SE EU PUDESSE CONVERSAR COM CLARICE LISPECTOR…

Se eu pudesse queria conversar com você Clarice Lispector, pela janela da minha sala escancarada, de robe e com meu cabelo ainda desgrenhado… bem cedinho. Eu daqui tomando um café fumegante acabado de ser passado no coador de pano e com uma bela fatia de bolo de fubá fumegante na mão, que certamente você me acompanhando do lado de lá da calçada e então te perguntaria: o que você faria na quarentena?

Como não posso, vou experimentar o que já sugeriu e pensar… “se eu fosse você, como seria e o que você faria neste período de isolamento?”… esta sua pergunta me provocou um novo olhar e me trouxe grandes reflexões sobre a que é importante na vida.

Vejo muitas coisas acontecendo pela televisão, os noticiários não falam de outra coisa é coronavírus pra cá, fique em casa e mortes pra lá… dia e noite. Uma explosão de estatística do mundo inteiro de hora em hora, instaurando um medo absurdo de pegar este vírus tão invisível, de fácil contaminação e tão devastador. A ansiedade desponta e me tira o ar.

“Melhor desligar a TV um pouco e viver, se atualize apenas uma vez ao final do dia, já basta. Aproveite a beleza e a simplicidade das pequenas coisas do seu dia a dia e respire fundo, apenas sinta a vida”, você aconselharia. E assim eu faço!

Ainda sem vacina ou algo para curar, nem sequer um remédio potente capaz de controlar a sua devastação em nossos pulmões, obrigou o mundo a parar… se isolar socialmente em suas casas e se protegerem a si mesmo e aos outros… Sim, o mundo inteiro parou… e continua parado, não sabemos até quando. Estamos numa pandemia. Uma guerra contra o invisível.

“Melhor se cuidar e relaxar, tenha paciência e esperança… Pode ler estudar, escrever… tente inovar e descobrir os prazeres da vida nas pequenas coisas, que a muito tempo você deixou de perceber por causa do corre corre e da vida atribulada. Aproveite melhor o tempo que tem agora, use e abuse dele, não desperdice esta chance. Será um grande aprendizado, vais ver.” você lembraria. E assim eu faço!

Percebo que tem governantes que resistiram um pouco a isto tudo no começo e foi devastador o resultado em seus países… Desta forma causaram mais sofrimento e mortes ao seu povo, assistimos isto com uma tristeza profunda, o que estes erros trouxeram…

“Ainda dá tempo de não cometermos o mesmo erro, afinal estamos vendo e temos mais tempo. Não queremos que isto aconteça por aqui também, não é verdade?”, certamente me alertaria. E assim eu pensaria e faço!

Mas aqui o que vejo chega a ser ainda pior, pois além do presidente não perceber a gravidade do momento que vivemos, faz pouco caso das nossas vítimas e das tantas mortes que agora só tendem a subir cada vez mais rápido. Tenta ainda desmoralizar tanto as recomendações da OMS, como dos nossos governadores dos estados brasileiros, que fazem imensas campanhas para conscientizar o povo, fiquem em casa…

Toda esta irresponsabilidade causa mais stress e gera um aumento nos problemas sociais, econômicos e políticos do país… além de estar na contramão, dando péssimos exemplos. Cada dia uma nova polêmica. Confunde a cabeça de muitas pessoas.

Pobre de nós brasileiros, enfrentamos duas guerras ao mesmo tempo a da vírus e o da incompreensão dos políticos que deveriam proteger o seu povo. Desestrutura seus Ministérios, dispara barbaridades nas redes sociais, fomentado por vaidades abaladas e incompatibilidade de pensamentos, onde muitos baseado na ciência pedem a todos que fiquem em casa, colaborem… enquanto poucos dizem temos que trabalhar agora. Vamos morrer mesmo, vira pano de fundo… as loucuras se juntam e mostram a sua cara… se destacando nas manchetes pelo mundo afora. Instauram-se o salvem-se quem quiser ou puder. E assim caminhamos, como sempre tentando sobreviver… na corda bamba e agora enfrentando uma pandemia.

“Acorde, você é quem faz as suas escolhas, não eles. A casa e a vida são sua, relaxe e fique em casa. Siga sua intuição e seus pensamentos. Procure em sua casa o que fazer, tem tantas coisas… redesenhe a uma rotina e que ela seja bem variada e criativa fazendo bem a você, tem que ser bem pensada. Inove, experimente coisas novas, descubra um sentido da vida pra você… Então relaxe, respire fundo e comece agora já”, assim voce aconselharia. E assim eu faço!

Tudo está de cabeça virada para baixo. Mortes, hospitais lotando… o sistema de saúde sufocado não está dando mais conta de tantos pacientes graves ao mesmo tempo. A morte ronda as UTI, muitas vezes esquecidas e sucateadas… com seus respiradores acabando. Estão todos correndo atrás do prejuízo causados por tanto tempo de descaso com os sistemas de saúde desabastecidos. E olha que tem muitos usando a criatividade e dando seus jeitos pra tentar melhorar ou sanar os graves problemas surgidos… Tentam todos cientistas, pesquisadores, técnicos num trabalho conjunto mundial, todos buscam sobreviver. Todos em busca de uma vacina que pode conter está pandemia. Mentes brilhantes juntam esforços.

Pedem para ficarmos em casa enquanto eles preparam os sistemas de saúde para que possa atender a todos os pacientes que irão precisar… correm contra o tempo.

Os médicos e o pessoal da saúde trabalhando incansavelmente nas linhas de frente arriscando suas vidas… nossos verdadeiros heróis agora.

Tudo está sendo adaptado. A maioria consciente da gravidade do momento faz o que é preciso. A vida está em primeiro lugar.

“Aproveite este momento como uma grande oportunidade de aprendizado para a sua vida. Recupere a leveza, a poesia e o encanto no que temos de mais simples e belo agora e no podemos ter agora… viver. Viva apenas isto”. ela me diria. E assim eu faço!

A economia mundial parou… empresas quebrando, desemprego em massa, meios de transportes restritos… os restaurantes só para entrega em delivery, escolas e todo o comércio fechados… só o que atende as necessidades estritamente básicas e essenciais de alimentação e saúde podem funcionar e com restrições de convívio social, com uso de máscaras e sem aglomerações.

Com a demora do dinheiro extra do governo a chegar no bolso dos realmente necessitados, a criatividade e a inovação tem acontecido e muita gente querendo ajudar.

Solidariedade tem surgido de muitas formas diferentes, todos lutam para sobreviver e ter o que comer… Ajudas vem de muitos lados e de formas diferentes.

“Tudo está diferente agora, temos que ter paciência e esperança… tudo vai passar, acredite… tenha fé, saiba esperar.”, me aconselharia. E assim eu faço!

A internet e às redes sociais são nossos aliados agora, bem vindos sejam… uma febre mundial que pode ser usados: para o “bem” melhorando os relacionamentos e com propostas de ótimas lives e demais projetos ao vivo… e para o “mau” com suas fake news e desatinos. Saber filtrar, ou seja, selecionar o que de fato nos importa é o deve ser visto e considerado, tem sido um grande desafio para todos nós.

Avós e netos foram separados, afinal tinham que proteger os idosos, que estão no grupo de risco… todos tinham que fazer a sua parte. Ao vivo não dá, mas a internet surgia como uma forma de interagir mais e se comunicarem pra contar como andam as coisas por aqui e ali.

Há muitos que acreditam na importância do isolamento social, do “fique em casa”, onde somos obrigados a mudar a rotina e tendo que conviver dia a dia com seus familiares. Atinge, aí, sua epifânia.

O que no começo não parecia tão difícil… era até divertido mas com o tempo tiveram que se (re) descobrirem… e o que parecia ser bom e diferente começou a desandar e a incomodar. Os relacionamentos quando se obrigam a ter uma maior convivência diária como agora, tem se mostrado uma verdadeira turbulência, sendo retratadas com intensidade todas as formas do relações humanas. Respeito ao outro e as diferenças se faz necessário, mas o difícil é ser aplicado.

Muitos tem se aproximado e se redescoberto como algo prazeiroso e em coisas que haviam sido esquecidas, são resgatadas… e despertando, para algo melhor ainda pra levar no futuro… enquanto outros se desalinham, se atacam, se matam e se destroem na certeza que não dão mais certo nesta convivência. E agora José?

“Esta se sentindo entediada com seu papel de esposa/marido e mãe/pai de família, filho pequeno ou adolescente dentro de casa?… Chegou a relaxar em suas tarefas diárias, sentir que não queria mais fazer isto assim ou assado… Hora da verdade, de repensar o que é importante pra você na vida… o que te faz feliz?Hora de parar e reprogramar.”. me perguntaria. E assim eu faço!

Há outros os que não acreditam nisto e desafiam a sua vida e dos demais… como que numa cegues e surdez destemida, fazendo diferente do que é preciso ser feito.

“Será que precisava de algo assim, pra fazer você despertar pra vida? Muitas coisas passam por nós despercebidas e adormecidas, quando vem algo, como uma bofetada e nos desperta enfim, ela chegou. O que realmente é importante pra você ser feliz na vida?”. me perguntaria você. Eu sei!

E eu te diria, não quero morrer agora, quero aproveitar bem o tempo que ainda tenho para viver e ser feliz. Tenho sonhos e muitos planos, estão sendo apenas adiados… e em breve retornarei firme e forte, cheia de saúde e amor pra dar e receber.

Me aguardem, tudo passa! Paciência e otimismo foram sempre a minha bandeira, e não será diferente agora.

Estou em casa á mais de um mês, aproveitando as pequenas coisas que a vida me dá e feliz por estar com saúde e de bem com a vida.

Sinto-me muito bem.

Veja também: https://oterceiroato.com/2020/04/15/sou-o-que-quero-ser/. https://oterceiroato.com/2020/03/25/saudades-dos-velhos-tempos/

11 comentários sobre “SE EU PUDESSE CONVERSAR COM CLARICE LISPECTOR…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s