PRECISAMOS COMPREENDER, ELABORAR O LUTO E REINVENTAR A VIDA.

espiritismo 2“O luto por quem amamos é sempre eterno, assim como as saudades e as lembranças de tudo que compartilhamos”. Autor Desconhecido.

Falar de perda, luto e morte é um assunto pra lá de sério… e sempre evitado. É tocar em sentimentos profundos de pessoas que – como crianças – estão precisando reaprender a trocar os primeiros passos sem a companhia de alguém amado.

Despedir-se de um ente querido- e de forma tão definitiva – é sempre um momento de dor profunda e quanto maior o vínculo maior a dificuldade de continuar a vida, especialmente quando perdemos alguém que a gente vê como esteio, âncora, refúgio, fonte de amor, esperança para o futuro e …

É difícil entender e aceitar. Meu pai sempre foi muito doente, sempre que me entendi por gente, mas quando ele piorou, a franqueza dos médicos e vários dias de hospital não me prepararam para a perplexidade de quando ele partiu. O sentimento era de não ter sido avisada (ou preparada) para o fato. Isso eu não sabia… Tempos depois, compreendi que o processo de negação em que estava mergulhada não me permitia pensar na finitude de um homem jovem, alto e forte. Nunca estaremos preparados! Já faz tanto tempo… sinto muitas saudades!

Perdas acontecem durante toda a nossa vida… começo a repensar qual o sentido da vida… Vida e Morte… Importante refletirmos sobre ela e como podemos elaborar este processo de luto dentro de nós. Este artigo da psiquiatra  Elisabeth Kubler-Ross tem este objetivo. LUTO 3

A elaboração do luto é um processo individual.

Cada um tem seu jeito e seu tempo para elaboração do luto.  É difícil viver a tristeza da perda em uma sociedade que não compreende e que não permite. A expressão de dor é comumente reprimida e rebatida com mensagens de otimismo na expectativa de que a pessoa saia rápido desse quadro.

Até entre profissionais de saúde encontramos dificuldades de compreensão e acolhimento da tristeza do luto. É mais tranquilo, para alguns, trazer para sua especialidade e enquadrar a pessoa em algum diagnóstico como crise de ansiedade e outros.

Nem toda tristeza é depressão. Nem toda pessoa triste precisa ser medicada. Não se deve rotular as pessoas ou criar diagnósticos para o luto. É preciso compreender e respeitar. É preciso aprender a silenciar e ouvir.

O que pode ajudar?

Há vários conceitos em torno da morte, filosóficos, culturais, religiosos. Para muitos a morte não é o fim, é apenas um processo de mudança. Ter uma religiosidade pode contribuir para que o processo de luto seja menos doloroso, mas sempre exigirá uma adaptação e um renovação para a vida. Eu, pessoalmente gosto muito da filosofia espírita e confesso que me traz um conforto grande.

Tudo passa são duas palavras de muita sabedoria, mas é preciso de um tempo para voltar à rotina e nos interessarmos pelas coisas como antes. “Lidar com perda é uma experiência humana, mas cada um de nós lida de forma singular. Só você sabe o que você passa, mas poder contar com o apoio dos outros faz com que esse tempo — que de certa forma temos que esperar passa quando perdemos alguém — seja um tempo ao menos com um bom colo pra deitar.

fases do luto.png

As fases do luto: (serve para qualquer tipo de perdas também)

Quando perdemos alguém ou algo importante na nossa vida, passamos por um período de adaptação para elaborar essa perda até voltarmos a nos interessar como antes pela nossa própria vida. Podemos pensar, em linhas gerais, em 5 fases de luto.
Para a psiquiatra Elisabeth Kubler-Ross estas cinco as fases do luto não são iguais para todos e nem acontecem de maneira linear. Cada um tem seu tempo para vivenciar as fases. Mas acreditem, tudo passa!

Saber disso pode ajudar você a compreender que seus sentimentos e que suas reações são mais comuns que você pensa. Leia:

1. Negação e Choque.

Essa é a primeira fase do luto, quando ainda está difícil para entender e aceitar a realidade da perda. Sabemos que o fato aconteceu, mas é difícil tocar no assunto ou imaginar que não vai mais ver a pessoa, que ela não responderá às suas mensagens ou não atenderá seus telefonemas. Fugimos então… não acreditamos que não esteja realmente acontecendo conosco.

2. Raiva.

Essa fase também é fácil de identificar. É quando a gente se revolta com o mundo e não se conforma com o que está acontecendo. A raiva pode ser para si mesma, para a pessoa que nos deixou, para o médico ou hospital, e até para Deus que permitiu o fato.

3. Negociação ou Barganha.

É quando imaginamos que uma atitude diferente da nossa parte poderia ter tido um resultado diferente e a pessoa poderia ainda estar conosco. Podia ter levado antes ao médico, não ter permitido que saísse aquele dia, ter conversado mais, ter falado sobre atitudes preventivas… podia ter cuidado mais… percebido melhor suas necessidades.

4. “Depressão”.

Essa é a fase mais profunda do luto, é quando a ficha cai e temos que encarar a realidade que nada nos devolverá o convívio com a pessoa querida. Nessa fase podemos sentir cansaço, falta de apetite, insônia, muita tristeza, isolamento social, dormência emocional. Sentimos fisicamente tudo.

Essa é uma reação natural à perda, não podemos confundir com depressão de um diagnóstico clinico.

5. Aceitação.

A própria palavra já antecipa seu sentido. Nessa fase compreendemos e aceitamos a perda. Podemos sentir saudade e tristeza, mas já visualizamos esperança na vida, no futuro e possibilidades de coisas novas em nossas vidas.

luto 2

Tudo tem seu tempo… Tudo passa!

“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou; Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar; Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar; Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar; Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora; Tempo de rasgar, e tempo de cozer; tempo de estar calado, e tempo de falar; Tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz”. (Eclesiastes 3:1-8)

Quanto mais vivemos mais acumulamos perdas:

Aos 20 anos sentávamos no mastro da escola, ouvindo Raul Seixas e rindo à toa. Nossa família era completinha e não tínhamos noção de todos os desafios que teríamos que enfrentar. Hoje, aos 64 anos tenho outra visão: foram tantas as perdas e tão difíceis!! (Terezinha Telma Murça Bendinelli).triste-chorando-olho-lagrima_2-11-17Se você viveu mais de 50 anos é certo que perdeu muitas pessoas queridas, essa é uma condição natural para os que tem o privilégio do envelhecimento.

A morte é um processo natural, mas o luto dói, corta e alma, faz a vida perder o sentido. E à cada perda revivemos a dor de outras partidas.  E precisamos inventar, reinventar, reinventar e reinventar nosso jeito de levar a nossa.

Para isso precisamos de ajuda!! Precisamos sentir que não estamos sós e que temos uma rede de amigos, familiares e profissionais de saúde de apoio. Precisamos cuidar do corpo, buscar atividades físicas, de relaxamento, massagens, passeios, que nos permita vivenciar, elaborar o luto e reiniciar, continuamente, a nossa jornada com amor, coragem e fé! Assista este vídeo… Maturidade Espiritual: Mestre o que é…? :

Fonte: http://viverdepoisdos50.com/2018/02/precisamos-compreender-elaborar-o-luto-e-reinventar-vida/

Para pesquisa: Mariana Farinas (http://www.psiconlinews.com/2015/05/5-fases-luto.html) – Foto de Capa: Pixabay

 

Anúncios

Um comentário sobre “PRECISAMOS COMPREENDER, ELABORAR O LUTO E REINVENTAR A VIDA.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s