tem mexido comigo!

Vamos amadurecendo, vão acontecendo tantas coisas em nossa vida… questões mil e de repente você para e pensa… nos intriga e faz refletir sobre a vida como ela é… Qual o meu propósito nesta vida? O que ainda temos que aprender? Onde preciso melhorar? O que fazer então? Xiiii não dá pra fugir mais. Chegou o momento! Muitas acontecimentos me fizeram repensar e reconsiderar este desejo sim.

Fazer esta rota de peregrinação (que existe há doze séculos) chegando via Espanha ou Portugal (a mais curta), até a cidade de Santiago de Compostela, está começando a ser planejada por mim (o preparo físico é urgente agora). Mais do que uma viagem será um projeto de vida. Nossas vida!

Começo a me preparar para este grande desafio. Afinal como irmã mais velha da turma não posso fazer feio não acham? E não pode demorar muito né? Daqui a dois anos acredito que esta bom. Com minha demora alguns irmãos já melhor preparados, devem fazer antes esta peregrinação… com sua famílias, mas quem sabe ainda iremos juntos algum dia. Nada impedi isso!

Vamos lá, ando pesquisando sobre o assunto e me animei com o que Daniel Agrela nos conta a história e dicas de Elker, um simpático senhor de 65 anos que já percorreu o caminho por cinco vezes neste artigo. Dá um bom começo pra animar muita gente… é sempre bom conhecer experiências de pessoas desta idade… Incentiva. Leiam:

Lembro com detalhes o meu primeiro dia no Caminho de Santiago. Com 25 anos recém completados, cheguei à pequena cidade de Saint Jean Pied Port, no sul da França, tarde da noite. Naquele momento, bares e restaurantes estavam fechando e minha preocupação era encontrar um albergue para passar a noite. Estava muito ansioso para iniciar o trajeto no dia seguinte.

Fui à oficina de peregrinos e lá recebi todas as recomendações necessárias, incluindo um mapa topográfico de cerca de 30 etapas até Santiago de Compostela. Peguei os materiais e fui em direção ao albergue. Lembro que no quarto havia cerca de oito pessoas, todas interagindo umas com as outras. O clima era de animação.

Logo percebi que era o mais jovem do grupo. Recostei na cama e passei a ver o mapa referente ao primeiro dia de caminhada. Fiquei em pânico. Como não tinha me preparado muito bem para a viagem, não sabia ao certo todos os detalhes, tanto de quilometragem quanto de altitude. Foi então que me dei conta que na manhã seguinte teria de percorrer cerca de 26 quilômetros partindo de uma altitude de 200 metros (nível do mar) para 1.400 metros (nível do mar).  Minha aparência calma tinha desaparecido. Percebendo isso, um viajante alemão veio até mim e matou a charada.  – Assustado com o percurso. – Assustado é pouco. Desesperado! Acho que não vou conseguir, disse.

– Pois não fique. Olhe para mim (nesse momento ele apontou para seu rosto e mãos, marcados pelo tempo). Meu nome é Elker, tenho 65 anos e esta é a minha quinta vez no Caminho de Santiago.

Fiquei incrédulo. Para mim, até então, esse trajeto só poderia ser feito por jovens devido à sua dificuldade. Afinal, são 800 quilômetros a serem percorridos a pé. – E por que recorre ao Caminho tantas vezes, perguntei. – Desde que me aposentei, tracei como meta de vida percorrer o Caminho de Santiago todos os anos. Até agora tenho mantido essa minha promessa, e, você não vai acreditar, mas com o passar dos anos parece que o trajeto se torna mais fácil para mim. – E os anos não pesam? – Minha primeira vez aqui foi difícil. Mas logo percebi que não é o físico que te leva a Santiago e sim o espiritual, o que você tem em mente, explicou.

Conversamos por algum tempo mais e, mentalmente, fui anotando todas as dicas daquele peregrino que, em tom professoral, me ensinava como encarar o Caminho de Santiago. Na manhã seguinte, perdi a hora e fui o último a deixar o albergue. Chovia e o frio castigava. Com as dicas do simpático Elker assimiladas, tomei coragem e parti rumo ao meu caminho. E não é que ele estava certo? Veja aqui as dicas dele:

1 – Não encare o Caminho de Santiago como uma corrida. Se sentir que seu corpo não vai aguentar, pare, descanse e recomece no dia seguinte;

2 – Ser jovem pode ajudar, mas não é essencial para fazer esta viagem. Às vezes, um bom motivo para caminhar vale mais do que alguns anos a menos;

3 – Caminhe sempre  com um cajado para auxiliar na subida, para dar impulso, e na descida, para proteger os joelhos;  4 – Use um chapéu para se proteger do sol;

5 – Consulte sempre os mapas das etapas, mas não se prenda a eles. Aprecie a paisagem que está a sua volta e caminhe para dentro de si;

6 – Beba bastante água, mesmo que não esteja com sede;

7 – Se puder, leve consigo sempre algo simples para comer. Nem todos os lugares do Caminho oferecem infraestrutura de bares e restaurantes;

8 – Leve fotos da família. Elas são importantes para os momentos de saudade;

9 – Não sobrecarregue as costas com uma mochila excessivamente pesada. Escolha itens essenciais para acompanhá-lo no trajeto;

10 – Quando os pés estiverem cansados, não se dê por vencido. Caminhe com o coração.

Daniel-AgrelaDaniel Agrela, da primeira vez em que percorreu o Caminho

Gostaram? Se animaram?

Alguém aí tem mais dicas? Me contem… Beijos.

*Daniel Agrela é jornalista e autor do livro: “O Guia do Viajante do Caminho de Santiago, uma vida em 30 dias”.

 

RESILIÊNCIA – PODER DE RECUPERAÇÃO DIANTE DAS ADVERSIDADES DA VIDA.

luto 4

“Resiliência é continuar numa constante transformação diante de todas as pressões presentes. É o sentido master da ressignificação”. Nilton Pedreira

Com a proximidade do meu niver… pensei em publicar um Post que me identificasse bem, agora especialmente minha relação com a vida e a a maturidade…. Questões que sempre me fazem parar e refletir: Como me comporto diante das adversidades da vida? Como enfrento os desafios e dificuldades que surgem no seu caminho? Como sobrevivo? O que vai ser daqui pra frente?

Se é uma coisa de que entendo bem… é sobre Resiliência. Sim, sou uma Resiliente! Quem me conhece sabe bem disso. A vida me deu escolhas e eu sempre escolhi ser feliz e não prejudicar ninguém (conscientemente, é claro).

Ter um olhar positivo sobre tudo que a vida me deu… me ajudou muito. Nas vezes que tive desafios pra enfrentar, e foram muito… tropecei sim, tive medo, caí e sofri…, mas sempre acreditei e tive FÉ de que as cosias iam melhorar e que serviriam para o meu crescimento. Acontecem coisas e nos fazem sair muitas vezes da nossa zona de conforto que nos obrigam a repensar e mudar…, mas são tudo melhorar lá na frente, mesmo que eu não consiga compreender e visualizar o meu final… Eu quis crescer como pessoa e na vida.

Penso que a vida é uma longa caminhada e você pinta das cores que quer. Cada um tem a sua. A minha é um arco-íris.

arco iris 2

Construí em meus caminhos algumas pontes… fechei livros, encerrei histórias e ciclos quando eram necessárias… e construí novas histórias, outros capítulos e me reinventei… Sempre me levantei e amadureci! Dentro do meu tempo. A vida é dinâmica e está em constante movimento. Nunca para! Ser feliz sempre foi meu maior objetivo, o que me impulsionou a prosseguir, mudar e ir em busca de novas saídas. Hoje sou grata por tudo o que tenho e recebi. Este é o segredo da vida. Ser feliz com o que temos e fazemos com ela, minha opção! A maturidade me permitiu enxergar com mais simplicidade muitas delas.

Li este artigo do Blog “Mundo dos psicólogos” que tem a intenção de ajudar as pessoas nesse aspecto, compartilho com vocês agora. Leiam:

A psicologia usa o termo resiliência psicológica para pessoas que respondem as frustrações diárias com alto nível de capacidade de recuperação emocional. Simplificando, quanto mais resiliente a pessoa for mais preparada a pessoa está para enfrentar as adversidades encontradas ao longo da vida.

A verdade é que todos os seres humanos passam por problemas, independentemente da classe social que pertencemos em algum momento da vida nos deparamos com adversidades. Então a pergunta mais lógica é: eu sou uma pessoa resiliente?

Jogue Fora

Observe: a resiliência é um processo de aprendizado desde a infância. Existem adultos que quando crianças se esquivaram das dificuldadese outros que se isolaram frente aos problemas do cotidiano. Desta forma:

  • Não conseguem apresentar comportamento de enfrentamento;
  • Não possuem habilidades de atravessar as situações de crise de maneira construtiva;
  • Falta otimismo, segurança;
  • Tem a tendência de maximizar o problema;
  • Respondem de forma passiva;
  • Não conseguem reagir;
  • As interpretações dos fatos são negativas;
  • Diminuem a responsabilidade da ocorrência e desta forma não possui controle pelo acontecido;
  • Não esboça atitude de mudança;
  • Assume uma postura de vítima.

O que eu preciso fazer para me tornar uma pessoa resiliente?

Você tem a alternativa de agir de forma mais ativa, ou seja, assumir que parte dos problemas que vivemos dizem a respeito à nossa forma de agir no mundo e reconhecer que tem responsabilidade sobre o fato. Eu escolhi isto.

Quando o indivíduo enxerga que faz parte integrante do problema que acontece em sua volta, as chances de mudanças são maiores, como se você fizesse um bolo sem receita, se der errado você nunca saberá onde errou, qual foi o ingrediente que estava a mais ou a menos e resultou no bolo ruim. Se o bolo ficou delicioso, você também não saberá qual foi o ingrediente usado para que ele ficasse tão gostoso.

Assim, quando a pessoa se vê parte integrante do problema e pelo que acontece à sua volta, recupera a possibilidade de mudar as coisas que não a fazem bem. A atitude mental frente a adversidade é muito importante para construir uma boa resiliência psicológica, muitas pessoas desejam mudar seu comportamento diante das dificuldades, mas não consegue agir diferente.

grama-do-vizinho-2         ir embora 4

Buscar um sentido na vida, compreender o que sente e estar atento aos sentimentos: entenda que estar em contato com suas emoções te faz ser mais ágil na busca daquilo que efetivamente te faz bem, como também na evitação das situações que te fazem mal. É a chamada inteligência emocional. O ponto crucial é perceber o estado subjetivo para então poder mudar.

BIA SO

Entendo que não é fácil, não estamos habituados a nos conectar conosco, vivemos numa correria constante, sempre procurando aliviar nossos sentimentos ruins, projetando no outro a responsabilidades dos acontecimentos, a maioria das vezes sabemos o que nos incomoda, mas preferimos não pensar sobre o assunto, se você está se identificando com alguns desses comportamentos, ainda há tempo para mudar.

Se você não tem conseguido sozinho, busque ajuda. Aprenda desenvolver uma postura ativa em sua vida, aprenda a dar a volta por cima dos obstáculos, não se sinta vítima de sua existência, faça com que as coisas façam sentido, elabore um projeto pessoal e por último, mas não menos importante entenda suas emoções. Aderindo esses comportamentos você desenvolvera sua resiliência emocional.

Assista este vídeo “O PODER DA RECUPERAÇÃO, RESILIÊNCIA”, vai gostar. Fábio de Melo: https://www.facebook.com/PadreFabiode… Clóvis de Barros Filho: https://www.facebook.com/clovisdebarr… Leandro Karnal: https://www.facebook.com/prof.leandro… 

Fonte: https://br.mundopsicologos.com/artigos/resiliencia-poder-de-recuperacao-diante-das-adversidades-da-vida

ENVELHECER… NO OLHAR DE DÉA JANUZZI.

Mais-velha

” Envelhecer ainda é a unica maneira que se descobriu de viver muito.” Charles Saint- Beuve

Envelhecer fica melhor no olhar de Déa Januzzi, leiam:

Cada um envelhece como viveu, pois o passar do tempo exacerba – ou ameniza – o caráter, os preconceitos, a indiferença, a falta de compromisso com o outro, a disputa, a mágoa, a depressão, a frustração e a impaciência. Ou sintoniza a vida com outros valores mais nobres.

É preciso dizer que a velhice abala, assusta, traz insegurança, principalmente para as mulheres que ficam invisíveis depois dos 60 anos. Há empregos e trabalho para homens de 60, 70 e até 80, mas não há vagas para mulheres que deixaram de procriar, de despertar desejos. A maioria das mulheres envelhece mais dolorosamente, sente vergonha até de confessar a idade. As mulheres ficam mais vulneráveis, principalmente se estão sozinhas no entardecer da vida.

O descaso e a impaciência aumentam. Ou suavizam de vez. Enquanto chegam os desconfortos físicos e novas dores, que são perdas necessárias, o mal-estar surge quando os amigos vão morrendo. Em um texto de Carlos Saul Duque, no dia em que o maestro Nico Nicolaiewsky morreu de leucemia aos 56 anos, ele diz: “Ficar velho não é achar mais um fio branco de cabelo. Nem notar que aquela ruga de expressão aumentou consideravelmente. Ficar velho não é sentir mais dores do que antes. Ter que fazer mais exercício do que antes. Ficar velho, mesmo, é ver aos poucos o seu mundo ser despovoado de amigos. Dos seus tios queridos. De parceiros. De pessoas que você admira. De gente cujas ideias influenciam você. De talentosos. De visionários. De autores da sua época. De personagens da sua aldeia. De gente como o Nico, um cara que tinha vários dons. O dom de ser gago e cantar muito bem. De fazer rir com inteligência. De achar a verdadeira alma das canções”.

“Assim como o escultor enxerga a estátua dentro da pedra, Nico via, geralmente mais do que o próprio autor da obra, a grande canção escondida dentro da vulgaridade de um arranjo. Nico construiu uma nação que ninguém sabe onde é, mas todos gostariam de conhecer. E um repertório único. Tão único quanto o talento dele. Não deixa de ser poético o grande temporal que caiu no dia em que Porto Alegre sepultou o maestro do Tangos e Tragédias. E eu, que adoro chuva, me sinto velho. Mil anos mais velho nesse dia do funeral de Nico Nicolaiewsky.”

Jogue Fora

Há sete anos, o funeral de minha mãe ocorreu também no meio de um vendaval. A chuva não parou um segundo. Foi nesse dia que percebi todos os meus naufrágios, já sem pai, sem mãe, sem um dos meus irmãos e sem alguns amigos imprescindíveis, como o escritor e jornalista Roberto Drummond, o médico e prefeito Célio de Castro, os ex-editores Amantino Horta Maciel e Wagner Seixas, o pedagogo Antonio Carlos Gomes da Costa, a jornalista e amiga/irmã Edméia Passos – e outros que me mostraram o desemparo da morte.

Envelhecer é muito duro no Brasil, um País injusto, que não dá atenção nem às suas crianças e jovens. Ainda mais aos velhos. Uma Pátria que não deveria selecionar os seus filhos, mas escolhe a dedo. O discurso de hoje é o do envelhecimento ativo. Para quem? Para uma parcela mínima da sociedade que pode pagar por todas as comodidades exigidas nessa fase da vida. E mesmo assim sem garantias de que terá um envelhecimento digno. O restante dos velhos precisa apelar para postos de saúde, que nunca têm os remédios disponíveis, cujas cirurgias podem levar até um ano para acontecer. Como denunciou um senhor de 70 anos que entrou na fila do Sistema Único de Saúde (SUS) para fazer uma cirurgia de catarata. E está esperando até hoje.

Todos querem viver muito, com qualidade de vida, mas se esquecem do tempo que ainda resta de vida. O taxímetro está ligado e embora ainda haja desejos e sonhos, partes preciosas da vida se foram para sempre. O sinal vermelho do abandono começa a piscar perigosamente.

Minha mãe não se cansava de repetir que estava vivendo de lucro, porque suas amigas já tinham partido antes dela. Aos 91 perdeu o único filho homem. Aí a velhice tomou conta de tudo. Ela abandonou o barco da vida, o que não havia acontecido até então, mesmo com a artrose a lhe corroer os joelhos, mesmo negando a necessidade de usar bengala. Seis meses depois da morte do único filho homem, ela foi embora também, afundou na dor.

saude emocional 2

Renée, a única amiga de minha mãe que sobreviveu às inúmeras perdas, tem hoje 101 anos, mas também não acha mais graça na vida. Entregou as idas e vindas ao banco e o salário de todo mês para uma das filhas administrar. Só que a filha mora bem longe dela e nem sempre pode ver o que ela precisa. Não sabe, por exemplo, que ontem Renée estava com muita dor no ombro direito. Mas como todas as mulheres de sua geração, a reclamação era quase um pedido de desculpas. Baixinho, ela disse que a dor estava passando para debaixo do braço, que os filhos a tinham abandonado, que ninguém mais queria ir na casa dela.

Saí de lá achando que a longevidade tem um preço muito alto, principalmente para quem como Renée continua lúcida, sem bengalas nem doenças crônicas, mas que já não tem autonomia para decidir sobre a própria vida. Ela sabe de tudo o que está acontecendo à sua volta. Vive com uma das netas que também reclama de dores, por ter vivido tudo em excesso. Renée já perdeu pais, marido, três filhos, e continua de pé, mas a cada dia mais solitária em sua velhice, apesar de ter se planejado financeiramente para essa etapa da vida. Ela não pode mais ir ao banco, mas o que mais a inquieta não é o dinheiro, mas as amigas que se foram muito antes dela. O mundo de Renée ficou pequeno, do tamanho do apartamento de três quartos, despovoado, engessado num tempo sem fim, frio, apesar do sol que insiste em penetrar pela janela.

Adoro esta maneira de enxergar meu envelhecer.

A ARTE DE SE ORGANIZAR EM VIDA – O QUE FAZER ANTES DE MORRER, PARA FACILITAR A VIDA DOS QUE FICAM.

“O segredo? É apreciar os momentos, desapegar-se das coisas e, viver, apenas viver”. Adriana Leva

É importante a medida que envelhecemos, principalmente depois dos 65, começarmos a pensar em organizar a nossa vida, de forma que, na hora que a gente partir deste mundo, não deixar problemas para serem resolvidos pelos outras pessoas que ficarem. Esse é o tema de um livro escrito pela artista sueca Margareta Magnusson, que foi lançado no Brasil (Amazon/ janeiro de 2018). “The Gentle Art of Swedish Death Cleaning” ou a “Suave arte sueca da limpeza da morte” (em livre tradução), onde explica a técnica de “destralhar tudo” antes de morrer… e já está dando o que falar no mundo inteiro da organização.

O tema é extremamente delicado, mas necessário e que precisa ser pensado com carinho.

Leia o artigo publicado pelo site greenme.com.br:

O livro propõe o que seu título macabro sugere, ou seja, orientar e guiar as estratégias que constituem a nossa passagem daqui para uma melhor.

A autora, Margareta Magnusson, é uma artista sueca que viveu e exibiu suas obras em todos os lugares, de Hong Kong a Cingapura.

Sua idade, para usar suas palavras, está “entre os 80 e os 100 anos” e ela decidiu escrever este livro – seu primeiro – sobre a questão de organizar tudo antes de partir para o outro mundo para que – quem permanecer e herdar seus bens – encontre tudo arrumado, com a maior parte do trabalho já feito.

“Honestamente, eu não tenho certeza de que sua intenção com o livro, não era a de trazer um pouco de diversão e ironia sobre os livros e as publicações de autoajuda”, disse Shana Lebowitz em sua crítica na revista Business Insider.

Quem sabe?

Por diversão ou não, porém, Magnusson propõe uma série de passos e sugestões para eliminar a desordem, organizar as coisas e reduzir a incrível quantidade de objetos, documentos e qualquer outra coisa que se tenha em casa: um convite claro para o minimalismo, para o deixar-se ir para o lado de lá leve, sem o monte de bobagens que acumulamos durante a vida.

O livro de 128 páginas vai ao concreto, explicando: 1) o que se pode dar ou vender (presentes indesejados, pratos nunca usados, roupas absurdas, enfim); 2) o que pode permanecer como parte da herança – coisas que podem ser preservadas, porque são importantes ou documentam os estágios da vida familiar (fotografias, cartas de amor, talvez alguns desenhos históricos das crianças); 3) e o que é melhor que se dê logo um fim (fotos estranhas ou páginas de diários que seriam constrangedores se alguém, especialmente seus próprios filhos, pudessem vê-los).

Quem vai querer ler este livro? De acordo com a autora, o livro é perfeito para todas as idades: sempre que os armários começam a explodir ou as gavetas ficam cheias, é hora de fazer uma faxina, que inclusive faz bem à alma, mas a “limpeza da morte” pode começar a ser feita por aqueles que se aproximam do 65º aniversário.

A novidade deste projeto é que ele vai além do habitual “decluttering”. Primeiro porque coloca o acento sobre a morte, um tema que a maioria das pessoas evita considerar e, segundo porque o planejamento e a motivação desta limpeza, dá um sentido prospectivo entre o presente, o futuro e o além do futuro; liga a vida à morte e à vida que continua.

Ademais, vamos falar a verdade, dar fim às coisas materiais supérfluas e pensar sobre o que é realmente importante na vida é uma maneira racional, às vezes alegre, às vezes emocional, também de facilitar a vida daqueles que deixaremos com nossas tralhas acumuladas.

Podemos evitar brigas inúteis e também que os vivos falem mal da gente até quando morrermos, por termos deixado aos entes queridos tanta coisa para ser arrumada, jogada e limpada. Desse jeito, deixaremos como herança, rica ou pobre que seja, pelo menos o nosso sentido de leveza e sabedoria de vida. Vocês concordam?

Resumindo a teoria sueca de “Destralhar antes de Morrer”… em 5 Dicas:

1. Não tenha coisas que você não quer, porque alguém vai ter que tomar conta disso no futuro!

2. Tenha uma caixa em que guarda as coisas que devem ir para o lixo, mas não esqueça de colocar uma etiqueta com essa informação.

3. É bom estar sempre preparado para o “Death Cleaning”, porque você não sabe quando pode morrer.

4. Não é justo para as outras pessoas, deixar muitas tralhas pessoais.

5. Para quê ter tantas coisas, se quando morrer não poderá levar consigo?